Como homossexuais cristãos lidam com seus desejos

Homossexualidade e religião nem sempre andam de mãos dadas como poderiam. Boa parte dos gays cristãos têm a condição sexual vista como pecaminosa não apenas pela comunidade, mas também por eles próprios. Mas um pequeno grupo destoa nas igrejas: cristãos homossexuais que, quebrando preconceitos, não enxergam problemas em vivenciar sua fé e ter um companheiro do mesmo gênero.

Estes indivíduos foram alvo de um estudo da Universidade Hollins, uma faculdade exclusiva para mulheres no interior do estado de Virgínia (EUA). A pesquisa partiu de um grupo de pessoas em condição, digamos, polêmica: ex-gays. Os sociólogos da universidade defendem que é possível mudar a orientação sexual após a entrada no cristianismo, e que existe um grupo de antigos homossexuais que deixou de sê-lo.

Excluindo esta parcela, sobram aqueles que, segundo os sociólogos, “conciliam” homossexualidade e fé religiosa. Estes se dividem em dois grupos. Primeiro, há os chamados “gays lado A”, para os quais a orientação sexual e o cristianismo não são contraditórios.

Mas o foco da pesquisa foi o grupo dos “gays lado B”: homossexuais que acreditam estarem pecando por sua condição, de modo que procuram viver em celibato e dominar os próprios desejos.

O estudo teve pequena amplitude: foram entrevistados seis integrantes homossexuais da comunidade paroquial da cidade, sendo quatro homens e mais um casal composto de um homem gay e uma mulher lésbica.

Os sociólogos apuraram, após os depoimentos, que os denominados “gays lado B” encontraram conforto ao dar mais valor às atitudes do que às intenções. Consideram a homossexualidade pecaminosa, reconhecem que têm desejo por pessoas do mesmo gênero, mas se julgam livres do pecado por não levar a vontade à prática.

Um dos condutores da pesquisa, o sociólogo S.J Creek, garante que os integrantes deste grupo não vivem infelizes por negarem seus desejos. “Ex-gays dizem continuamente como homossexuais são infelizes, enquanto ativistas gays afirmam que o primeiro grupo é que vive de maneira infeliz”, pondera Creek, avaliando que não existe, neste caso, como “dar razão” a um lado ou a outro. [Live Science / Wiley]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Curta no Facebook:

11 respostas para “Como homossexuais cristãos lidam com seus desejos”

  1. Minha cunhada sofre muito, pois além de lésbica é evangélica.
    Teve que mudar de igreja, ir contra os pais que são pastores.
    Mas segue e acredita na igreja evangélica.

    Sofre muito mesmo, porque acha que peca todos os dias por ser lésbica e estar namorando.

    Eu era espírita kardecista, depois que me assumi foi um inferno, porque simplesmente a religião dá a entender que “aceita” a homossexualidade, mas sabe por quê? Porque explicam que é uma condição que eu aceitei por ser promíscuo na outra vida, ou outra coisa do tipo!!! E que eu escolhi ser lésbica para lutar contra essa condição, ou seja, virar hétero e assim evoluir. Fiquei muuuuuito triste mesmo, pois desde sempre acreditei e tive orgulho do espiritismo.
    Hoje em dia sou feliz acreditando em mim, meus verdadeiros amigos e somente a Deus. Não serei escrava de nenhuma religião.

  2. Olha com toda certeza os religiosos estão certos, clube deles então regras deles, ponto. Se na mente deles pra você ser um deles e ir pro céu deles tem que ser igual e pensar igual e escolher igual, pela cabeça do líder e não pela sua, então seja!
    Quer se livre como você é e acreditar em suas própria formas de ser e pensar? então não seja religioso, não seja católico, não seja evangélico, é a solução simples – só não force a barra, não pode mudar o que você é, não existe ex-gay, existe gay reprimido.
    Acredita em deus mas não é aceito como você é por um meio tal? então não seja desse meio, faça o seu ou acredite diretamente, sendo agnóstico, ninguém precisa de religião pra ser teísta, tanto por definição quanto na prática.

    • Jonatas, você está certo mesmo, eu já vi casos de pessoas que mudam o totalmente o comportamento quanto entram em alguma denominação religiosa, melhoram em um aspecto e pioram em outro como a arrogância de alguns. Vi que são pessoas que têm uma mente totalmente tomada pelo dogma parecem que elas não pensam mais por si própria, parecem que foram “programadas´´, para pensarem dessa forma. É como o caso do “ex-gay´´ se enquadra perfeitamente no que eu disse. Como me já me disseram “gay reprimido vira crente fervoroso,´´ e isso é verdade porque se você quiser achar o “ex-gay´´ dentro de uma igreja é só olha pra quem é o mais fervoroso, rrsrsrrs.

    • Vejam só o resultado de outra pesquisa bastante interessante, também publicada pela Hype Scie
      nce:”Segundo um novo estudo, adolescentes gays, lésbicas e bissexuais são mais propensos a ter comportamentos de risco como tabagismo, consumo de álcool e portar armas.
      Os pesquisadores entrevistaram 156 mil estudantes do ensino médio americanos. Esse é o maior estudo do tipo no país, realizado no período de 2001 a 2009, em diversas cidades dos EUA.
      15,4% dos estudantes gays e lésbicas haviam dirigido um carro depois de consumir álcool nos últimos 30 dias, contra 7,8% dos estudantes heterossexuais. Cerca de 12% dos estudantes homossexuais também disseram que carregaram uma arma pelo menos uma vez no mês passado, quase quatro vezes mais do que os estudantes heterossexuais.
      Havia também uma grande disparidade em relação ao fumo. 27,8% dos estudantes gays e lésbicas relataram que fumaram mais de 10 cigarros por dia durante o mês anterior, em comparação com 9,1% dos estudantes heterossexuais.
      Além disso, estudantes gays e lésbicas eram muito mais propensos a pensar em suicídio. Cerca de 30% deles disseram ter considerado o suicídio, em comparação com 11,7% dos estudantes heterossexuais.
      Os pesquisadores acreditam que os resultados são um alerta para as famílias, escolas e comunidades, para se empenharem mais em apoiar e dar suporte a esses jovens.”

  3. As religiões são como um clube em que os associados devem (na teoria) se submeter as regras do jogo ou então ficarão de fora. Ampliando essa comparação para níveis globais, podemos ver que milhares de homossexuais e outras minorias que se sentem excluídos desses grandes clubes, fazem de tudo, por submissão, para fazerem parte dessas instituições (e se engana quem pensa que as religiões estão de portas abertas para todos). Basta pensar diferente que você será automaticamente excluído. E nem adiantaria buscar outra religião que lhe convenha que geralmente a pessoa excluída foi “ensinada”, assim como os outros daquela religião, que ela era especial, única e a verdadeira religião. Procurar outra ficaria bem difícil depois de ter recebido goela abaixo desde a infância esse tipo de ensinamento. Resumindo, para aqueles que acreditam em deus, por que não viver suas vidas sem um igreja dizendo com quem vocês devem fazer sexo? É tão mais simples…

  4. Que tipo de texto é esse hypescience?
    Não se pode “dar razão” a um lado ou a outro?
    Os gays que estão errados, são aqueles desgraçados que acham que a homossexualidade é pecado, se atrevem a reprimir isso e ainda denominarem-se ex-gays.
    Eu quero imaginar que esse site é de ciência, ou eu estou errado?

  5. Existe a ciência e a crendice.
    Existe a matemática e as esperanças.
    Existe a moral e a imoral.
    Existe a verdade e a falsidade.
    Existe o bem e o mal.
    Existe Deus e o diabo.
    Os santificados e os abandidados, os pacifistas e os odiosos.
    Os religiosos e os militares, os humildes e os arrogantes.
    Os que perdoam e os que vingam, os com méritos e os soberbos.
    Enfim …
    Existem os Homens e os viados.
    Vivem tentando se impor uns aos outros.
    Para o bem de todos, não dar muita atenção a um dos lados.

    • Você se esqueceu de mencionar que existe gente que usa o cêrebro para pensar e outros escrevem tanta bobagem em tão pouco tempo sem pensar no que estão escrevendo. Para o bem de todos, pense antes de escrever.

Deixe uma resposta