Google ressuscitou um velho serviço na última quarta-feira e ninguém percebeu

A Google construiu um império de 580 bilhões de dólares mantendo suas engrenagens de inovação funcionando sempre à frente da concorrência. Mas na quarta-feira passada a empresa realizou uma façanha impressionante e curiosa: impressionou o público com uma ideia de oito anos atrás.

A empresa apresentou um novo conjunto de funcionalidades para o seu popular aplicativo Maps, que permite aos usuários compartilhar as suas localizações com amigos e contatos em tempo real. Graças a esta atualização, os usuários do Google Maps agora poderão informar rapidamente os amigos se estão atrasados ​​para uma reunião ou se estão presos no trânsito.

19 mistérios flagrados pelo Google Earth

Se você está se perguntando por que eles não tinham pensado nisso antes, a resposta é que eles pensaram. Em 2009, quando os smartphones ainda estavam engatinhando, a Google introduziu algo chamado Latitude.

O aplicativo Latitude, para citar o post que o anunciava, “permite que você compartilhe sua localização com seus amigos e veja seus locais aproximados, se eles optarem por compartilhá-los com você”. Em outras palavras, é quase exatamente a mesma característica que a Google agora está lançando como a última novidade.

Dê uma olhada nos dois lado a lado.

Aqui está o Google Latitude, por volta de 2009:

E aqui está uma captura de tela do novo recurso de compartilhamento de localização do Google Maps:

As interfaces parecem quase idênticas, mesmo que a tecnologia tenha mudado drasticamente nos últimos oito anos. (A versão inicial do Google Latitude era para telefones BlackBerry).

No momento que o Latitude foi lançado, o app atraiu preocupações de privacidade generalizada. A Privacy International, um grupo europeu de vigilância, publicou um relatório destacando o risco de que os usuários poderiam não estar cientes de que o Latitude foi habilitado e poderiam, assim, ter suas localizações rastreadas. Uma porta-voz do Google disse à Computerworld na época que a empresa levou a sério os comentários dos usuários sobre privacidade e estava adicionando notificações para alertar os usuários quando o Latitude estava ativado.

Explore o fundo do mar com o Google Maps

Oito anos mais tarde, as preocupações com a privacidade não desapareceram, mas, em geral, o clamor foi uma nota de rodapé para a história. Em vez disso, a maior parte da cobertura se concentrou nos benefícios de compartilhar locais – por exemplo, permitindo que os pais acompanhem as crianças que brincam com smartphones – sem se preocupar com como isso poderia dar errado.

O mundo mudou desde 2009, quando o Google tentou isso pela primeira vez. Dois bilhões de pessoas estão no Facebook. Milhões de pessoas usam pulseiras que registram sua atividade física. O gadget do momento é um dispositivo meio alto-falante meio microfone com o inocente nome Alexa que os consumidores voluntariamente colocam em suas cozinhas para obter atualizações sobre o clima ou sobre placares esportivos.

Não é a primeira vez que um produto polêmico uma vez controverso ressurge em uma embalagem nova alguns anos mais tarde e tem uma recepção muito mais calorosa. Basta ver quanto as pessoas acham legal o Spectacle, um óculos de sol que grava vídeos lançado no ano passado pela empresa que criou o Snapchat, apenas alguns anos após o lançamento do Google Glass.

Google Maps ajuda chinês a reencontrar família após 23 anos

O retorno ao compartilhamento de localização do Google Maps é um bom lembrete da rapidez com que a tecnologia se move e do quão fluidas podem ser nossas normas sociais aparentemente profundamente enraizadas. [Business Insider]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (12 votos, média: 4,42 de 5)
Curta no Facebook:

Deixe uma resposta