Estrela explode e vira do avesso

Publicado em 2.04.2012

Há cerca de 300 anos (há pouco tempo, em termos espaciais), uma estrela explodiu na constelação de Cassiopeia, a aproximadamente 11 mil anos-luz da Terra. A movimentação que gerou a supernova resultante, chamada de Cassiopeia A (ou Cas A), está sendo reconstituída no observatório Chandra, da NASA (satélite lançado em 1999).

Aparentemente, a estrela “virou do avesso” depois de explodir. Como uma estrela pode virar do avesso depois de explodir?

Isso acontece devido aos elementos químicos que a estrela formou durante sua vida. O que os cientistas fizeram foi analisar imagens de raio-X que mostram o que sobrou da estrela explodida há três séculos, e comparar com a composição da estrela ainda inteira, antes da explosão.

A estrela antiga, conforme projeção dos pesquisadores, possuía ferro no núcleo, seguido por uma camada de enxofre e silício, e uma externa de oxigênio, neônio e magnésio. A superfície da estrela era composta de gases como hélio e hidrogênio.

As imagens recentes, coletadas pelo satélite, mostram um fenômeno curioso. Na distribuição dos elementos que sobraram do extinto corpo celeste, o ferro do antigo núcleo aparece justamente na parte mais externa dos restos da estrela.

Logo em seguida, já se percebem pontos de enxofre e silício, que compunham a segunda camada mais interna, e assim por diante. Para comprovar que os elementos realmente trocaram de ordem, os cientistas vasculharam a região central da massa estelar e não havia mais resquícios de ferro lá, que foi todo expelido para a camada externa.

A imagem de raio-X que mostra a distribuição dos elementos foi coletada durante um milhão de segundos (o que equivale a cerca de onze dias e meio), e, conforme explicam os cientistas, pode servir de base para um estudo mais apurado a respeito do mecanismo das supernovas. [Science Daily]

Autor: Dalane Santos

Dalane Santos tem 21 anos, é recém-formada em jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e escreve para o Hypescience desde fevereiro de 2012.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

17 Comentários

  1. Se a estrela está a 11 mil anos luz de distância como dizem que ela explodiu há 300 anos e já podemos observar seus efeitos? Se a estrela tivesse explodido há 300 anos atrás não deveríamos poder ver essa explosão somente daqui a 11 mil anos, quando a luz da explosão nos alcançasse?

    Thumb up 0
    • Sério? A explosão foi detectada, ou ocorreu, como queira, há 300 anos… foi quando a luz chegou a terra, tendo viajado os 11mil anos-luz até nós…

      Thumb up 0
  2. Mas é claro que se vire do avesso. Em toda explosão, as matérias mais densas (pesadas) vão para a periferia e as mais leves ficam mais centrais. Na 1987A, O circulo ao redor do nucleo é de matéria mais densa. Excetuando-se o nucleo, que não explodiu, a parte intermediária é praticamente gasosa. Isto é uma das evidencia de que não ocorreu um big bang. Veja neste caso que existem mais matéria (galáxias) concentrada no centro e se rarefaz a medida que estão mais afastado deste centro (isto esta invertido quanto a uma explosão). O universo pode ser comparado a uma gigantesca galáxia. Só que uma galáxia é feita de estrelas e o universo é uma concentração de galáxias. Isto é repetitivo no universo.

    Thumb up 1
  3. Como uma estrela pode virar do avesso depois de explodir??
    Mas é lógico que se até uma pipoca pode, uma estrela também pode!

    Thumb up 28
    • Excelente analogia, excelente, meus cumprimentos.

      Thumb up 14
  4. Bastante complicado estas narrações, estrela que viraram de banda, porque quando explodem só se ve fragmento, como que daqui da terra poderam os mesmo constatar esta metémôrfose?, é so pgar uma casa de tijolos e expludi´la, o que acontece depois de fragmenta-la? voce não ve ela neem di um lado nen de outro. só artefatos.

    Thumb up 1
  5. Olha aí o paraíso de uma grande mineradora, dá para imaginar que no futuro a busca por matéria prima se daria nas proximidades de supernovas, diamantes, metais raros e pesados como ouro, platina, prata e até mesmo urânio seria obtidos praticamente sem esforço.

    Thumb up 0
    • só o pequeno esforço de se chegar la… coisa pouca

      Thumb up 4
  6. Um fenômeno muito interessante! Nunca imaginei que uma estrela explodindo pudesse fazer isso! Deve ser legal observar uma supernova por algum instrumento!

    Thumb up 1
  7. Outros exemplos legais e belos de nebulosas de supernova remanescente:
    Caranguejo Notem que no quadro da imagem de raios X ela revela o poderoso pulsar que vive em seu centro.

    Vela

    1987A
    A supernova que explodiu na Grande Nuvem de Magalhães foi vista em 1987, a supernova mais brilhante observada na história recente. Bonitos os anéis brilhantes, não? Até hoje são um mistério.

    E RCW 86
    A supernova mais antiga observada por nós. Astrônomos chineses registraram-na em 185 A.C., documentando uma misteriosa estrela muito brilhante que permaneceu no céu por oito meses. Ocorreu a 8.000 anos-luz. Essa nebulosa é monstruosa, ocupa 85 anos-luz no espaço e se fosse visível ao olho nu, seria maior que a Lua cheia em nosso céu.

    Thumb up 7
  8. Se a constelação está a 11 mil anos luz, como se sabe de algo que aconteceu a apenas 300 anos? informação incoerente.

    Thumb up 6
    • Não exatamente, a reportagem leva em conta apenas o nosso tempo, e não o tempo espacial.
      A imagem da Nebulosa que levou 11.000 anos para chegar até aqui mostra uma nebulosa remanescente de 300 anos de idade estimada, tão logo a explosão física aconteceu no nosso tempo a 11.300 anos atrás. Tudo que vemos é passado, um passado dos 11.000 anos que a imagem levou pra chegar até aqui. Mas se essa explosão aconteceu a 11.300 anos, sua imagem levou 11.000 anos para chegar aqui, e só poderia ter sido vista 300 anos atrás, subtraindo a diferença.

      Thumb up 12
    • Tive a mesma dúvida…

      Thumb up 4
  9. Isso confirma que a nucleossíntese estelar é real, e que os átomos mais pesados se formam até o Ferro, já números atômicos maiores se formam apenas no momento extremo que é a Supernova. Essas camadas de elementos seriam bem definidas e divididas em conchas de fusão. A primeira concha seria a tradicional onde Hidrogênio se funde para formar Hélio, seguida de uma camada predominada por hélio até a concha de fusão seguinte, onde Hélio se funde para formar Carbono e assim por diante, como no exemplo:
    Red Supergiant

    O virar do avesso, que faz com que o ferro e o silício nuclear venham parar nas bordas da nebulosa remanescente, é consequência da explosão da supernova, cujo colapso começa justamente no núcleo, jogando a massa nuclear para longe numa velocidade e força muito maior do que quando a onda de choque chega nas camadas exteriores. Literalmente, a supernova é um colapso nuclear, e a estrela desmorona sobre si mesma.

    Thumb up 7
  10. Uma correçãozinha na matéria (para não confundir): Não foi a estrela que explodiu há 300 anos, já que dessa forma só seria possível captar imagens sobre ela 10.700 anos após, que é quando receberíamos as primeiras imagens da explosão. Na verdade ela explodiu há cerca de 11.300 anos.

    Thumb up 6
    • Obrigado, T-Guerra. Eu já estava me achando muito burro por não conseguir compreender como se sabia que a estrela explodiu a apenas 300 anos se ela está a 11 000 anos-luz daqui. Sinto-me melhor.

      Thumb up 0
    • Enquanto lia a matéria já estava pensando no comentário, ainda bem que li antes, senão iria questionar essa conta…

      Thumb up 0

Envie um comentário