Futuro dos transplantes: cientistas imprimem vasos sanguíneos em 3D

Publicado em 19.09.2011

Não falta mais nada: agora, vasos sanguíneos artificiais feitos em uma impressora 3D poderão em breve ser utilizados para transplantes de órgãos criados em laboratório.

De milhares de pacientes que necessitam desesperadamente de um transplante de órgão, muitos inevitavelmente não o conseguem a tempo.

Para certificar-se de que mais pacientes recebam estas cirurgias que salvam vidas, pesquisadores em engenharia de tecidos de todo o mundo têm trabalhado na criação de tecidos artificiais e até mesmo órgãos inteiros em laboratório.

Mas, para um órgão artificial funcionar, ele precisa ser equipado com os vasos sanguíneos artificiais – tubos minúsculos e extremamente complexos, que nossos órgãos possuem naturalmente, usados para transportar nutrientes.

Até agora, a engenharia de tecidos tinha avançado na criação de tecidos artificiais, mas não conseguia supri-los com os nutrientes que tem que chegar através de vasos capilares.

Uma equipe alemã resolveu o problema, utilizando a impressão de 3D e uma técnica chamada polimerização multifotônica.

“As técnicas individuais já estão funcionando e estão atualmente na fase de teste. O protótipo para o sistema combinado está sendo construído”, disse Gunter Tovar, que lidera o projeto.

A tecnologia de impressão 3D tem sido cada vez mais utilizada em inúmeras indústrias, que vão de roupas a modelos de arquitetura e até mesmo chocolates.

Desta vez, a equipe alemã tinha uma missão de impressão muito mais desafiadora. Para imprimir algo tão pequeno e complexo como um vaso sanguíneo, os cientistas combinaram a tecnologia de impressão 3D com polimerização de dois fótons – brilhando feixes de laser intensos sobre o material para estimular as moléculas em um ponto de foco muito pequeno.

O material torna-se então um sólido elástico, o que permite aos pesquisadores criar estruturas altamente precisas e elásticas que seriam capazes de interagir com o tecido natural de um corpo humano.

Assim, os tubos sintéticos não são rejeitados pelo organismo vivo, e suas paredes são revestidas com biomoléculas modificadas.[BBC]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

1 comentário

  1. Parebéns ótima notícia,as pessoas que tem muito dinheiro deveriam se reunir e criar uma organização para gerenciar e injetar recursos por elas doados,nesses tipos de pesquisa,todos sairiam ganhando.

    Thumb up 1

Envie um comentário

Leia o post anterior:
090811-perseid-shower2-02
Som misterioso é ouvido em todo o mundo

Na Bélgica ou nos Es...

Fechar