Onde estarão as manchas solares?

Publicado em 15.03.2011

Manchas solares são regiões frias e escuras na superfície do sol, dominadas por intensos campos magnéticos. Estas são as sedes de tempestades de partículas carregadas que geram belas auroras na Terra, mas que também podem devastar a eletrônica no espaço, afetando o transporte aéreo sobre as regiões polares, e as redes de energia na Terra.

Agora, os cientistas parecem ter descoberto a fonte de uma “seca” de manchas solares nos últimos anos.

O sol passa periodicamente por um fluxo e refluxo no número de manchas solares, um ciclo que dura aproximadamente 11 anos. No entanto, perto do final do ciclo solar 23, que chegou em 2001, a atividade solar entrou em um longo “mínimo”, com um grande número de dias sem manchas solares e um campo magnético polar muito fraco.

A não ser que se voltasse quase 100 anos, não seria possível encontrar um mínimo solar com um número maior de dias sem manchas. No entanto, esta “seca” finalmente acabou em 2009. O sol chegou a seu ciclo seguinte, o ciclo solar 24.

Para entender como o sol “perdeu” suas manchas, os cientistas desenvolveram simulações em computador do campo magnético do astro, que simulou 210 ciclos de manchas solares. Ao mesmo tempo, eles variaram a velocidade do sol de norte a sul, ou “meridional”, a circulação de plasma super quente no interior do sol.

Os pesquisadores descobriram que o fluxo meridional rápido na primeira metade de um ciclo solar, seguido por um fluxo mais lento no segundo semestre, levou a um mínimo de manchas solares, efetivamente reproduzindo o ciclo mínimo de 23 ao qual o sol foi submetido.

Anteriormente, os dias de seca levaram alguns cientistas a sugerir que poderia ter ocorrido uma repetição do Mínimo de Maunder, um período de 50 anos de manchas solares frias que alguns investigadores ligaram à Pequena Idade do Gelo do século 17.

Os pesquisadores ainda não sabem como esses fluxos meridionais induziram a mudança de velocidade que causou a seca de manchas solares. A circulação meridional é impulsionada em parte pela energia obtida a partir do interior solar e pequenas diferenças de temperatura entre o equador e os pólos solares.

Variações em sua circulação podem ser causadas por mudanças nesses fatores ou pelo feedback de fortes campos magnéticos nos fluxos. Só que os cientistas ainda não compreendem a complexidade destes processos com grande detalhe.

Segundo os pesquisadores, os resultados são importantes porque demonstram como pequenas mudanças na dinâmica interna do sol podem afetar profundamente a sociedade atual de base tecnológica.

Em princípio, o modelo desenvolvido pode ser estendido, em conjunto com as observações dos fluxos de plasma solar, para fazer previsões de curto prazo da atividade solar. Os pesquisadores podem prever se haverá tempo bom no espaço, ou sobre as regiões polares, por um período sustentado de tempo e usar esse conhecimento para planejar missões espaciais e de tráfego aéreo nas rotas polares. [LiveScience]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 25 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

3 Comentários

  1. Dizer que as manchas negras do sol são frias é um absurdo. Elas são quentes poque estão num ambiente muito quente. As manchas negras do sol são negras porque o compos magnético desviam a luz. Os fotons têm campos magnéticos e tem spin. É uma partícula como outra qualquer. Só que tem suas propriedades e uma delas é se polarizar ante um campo magnético. Sendo assim, ele se torna preto ante um campo magnético. Isto é o mesmo caso do buraco negro de uma galáxia. Ele é negro devido a polarização do foton ante o campo magnético do buraco negro. Diser que a gravidade de um buraco negro é tão forte que nem o foton consegue escapar de sua gravidade é furado. Se fosse assim a maior estrela do universo conhecida seria escura dado sua gravidade. Entretanto esta estrela é a mais clara do universo (é azul). Realmente, acredito que ainda não conhecemos o universo como deviamos conhecer.

    Thumb up 0
  2. Não existem fluxos de plasma no interior do Sol. A fusão do hidrogênio ocorre na ATMOSFERA, e não no núcleo como já foi comprovado pelo Prof. James McCanney.

    Os astrõnomos só não largam mão dessa teoria pq são mto bem pagos a quase século para repetir o que diziam antes deles.

    CIÊNCIA PORCA!!

    Thumb up 3

Envie um comentário

Leia o post anterior:
Pregnant woman in kitchen eating French fries and pizza smiling
Alimentação durante a gravidez pode levar os filhos a desenvolver diabetes tipo 2

Uma dieta materna po...

Fechar