A grande indústria farmacêutica está ignorando a cura do câncer?

Evangelos Michelakis é pesquisador de câncer da Universidade de Alberta que, há três anos, descobriu que uma substância química comum, não tóxica, conhecida como DCA, abreviação de dicloroacetato, parece inibir o crescimento de tumores cancerígenos em ratos.

O mecanismo pelo qual DCA funciona é extremamente simples: mata a maioria dos tipos de células cancerosas através da alteração da forma como elas metabolizam o açúcar, causando-lhes autodestruição sem afetar tecidos normais.

Após os testes em animais, Michelakis fez testes de DCA em células cancerosas humanas em laboratório. Em seguida, conduziu testes clínicos em humanos. Seus resultados foram encorajadores: o tratamento com DCA pareceu estender a vida de quatro dos cinco participantes do estudo.

Michelakis não patenteou sua descoberta. Não é porque ele não quer, mas porque não pode: quando se trata de patentes, DCA é um produto químico barato, amplamente utilizado, que ninguém pode possuir.

Bom, então eis a questão: se há uma nova substância com potencial de ajudar muito no tratamento de câncer, porque não ouvimos falar nela?

No mundo de hoje, essas drogas não atraem facilmente financiamento. A grande indústria da farmácia não está exatamente ignorando o DCA, e nem suprimindo sua pesquisa; apenas não está ajudando. Por quê?

O desenvolvimento de drogas é basicamente um grande negócio, e investir na droga sem patente simplesmente não é um bom negócio, porque não haverá lucro. Em um mundo onde a droga para câncer Avastin – patenteada pela empresa farmacêutica Genentech/Roche – custa aos pacientes cerca de 80.000 dólares por ano sem nenhuma comprovação de que prolonga a vida, não ha espaço para DCA.

Segundo farmacologistas, as empresas farmacêuticas são como outras empresas que fabricam produtos que devem ser vendidos com lucro. Apenas um em cada 10.000 compostos estudados por pesquisadores acaba se tornando uma droga aprovada.

Para chegar à fase de aprovação, os medicamentos devem ser submetidos a 7 a 10 anos de testes, com um custo total médio de 500 milhões de dólares, o que pode ser em vão se a droga não receber aprovação de instituições reguladoras. E mesmo se isso ocorrer, apenas 3 de cada 20 drogas aprovadas geram lucros suficientes para cobrir seus custos de desenvolvimento.

O lucro é o incentivo para o risco que a empresa corre. E seria quase impossível lucrar em uma droga como dicloroacetato. Se ele for mesmo eficaz, então será uma droga ridiculamente barata. Segundo especialistas, a falta de patenteabilidade está desempenhando um papel na falta de investigação.

Embora as organizações de saúde dos governos, como o Instituto Nacional de Câncer americano, deem bolsas para ajudar a financiar testes clínicos, elas não são suficientes para fazer com que o DCA seja aprovado como um tratamento contra o câncer.

A pesquisa em DCA se move muito mais lentamente do que se uma empresa farmacêutica pagasse a conta. Mais o financiamento de base já permitiu um progresso. Michelakis reuniu cerca de 1,5 milhões em nove meses, o suficiente para financiar um estudo detalhado do tratamento com DCA em cinco pacientes com câncer cerebral. Porém, o estudo foi pequeno e não houve controle com placebo, o que torna seus resultados inconclusivos.

Apesar da escassez de testes clínicos, um médico canadense, Akbar Khan, prescreve DCA para seus pacientes com câncer. Isso pode ser feito no Canadá, porque o DCA já está aprovado para o tratamento de distúrbios de metabolismo.

Segundo ele, 60 a 70% dos pacientes que falharam com tratamentos padrão responderam favoravelmente ao DCA. A droga foi eficaz, e teve resultados interessantes: um dos pacientes tinha vários tumores, incluindo um particularmente preocupante na perna; o DCA estabilizou significativamente o tumor e reduziu a sua dor.

Atualmente, Khan tem três pacientes com cânceres incuráveis que estão em remissão completa, provavelmente curados, graças à combinação do DCA com tratamentos convencionais paliativos (não curativos).

Pequenos estudos, no entanto, não serão suficientes para provar que o DCA funciona. E sem a ajuda das grandes empresas, isso terá que acontecer de uma forma singular. Poderia ser uma experiência social, na qual fundos públicos ajudassem. O grupo de pesquisa está começando a estabelecer relações com alguns hospitais de câncer de destaque e, eventualmente, órgãos federais como o Instituto Nacional de Câncer poderiam perceber que há provas suficientes de sua eficácia e ajudar com o financiamento.[LiveScience]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Curta no Facebook:

31 respostas para “A grande indústria farmacêutica está ignorando a cura do câncer?”

  1. Infelizmente, o CAPITALISMO tem dessas coisas! NENHUM grande laboratório, vai investir MUITOS milhões de dólares, em estudos, sobre uma droga:1-Cuja PATENTE já caducou, é de domínio público.2- É barata de sintetizar.Eles podem até pesquisar a possibilidade, de MUDAR a fórmula química do DCA, adicionar algum radical,à molécula, para OBTER os benefícios de uma NOVA PATENTE.Aí sim! Apareceriam estudos em profusão.Se a indústria farmacêutica, lançar um medicamento ALTAMENTE eficaz contra vários tipos de câncer, no exato momento em que as patentes expirarem, lançarão outras moléculas, NÃO IMPORTA se MUITO MENOS EFICAZES, desde que protegidas por patentes.Vão fazer uma enorme propaganda, constrangerão milhões de médicos, pelo mundo afora, a prescrever o ” NOVO” medicamento, sob pena de parecerem DESATUALIZADOS.A saúde da população?QUE SE DANE!No caso da AIDS, creio firmemente, que se aparecer alguma vacina, ela:1- Será MUITO CARA.2-Só protegerá o paciente, por um pequeno prazo, algo como UM ANO, devendo ser reaplicada REPETIDAS vezes.

  2. A verdade é que o sistema é ‘bruto’,o governo somente prioriza o dinheiro e o poder,os médicos estão corrompidos,a industria farmacêutica é quem manda.É Deus por todos e cada um por se.É tempos de utilizar com maior freqüência o raciocínio lógico, e ser o seu próprio médico:Pesquisando, se informando e não se deixando levar por qualquer um, antes de uma alto avaliação. A matéria é boa e deve ser pesquisada para comprovar a sua veracidade,a responsabilidade é de cada um.Em um caso tão crítico,não custa muito tentar.

  3. Acredito que não querem mesmo divulgar essa droga, o sistema precisa q voce gaste dinheiro, sao um bando de f…. minha vo morreu de cancer, meu tio, e umas outras pessoas. Essa doença e é maldita e acaba com a pessoa e a familia. Ajudem a divulgar esse artigo

  4. e assim é desde q o mundo é mundo. ngm se preocupa com o outro. n existe boa açao altruista. nunca houve.

    vale ressaltar q isso n ocorre so com a problematica do cancer, mas tambem com a diabetes, aids … ou seja, ao inves de curar a todos, é melhor fazer com que as pessoas acometidas de tais doenças vivam com a mesma tomando remedios q nem sempre sao, de fato, a melhor opçao.

    exemplo, sou diabetico e n vejo nenhuma qualidade de vida em todo dia ter q me furar no dedo,n na barriga, no braço … td isso pq? pq tem uma corja por tras de todo o pano q, mesmo sabendo da cura, prefere continuar dando remedios, pois estes as pessoas usarao ateh o fim da vida. e a cura seria uma so e pronto.

    como dizia axl rose: welcome to the jungle!

    o lance é ganhar dinheiro. sempre. mais e mais. e o resto? bem … axo q todos ja sabem o q acontece com a grande maioria …

  5. nao acredito totalmente neste artigo, pois se e mesmo inviavel pesquisar essa droga, os fabricantes de cigarro poderiam pesquisar, e ate mesmo lucrar!!! pensem eu sou fumante, ai eu vou comprar um maço de cigarro e compro uma cartela de comprimidos pela metade do preço, quanto que nao iriam lucrar??? nao podemos acreditar em tudo que se le na internet…. ja ouviram essa frase??

    • Daniel,

      Dada a lógica do artigo, a cura da AIDS seria real e plausível se houvesse lucro das empresas na venda do medicamento.

  6. É bom que notícias assim sejam amplamente divulgadas para que todos saibam como agem na realidade as indústrias farmacêuticas.
    Assisti a um filme baseado em caso real (não lembro o nome), onde o pai de uma criança com um problema grave de saúde, vai atrás da cura, encontra o pesquisador que descobriu o remédio, mas acaba encontrando enorme dificuldade para que alguma indústria farmacêutica aceite testar esse remédio.

    O argumento de sempre é de muito investimento para pouco lucro… a saúde das pessoas é o que menos interessa.
    O pior é que muitos governos mantém acordos de cumplicidade com as indústrias farmacêuticas.

  7. Felicidades Natasha por colocar a boca no trombone ao menos um pouquinho para abrir a mente e o in-consciente coletivo a um despertar de uma sono tão profundo quanto a origem de nossos lamentos. Siga assim.

  8. The 7 Most Dangerous Lies Your Doctor’s Telling You.
    As 7 Mais Perigosas Mentiras que o doutores falam para você.
    https://info.hsibaltimore.com/HSI/MHSILA20/landing.html

    Câncer, a palavra de medo. É só falar essa palavra e já quase todo mundo se arrepia. Entretanto pouca gente investiga antes de falar. Existe tantos casos de câncer curados somente com a mudança de atitude… Pesquisem um pouco sobre dois nomes, poderia dar mais, entretanto nem sei se vão publicar, Dr. Ryke Geerd Hamer e Dr. Simoncini ou veja a super revista espanhola DSALUD. Mais investigue mesmo, não somente a tocada Wikipedia.

    Quer realmente entender o câncer? Olhe isso aqui:
    http://video.google.es/videoplay?docid=-1521978235347176166&hl=ca#

    e esse outro mais fácil ainda de entender:
    http://video.google.es/videoplay?docid=-1521978235347176166&hl=ca#docid=-
    4544090866377476126

    Copie e cole todo o link senão não vai entrar.

  9. E de kem é a culpa?
    Deduzo ser dos órgãos fiscalizadores q deveriam monitorar, de forma idônea, essas redes (máfias) farmacêuticas….
    Na concepção dos laboratórios, nada melhor do que uma humanidade doente… lastimável….

  10. Esta é mais uma daquelas notícias que tem por objectivo que pessoas desesperadas gastem fortunas, comprando online produtos manhosos, sem a mínima supervisão médica. Reparem na afirmação: “substância química comum, não tóxica, conhecida como DCA”. É mentira. Se pesquisarem, a maior parte dos sites mais cautelosos coloca a palavra “relativamente” antes de não-tóxica. O DCA é praticamente não toxico se o compararmos com outros químicos usados na terapia do cancro e que altamente tóxicos, como é o caso da taxina.O DCA, utilizado noutras doenças,mostra ser tóxico para o sistema nervoso (aumento de neuropatias periféricas.
    De salientar que, embora alguns médicos utilizem a terapia com DCA em doentes com cancro e alguns até afirmem que os tumores regrediram, nunca nenhum publicou trabalho sobre isso, nem comprovou essas alegações.
    Além disso, tendo em conta que o produto se vende online há já um certo tempo, seria de esperar que já tivessem surgido muitos casos de curas. Mas infelizmente, até agora nada.
    Tenho a certeza que é uma manobra de marketing dos sites que vendem o DCA de sódio.

    • Fátima,
      os médicos ganham por receitar tratamentos e remédios das indústrias farmacêuticas, e alguns outros simplesmente não receitam o que não foi testado por prudência.]

      mas entre passar por uma terapia que ia custar milhares de reais, me deixar fraco prá combater a doença e mais feio do que já sou, prefiro muito mais usar uma droga “relativamente tóxica” por um tempo.

      eu ia até montar meu próprio tratamento, já que para essas doenças não confio nos tratamentos existentes: DCA, óleo de maconha e carne de serpente desidratada em forma de pílulas. hehe =).

      além disso, duvido que vendedores de uma droga tão barata iriam conseguir comprar uma matéria no livescience, já que ela já é das indústrias farmacêuticas. prá mim foi uma matéria muito elucidativa.

    • Legal ver sua opinião contrária Fátima, mas de onde vem suas fontes? Você trabalha na área de Farmacologia ou Medicina?

      Creio que muitas pessoas que estão lendo essa notícia aqui não conhecem esse produto, neste caso supomos que poucas pessoas no Brasil conhecem, já que sites de notícias científicas são poucos divulgados no Brasil. Pensando assim não haverá mesmo reportagens a respeito de pessoas que se curaram tratando sozinhas e sem acompanhamento médico de cânceres com DCA comprado online.

      Na minha humilde opinião essa questão do DCA deve ser levado às alturas, digo, Aos Governos.

      Apesar que o lobby vai ser grande…………

  11. Excelente artigo, mostra uma das possibilidades bem baratas para se combater certos tipos de câncer.
    Infelizmente vivemos num mundo materialista, caso contrário inúmeros experimentos já teriam sido divulgados a este respeito.

    • É verdade. Só vão “descobrir” a cura do câncer quando surgir outra doença “incurável” para substituí-la.
      Outra coisa que gera muito lucro é tratamento pra calvície.

  12. Um tio meu com câncer me informou que um único dia da sessão de quimioterapia custa R$17.000. Em três meses ele já gastou cerca de R$300.000,00 com sessões e exames (claro que o seguro cobriu tudo). Absurdo…

Deixe uma resposta