Colombo talvez não foi o primeiro, e nem mesmo o segundo a descobrir a América

Publicado em 9.05.2012

A história da humanidade é cheia de capítulos nebulosos e relatos mal contados. No meio de pistas vagas e dúbias, os pesquisadoras escavam em uma montanha de boatos a verdade histórica.

Um dos capítulos mais emocionantes e talvez enganosos é justamente a descoberta das Américas pelos europeus, uma história que envolve um personagem do qual pouco se sabe, Cristóvão Colombo, em uma descoberta que, ao que parece, não foi dele.

De qualquer forma, o que sabemos com certeza é que em 1492 Colombo encontrou as ilhas caribenhas, evento que é marcado como sendo a descoberta das Américas. Entretanto, ele só veio a colocar mesmo os pés no continente americano em 1498, quando viajou à América do Sul.

Bem mais ao norte, na Terra Nova, John Cabot (também conhecido como Giovanne Chabotti) se tornou o primeiro europeu, depois de Leif Ericson e os vikings (que teriam visitado a América ali pelo ano 1000), a colocar os pés na América, a mando do rei da Inglaterra, Henrique VII, em três viagens que aconteceram entre os verões de 1496 e 1498. A segunda destas expedições, em 1497, acabou sendo a descoberta de Terra Nova, Newfoundland (o nome inglês da ilha de Terra Nova).

Uma historiadora cheia de segredos

Nossa história da descoberta começa nas décadas de 1960 e 1970, quando uma certa historiadora britânica, Alwyn Ruddock, começou a fazer alegações extraordinárias sobre as viagens de um certo John Cabot, do período dos Grandes Descobrimentos, especialidade dela.

Alwyn afirmava que os comerciantes de Bristol haviam viajado para as Américas antes de 1470, e que John Cabot não havia morrido em 1498 como se acreditava, mas que havia voltado para a Inglaterra em 1500, e que um banco italiano havia financiado suas viagens. O problema era que ela fazia segredo absoluto (até ciumento) de suas fontes, no máximo afirmando que se tratavam de fontes italianas e espanholas, sem entrar em detalhes.

Na década de 1990, ela havia prometido a uma editora inglesa produzir um livro sobre as navegações de John Cabot, mas acabou não produzindo o mesmo, vindo a falecer em 2005 aos 89 anos sem nunca ter revelado a ninguém as fontes de suas descobertas. Pior ainda, deixou ordem no testamento para que seu trabalho fosse destruído. Quarenta ou mais anos de pesquisa, na forma de setenta e oito sacos de cartas, notas, fotografias e microfilmes foram para a picadora.

O Cabot Project

Em 2009, o historiador Evan Jones da Universidade de Bristol e outros historiadores participaram da criação do “Cabot Project”, para investigar as alegações extraordinárias de Alwyn Ruddock, e tentar colocar alguma luz sobre a questão.

Em 2010, Jones recebe um convite para visitar a casa da historiadora falecida. Entrando no recinto em que ela guardara seu trabalho de pesquisa, Jones e sua colaboradora Margaret Condon descobrem que o arquivo dela ainda guardava as etiquetas das pastas, mesmo que as pastas tivessem sido esvaziadas e seu conteúdo destruído.

E lá estava a pista para o banco italiano, uma etiqueta que dizia “The Bardi firm of London”. Com tantos segredos, na hora de fazer o sistema de arquivos, ela baixou a guarda e acabou deixando pistas fáceis.

Seguindo esta pista, Jones entra em contato com Francesco Guidi-Bruscoli, da Universidade de Florença na Itália, que encontra o livro caixa da casa bancária Bardi, e uma anotação de um empréstimo de 50 nobles esterlinos para que um certo Giovanni Chabotti fizesse viagens “ao novo país” (“il nuovo paese”, em italiano). Não é “a um novo país” (“un nuovo paese”), como era de se esperar de uma expedição “descobridora”. Esta expressão parece sugerir que os banqueiros italianos estavam sabendo de mais coisas, que realmente alguém já havia, antes de 1490, viajado para a Terra Nova.

Uma carta que foi descoberta nos anos 1950, de um certo John Day, endereçada provavelmente a Colombo, e escrita nos anos 1497/8, parece apoiar estas especulações, ao falar que era “quase certo” que os homens de Bristol (ele estava falando da expedição de John Cabot, de 1497) “encontraram e descobriram” a nova terra “que ele (Colombo) bem conhecia”.

Comentando a história toda, Jones lamenta a decisão da historiadora: “Eu tenho um enorme respeito pela Alwyn Ruddock como estudiosa. Mas não posso respeitar sua decisão de destruir todo seu trabalho. O que ela fez é a antítese do trabalho de pesquisa histórica – ela procurou destruir todos os seus achados. Eu não posso e não vou aceitar isso”.

De qualquer forma, estas descobertas provavelmente ainda não vão para os livros didáticos de história, por que tudo o que se tem são indícios, pistas, e nenhuma prova de que realmente John Cabot ou outro europeu antes dele houvesse visitado a América.

Os historiadores continuam em campo, pesquisando registros e cartas antigas, tentando redescobrir o que Alwyn parecia ter descoberto. Os resultados obtidos até agora foram publicadas no Historical Research, e em maio de 2011 o Cabot Project recebeu um impulso tremendo na forma de doação de um benfeitor canadense.

Quem sabe que descobertas aguardam os “Indiana Jones” da vida real?[LiveScience, Discovery News, Archeorama]

Autor: Cesar Grossmann

Formado em Engenharia Elétrica, é funcionário público, gosta de xadrez e fotografia. Apesar de se definir como "geek", não tem um smartphone, e usa uma câmera fotográfica com filme (além da digital).

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

11 Comentários

  1. E porque nao falar de Joao Gaspar Corte Real. Ele integrou a viagem do alemao Didrik Pinnig vinte anos antes de Colombo e sabe-se que atravessou o Labrador e chegou à Terra Nova. Alías toda a regiao era conhecida por terra dos Corte Real. A epopeia desta familia (Corte Real) tem um testemunho, a chamada Pedra de Dighton deixada por um dos seu filhos o Miguel.

    Thumb up 0
  2. Chineses, Nórdicos, Sumérios, que diferença faz? Para os historiadores é bem claro que colombo não foi o primeiro nem o segundo a chegar nas Américas, existem relatos que os sumérios chegaram antes mesmo dos chineses, entretanto a chegada de colombo se difere das demais pois a partir dai o mundo munda, afinal qual a relevância de um viking chegar nas Américas e nem mesmo desenhar um mapa ou saber aonde se encontra? Para ele é só mais um pedaço de terra aonde ele chegou sem querer, a chegada de colombo tinha um proposito descobridor, meios técnicos para traçar uma rota viável e constante para as Américas assim o mundo como um todo muda dramaticamente, essa é a verdadeira relevância da descoberta de colombo e por isso damos tanta importância a chegada dele e não de chineses, viking e etc.

    Thumb up 1
  3. A hipótese dos chineses é muito vaga, já que seus barcos eram muito primitivos e se despedaçariam até chegaram nas Américas. Já os vikings, além de serem os melhores navegadores da Europa, foram praticamente os únicos a navegarem longas distâncias na idade média. O relato dos chineses é muito vago, já que só existe um mapa, que dizem ser falsificado, ja dos vikings é contado em vários livros e historias, e nos países nórdicos atuais, nas escolas se ensinam que foi sim Leif quem chegou na America primeiro, o que está corretíssimo.

    Thumb up 0
  4. Ela não foi descoberta por ninguém..Foi invadida e dominada..Aqui já existiam habitantes, nativos..É isso que precisa entrar nos livros de história..Não dá mais para ficar contando estórias da carochinha para os nossos filhos..O mundo mudou!! As crianças da atualidade tem outra mentalidade..

    Thumb up 2
  5. Existe uma teoria que Zheng He, explorador chinês, chegou nas Américas muito antes de que Colombo, passando inclusive pelo Brasil. A teoria vai além, dizendo que sua tripulação deixou rastros genéticos nos indígenas da América do Sul.

    Thumb up 9
  6. Mas afinal por que razão a senhora queimou todo o seu trabalho de pesquisa no final da sua vida? Alguém sabe? Dizem somente que mandou queimar mas não dizem porque razão é que a senhora mandou fazer isso. O que levou a senhora a queimar tudo? Deviam dizer isso. Ou então não escreviam que a senhora tinha mandado queimar tudo. Diziam de outra maneira.

    Thumb up 5
    • Alguém forçou ela a fazer isso, é lógico.

      Thumb up 0
    • Quem sabe. A informação que eu consegui levantar é só esta. Talvez as razões estejam elencadas no testamento dela. Talvez ela não tenha dito para ninguém. Talvez ela considerasse John Cabot como propriedade particular dela. Acontece…

Envie um comentário

Leia o post anterior:
1
Belas imagens de satélite de deltas de rios em todo o mundo

Saiba o que são os d...

Fechar