O orgasmo vaginal existe?

Publicado em 11.04.2012

Se existe um debate antigo, é esse: ativo desde pelo menos os dias de Sigmund Freud, o grande mistério permanece – as mulheres podem obter o clímax através apenas da estimulação vaginal? E há alguma diferença entre os chamados orgasmos clitorianos e vaginais?

Uma nova série de estudos afirma que o orgasmo vaginal e clitoriano são, de fato, fenômenos distintos, ativando diferentes áreas do cérebro e, talvez, revelando as principais diferenças psicológicas entre as mulheres.

Na teoria, desvendar o mistério de saber se existe orgasmo vaginal deveria ser simples: perguntar às mulheres se elas o têm. Mas, na prática, é um pouco mais difícil detalhar a estimulação sexual que leva ao orgasmo.

O ginecologista francês Odile Buisson argumenta que a parede frontal da vagina está intimamente ligada às partes internas do clitóris, e estimular a vagina sem ativar o clitóris pode ser quase impossível. Assim, orgasmos “vaginais” poderiam ser orgasmos clitorianos com outro nome.

Outra pesquisa, entretanto, sugere dois tipos distintos de orgasmo feminino. Barry Komisaruk, da Universidade Rutgers,
conduziu vários estudos em que as mulheres se masturbavam, enquanto seus cérebros eram escaneados com ressonância magnética funcional.

Os resultados mostram quais áreas do cérebro sensoriais se ativam em resposta à estimulação. “Se a estimulação da vagina é simplesmente via estímulos clitorianos, então a estimulação vaginal e estimulação clitoriana deveriam ativar o mesmo local no córtex sensorial”, disse Komisaruk. “Mas não é isso que ocorre”.

As áreas cerebrais de estimulação clitoriana, vaginal e cervical ficam próximas, mas apenas se sobrepõem ligeiramente, como um “cacho de uvas”.

Também há outras provas de vários tipos de orgasmos. Mulheres relatam que o orgasmo vaginal e clitoriano parecem diferentes. Também relatam orgasmos a partir de atividade física ou imaginação. Mulheres com lesão medular, que corta toda a comunicação entre o clitóris e o cérebro, ainda podem ter orgasmos com estimulação vaginal.

“O orgasmo em mulheres está no cérebro, pode ser sentido e estimulado de várias regiões do corpo, bem como a partir de imagens por si só”, disse Beverly Whipple, uma das descobridoras do controverso “ponto G”, uma área na parede frontal da vagina que pode ser particularmente sensível à estimulação sexual.

Um outro estudo descobriu que mulheres que têm orgasmos vaginais têm uma frequência cardíaca de repouso mais baixa.

Outras pesquisas descobriram que mulheres que têm orgasmo sem estimulação clitoriana são menos propensas, em média, a usar certos mecanismos psicológicos desajustados de enfrentamento, como somatização (sintomas psicológicos que se manifestam como queixas físicas), deslocamento (deslocar uma emoção sobre uma pessoa ou objeto para outro), e isolamento de afeto (desligar as emoções de experiências).

“Imparidade do orgasmo vaginal está associado especificamente com uma variedade de outras deficiências psicológicas”, afirma o psicólogo Stuart Brody, que esteve envolvido nesse estudo.

Os resultados dessa pesquisa não devem ser entendidos como um juízo de valor sobre as mulheres que não experimentam o orgasmo vaginal. Brody apenas argumenta que ensinar as mulheres que os orgasmos se originam apenas no clitóris diminui os orgasmos vaginais, o que poderia contar como “negligência”.

Enfim, os dados, as pesquisas e as opiniões dos especialistas são muito variados. Sobrou para você, mulher, concluir no quê acredita (baseado no que sente).

Mas um mito que todos os pesquisadores concordam que deve ser abolido é de que a vagina é insensível. Essa ideia começou a se espalhar devido ao sexólogo Alfred Kinsey, que relatou que as mulheres não respondiam à sensação de um fio de algodão esfregado ao longo de suas paredes vaginais.

No mesmo estudo, mais de 90% das mulheres sentiu quando pressão foi aplicada às suas paredes vaginais. Mas a primeira informação gerou o equívoco de que a vagina e o colo do útero não causam nenhuma sensação.

Apesar de tudo isso, os cientistas dizem: a mulher tem um “equipamento” muito complicado. As que não têm orgasmo vaginal não devem se sentir inferiores. “Uma mulher deve ter um entendimento de quem é ela, como seu corpo é composto, mas não deve estar à procura de algo, como o orgasmo do ponto G ou o orgasmo vaginal, como se fosse uma necessidade, um dever, pois perderá o melhor do sexo”, disse a italiana Emmanuele Jannini, que encabeçou a nova pesquisa sobre os orgasmos vaginais e clitorianos serem diferentes.[LiveScience]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

40 Comentários

  1. O orgasmo da mulher é físico e existe sim, não é nada tão complicado como tanta gente pensa, mas o fator que contribui muito para ela chegar nele é ela se conhecer bem, e “bater umas…”, tem que perder a vergonha, quebrar esse tal tabu machista e de auto preservação. Aí tem que ir até o fim, persistência é a chave. E parar de pensar que o tal orgasmo é essa maldita “coceguinha gostosa”, se vc mulher acha que é isso, lamento, mas não é isso nem a pau, orgasmo é bem mais do que isso. Tem que arrepiar a bagaça, é uma sensação sem controle caraca, se vc tentar controlar o orgasmo achando que é algo que vc produz com eficácia, se não chega lá, tem que perder o medo mesmo…aí é só seguir em frente que depois que a locomotiva passa vc será presenteada com uma verdadeira larica seguida de uma enorme vontade de relaxar e dormir…rs.

    Thumb up 12
  2. Discutirão o sexo dos anjos? Se uma fruta mata minha fome, pra que questionar os carboidratos, proteínàs, fibras? Faço uma mulher ter prazer. Que importa vaginal, clitoriano, ou anál? A mulher gosta? Se Sim dane se a ciência por que não vou dar um orgasmo melhor, pois cada mulher e um mistério delicioso de desvendar. Empirico, mas verdadeiro. Alguma cientista duvida?

    Thumb up 18
  3. Orgasmos vaginais e clitorianos são duas coisas completamente diferentes!
    O clitoriano costuma ser mais rápido e intenso.
    O vaginal é um pouco mais calmo e longo, porém não menos gostoso e geralmente sai uma especie de “aguinha” em esguichos ‘-’ acho que pela presença do líquido expelido é bem mais difícil de fingir…

    Thumb up 10
  4. Cara, orgasmo vaginal e clitoriano pode ter diferentes intensidades e “formas” (imagine uma curva em um gráfico, pode subir mais rápido e baixar rápido ou ter uma subida mais lenta, um ápice mais longo e uma descida mais longa, etc, etc)… Mas na boa, que não percebo uma diferença entre o conteúdo. Ou seja, o prazer orgástico é prazer orgástico, de onde quer que ele venha.
    Pra mim, orgasmo é físico e tal, mas é muito ligado à cabeça, à “pira” que você tem.

    Thumb up 8
  5. Olá a todos !
    Eu diria que até com beijos bem dado, há o orgasmo !
    Na minha opinião, o orgasmo tem um componente físico, mas é um conjunto de coisas que levam a ele …
    Carinho, entrega, sintonia, vontade e o aproveitar do momento contribuem para levar ao orgasmo – simples assim !
    Abraços e aproveitem

    Thumb up 11
  6. Ainda bem que nasci homem posso ter orgasmo hora que quero kkkkkkk hahaha safdafdafs!!!

    Thumb up 8
    • Em compensação você só pode ter UM TIPO de orgasmo. Uma pobreza. Nós mulheres podemos ter vários tipos. No mínimo dois: clitoriano e vaginal.

      Thumb up 27
  7. O orgasmo vaginal pode ser percebido através dos espasmos das paredes do canal vaginal, parece que estão mastigando!

    Thumb up 9
    • Alexandre, uma mulher treinada em pompoarismo pode fingir esses espasmos com muita facilidade…

      Thumb up 15
  8. gostei dos resultados da pesqisa..realmente se a mulher estiver feliz com o seu parceiro pode conseguir atingir todos os orgasmos citados e mais um pouco…desde que o seu parceiro a deixe feliz e sempre a querer mais….

    Thumb up 19

Envie um comentário

Leia o post anterior:
sonhando-acordada
Como ter sonhos sempre felizes: use um novo aplicativo para iPhone

Um estudo criou um a...

Fechar