8 Exemplos da evolução em ação

Publicado em 21.11.2011

A evolução é uma das maiores descobertas científicas de todos os tempos. Frequentemente, biólogos têm achados surpreendentes: há tantas evidências a favor da evolução, que argumentar contra ela é como negar que há uma lua no céu. Confira oito exemplos, entre muitos, da evolução em ação:

1 – Mariposa

Originalmente, a grande maioria das mariposas da espécie Biston betularia tinha uma coloração clara, que era uma boa camuflagem contra predadores. Antes da revolução industrial, uma variante escura da mariposa contava como 2% da espécie.

Depois da revolução industrial, 95% das mariposas passaram a ter coloração escura. A melhor explicação para essa mudança é que as mariposas claras perderam sua vantagem de camuflagem conforme as superfícies claras foram escurecidas pela poluição, e elas foram comidas por pássaros com mais frequência. Esse é um exemplo de uma grande mudança em uma espécie, causada por mutações levando à variação e seleção natural.

2 – Lagarto australiano

Especiação, a formação de uma nova espécie de uma espécie ancestral, envolve muitas mutações levando a mudanças significativas. Uma espécie de skink, Saiphos equalis, é um lagarto da Austrália que parece estar submetido a mudança de por ovos para dar a luz a um filhote vivo.

Uma vez que estes skinks podem tanto pôr ovos quanto dar à luz, os cientistas tiveram uma boa oportunidade de estudar as adaptações necessárias para o nascimento vivo.

Embriões skink envoltos em um ovo tem uma fonte extra de cálcio que os skinks nascidos vivos não têm. Essa diferença nutricional é compensada pela mãe, que secreta cálcio extra para os jovens detidos dentro dela. Isto parece ser o primeiro passo no caminho para o desenvolvimento de um sistema como a placenta dos mamíferos.

Skinks que vivem na costa tendem a pôr ovos, provavelmente porque o clima quente é previsível e suficiente para o desenvolvimento embrionário. Skinks que vivem nas montanhas mais frias tendem a dar à luz filhotes vivos, já que o corpo da mãe proporciona uma temperatura mais estável.

É de se prever que estas duas populações, em algum momento, se separem em diferentes espécies, e cada população se torne fixa na sua estratégia reprodutiva. Isso levanta uma pergunta comum em criacionistas: se o homem evoluiu do macaco, por que ainda há macacos? No caso dos skinks, seriam duas espécies formadas: uma que põe de ovos e uma que tem parto. Cada uma delas seria mais adequada para seu habitat. Cada um é adaptado ao seu nicho.

3 – Mexilhões e caranguejos

Evolução acontece muitas vezes em conjunto: um predador desenvolve um método de caça melhorado, e quaisquer mutações que aumentem a capacidade de sobrevivência serão selecionadas para levar a uma mudança na população de presas.

Nós não temos que esperar um predador evoluir para observar uma mudança, no entanto, já que os humanos transportam espécies por todo o mundo, e assim podemos observar interações entre novas espécies.

O caranguejo da costa asiática (Hemigrapsus sanguineus) é uma espécie invasora na Nova Inglaterra, que se alimenta do mexilhão azul nativo. Recentemente, foi observado que os mexilhões, quando detectam caranguejos asiáticos, desenvolvem escudos mais grossos para impedir os caranguejos de comê-los.

Este comportamento é difícil para os mexilhões, e por isso é fortemente regulamentado. O fator evolutivo aqui é que apenas os mexilhões de regiões onde os caranguejos asiáticos são endêmicos engrossam suas costas. Os de outras regiões não detectam os caranguejos como uma ameaça.

4 – Lagartixa italiana

Em 1971, dez lagartixas italianas (Podarcis sicula) foram introduzidas na ilha de Pod Mrčaru, a partir de uma ilha vizinha. Elas foram deixadas lá ao longo de décadas, para serem comparadas com a colônia de onde foram tiradas.

As lagartixas de Pod Mrčaru prosperaram e se adaptaram à nova ilha. Elas mudaram de uma dieta principalmente insetívora a uma pesada em vegetação. Esta mudança de dieta parece ter impulsionado outras mudanças dramáticas nos animais.

A cabeça das lagartixas de Pod Mrčaru são maiores, e tem uma força de mordida muito maior. Essas são adaptações chave para lidar com as folhas que mascam. O sinal mais emocionante da evolução é o desenvolvimento de músculos usados para separar porções do intestino. Eles servem para diminuir a passagem do alimento através do intestino e dar tempo para as bactérias quebrarem o material vegetal para a absorção. Este é um desenvolvimento inteiramente novo na lagartixa italiana, e uma grande adaptação.

5 – Sapo-cururu

O sapo-cururu na Austrália é provavelmente uma das espécies invasoras mais famosas do mundo. Ele faz imenso dano à agricultura e as espécies nativas.

A Austrália é grande, e leva tempo para uma espécie invasora se espalhar. Os sapos na frente dessa onda de invasão provavelmente são os melhores adaptados para se espalhar mais rápido. Quando os sapos na frente da onda de invasão foram estudados, os pesquisadores descobriram que eles eram maiores, mais resistentes, tinham pernas mais longas que permitiam maior velocidade, e eram mais ativos. Como resultado destes tipos de adaptações, a taxa em que os sapos-cururu se espalham tem aumentado desde que eles foram introduzidos.

6 – Tentilhões

Lembra das observações de Darwin sobre a adaptação entre os tentilhões das ilhas Galápagos? Estes tentilhões ainda estão ajudando a evolução a ser entendida. Peter e Rosemary Grant estudaram os tentilhões em uma das ilhas Galápagos, e observaram a mudança evolutiva causada pela concorrência direta de duas espécies rivais.

A espécie Geospiza fortis estava bem estabelecida na ilha de Daphne, e tinha sido estudada em profundidade. Seu bico era perfeitamente adequado para quebrar nozes grandes. Em 1982, a espécie maior Geospiza magnirostris, de uma ilha vizinha, chegou. Estes tentilhões maiores poderiam afastar os tentilhões médios de sua terra natal e comer todas as nozes de grande porte. Durante o período de estudo, os tentilhões médios da ilha de Daphne desenvolveram bicos menores e mais adequados para nozes menores, ignoradas pelos tentilhões invasores.

7 – Borboleta lua-azul

Estudar a evolução pode levar décadas, mas ocasionalmente a mudança acontece incrivelmente rápido. A borboleta lua-azul (Hypolimnas Bolina), das ilhas Samoa, estava sendo atacada por um parasita que destruía seus embriões do sexo masculino.

Isso levou a um desequilíbrio entre os sexos, até que os machos representaram apenas 1% da população da borboleta. No entanto, dentro de dez gerações (cerca de um ano), o sexo masculino voltou a contar por 40% da população. Isto não é porque o parasita desapareceu; ele ainda estava presente, mas não era mais letal aos embriões do sexo masculino.

Este caso mostra como uma mutação que dá uma vantagem pode rapidamente se espalhar por toda uma população. Qualquer macho com a capacidade de sobreviver à infecção seria capaz de acasalar com um grande número de fêmeas, devido à escassez de outros machos, e espalhar sua imunidade através de seus genes.

8 – Evolução em laboratório

Conforme cresce uma enorme variedade de patógenos resistentes aos medicamentos, nós aprendendo que a evolução é mais fácil de ser observada em espécies que trocam rápido de geração.

Desde 1988, no laboratório de Richard Lenski, a evolução de uma linhagem ancestral única para doze populações de E. coli foi estudada. Desde então, mais de 50.000 gerações de E. coli vieram e se foram, e as diferenças entre as populações, e entre cada população e a estirpe ancestral foram documentadas.

Com amostras de cada população tiradas regularmente, as mudanças genéticas acumuladas puderam ser acompanhadas com facilidade. Ao longo do tempo, as bactérias se tornaram muito mais eficientes em crescer nas condições utilizadas no laboratório. O estudo forneceu evidências de como a evolução realmente ocorre. Uma das populações desenvolveu a capacidade de utilizar o citrato como nutriente, algo de outra maneira desconhecido em populações E. coli em condições semelhantes.[Listverse]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

545 Comentários

  1. É sempre a mesma história. Sempre que se escreve algo sobre evolução aparece um monte de religiosos inconformados atacando e criticando, como nos comentários acima. Insistem sempre nos mesmos e manjados argumentos de sempre: Não existem intermediários, as mariposas continuam mariposas, evolução não é ciência, e por aí vai. É inútil argumentar com essa gente e repetir aqui as mesmas refutações de sempre. Mas uma coisa é certa, os dados do mundo não vão mudar porque contraria os dogmas religiosos de quem quer que seja. A natureza continuará não dando a mínima para suas crenças. O máximo que poderão fazer é aquilo que sempre fizeram: Continuar com suas tentativas patéticas de distorcer as evidências para que elas se enquadrem nos seus dogmas eternos e imutáveis. Amém.

    Thumb up 1
  2. “A evolução é uma das maiores descobertas científicas de todos os tempos. Frequentemente, biólogos têm achados surpreendentes: há tantas evidências a favor da evolução, que argumentar contra ela é como negar que há uma lua no céu. Confira oito exemplos, entre muitos, da evolução em ação”

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK, num resisti a essa afirmação bizarra… Desde quando teoria é descoberta? E onde estão evidências palpáveis, concretas dela? De um acestral primitivo a evolução trouxe a existência todos esses milhões de espécies, vivas ou extintas, mas, contrariando a teoria, ñ se vê em lugar nenhum uma variedade de elos de transição, que deveriam ser superabundantes, ñ há um elo sequer!
    A gnt olha os fósseis, e vê espécies já desenvolvidas, por vezes semelhantes as de hoje!
    Fala sério meu povo, mais respeito com a ciência, a área de mitologia é outra rs

    Thumb up 6
    • Juca eu descordo de você em muitas questões. Bom primeiro, onde estão as evidências palpáveis? Acho que você não compreende muito bem a teoria de Darwin. A Evolução é um processo extremamente lento, não é como um pokemon que se transforma do dia para noite, leva-se milhares de anos para que ela ocorra. Já ouviu falar no famoso fóssil do arqueoptérix? Esse gênero que possui um único representante (Archaeopteryx lithographica) apresenta caraterísticas de repteis com presença de penas, o que demonstra o elo de transição entre essas classes.

      Tem um vídeo bastante legal sobre os ancestrais da baleia, mais uma evidência pra você:

      http://www.youtube.com/watch?v=PhYHBFLgq74

      E toda teoria é sim um meio de “descoberta”. Darwin através de inúmeras observações sobre o ambiente a sua volta foi capaz de “descobrir” o processo evolutivo dos seres vivos. Claro que como toda teoria pode ser questionada e derrubada, o modelo atômico já sofreu várias alterações. Gosto de sitar uma frase muito interessante de um geneticista russo que ilustra bastante isso:

      “Nada em biologia faz sentido senão sob a luz da evolução”.
      Theodosius Dobzhansky

      Thumb up 3
    • Caramba, nunca vi tantas falácias em um mesmo comentário.
      1- você não sabe o que a palavra teoria quer dizer.
      2- você pede por elos de transição, o que é ridículo (mas se quiser, leia “A história de quando éramos peixes” de Neil Shubin).
      3- o que você queria ver nos fósseis? Meio bicho?
      É só estudar cara, te garanto que não dói.

      Thumb up 8
  3. alguém tem duvida que os mamíferos possuem um ancestral comum aos reptéis, se voces não acham isso por favor leiam mais

    Thumb up 4

Envie um comentário

Leia o post anterior:
aumento-da-diabetes
Diabetes pode causar atrofiamento cerebral

Muitas complicações ...

Fechar