Vagina: a evolução do órgão sexual humano

Vagina: o único órgão encontrado apenas em mamíferos, mas não em peixes, anfíbios, répteis ou pássaros. Não somos sortudos?

E como surgiu esse diferencial da nossa classe?

Há uma velha piada sobre má concepção que questiona que tipo de designer iria colocar os canos de esgoto bem no meio do centro de entretenimento. É uma boa observação. Não faz sentido, do ponto de vista do design, que o nosso sistema excretor e reprodutivo sejam tão intimamente misturados. Já do ponto de vista puramente histórico, faz muito sentido.

A reprodução é uma função excretora – é o momento no qual liberamos gametas produzidos internamente. E, se já temos um ótimo conjunto de tubos em execução a partir de nosso interior para o exterior, por que não usá-los?

O desenvolvimento da vagina

O desenvolvimento nos conta uma parte da história de como surgiu a vagina. Os trato reprodutivo e urinário são entrelaçados no início do nosso desenvolvimento, surgindo juntos de dois pares de canais, os ductos de Müller e de Wolff, que são modificados de forma complexa para formar uma série de rins (da qual mantemos apenas o último, os metanefros) , um conjunto de vias para os testículos, e ainda um outro conjunto para os ovários das fêmeas.

Nos mamíferos que não pertencem a subclasse Theria, todos estes tubos têm um destino comum, uma única saída para o mundo exterior: a cloaca.

“Cloaca” é latim para “esgoto”, que é um nome bem apropriado. O terminal do intestino grosso fica lá, bem como as extremidades dos ureteres a partir dos rins e dos ovários ou testículos. Tudo é despejado para a cavidade da cloaca, fazendo um belo ensopado de fezes, urina e esperma ou óvulos.

Mamíferos marsupiais e placentários dispensaram algumas dessas funções, e expandiram outras. Uma parte do oviduto adquiriu um epitélio vascularizado e especializações para investir e nutrir um embrião residente, tornando-se um útero. Isso é uma função surpreendente e inovadora em si, mas, além disso, também formou, de um outro canal separado, a vagina. A vagina é uma estrutura completamente nova, que não tem homólogo em anfíbios ou répteis.

Essa é uma observação interessante. É uma estrutura totalmente original que surgiu algum tempo depois da separação monotreme-marsupial, uma novidade evolucionária. Como isso aconteceu? Como podemos estudar um evento único, que ocorreu mais de 150 milhões de anos atrás?

Alterações profundas

O pressuposto básico de uma abordagem de evolução molecular para o estudo das novidades evolutivas é que as mudanças na regulação desenvolvimental deixam vestígios na estrutura molecular do genoma, e que um estudo genômico comparativo das estruturas deve ser capaz de identificar alterações genéticas coincidentes com uma novidade fenotípica.

Pesquisadores usaram essa abordagem para tentar descobrir como surgiu a vagina.

Esse processo de consolidação e individuação deve ter deixado cicatrizes detectáveis no genoma – os genes envolvidos devem ter adquirido alterações necessárias para corrigir o fenótipo na população.

Essas alterações teriam sido feitas aos genes reguladores que controlam especificamente a expressão gênica de tecido. E que genes são esses?

Existem alguns prováveis candidatos, como os genes HoxA, que têm regiões de domínio específicas no trato reprodutivo feminino.
A questão é saber se há alguma evidência de que esses genes particulares têm sinais de qualquer conjunto de mudanças que estejam associadas com transições particulares na evolução de vertebrados – em particular, existem diferenças que podem ser rastreadas para a transição entre os monotremados e os Theria, e entre placentários e marsupiais – e, de acordo com a pesquisa feita até agora, a resposta parece ser sim.

hoxa

Mas ainda há muito a ser feito. Os genes Hox são bastante elevados na cadeia de genes regulatórios, por isso há muitos mais genes que precisam ser analisados. Nós também estamos muito longe de descobrir como esses padrões de expressão gênica definiram os processos morfogenéticos que criaram essa estrutura adorável – a vagina. O importante, porém, é que existem estas questões à espera de serem respondidas – um problema para a ciência investigar.

Essa é a graça da biologia evolutiva: perguntas interessantes, antepassados excitantes, e a promessa de ferramentas para entendermos mais e melhor nosso corpo e nossa história.[ScienceBlogs, HSW]

26 respostas para “Vagina: a evolução do órgão sexual humano”

    • é o orgão mais importante da humanidade q nasce um ser e da prazer a outro

  1. “Há uma velha piada sobre DESENHO ESTÚPIDO que questiona que tipo de designer iria colocar os canos de esgoto bem no meio do centro de entretenimento.”
    Na verdade, trata-se da ideia do “Stupid Design” (uma sátira à “Design Inteligente”), na qual várias características anatômicas, morfológicas etc., estão organizadas, localizadas, funcionando de modo que poderiam ter sido mais “bem projetas” pela suposta “inteligência” criadora.

    • Cícero.
      Não é falácia. É uma interpretação das funções do design natural.

      Beijar não é uma atividade natural é social, ou seja escolhemos faze-la e que por “””agora””” está sendo importante biologicamente.

    • Michel,
      O design requer um Desenhista. Vemos inúmeros exemplos na natureza como o radar dos morcegos, os sensores de localização das abelhas, a bússola no nariz do salmão etc. O acaso aleatório e sorte às cegas, não poderiam gerar tamanha complexidade na natureza em vários níveis.

      Tanto o beijo como relação sexual, são atividades sociais ligadas a emoção, sentimentos, mas não somos biologicamente forçados a isso.

    • Cícero, o argumento de que “o acaso aleatório e sorte às cegas” é uma falácia, a falácia do espantalho. A evolução é muito mais que mutações ao acaso. Existe um projetista, e ele é cego, insensível e brutal, chama-se “seleção natural”.

      Através de mutações cegas, e da mão impiedosa da seleção natural, novas estruturas surgem, e estruturas antigas ganham novas funções. O grito vira eco-localização. A membrana interdigital vira asa. E o morcego emerge, sem precisar de um “designer inteligente”, ou de mágica.

    • Cesar,
      A seleção natural não cria nada de novo, apenas remaneja (adapta) o que já existe.

      E as mutações igualmente não criam nada de novo e só destrói o que já existe. São nada mais e nada menos que erros genéticos. As mutações são responsáveis por mais de 1200 doenças existente hoje.

      “A maioria das mutações, entretanto, acabam sendo eliminativas e frequentemente levam a algum enfraquecimento ou à morte do organismo [perca de informação]. Para ilustrar, é improvável que alguém possa melhorar o funcionamento de um relógio bem feito ao jogá-lo do alto de um edifício. O relógio pode até funcionar melhor, mas é muito improvável. Organismos são muito mais complexos do que o mais avançado relógio e qualquer mudança aleatória tem muito maior probabilidade de ser eliminativa.”
      LIFE, Enciclopédia Britânica, 2002:

      É notável o que diz Lynn Margulis, uma eminente bióloga, foi professora na Universidade de Massachusetts Amherst, e membro da U.S. National Academy of Sciences:

      “…Nunca, contudo, aquela mutação fez uma asa, uma fruta, um caule lenhoso, ou uma garra surgir. As mutações, resumindo, tendem induzir doenças, morte, ou deficiências. Nenhuma evidência na vasta literatura das mudanças hereditárias mostra prova inequívoca de que a mutação aleatória em si mesma, até com a isolação geográfica das populações, resulte em especiação. Então, como que surgem novas espécies? Como que os repolhos descendem de pequeníssimas plantas selvagens tipo repolho do Mediterrâneo, ou porcos de ursos selvagens?”
      “…A seleção natural elimina e talvez mantenha, mas ela não cria… Os [n]eodarwinistas dizem que novas espécies surgem quando as mutações ocorrem e modificam o organismo. Eu fui ensinada muitas vezes que o acúmulo de mutações aleatórias ia dar em mudança evolucionária que resultava em novas espécies. Eu acreditava nisso até que eu procurei pela evidência”.

      Quando lhe perguntavam, “Que tipo de evidência fez você ficar contra o neodarwinismo?” ela respondia que é a falta de evidência para a mudança gradual no registro fóssil …

    • Cícero, conclui-se então que humanos lanchavam bisteca de tiranossauros.

    • A seleção natural não cria nada de novo, apenas remaneja (adapta) o que já existe.

      Claro que não, quem cria é a mutação e os erros de replicação do DNA. E a seleção natural também não remaneja nem adapta, ela só poda as mudanças que são desfavoráveis. Quem tem sorte de nascer com os genes certos, sobrevive e se reproduz.

      E as mutações igualmente não criam nada de novo e só destrói o que já existe.

      Mentira. Se você tem tolerância à lactose, isto se deve a uma mutação. Se você é loiro ou tem olhos azuis, isto se deve a uma mutação. Existem inúmeras mutações que não só criam novas características como alteram características existentes. Quem afirmou que mutações só são deletérias mentiu, e mentiu feio.

      É notável o que diz Lynn Margulis

      Eu duvido seriamente da honestidade de quem tenta estabelecer um ponto fazendo citações, por que na minha experiência, a grande maioria das citações que são feitas pelos criacionistas são fora de contexto, são severamente amputadas, ou são simplesmente inventadas.

      Além do mais, isto é apelo para o argumento de autoridade. Ciência não se faz em entrevistas. Se faz com trabalho científico. A bióloga Lynn Margulis enfrentou uma oposição muito forte por que apresentou uma ideia inovadora na biologia, a da endossimbiose – a ideia de que uma bactéria foi engolida por outra e não foi digerida, mas acabou se transformando em uma organela, a mitocôndria e o cloroplasto.

      Se você está disposto a aceitar o que a Lynn Margulis falou sobre evolução, deve então aceitar que ela era bióloga evolucionista, e deve também aceitar o trabalho dela. O que eu duvido que você faça, ou seja, é mais uma demonstração de desonestidade intelectual.

    • E a seleção natural também não remaneja nem adapta, ela só poda as mudanças que são desfavoráveis.

      Exato, “podar mudanças” é também remanejar, reajustar, se adaptar a novas situações, ambientes, ataques externos, defesa.

      Se você tem tolerância à lactose, isto se deve a uma mutação. Se você é loiro ou tem olhos azuis, isto se deve a uma mutação.

      Mentira. Isso são características genéticas.

      Existem inúmeras mutações que não só criam novas características como alteram características existentes.

      Nunca foi provado que mutações criam algo novo, capazes de gerar mudanças profundas morfológicas (macroevolutivas), transformando-se em novos seres diferentes.

      a grande maioria das citações que são feitas pelos criacionistas são fora de contexto, são severamente amputadas, ou são simplesmente inventadas. Além do mais, isto é apelo para o argumento de autoridade.

      Então ela não disse, o que disse? foi um espírito?
      Que apelo a autoridade? Também és biológo e podes refutar não só ela, mas vários outros biológos que constestam severamente a TE?

      Se você está disposto a aceitar o que a Lynn Margulis falou sobre evolução, deve então aceitar que ela era bióloga evolucionista,

      Muitas vezes é a mera crença ideológica no naturalismo materialista para não contrariar os colegas e não ser discriminada, mesmo cientistas ateus e evolucionistas sérios por “falta de outra opção” na comunidade, adotam esse pressuposto filosófico, mesmo sem provas/evidências científicas da TE.
      Mas o “Pai” do método científico (Francis Bacon) era cristão.

    • Cícero, você precisa urgente voltar para a escola…

      Mentira. Isso são características genéticas.

      E como é que você acha que características genéticas surgem? 5% da população de negros da melanésia tem cabelo loiro, como é que você acha que isto aconteceu? Todo o norte da Europa tem predominância dos loiros, como é que você acha que apareceu o primeiro loiro? Um bom tanto da população tem olhos azuis, como é que você acha que isto aconteceu?

      É tudo resultado de mutações, Cícero. São características genéticas herdadas, em algum momento alguém teve uma mutação e esta mutação foi passada para os descendentes. Aliás, cada ser humano neste planeta nasce com cerca de 60 mutações, em média. Você, quando nasceu, tinha cerca de 60 genes que você não herdou da tua mãe, nem do teu pai, e que são resultados de mutação.

      Nunca foi provado que mutações criam algo novo, capazes de gerar mudanças profundas morfológicas (macroevolutivas), transformando-se em novos seres diferentes.

      Mas claro que foi! O excelente trabalho de Lenski é sobre isso! Bactérias obtendo características novas através de mutação, passando a poder retirar energia de fontes novas de alimentação. MUTAÇÃO. SELEÇÃO NATURAL. EVOLUÇÃO.

      E isto também foi documentado na Natureza! Os lagartos daquelas ilhas do Adriático! E tantos outros exemplos, a Evolução tem sido observada em ação na natureza e em laboratório.

      Deixe-me tentar tornar claríssimo o que está estabelecido além de qualquer dúvida, e o que precisa ser mais estudado, sobre a evolução. A evolução é um processo que tem acontecido desde sempre na história da Terra e pode ser duvidada apenas por aqueles que são ignorantes das evidências ou que são resistentes às evidências devido a bloqueios emocionais ou por pura intolerância. Em contraste, os mecanismos que produzem a evolução certamente precisam de estudo e esclarecimentos. Não há alternativas à evolução como uma história que possa suportar exame crítico. Ainda assim estamos constantemente aprendendo novos e importantes fatos sobre os mecanismos evolucionários.

      – Theodosius Dobzhansky “Nothing in Biology Makes Sense Except in the Light of Evolution”, American Biology Teacher vol. 35 (Março de 1973) reimpresso em Evolution versus Creationism, J. Peter Zetterberg ed. ORIX Press, Phoenix AZ 1983.

      Então ela não disse, o que disse?

      Eu já fui atrás de citações de biólogos famosos e descobri que os criacionistas mentiram, e mentiram muito. Eu, se fosse você, descobria a origem desta citação e olhava o contexto todo.

      Veja aqui se um dos teus “biólogos famosos que contestam fortemente a TE” não está aqui: http://www.talkorigins.org/faqs/quotes/mine/project.html

      Muitas vezes é a mera crença ideológica no naturalismo materialista para não contrariar os colegas e não ser discriminada, mesmo cientistas ateus e evolucionistas sérios por “falta de outra opção” na comunidade, adotam esse pressuposto filosófico, mesmo sem provas/evidências científicas da TE.

      Deixa eu ver, a Lynn Margulys durante décadas bateu de frente contra o “status quo” da biologia evolutiva por que defendia um novo método de evolução, a endossimbiose, mas ela só fez isto por que tinha medo de dizer que não acreditava na evolução. Sabe, ISTO NÃO FAZ SENTIDO.

      Ah, e como disse o cristão Theodosius Dobzhansky, alguém rejeita a TE só se ignora as evidências, ou se as rejeita por motivos emocionais ou por pura intolerância. E aí, você ignora as evidências, ou as rejeita por razões emocionais ou por intolerância?

      Se você ignora as evidências (um pouco difícil, depois de tantas referências que já foram postadas), aqui vai uma listinha pequena de links com uma relação (incompleta) de evidências da evolução:

      http://en.wikipedia.org/wiki/Evidence_of_common_descent
      http://humanorigins.si.edu/evidence
      http://library.thinkquest.org/22446/Evidences.html
      http://anthro.palomar.edu/evolve/evolve_3.htm
      http://www.talkorigins.org/faqs/comdesc/
      http://www.teachthemscience.org/evidence

      Mas o “Pai” do método científico (Francis Bacon) era cristão.

      E Theodosius Dobzhansky, o biólogo evolutivo que fez a síntese da Teoria da Evolução com a Genética Mendeliana, também era cristão, e declarava isto com todas as letras. Assim como declarava com todas as letras que “nada faz sentido em biologia exceto à luz da evolução”.

      Vai agora dizer que Sir Francis Bacon era mais cristão que Theodosius Dobzhansky? Ou que Theodosius Dobzhansky não era “um verdadeiro cristão”?

    • Cesar, com o conteúdo apresentado em seu post, eu também preciso *voltar a escola, tinha bastante coisa que eu não sabia. Acho que uma reportagem com uma síntese desse conteúdo seria bem útil.

    • Cesar,
      É tudo resultado de mutações, Cícero. São características genéticas herdadas, em algum momento alguém teve uma mutação e esta mutação foi passada para os descendentes…Você, quando nasceu, tinha cerca de 60 genes que você não herdou da tua mãe, nem do teu pai, e que são resultados de mutação.

      LOL!! que mentira vergonhosa amigo! 🙂
      Sim, um simples site de escola já mostra que são características hereditárias herdadas pertencentes a mesma espécie, no caso humanos.
      http://www.brasilescola.com/biologia/hereditariedade.htm

      Introdução básica a biologia no tema hereditariedade também ajuda:
      “E porque somos tão similares aos nossos pais e irmãos?…a resposta está nos nossos genes! Cada um de nós recebe caracteres – em forma de genes – dos nossos pais. Esta transmissão dos genes dos pais para filhos é o princípio básico da herança genética. No entanto, se nós herdamos os genes dos nosso pais, então porque não somos exatamente idênticos a eles? De uma geração para a seguinte há características que se mantêm e outras não. Na reprodução sexuada os indivíduos nunca são exatamente iguais aos progenitores. Por vezes surgem até aspectos que estão mais associados a ascendentes muito afastados.”
      http://pt.wikibooks.org/wiki/Introdu%C3%A7%C3%A3o_%C3%A0_Biologia/Gen%C3%A9tica/Hereditariedade

      Bactérias obtendo características novas através de mutação,… Os lagartos daquelas ilhas do Adriático!

      Meu caro, essas bactérias continuam bactérias… esses lagartos continuam lagartos…

      os mecanismos que produzem a evolução certamente precisam de estudo e esclarecimentos.

      Sim, mas na verdade, tais mecanismos nunca foram observados factualmente, efetivamente e empiricamente na natureza.
      Há um historinha reveladora sobre Dobzhansky aqui!
      http://pos-darwinista.blogspot.com.br/2009/03/fiat-justitia-ruat-caelum-dobzhansky.html

      Veja aqui se um dos teus “biólogos famosos que contestam fortemente a TE” não está aqui:

      Sempre procuro citar as fontes, mas as vezes esqueço ou falta espaço, porém se pedirem cito. Lynn Margulys não está neste site.

      mas ela só fez isto por que tinha medo de dizer que não acreditava na evolução.

      Pelas suas pesquisas, certamente ela concluiu que evolução inexiste; ao menos os supostos mecanismos que haveriam.

      E Theodosius Dobzhansky, o biólogo evolutivo que fez a síntese da Teoria da Evolução com a Genética Mendeliana, também era cristão,

      O verdadeiro cristão fiel crê na Escritura que é eminentemente criacionista:
      Rom 1:20 – Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis;
      Rom 8:20 – Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou,
      Col 1:15 – O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação;
      Ap 4:11 – Digno és, Senhor, de receber glória, e honra, e poder; porque tu criaste todas as coisas, e por tua vontade são e foram criadas.

      Nada faz sentido em biologia pelas trevas da evolução…

    • Tem muita coisa mesmo em Talkorigins.org. Uma maneira de aprender mais sobre evolução é pegar cada alegação que os criacionistas fazem tentando refutar a evolução, e ver qual a resposta que tem em Index to Creationist Claims

      Acho que não tem arquivo mais extenso e completo sobre as alegações criacionistas. Depois disso tem o Evolution 101 (com versão em português em Entendendo a Evolução).

      O que mais? Só espremendo os biólogos de plantão na Internet, gente como o Pirulla e a professora Sílvia Regina Gobbo (tem no Facebook, agora estou sem acesso). Mas o pouco que sei vem de principalmente tentar encontrar as respostas para os criacionistas, encontrar a verdade naquilo que eles dizem.

    • Tem mais, Jonatas, o blog do Pharyngula é bom, e mais alguns blogs de ciência. Volta e meia aparece algum artigo explicando alguma coisa ou criticando outra, e se aprende muito não só com o artigo, mas também com a discussão que segue.

  2. Interessante saber que a vagina é mais antiga que os dinossauros. Ainda bem que não foi extinta. 🙂

    Mas, incrível notar que a evolução da vida se dá não somente a nível dos seres vivos em si, mas também a nivel de órgãos, de células, de organelas até chegar no DNA.

    E o DNA caprichosamente guarda os regitros dos passos da evolução!! Incrível!

  3. Bom dia, vim todo curioso para ler esta matéria, mas está muito complexa. O Titulo chama a atenção, mas a leitura é muito cheia de palavras técnicas. Resumindo só o titulo que deu para entender.

    • E o que dizer do feto que se nutre sugando o alimento da mãe? Seria um parasita?

    • wagner.dtr, exatamente, tanto o feto é conceitualmente um parasita, que a mãe tem que mudar todo o equilíbrio hormonal para manter o feto no interior de seu corpo por nove meses. A tendência “natural” é o corpo da mãe expulsar o feto, como qualquer ser estranho, uma vez que seus genomas são diferentes.

Deixe uma resposta