Você provavelmente toma banhos demais

Você tomou banho esta manhã? Que nojo. Calma, é brincadeira. Mas uma brincadeira com um fundo de verdade. Isso porque um argumento surpreendentemente convincente diz que banhos regulares – com o escorrimento áspero e escaldante de óleos essenciais e organismos de sua pele – é ruim para nossa saúde, nosso cheiro e o equilíbrio da vida em nosso corpo.

Não há pesquisas que digam quantos banhos são “saudáveis” o suficiente e em qual intervalo de tempo tomá-los. Segundo Rafi Letzer, repórter de ciência do portal americano Business Insider, o que existe é um crescente corpo de evidências que sugerem que o nosso estilo de vida baseado em esfregar nosso corpo com sabão, juntamente com uma série de outros fatores, está prejudicando um sistema complexo que a ciência ainda não entende plenamente: o microbioma humano.

De quantos banhos você realmente precisa por semana? Médico responde

O microbioma é a coleção das bactérias, vírus e outros micróbios que vivem dentro e sobre nosso corpo. Sabemos que essas pequenas criaturas forasteiras são profundamente importantes para nossa saúde. Sem eles, nossos sistemas imunológico, digestivo e até mesmo nosso coração iriam funcionar mal ou falhar inteiramente.

Microbioma prejudicado

Pode fazer sentido para entender o microbioma como um sistema de órgãos paralelos e complementares entrelaçados com os nossos órgãos originais. Mas os pesquisadores dizem que a ciência só oferece uma pequena parte da imagem completa do papel que nossos microbiomas desempenham em nossas vidas.

Há provas indiretas convincentes que sugerem que o banho danifica nosso microbioma em nossa pele, o que por sua vez prejudica a saúde da pele. “Ou seja, a vida urbanizada, esterilizada e ocidentalizada deixa as pessoas com microbiomas menos complexos e robustos”, diz Letzer em sua coluna.

Um estudo dos povos Yanomami na Amazônia, que “não tinham contato prévio documentado com pessoas ocidentais”, descobriu que sua pele, boca e fezes hospedavam o mais rico complemento de bactérias em qualquer população humana examinada até aquele ponto – um complemento que incluía espécies resistentes aos antibióticos, apesar de nenhum contato conhecido com estes remédios.

Sabe-se que um banho com shampoo e sabão tira de nosso couro cabeludo grande parte de seu complemento de micróbios, bem como óleos necessários – que a indústria de cosméticos, em seguida, tenta substituir, usando condicionadores e hidratantes. Além disso, há boas razões para pensar que problemas da pele da vida cotidiana, como a acne, surgem da interferência no microbioma.

Mas e o cheiro?

Parte do problema de testar realmente como banhos regulares afetam nossa saúde pode ser conseguir uma quantidade grande o suficiente de pessoas dispostas a não tomar banho durante um longo período de tempo para conduzir um estudo controlado de alta confiança. Em vez disso, a ciência publicada a respeito do assunto é principalmente uma pilha de histórias de auto-experimentação.

Cascão da vida real: o homem que não toma banho há 60 anos

Estas histórias pelo menos ajudam a responder à pergunta a mais importante sobre não tomar banhos regulares: o que fazer a respeito do cheiro?

O problema é que algumas das bactérias que compõem o nosso microbioma excretam substâncias químicas desagradáveis, ​​que se somam aos odores saindo das dobras do nosso corpo corpo. Se paramos de enxaguá-los, ou de acabar com eles com desodorante, as coisas podem ficar bastante ruins.

Ainda assim, pessoas que pulam banhos dizem que o problema só existe porque nosso microbioma é interrompido em primeiro lugar. O exemplo mais proeminente é, provavelmente, James Hamblin, da revista The Atlantic, que publicou um ensaio em junho de 2016, explicando a decisão de desistir gradualmente de se esfregar diariamente

“No começo, eu era uma fera oleosa e fedorenta”, escreveu ele. Mas a teoria diz que seu corpo se ajusta ao novo normal sem banhos, e seu microbioma renovado e recalibrado cheira de forma muito mais agradável

Isso parece ter funcionado para Hamblin:

“Eu ainda me lavo em alguns lugares quando estou visivelmente sujo, como depois de uma corrida, quando eu tenho que tirar coisas do meu rosto, porque ainda há a questão da sociedade. Se eu estiver com o cabelo bagunçado depois de dormir, eu inclino-me no chuveiro e molho ele. Mas eu não uso shampoo ou sabonete corporal, e eu quase nunca entro em um chuveiro.

E tudo está bem. Acordo e saio pela porta em minutos. Às vezes, quando eu poderia ter cheirado mal antes, como no final de um longo dia ou depois de malhar, eu simplesmente não cheiro mal. Pelo menos, para o meu nariz. Pedi a amigos para cheirarem-me, e eles insistem que está tudo bem (embora eles possam ter se aliado em uma tentativa de me arruinar).

Um estilo de vida sem banho é realmente mais saudável?

Embora não esteja totalmente claro que pessoas como Hamblin são mais saudáveis ​​do que o resto de nós, não há certamente nenhuma razão clara para pensar que eles são menos saudáveis ​. E, como ele aponta, eles certamente economizam muito tempo, água e dinheiro.

Se você decidir diminuir seus banhos, ou começar a ignorá-los completamente, é provavelmente uma boa ideia evitar estar em torno de pessoas que você deseja impressionar por um tempo.

Hamblin falou com Julia Scott, uma jornalista que documentou sua própria transição para a vida sem chuveiros para a The New York Times Magazine. Scott usou produtos de uma empresa chamada AOBiome, destinados a promover um microbioma de pele saudável, e descobriu que ela cheirava a cebola por um tempo, pelo menos para alguns de seus amigos, enquanto seu corpo se ajustava.

10 hábitos comuns que fazem muito mal a você

Ela também descobriu que apenas uma semana de banhos no final do experimento destruiu sua colônia recém-cultivada inteiramente. Parece que o segredo, caso você queira um microbioma saudável, é insistir, mesmo que demore um tempo até que seu corpo se acostume com seus novos hábitos. [I Fucking Love Science]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (6 votos, média: 4,50 de 5)
Curta no Facebook:

Deixe uma resposta