10 bizarros hábitos sexuais dos animais

Publicado em 14.07.2012

Temos que admitir: os seres humanos podem gostar de esquisitices na cama.

Mas espero que não seja nada parecido com o que certos animais fazem.

Confira 10 histórias sobre hábitos sexuais de animais:

1 – “Faça amor, não faça guerra”

Os bonobos que o digam. Esses parentes dos seres humanos são muito parecidos conosco sexualmente – eles se beijam, se masturbam, praticam sexo oral, masturbação mútua, etc. Por serem muito sexuais, eles são bastante pacíficos – não necessariamente nosso caso. O sexo é praticamente a “chave social” dos bonobos: eles fazem sexo para comemorar, para resolver conflitos, para trocar favores (como alimentos), enfim… Praticamente um bando de hippies (no bom sentido).

2 – O coração esportivo

Os machos da ave marinha conhecida como fragata, ou fregata (da família Fregatidae), possuem um saco gular vermelho que eles utilizam em seus rituais de acasalamento. Para conquistar a fêmea, eles incham esse saco em forma de coração, enquanto a fêmea vai atrás do que tiver o maior e mais brilhante – caso às vezes semelhante ao da espécie humana, em que as fêmeas podem fazer suas escolhas baseadas no maior saco (de dinheiro) do macho. A diferença é que os machos da ave, enquanto acasalam, tampam os olhos das fêmeas com suas asas para impedir que ela o troque por um macho com um saco maior. Ops, eu falei “diferença”?

3 – A rainha manda

Depois de ter sido alimentada com uma espécie de “gosma” nutritiva por seus súditos, a abelha rainha (até então virgem) atinge a maturidade sexual. Assim, ela ganha o direito de escolher uma dúzia de abelhas machos do seu grupo de centenas para servir como seus pretendentes. A sorte da abelha fêmea acaba aí. Durante o acasalamento, os órgãos genitais do macho explodem dentro da rainha, garantindo a paternidade literalmente alojada dentro dela. É claro que ele não vai sobreviver a isso – mas acho que muito macho prefere a morte a ter que viver sem seu bicho de estimação.

4 – Incesto? Não, não… Normal!

Para o parasita Pyemotes tritici, sexo é uma atividade vale-tudo. O ácaro nasce picando e chupando os fluidos corporais da mamãe, e já sexualmente ativo. Como eles não passam uma oportunidade sequer, seus colegas recém-nascidos são parte legítima do negócio. Como eu já disse, vale tudo. Só não ficamos mais chocados porque eles são microscópicos o suficiente para a vista grossa humana.

5 – Pornô para panda

Pandas são animais temperamentais. Com eles, não é só querer, que tá garantido – como acontece com os bonobos – e não vale tudo – bem diferente dos ácaros. Enfim, como espécie em extinção, os pandas precisam muitas vezes procriar em cativeiro para repovoar sua população. Mas questão de vida ou extinção não é suficiente para eles – sem algum estímulo, não vai; eles não demonstram interesse em sexo.

Preocupados, cientistas tiveram a ideia de implementar uma espécie de “pornô para pandas” para incentivar o acasalamento entre esses ursos. Durante uma pesquisa na China, a iniciativa se mostrou um sucesso. (Sou só eu, ou vocês também estão imaginando como seria um pornô para pandas?).

Enfim, talvez não seja a imagem de dois pandas fazendo sexo. Isso porque a motivação do panda vem da competição. Na natureza, os machos se reúnem em torno de uma fêmea e competem por uma chance de acasalar, altura em que os níveis do seu hormônio sexual testosterona aumentam em seu sangue. Em zoológicos e reservas, essa falta de concorrência pode ser problemática.

6 – A origem da depravação

Um dos símbolos da fofura, o golfinho é divertido, dá pulinhos, parece dócil… Doce é a ilusão. O golfinho é um dos animais mais ativos sexualmente no mundo – reza a lenda que, comprovadamente, é o único animal além de nós que faz sexo por puro prazer.

Até aí, tudo bem. O problema é que o golfinho não tem o que chamaríamos de “limite” – o animal encara qualquer coisa, até
objetos inanimados e tartarugas marinhas. O pênis do golfinho é capaz de – literalmente – agarrar as coisas, tornando-se uma espécie de “aparelho exploratório”.

Eles participam de orgias, podem ser homossexuais, curtem brinquedos sexuais, como gravetos e ossos. Nada disso assusta tanto quanto o fato de pesquisas revelarem que eles podem ser assassinos doidos. Já foi provado que eles podem abusar sexualmente e matar sua própria espécie (machos, fêmeas, jovens ou velhos), e até seres humanos, se tiverem a chance. Para nós, entretanto, eles não seriam bons amantes, já que levam 12 segundos para finalizar a obra.

7 – Confusão de identidade

O peixe-palhaço pode mudar de sexo. Em sua sociedade, eles são classificados em três grupos, de acordo com seu tamanho (de maior para o menor): a fêmea, o macho reprodutor, e o macho não reprodutor. Quando a fêmea morre ou é capturada, o macho reprodutor muda de sexo, e o não reprodutor é “promovido”. Espera aí, tem alguma coisa errada… Caso você esteja se perguntando como isso é possível, troca de sexo não é exclusiva do peixe-palhaço – por exemplo, na galinha, tudo que é preciso é uma disfunção do ovário. Quando embrião, a galinha tem dois órgãos sexuais e apenas o da esquerda se desenvolve em um ovário – o da direita permanece dormente. Se um tumor, por exemplo, regredir o ovário esquerdo em uma galinha, o órgão sexual direito, até então adormecido, pode começar a se desenvolver – e caso se torne um testículo, tcharam! A galinha vira galo. Já no caso do peixe-palhaço, a transformação é hormonal e ocorre como resposta a uma necessidade de determinado momento ou colônia.

8 – Fazer sexo com o olhar

“Despir com os olhos” tem outro significado para os caracóis. Isso porque eles têm uma espécie de “dardo de esperma” atrás dos olhos, onde guardam seus órgãos genitais. Apesar de hermafroditas, nada de “autossexo” para eles. O negócio não é se virar sozinho, mas sim combinar com um coleguinha para ficarem “grávidos” ao mesmo tempo. Eles se “injetam” ao mesmo tempo, e podem por de 100 a 300 ovos por vez.

9 – Sexo selvagem

Para o pato, sexo não é coisa simples: ambos os machos e as fêmeas têm genitália incomum. Enquanto os machos têm pênis em forma de saca-rolhas, as fêmeas têm tratos vaginais labirínticos com um número de “becos sem saída” que não conduzem ao útero – uma frustração que provavelmente levou os patos a serem meio “violentos”.

Os machos tentam, muitas vezes agressivamente, acasalar com as fêmeas. Elas, por sua vez, mesmo sendo violentadas,
evoluíram a capacidade de fechar seu trato reprodutivo verdadeiro (no meio do já citado labirinto) ao esperma de parceiros indesejados (esse não, ele não tem um emprego bom e não gosta de cinema).

Algumas patas também parecem ser capazes de dizer se seu parceiro é saudável. Pesquisas mostram que patos machos têm sêmen antibacteriano, e quanto mais fluido antibacterial tem no seu esperma, mais brilhante a cor do seu bico é. As fêmeas provavelmente usam essa cor como uma indicação visual para escolher um parceiro e evitar doenças. O que seria dos humanos se fosse fácil assim dizer quem tem DSTs…

10 – Xixi do amor

Um certo odor na urina da girafa demonstra se a fêmea está no cio ou pronta para acasalar. O macho, então, cheira ou – normalmente – prova essa urina. O problema é que nem sempre os “girafos” esperam a fêmea urinar. Porque não golpear suas ancas e fazê-la urinar? Assim, o cortejo pode acontecer mais rápido.

Bônus: Os maiores pênis do reino animal

A espécie de lesmas terrestres chamada de Ariolimax dolichyphallus tem um pênis do mesmo tamanho que seu corpo inteiro – 15 a 20 centímetros. É como se seres humanos tivessem pênis de 170 centímetros, em média. Como elas são hermafroditas, todas possuem o órgão reprodutor masculino. Na hora de acasalar, elas precisam encontrar parceiros com pênis menores do que os seus, para que não fiquem presos durante a cópula – ou terão que arrancá-lo. Auch!

O pato argentino é outro que tem um pênis maior do que pode aguentar: aproximadamente 42,5 centímetros, maior do que a própria ave. Já as cracas, aquelas criaturas que se parecem com pedras e ficam afixadas em navios e baleias, têm pênis até 8 vezes maiores que seu corpo. E, se um não é suficiente, as serpentes do gênero Python têm dois, enquanto a equidna, um pequeno mamífero, tem quatro.[PetFriends, Listverse, MetamorfoseDigital, GirafaMania]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

12 Comentários

  1. Galo tbm bota ovo chamam-no de “galo capão” ñ sei ao certo o porque mas eu já vi um ovo de galo, na minha casa tinha um galo velho sózinho , preso num galinheiro, e um dia apareceu um ovinho lá. Tinha a casca mole, c\ pouco calcio, ñ tinha gema só a clara, foi a maior zueira, aí meu pai falou q tbm já tinha visto isso acontecer na fazenda dele quando ele era pequeno.

    Thumb up 6
  2. Panda não é urso.
    Aplicar padrão humano de moralidade sobre os animais (principalmente ácaros e amebas) não faz nenhum sentido.

    O site é muito bom, apesar de eventuais “escorregadas”.

    Thumb up 1
  3. “reza a lenda que, comprovadamente, é o único animal além de nós que faz sexo por puro prazer.”??????
    E os bonobos, você citou como primeiro exemplo, depois fala que só humanos e golfinhos fazem sexo por prazer…
    As fêmeas bonobos, assim como os golfinhos e humanos não têm cio.

    Thumb up 14
  4. Pô, guria, qual é a tua em associar a homossexualidade com depravação??? O pensador grego Sócrates morreu nos braços de seu amado, o general Alcebíades, de 27 anos, ao lado da mulher Chantipa!

    Thumb up 8

Envie um comentário

Leia o post anterior:
Darwin___I_think______by_kilrizzy
O que é Seleção Natural?

A seleção natural é ...

Fechar