Pesquisadores encontram o mais antigo fóssil humano

Uma equipe de pesquisa internacional liderada por Jean-Jacques Hublin, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, na Alemanha, e Abdelouahed Ben-Ncer, do Instituto Nacional de Arqueologia e Patrimônio (INSAP), do Marrocos, descobriu ossos fósseis de Homo sapiens juntamente com ferramentas de pedra e ossos de animais em Jebel Irhoud, no Marrocos. Os achados datam de cerca de 300 mil anos atrás e representam a evidência fóssil mais antiga e segura de nossa própria espécie. Esta data é 100 mil anos anterior aos fósseis mais antigos de homo sapiens encontrados anteriormente. As descobertas revelam uma história evolutiva complexa da humanidade que provavelmente envolveu todo o continente africano.

Evolução humana: 10 ancestrais essenciais

Tanto os dados genéticos dos seres humanos atuais quanto os registros fósseis apontam para uma origem africana de nossa própria espécie, o Homo sapiens. Anteriormente, os fósseis de Homo sapiens mais antigos conhecidos eram os do sítio arqueológico de Omo Kibish, na Etiópia, datados de 195 mil anos atrás. Em Herto, também na Etiópia, outro fóssil de Homo sapiens é datado de 160 mil anos atrás. Até agora, a maioria dos pesquisadores acreditava que todos os seres humanos que vivem hoje descendiam de uma população que vivia na África Oriental há cerca de 200 mil anos. “Nós costumávamos pensar que havia um berço da humanidade há 200 mil anos atrás no leste da África, mas nossos novos dados revelam que o Homo sapiens se espalhou por todo o continente africano há cerca de 300 mil anos. Muito antes da dispersão para fora da África do Homo sapiens, houve dispersão na África”, diz o paleoantrotropólogo Jean-Jacques Hublin.

O sítio marroquino de Jebel Irhoud tem sido bem conhecido desde a década de 1960 por seus fósseis humanos e por seus artefatos da Idade da Pedra. No entanto, a interpretação dos hominídios de Irhoud tem sido complicada por incertezas persistentes em torno de sua idade geológica. O novo projeto de escavação, que começou em 2004, resultou na descoberta de novos fósseis de Homo sapiens, aumentando seu número de seis para 22. Esses achados confirmam a importância de Jebel Irhoud como o mais antigo e mais rico local da Idade da Pedra Africana para a documentação de um estágio inicial de nossa espécie.

Origem mais antiga

Os restos fósseis de Jebel Irhoud compreendem crânios, dentes e ossos longos de pelo menos cinco indivíduos. Para fornecer uma cronologia precisa para essas descobertas, os pesquisadores usaram o método de datação de termoluminescência em pedras aquecidas encontradas nos mesmos depósitos. Esses testes mostraram uma idade de cerca de 300 mil anos atrás e, portanto, colocam as origens de nossa espécie 100 mil anos antes do que acreditávamos anteriormente.

“Os locais bem datados desta época são excepcionalmente raros na África, mas tivemos a sorte de que tantos artefatos de pedra de Jebel Irhoud tenham sido aquecidos no passado”, diz o especialista em geocronologia Daniel Richter, do Instituto Max Planck. Richter explica: “Isso nos permitiu aplicar métodos de datação de termoluminescência nos artefatos e estabelecer uma cronologia consistente para os novos fósseis”. Além disso, a equipe foi capaz de recalcular a idade direta de três mandíbulas encontradas em Jebel Irhoud na década de 1960.

Estas mandíbulas tinham sido anteriormente datadas de 160 mil anos atrás por um método especial de datação de ressonância elétrica de giro. Usando novas medidas da radioatividade dos sedimentos de Jebel Irhoud e como resultado de melhorias metodológicas, a idade recém calculada deste fóssil está de acordo com as idades de termoluminescência, muito mais antigas do que as encontradas anteriormente. “Nós empregamos métodos de datação de última geração e adotamos as abordagens mais conservadoras para determinar com precisão a idade”, acrescenta Richter.

Os 10 maiores mistérios da evolução humana

O crânio dos seres humanos modernos possui uma combinação de características que nos distingue de nossos parentes e antepassados ​​fósseis: um rosto pequeno e fino e uma cicatriz globular. Os fósseis de Jebel Irhoud exibem um rosto e dentes de aparência moderna, e uma crânio grande, mas mais arcaico. Hublin e sua equipe usaram varreduras computacionais micro-técnicas de última geração e análise de formas estatísticas baseadas em centenas de medidas 3D para mostrar que a forma facial dos fósseis de Jebel Irhoud é quase indistinguível daquela dos seres humanos modernos.

Em contraste com a sua moderna morfologia facial, no entanto, os crânios de Jebel Irhoud retém uma forma arcaica bastante alongada. “A forma interna do crânio reflete a forma do cérebro”, explica o paleontrofilósofo Philipp Gunz, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva. “Nossas descobertas sugerem que a moderna morfologia facial humana foi estabelecida no início da história de nossa espécie, e que a forma do cérebro e, possivelmente, a função cerebral, evoluíram dentro da linhagem Homo sapiens”, acredita.

Recentemente, as comparações de DNA antigo extraído de Neanderthais e do Hominídeo de Denisova com o DNA dos humanos do presente revelaram diferenças nos genes que afetam o cérebro e o sistema nervoso. As mudanças de forma evolutiva do crânio são, portanto, provavelmente relacionadas a uma série de mudanças genéticas que afetam a conectividade cerebral, organização e desenvolvimento que distinguem o Homo sapiens de nossos antepassados ​​e parentes extintos.

Evolução em todo o continente

A morfologia e a idade dos fósseis de Jebel Irhoud também corroboram a interpretação de um crânio parcial enigmático de Florisbad, África do Sul, como representante inicial dos Homo sapiens. Os primeiros fósseis de Homo sapiens foram encontrados em todo o continente africano: Jebel Irhoud, Marrocos (300 mil anos), Florisbad, África do Sul (260 mil anos) e Omo Kibish, Etiópia (195 mil anos). Isso indica uma história evolutiva complexa de nossa espécie, possivelmente envolvendo todo o continente africano.

10 comparações entre humanos e nossos parentes vivos mais próximos

“A África do Norte tem sido negligenciada nos debates em torno da origem de nossa espécie. As descobertas espetaculares de Jebel Irhoud demonstram as estreitas conexões do Magrebe (região noroeste da África) com o resto do continente africano no momento do surgimento do Homo sapiens”, diz Abdelouahed Ben -Ncer.

Os fósseis foram encontrados em depósitos contendo ossos de animais, que foram caçados caçados, sendo a espécie mais frequente a gazela. As ferramentas de pedra associadas a estes fósseis pertencem à Idade Média da Pedra. Os artefatos de Jebel Irhoud mostram o uso de técnica Levallois, e as formas pontudas são as mais comuns. A maioria das ferramentas de pedra foram feitas de pederneira de alta qualidade levadas para o local. Bifaces, ferramentas comumente encontrada em sítios mais antigos, não estão presentes no Jebel Irhoud. As montagens de artefatos da Idade Média da Pedra, como as recuperadas em Jebel Irhoud, são encontradas em toda a África neste momento e provavelmente mostram uma adaptação que permitiu que o Homo sapiens se dispersasse por todo o continente.

“Os artefatos de pedra de Jebel Irhoud parecem muito semelhantes aos de depósitos de idade similar no leste da África e no sul da África”, diz a arqueóloga do Instituto Max Planck Shannon McPherron. “É provável que as inovações tecnológicas da Idade Média da Padra na África estejam ligadas ao surgimento do Homo sapiens”. As novas descobertas de Jebel Irhoud elucidam a evolução do Homo sapiens e mostram que nossa espécie evoluiu muito antes do que se pensava anteriormente. A dispersão do Homo sapiens em toda a África em torno de 300 mil anos é o resultado de mudanças biológicas e comportamentais. [phys.org]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Curta no Facebook:

Deixe uma resposta