O primeiro HD de 1,5Tb do mundo para desktops

Publicado em 10.07.2008

Seagate Barracuda 1.5Tb

O novo Disco Rígido (HD) da Seagate utiliza quatro pratos para fornecer 1.5 terabytes de armazenamento para desktops comuns.

Faz apenas um ano e maio que a Hitachi lançou o primeiro HD de 1Tb para desktops, até então o maior.

Este disco da Seagate chama-se Barracuda 7200.11 1,5Tb. Como o próprio nome diz, ele gira a 7.200 rpm e usa quatro pratos para alcançar os massivos 1,5Tb. Segundo a empresa é a maior adição de capacidade de armazenamento em discos em 50 anos. Esses 500Gb a mais foram possíveis graças à nova tecnologia de gravação perpendicular.

Juntamente com este disco a Seagate lançou 2 HDs Momentus, para notebooks, com a capacidade de 500Gb, nas velocidades de 5400 (8Mb de cache) e 7200 rpm (16Gb de cache). [DailyTech]

Eduardo Martins

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

11 Comentários

  1. Gostaria de elogiar a Cristhian Back pela sua interessante narrativa, acho que se isso acontecer nós estaremos fora desta dimensão para sempre!!!
    Come se diria: “Very Scary!!!”

  2. Que maravilha.

    Daqui a alguns anos a humanidade vai ter todo o seu conhecimento,todo mesmo,contido dentro de uma cabeça de alfinete ou melhor,num pequeno chip.
    Putz…Isso me lembrou a matrix…

  3. Louco, meu! E eu que pensava que o máximo era 250GB lançaram um de 1050?
    Isso deve custar pacas, mas vale a pena comprar… Daqui a pouco lançam memóriam RAM de 512GB’s…

  4. Com os preços dos acessos 3G mais acessíveis, um dia as pessoas poderão usar essa conectividade não apenas para navegar na Internet, mas também para conversar através de programas como o Skype. Poderão se comunicar com outras pessoas que também tenham Smartphones sem pagar nenhum centavo além do acesso de banda larga.

  5. Fredric Brown escreveu em 1954 um conto de ficção científica chamado “Resposta” que nunca esqueço – talvez porque é curto e marcante. Nele, Fredric nos conta a história de um super-computador conectando todo o conhecimento de todos computadores de mais de 96 bilhões de planetas e, quando perguntado se Deus existia…

    Dwar Ev soldou solenemente a junção final com ouro. A objetiva de uma dúzia de câmeras de televisão se concentrava nele, transmitindo a todo o universo doze enquadramentos diferentes do que estava fazendo.
    Endireitou o corpo e acenou com a cabeça para Dwar Reyn, indo depois ocupar a posição prevista, ao lado da chave que completaria o contato quando fosse ligada. E que acionaria, simultaneamente, todos os gigantescos computadores da totalidade dos planetas habitados do universo inteiro – noventa e seis bilhões de planetas – ao supercircuito que, por sua vez, ligaria todos eles a uma supercalculadora, máquina cibernética capaz de combinar o conhecimento integral de todas as galáxias.
    Dwar Reyn dirigiu algumas palavras aos trilhões de espectadores. Depois de um momento de silêncio, deu a ordem:
    – Agora, Dwar Ev.
    Dwar Ev ligou a chave. Ouviu-se um zumbido fortíssimo, o surto de energia proveniente de noventa e seis bilhões de planetas. As luzes se acenderam e apagaram por todo o painel de quilômetros de extensão.
    Dwar Ev recuou um passo e respirou fundo.
    – A honra de formular a primeira pergunta é sua, Dwar Reyn.
    – Obrigado – disse Dwar Reyn. – Será uma pergunta que nenhuma máquina cibernética foi capaz de responder até hoje.
    Virou-se para o computador.
    – Deus existe?
    A voz tonitruante respondeu sem hesitação, sem se ouvir o estalo de um único relé.
    – Sim, agora Deus existe.
    O rosto de Dwar Ev ficou tomado de súbito pavor. Saltou para desligar a chave de novo.
    Um raio fulminante, caído de um céu sem nuvens, o acertou em cheio e deixou a chave ligada para sempre.

    será que caminhamos pra isso?

  6. Sr. Destino
    O seu comentário me fez lembrar os tempos de criança que eu , como muitos por ai, sempre sonharam em ser cientista (sem ao menos ter idéia de como a coisa realmente é), digo isso no sentido de adorar histórias de carros voadores, robôs falantes e por aí vai. É uma nostalgia triste saber que embora tenhamos alcançados esses sonhos -mesmo que remotamente- somos ainda hoje bombardeos por diversos alardes de que há muitas coisas mais importantes que tecnologias à “Jetsons” ,como a miséria, a fome e doenças. Contentei-me com seu otimismo de um futuro avançado e sem “problemas” – no que você se referiu a um consumismo inexorável-. Como uma criança que sonha sem parar espero muito que você esteja certo sobre como será o futuro, carros voadores, federações interplanetárias, “Roses” domésticas ou até mesmo sintetizadores de alimentos…Crescer é sempre difícil quando se é uma criança, mesmo que isso seja o que mais desejamos acima de tudo.

    Agradeço pela lembrança :)

  7. Daqui a 2050 á 2080 ja teremos muito mais que yoggabytes de HD’s e com computadores ultramodernos com inteligencia artificial, que possam interagir com as pessoas do mundo todo, os CELULARES serão estintos daqui a 40 anos precisamente e sim um outro tipo chamado de INTERCOMUNICADOR irá contagiar a população e assim mais uma vez todo mundo vai querer, igualzinho a história do celular…

Envie um comentário