Por que as pessoas se acomodam em relacionamentos infelizes?

Um novo estudo da Universidade de Toronto (Canadá) descobriu que o medo de ficar solteiro é um fator decisivo para que pessoas se contentem com menos do que gostariam em relações entre homens e mulheres. Os resultados foram publicados na edição de dezembro do “Journal of Personality and Social Psychology”.

“Aqueles com os medos mais fortes de ficarem solteiros estão disposto a se contentar com pouco em seus relacionamentos”, afirma a principal autora do estudo, Stephanie Spielmann, pós-doutoranda do Departamento de Psicologia da Universidade de Toronto. “Às vezes eles ficam em relacionamentos que não os fazem felizes, e às vezes querem namorar pessoas que não são muito boas para eles”. A cientista ainda acrescenta: “Agora entendemos que a ansiedade das pessoas a respeito de serem solteiras parece desempenhar um papel fundamental neste tipo de comportamento não saudável”.

Os pesquisadores avaliaram várias amostras de adultos norte-americanos, compostas por alunos de graduação da Universidade de Toronto e membros da comunidade do Canadá e dos EUA. As amostras incluíram uma ampla gama de idades.

“Em nossos resultados, vemos homens e mulheres que têm preocupações semelhantes sobre estarem sozinhos, que levam a comportamentos de enfrentamento semelhantes, contrariando a ideia de que apenas as mulheres lutam com um medo de ficarem solteiras”, explica o coautor Geoff MacDonald, professor do Departamento de Psicologia da Universidade de Toronto. “A solidão é uma experiência dolorosa, tanto para homens quanto para mulheres, por isso não é de estranhar que o medo de ficar solteiro pareça não ter discriminações com base no gênero”. [Medical Xpress]

2 respostas para “Por que as pessoas se acomodam em relacionamentos infelizes?”

  1. Agir desta forma é fugir da sua própria existência por não conhecer a se mesmo.
    Amo um bom relacionamento com o sexo oposto, isto consistem em atração física, mental, e descobertas do todo. Contudo, a ninguém eu amo mais atualmente do que a mim mesmo. Nenhum relacionamento serviria para mim se tentasse podar meus ares de delícias e meu mundo pessoal. Eu me amo de verdade, gosto tanto da minha companhia que ninguém neste mundo pode substituir-me. Experimentar esta maravilha foi via aprendizado do “conheça-te e te mesmo”…

  2. Isto explica por que tantos fins de relacionamentos, quando as águas abaixam, aparece as pedras. Agora eu tenho medo é de casar. Além de eu gostar e vice-versa, exijo fluência em inglês, independência econômica e que goste de cachorro, praia e montanha.

    “Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática”

Deixe uma resposta