O mito da falta de água no mundo

Publicado em 23.06.2008

falta de agua mundo mito

As pessoas podem viver com o aquecimento global, mas ninguém consegue viver sem água. Nos últimos anos a mídia freqüentemente veicula que no futuro faltará água para todos e esse precioso elemento natural levará, inclusive, a guerras entre as nações.

Além de precisarmos de água para beber e para cultivar nossa comida e nossos animais (nossa comida, novamente) praticamente toda indústria depende dela. Uma pesquisa feita nos EUA descobriu que são necessários quase 5 mil litros de água para “colher” um simples hambúrguer (levando em conta a quantidade de água necessária para irrigar o pasto do gado). A principal fonte de eletricidade no Brasil também depende da água.

A demanda dispara

As reportagens que falam do terrível futuro sem água costumam divulgar algumas estatísticas que dizem:

  • Que a demanda de água triplicou apenas nos últimos 50 anos, enquanto os níveis de água caem em muitos dos países mais populosos.
  • Muitos dos maiores rios do mundo perderam muito seu volume e alguns secaram completamente.
  • Os lagos do planeta estão desaparecendo em taxas alarmantes: o Mar de Aral, por exemplo, está com menos de um quarto do seu tamanho original.

É verdade que isso é causa para alarme, mas para entender o problema é necessário ler além das manchetes para entender este pequeno fato: Não há falta de água.

Nosso planeta não está ficando sem água e também não está perdendo água. Há cerca de 1.362 quintilhões de litros de água no planeta e ela não está indo para lugar nenhum, mas sim, circulando. O ciclo hidrológico da Terra é um sistema fechado, e o processo é mais velho que o próprio tempo: evaporação, condensação, precipitação, infiltração e assim por diante. Em realidade há mais água em forma líquida no planeta do que havia algumas décadas atrás, devido em parte ao aquecimento global e o derretimento das calotas polares.

Os problemas

Não, há muita água. O problema é que a vasta maioria da água da Terra está nos oceanos na forma de água salgada e deve ser dessalinizada antes de ser utilizada para consumo ou irrigação. Dessalinização em larga escala é possível, mas é cara.

Mas o mundo também não está ficando sem água doce. Há muita água doce em nosso globo azul e não está chovendo menos do que costumava chover a mil anos atrás. Mas é claro que, como qualquer outro recurso, existe a escassez local, e estas sim estão piorando. Mas o problema real é disponibilidade local e transporte: mover água doce de onde ela existe em abundância, para os locais onde ela é escassa. A água é pesada e cara para transportar e aqueles que podem pagar o transporte, sempre terão água.

É a água, e não o aquecimento global, que será o grande desafio ambiental que o mundo enfrentará nas próximas décadas e séculos.

Para encontrar soluções é muito importante entender o problema. A água nunca é realmente “desperdiçada”. Ela simplesmente se move de um local para o outro. Se você deixa a sua torneira pingando o dia todo, isso é água limpa que estará indo novamente para o sistema, a água nunca é “perdida”. O que perde é o dinheiro e energia, pois é necessário energia para purificar e distribuir a água.

A conservação dos recursos hídricos é muito importante, mas não porque há (ou haverá) falta de água, ela é o recurso mais renovável que existe. Assim como qualquer outro recurso o problema é levá-la para aqueles que necessitam. [Fonte]

Autor: Alessandra Nogueira

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo