Leonardo Da Vinci plagiou o “Homem Vitruviano”?

Publicado em 31.01.2012

Se alguma pessoa vê a imagem conhecida como “Homem Vitruviano”, é praticamente impossível dizer que nunca viu esse desenho antes. Ele foi feito por Leonardo da Vinci e ilustra o que ele acreditava ser uma conexão divina entre a forma humana e o universo.

Amada por sua beleza e seu poder simbólico, a imagem é uma das obras mais famosas do mundo. No entanto, novas pesquisas sugerem que o desenho de 1490 pode ter sido uma cópia de um desenho feito anteriormente por um amigo de Leonardo. Outra ilustração de um homem divinamente proporcionado – parecido com Jesus, mas em um cenário muito semelhante ao do desenho de Leonardo – foi descoberto esquecido em Ferrara, na Itália.

Os dois desenhos são representações de uma passagem escrita em 1500 a.C. por Vitruvius, um arquiteto romano, no qual ele descreve um corpo de um homem perfeitamente dentro de um círculo (o símbolo divino) e dentro de um quadrado (o símbolo terrestre). Essa foi uma interpretação geométrica da antiga crença de que o homem é um “microcosmo”: a personificação em miniatura de todo o universo. Leonardo e outros estudiosos reviveram essa noção ufanista durante o Renascimento italiano.

Depois de décadas de estudo, o historiador arquitetônico italiano Claudio Sgarbi descobriu a ilustração menos conhecida do homem vitruviano, em 1986, e acredita que a obra seja de Giacomo Andrea de Ferrara, um arquiteto renascentista especialista em Vitruvius e amigo íntimo de Leonardo.

Sgarbi acredita que Giacomo Andrea desenhou seu homem vitruviano primeiro, o que não impede, entretanto, que os dois artistas tenham discutido seus esforços em conjunto para realizar as obras. Sgarbi vai expor seus argumentos em trabalhos acadêmicos que serão publicados neste ano.

Os argumentos principais do pesquisador são os seguintes: nos escritos de Leonardo, ele menciona o homem vitruviano de seu amigo Giacomo Andrea – aparentemente uma referência direta ao manuscrito ilustrado encontrado em Ferrara. Em segundo lugar, Leonardo se encontrou com Giacomo Andrea em julho de 1490, ano em acredita-se que ambos os homens desenharam seus homens vitruvianos.

Especialistas acreditam que Leonardo teria sondado o conhecimento vitrúvio de Giacomo Andrea quando eles se conheceram. Ambos os desenhos interpretam as palavras de Vitruvius de maneira semelhante. E enquanto a ilustração de Leonardo é perfeitamente executada, a de Giacomo Andrea está cheia de falsos começos e mudanças, o que não teria acontecido se ele tivesse simplesmente copiado a representação de Leonardo.

Embora estudiosos tenham acreditado na versão de Sgarbi, não é certo que Leonardo teria baseado seu desenho no de Andrea. Ao invés disso, eles podem ter trabalhado em conjunto para trazer uma ideia bela e antiga de volta à vida. Além disso, independentemente da sua cronologia, o trabalho de Leonardo tem várias melhorias em relação ao de Andrea, mostrando inclusive maior compreensão da anatomia humana. De acordo com pesquisadores, Leonardo também foi mais fiel ao texto de Vitruvius.

Uma coisa é certa. O melhor homem vitruviano ganhou fama internacional, enquanto o mais simples, mas possivelmente o original, foi deixado às moscas numa biblioteca durante cinco séculos. Leonardo e Andrea tiveram destinos bem diferentes também. Quando os franceses invadiram Milão em 1499, Leonardo fugiu com segurança e atingiu fama eterna. Mas Andrea não teve um final feliz: ficou em Milão, foi enforcado, esquartejado e arrastado pelos franceses e ainda foi, em parte, esquecido pela história – até agora, pelo menos. [MSN]

Autor: Stephanie D’Ornelas

É estudante de jornalismo, adora um café e um bom livro. Curte ciência, arte, culturas e escrever, mesmo que sejam poesias para guardar na gaveta.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

6 Comentários

  1. Lisandro,

    uma pequena correção: Fibonati foi o maior matemático – ocidental – da Idade Média. Então ele não descobriu a sequencia a.C.

    a.C. foi Pitágoras, que já conhecia as propriedades de Phi, o número áureo, que tem relação com a sequencia Fibonati, e cujas proporções estão presentes em tudo e em todo o universo.

    Thumb up 3
  2. O homem vitruviano de da Vinci, de fato, não foi o primeiro, mas foi o definitivo, o mais belo e perfeito em proporções e técnica.

    Thumb up 7
  3. Lisandro,
    Eu também não acredito no Santo Sudário como sendo fruto da imagem de Jesus. Todavia, os argumentos das medidas humanas, não me parecem uma prova convincente já que o tecido é sujeito a deformações.

    Thumb up 1
  4. (Essa foi uma interpretação geométrica da ANTIGA CRENÇA de que o homem é um “microcosmo”:)
    Puxa como eu sou antigo. Eu ainda creio nisso.

    Thumb up 3

Envie um comentário