Facebook está criando conexão cérebro-computador que permitirá textos escritos com o pensamento

O Facebook revelou que tem uma equipe de 60 engenheiros trabalhando na construção de uma interface cérebro-computador que permitirá que você digite com apenas sua mente – e sem implantes invasivos. A equipe planeja usar imagens ópticas para escanear seu cérebro cem vezes por segundo para detectá-lo falando silenciosamente em sua cabeça, e traduzir isso em texto.

10 novas tecnologias reais que parecem ter vindo do futuro

Regina Dugan, chefe da divisão Building 8 do Facebook, explica que o objetivo é eventualmente permitir que as pessoas digitem 100 palavras por minuto, 5 vezes mais rápido do que digitar em um smartphone, usando apenas a mente.

Eventualmente, as interfaces cérebro-computador poderiam permitir que as pessoas controlassem a realidade aumentada e as experiências de realidade virtual com sua mente em vez de usarem uma tela ou um controle.

Digitando com o cérebro

“E se você pudesse digitar diretamente do seu cérebro?” Dugan perguntou durante a F8, a conferência da empresa onde a novidade foi apresentada. Ela mostrou um vídeo de um paciente paralisado em Stanford que pode digitar usando sua mente graças a um sensor implantado. Ela explicou que o Facebook quer fazer isso sem implantes cirúrgicos.

O projeto de digitação cerebral começou a ser desenvolvido há apenas seis meses, mas agora já conta com colaboração da UC San Francisco, UC Berkeley, Johns Hopkins Medicine, Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins e da Washington University School of Medicine. Pesquisadores especializados em aprendizado de máquina para decodificação de fala e linguagem, construindo sistemas de neuroimagem ótica com resolução espacial avançada e próteses neurais de próxima geração, estão envolvidos no projeto.

O plano é, eventualmente, construir dispositivos não implantáveis. Quanto ao medo inevitável que uma pesquisa deste tipo sempre inspira, o Facebook já tem uma resposta: “Não se trata de decodificar pensamentos aleatórios. Trata-se de decodificar as palavras que você já decidiu compartilhar, enviando-as para o centro de fala do seu cérebro”. O Facebook compara a nova tecnologia com a forma como tiramos muitas fotos, mas apenas compartilhamos algumas delas. Com seu dispositivo, a empresa diz que seremos capazes de pensar livremente, mas apenas transformar alguns pensamentos em texto.

Ouvindo através da pele

Ao mesmo tempo, a empresa está trabalhando em uma maneira para que os seres humanos ouçam através de sua pele. Protótipos de hardware e software que permitem que a pele imite a cóclea em nossos ouvido, que traduz o som em frequências específicas para o cérebro, estão sendo construídos. Esta tecnologia poderia fazer com que as pessoas surdas essencialmente “ouvissem”, ignorando suas orelhas.

Implante cerebral experimental permite que mulher paralisada se comunique

Uma equipe de engenheiros do Facebook foi mostrada experimentando a audição. Um sujeito de teste foi capaz de desenvolver um vocabulário de nove palavras que poderiam ser ouvidas através de sua pele.

Pesquisas secretas

O Facebook contratou Dugan no ano passado para liderar seu novo e secreto laboratório de pesquisa, o Building 8. Ela já havia dirigido a divisão de Tecnologia Avançada e Produtos do Google, e anteriormente era chefe da DARPA.

A empresa construiu uma área especial na sua sede em Menlo Park com toneladas de equipamentos de engenharia mecânica para ajudar a equipe de Dugan a construir rapidamente protótipos de novos hardwares. Em dezembro, o Facebook assinou acordos de colaboração rápida com Stanford, Harvard, MIT e mais para obter ajuda acadêmica.

No entanto, até agora, ninguém realmente sabia o que o Building 8 estava construindo. O máximo de informação que tínhamos era uma lista de vagas de emprego no laboratório de pesquisa que mostrava que eles estavam à procura de um “Engenheiro de Interface Cérebro-Computador”, que seria responsável por trabalhar num “projeto de dois anos focado no desenvolvimento de tecnologias avançadas”.

Também procurava-se um “Engenheiro de Imagem Neural” para estar “focado no desenvolvimento de novas tecnologias de neuroimagem não invasiva”, que iria “projetar e avaliar novos métodos de imagem neural baseado em óptica, RF, ou outras abordagens inteiramente não-invasivas”.

À medida que o Facebook cresce, ele tem os recursos e o talento para tentar novas abordagens em hardware. Com mais de 1,8 bilhões de usuários conectados apenas a seu principal aplicativo, a empresa tem um enorme funil de cobaias potenciais para suas experiências.

10 tecnologias perigosas que não devem ser criadas

Os anúncios são naturalmente inquietantes. Ouvir sobre uma pequena startup desenvolvendo essas tecnologias avançadas pode ter evocado imagens de governos ou conglomerados co-produtores um dia lendo nossa mente para detectar o crime do pensamento, como em “1984”. A escala do Facebook torna esse futuro mais plausível, não importa o quanto Zuckerberg e Dugan tentem mostrar a posição da empresa como benevolente e compassiva. Quanto mais o Facebook puder fazer para instituir garantias, monitoramento independente e transparência em torno de como a tecnologia de interface cérebro/computador é construída e testada, mais seguro o público pode se sentir. [Tech Crunch]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (8 votos, média: 4,50 de 5)
Curta no Facebook:

Deixe uma resposta