10 estranhas criaturas marinhas que você provavelmente não conhece

O fundo do mar está cheio de criaturas tão estranhas que nem parecem ser deste planeta. Até seres que normalmente já são peculiares, como águas-vivas e lesmas do mar, ficam ainda mais esquisitas em ambientes extremos. Veja algumas delas:

10. Benthic ctenophora

Os mais famosos exemplares deste filo são a carambola-do-mar ou águas-vivas-de-pente, que têm pentes formados por cílios utilizados para nadar. Há, porém, algumas espécies que não tem cílios e não nadam. Eles rastejam lentamente pelo fundo do mar, com a boca para baixo.

Com dois grandes chifres, eles parecem uma mistura entre lesma do mar e orelhas de coelho. Outras espécies menores são transparentes e se camuflam muito bem, enquanto outras passam a vida toda coladas ao corpo de estrelas do mar.

9. Melibe leonina

Esta lesma do mar é uma predadora que tem um “capuz oral” expansivo e com tentáculos que usa para capturar suas presas. Seu corpo é translúcido e ela tem uma cor amarelada ou esverdeada, com divertículos marrons.

Seu alimento, pequenos peixes e camarões, não a veem quando estão nadando, e se deparam com uma surpresa desagradável. Um fato estranho sobre essas lesmas é que quando são retiradas da água, exalam um cheiro frutado. Um grupo de leoninas é chamado de “buquê”, pela semelhança com o conjunto de flores.

8. Água-viva Chapéu

Ao invés de ter longos tentáculos pendurados abaixo de seu corpo em formato de guarda-chuva, a água-viva Chapéu, a Periphylla periphylla, tem tentáculos grossos e duros que ficam na parte da frende de seu corpo quando ela nada. Eles capturam pequenos peixes e os queimam antes deles acabarem na sua cavidade digestiva.

Evitando a luz, elas geralmente rondam a profundidade de 1000 metros abaixo da superfície do mar, mas números enormes delas podem acabar na superfície durante a noite. Quando isso acontece, são consideradas pestes invasivas de alguns litorais. Acredita-se que por conta de sua coloração roxa escura, muitos predadores não a enxerguem, mesmo quando consomem presas bioluminescentes.

7. Xyloplax

Crédito imagem: Wikipedia Commons

A última coisa que você esperaria de uma estrela do mar é que ela viva em árvores. Mas é exatamente isso o que acontece com a Xyloplax. Também chamadas de “margaridas do mar”, elas são pequeninas e com formato arredondado que lembra pétalas de flores. Elas são encontradas aos milhares nas profundezas do oceano, na região da Nova Zelândia.

Este é um lar muito estranho para um animal que se alimenta exclusivamente de madeira, como o cupim. Mesmo assim, não deveríamos nos alarmar com a ideia de que há uma enorme quantidade de madeira em decomposição – pequenos pedaços de galhos a árvores a troncos inteiros – que afundam no mar. Acredita-se que elas se alimentem das bactérias ou de outros produtos da madeira, mas ainda não sabemos muita coisa sobre este pequeno equinodermo.

6. Pterotráquea

Este animal chega a ser engraçadinho de tão esquisito. Ele tem formato de salsicha, é transparente e tem dois olhinhos redondos pretos e uma tromba. Esta é outras espécie bizarra de gastrópode, às vezes chamada de “elefante marinho”. Ela é uma lesma marinha com uma minúscula concha interna.

Ao contrário da maioria das lesmas, a Pterotráquea é uma predadora visual muito eficaz. Seus olhos avançados que funcionam como um telescópio permitem que ela veja as menores presas que estão circulando na água. Aí ela suga a água pela tromba. Elas nadam de costas, provavelmente para surpreender sua presa.

5. Ramisyllis multicaudata

Crédito imagem: New Scientist

A minhoca marinha R. multicaudata pode ser um dos animais com corpo mais estranhos do reino todo. Ela tem apenas uma cabeça, mas várias caudas que saem do corpo. Sua cabeça fica no centro do corpo.

Ela vive nas esponjas, e ainda não ficou claro se é uma parasita ou se existe mutualismo.

4. Crustáceos de golfinho

Crédito imagem: Dr. Mariano Domingo/Universidade de Barcelona

Os Cirripedia são crustáceos marinhos que incluem as cracas e percebes. A maioria deles vive em rochas ou animais lentos, como baleias e tartarugas, mas uma das espécies tem predileção por viver grudada nas barbatanas dos golfinhos.

Seus corpos longos e moles ficam pendurados no hospedeiro mesmo quando ele salta e mergulha no mar, com um órgão que funciona como âncora e que fica preso de forma profunda na pele do animal. Eles se alimentam de plânctons da água, e gostam de morar nos golfinhos por conta da proteção que isso oferece. Afinal de contas são poucos predadores de crustáceos que conseguem perseguir um golfinho.

3. Stauromedusae

A Stauromedusae é uma água-viva que adotou um estilo de vida mais parecido com seus primos distantes corais e anêmonas. O que normalmente seria o topo do corpo em formato de guarda-chuva, nela há uma poderosa ventosa que permite que ela se agarre a rochas e algas.

Seus tentáculos tóxicos contam com oito pompons localizados no final de braços curtos, que o animal usa para agarrar e segurar presas. Ela consegue se mover livremente, se agarrando ao substrato, ou simplesmente se deixando levar pela correnteza.

2. Vermes fita

https://www.youtube.com/watch?v=2mfwNYbLy_4
Esses vermes são encontrados nos oceanos e também nos quintais das casas, mas neste último caso são geralmente muito pequenas. Quase todas essas criaturas são carnívoras.

Elas procuram por animais mortos ou caçam presas vivas, que eles matam com uma picada venenosa, cuspe ácido ou secreções tóxicas. Muitas têm probóscides enquanto outras podem abrir suas bocas como uma cobra e engolir alimentos tão grandes quanto elas próprias.

Algumas espécies estão entre os animais mais longos do mundo, chegando a atingir 60 metros quando esticadas.

1. Minhocas da árvore de Natal

As Spirobranchus giganteous vivem a vida toda no mesmo local, escavado em uma rocha ou coral. Elas são apelidadas de árvores de Natal por conta da estrutura utilizada para filtrar a água do mar em busca de plânctons. Esses apêndices de alimentação também funcionam como guelras. [Listverse]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)
Curta no Facebook:

Deixe uma resposta