Maioria dos peixes marinhos evoluiu em terra

Publicado em 9.02.2012

Um novo estudo concluiu que três quartos dos peixes de mar originaram de um ancestral de água doce. A descoberta destaca quão importantes são os rios e lagos como uma fonte de novas espécies.

Os primeiros peixes evoluíam no mar. Como os oceanos têm peixes há quase meio bilhão de anos, parece que não há razão para duvidar que os peixes que vivem lá hoje evoluíram na água salgada – até que você dê uma olhada em sua árvore genealógica.

Pesquisadores notaram algo peculiar enquanto estudavam a árvore evolutiva dos peixes actinopterígeos (peixes com nadadeiras suportadas por “raios”), um grupo que compreende 96% de todos os peixes de água doce e marinhos do planeta.

Eles perceberam que todos os fósseis pertencentes ao grupo ancestral que deu origem a esse grupo cerca de 300 milhões de anos atrás – conhecidos como os Polypteriformes – vieram de depósitos de água doce.

Na verdade, os actinopterígeos podem não ter vivido no mar em grandes números até cerca de 170 milhões de anos atrás. Seus descendentes compõem agora três quartos de todos os peixes marinhos.

Essa situação não é exatamente nova. A maioria das baleias, golfinhos e botos hoje vive no mar, mas evoluíram em rios. Ou seja, o novo estudo pode apontar para um padrão mais geral: que os grupos mais importantes de vertebrados vieram de ecossistemas terrestres.

Porém, mais estudos são necessários para confirmar essa suposição. E o que poderia estar dirigindo tal padrão?

Segundo os pesquisadores, é possível que os mares sejam mais propensos a extinções do que a terra, rios ou lagos, que formam um “arco de sobrevivência” que pode propagar e “repopular” novamente os oceanos, quando espécies marinhas são perdidas.

Os cientistas explicam que os resultados não querem dizer que os mares são fortemente inóspitos, mas sim que eles podem ficar assim em determinadas épocas.

Infelizmente, a forte acidificação dos oceanos prevista para o futuro próximo significa que podemos estar caminhando para uma dessas épocas agora. O problema é que hoje os rios e lagos podem não ser saudáveis o suficiente para ajudar a reabastecer os oceanos.

Os ecossistemas de água doce sofrem uma taxa maior de perda de espécies do que qualquer outro ecossistema. Sendo assim, pode ser que o represamento, o desvio e a poluição de rios do mundo todo esgotem o banco de sementes das gerações futuras.[NewScientist]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

8 Comentários

  1. Essas conclusões são muito especulativas.
    Com muita certeza, não descobrimos todas as espécies de peixes marinhos de todas as eras. Logo, pode existir um ancestral marinho desse peixe de água doce que nós não descobrimos.
    Outra possibilidade é a de que os ecossistemas, dividido em nichos, sofrem de tempos em temos desestabilização com extinções em massa em um ou mais desses nichos. Então, quando isso acontece, os nichos que não sofreram tanto a devastação acabam por ajudar no repovoamento dos nichos afetados. Assim, se, no futuro, uma catástrofe extinguir a maioria dos peixes de rio, os rios sejam repovoados por peixes descendentes dos de mar e quando tudo se estabilizar, a criatura inteligente que esta pesquisando fosses neste futuro pode chegar a conclusão que a vida nos rios evoluiu toda em um passado recente para ele de um peixe de mar.

    Thumb up 0
  2. Será que esse ancestral de água-doce poderia ser um “peixinho-genérico” como o “lambari/piaba/manjubinha”?

    Esses “peixinhos” estão presentes em todo o território brasileiro e, certamente, espécies semelhantes são encontradas em todo o globo.

    Estão em lagos, rios e nascentes. O mais interessante é que eles estão presentes nas cabeceiras de rios dos mais variados relevos. Tem peixinho no início de rios com grandes quedas, tem também na cabeceira de afluentes de qualquer rio. São tão comuns!

    Mais ou menos como aquela bactéria (SAR11, o grupo mais abundante de microorganismos na Terra) que deu origem às mitocôndrias nas eucarias. Tipo, justamente a que deu origem é a mais difundida.

    Thumb up 3
    • Piaba alada esta aí que povoa cabeceira de rio com quedas?

      Thumb up 2
    • Imagino que suas ovas sejam depositadas nestes ambientes através de vetores, como aves. De outra forma, como poderiam estar em tantos lugares?

      Evolução independente? Improvável…

      Se bem que aves transportarem ovas rio e quedas acima são tão improváveis quanto.

      Thumb up 2
  3. Talvez se você não acredita na sensibilidade do mar deveria compra uma aquario, joga tudo nele o que você joga no mar. Ai vamos ve! Da mesma forma vale para qualquer meio ambiente, quero ver alguém joga lixo em sua casa em!

    Thumb up 1
  4. O espaço marinho é mais sensível , triste é saber que muitos jogam lixo no mar se saber da consequência.

    Thumb up 1
  5. A evolução é mais complexo do que se pensa, as mudanças de ambiente ocorre devido tanto os fatores bioticos quanto mudanças abioticas. Bem infelizmente, aos muitos criticos da evolução ver defeitos em muitos dados, mas da mesma forma que tornou dificil saber mais sobre as culturas nativas por falta de provas, essas que foram destruidas pelos colonizadores cristãs. Tambem da mesma forma partes das provas foram destruidas pelas ação natural do tempo.

    Thumb up 0

Envie um comentário

Leia o post anterior:
Vittra-Telefonplan-550x366
Escola sueca sem classes de aula – será o futuro da educação?

Se a sua escola foss...

Fechar