Mais meninos do que meninas fazem xixi na cama

Publicado em 29.03.2011

Aproximadamente uma em cada 20 crianças (ou 5% da população infantil) molha a cama durante a noite, mas os meninos são duas vezes mais propensos a fazê-lo do que as meninas, diz um novo estudo sobre o assunto.

Após um experimento com mais de 6.000 crianças, os pesquisadores descobriram que cerca de sete em cada cem meninos e três em cada cem meninas urinam na cama pelo menos uma vez por mês.

“A enurese noturna é hereditária em quatro a cada dez casos”, explica Joseph Barone, urologista pediátrico do Hospital Infantil de Bristol-Myers Squibb em Nova Jersey, estados Unidos.

Às vezes, a razão para o descontrole durante a noite é o desenvolvimento ainda não completo na ligação entre a bexiga e o cérebro. Barone ainda explica que os meninos tem mais tendência a molhar a cama do que as meninas porque elas amadurecem mais rápido. “Entretanto, 99% das crianças conseguem superar o caso ainda durante a infância”, conta Barone, que não esteve envolvido no estudo.

Os investigadores pediram para os pais de 3 mil meninas e 3.100 meninos  preencherem questionários sobre a frequência com que filhos urinavam na cama. As crianças tinham entre 6 e 11 anos e a pesquisa se concentrou-se na cidade de Hong Kong, China.

Sem surpresa, os pesquisadores descobriram que a enurese diminui com a idade. Nove em cada cem crianças de seis anos de idade urinam na cama, contra duas em cada cem aos onze.

Na maioria das crianças, a melhor maneira de curar a enurese é a utilização de um alarme, segundo Barone. Trata-se de um sensor na roupa de baixo da criança, que se apaga quando é molhado. Ele é conectado a um alarme em uma pulseira ou ao lado de sua cabeça.

A média de preço fica na casa dos 50 a 60 dólares norte-americanos, embora alguns dos modelos mais sofisticados podem custar até 150 dólares. “Os sistemas de alarme são considerados a primeira escolha e eles funcionam em 80% ou até 90% dos casos se usados corretamente”, afirma Barone.

Se isso não funcionar, há também medicamentos, tais como acetato de desmopressina (conhecido como DDAVP) ou imipramina. “No entanto, eles têm efeitos colaterais e são um tratamento, não a cura”, ressalta.

Os pesquisadores, do Hospital Príncipe de Gales, na Universidade Chinesa de Hong Kong, também estudaram um grupo de crianças – cerca de 400 que apresentavam alto risco de apneia do sono, e 200 que não apresentavam – para ver se a apneia está ligada de alguma forma à incontinência urinária.

Eles descobriram que não. Cerca de nove em cada cem crianças – de ambos os grupos – fizeram xixi na cama. Essa é uma taxa superior à do maior grupo estudado, talvez porque essas crianças foram diretamente observados em um “laboratório do sono”.

Estudos anteriores mostraram uma ligação entre o distúrbio do sono – que afeta aproximadamente uma em 50 crianças, segundo a Academia Americana de Pediatria – e fazer xixi na cama.

Apneia do sono em crianças é geralmente tratado tirando as amígdalas ou adenóides das crianças. Se elas também molham a cama, esse problema também cessa em cerca de metade dos casos, explica Barone.

Autor: Bruno Calzavara

Bruno Calzavara é recém-formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e está de volta à equipe do Hype após dois anos. Adora todos os esportes, exceto futebol. Gosta de chocolate e de sorvete, mas não de sorvete de chocolate.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

Envie um comentário

Leia o post anterior:
fukushimap
Água com radiação 10 mil vezes acima do normal causa medo no Japão

Novo relatório indic...

Fechar