Os 12 mais bizarros e famosos roubos

Publicado em 16.07.2012

Se existe uma lógica sob a qual os assaltantes mais ousados trabalham, ela diria que o importante é que a operação seja bem sucedida e a pessoa saia impune com o produto do roubo, certo? Alguns dos casos que não saíram exatamente como planejados, no entanto, acabaram se tornando os mais notórios da história. Confira uma compilação com os mais esquisitos “produtos” já surrupiados:

12 – Dirk, o Pinguim

Começamos com um caso recente: em abril deste ano, três homens britânicos resolveram apimentar suas férias em Gold Coast, na Austrália, com uma pequena travessura. Alcoolizados, eles pularam o alambrado do parque aquático durante a noite e sequestraram o pobre Dirk, um pinguim que vive no local.

Foi apenas ao acordar de ressaca, no dia seguinte, que eles se deram conta que havia uma exótica ave aquática com eles no quarto. Sem saber o que fazer, abandonaram-no em um lago das proximidades, onde ele foi encontrado à noite. Nossos três herois alegaram, com sucesso, que não pretenderam em nenhum momento machucar o animal, mas levaram uma grande multa mesmo assim. Dirk, por sua vez, já se recuperou e passa bem.

11 – O tesouro do Rei Eduardo I

A famosa Abadia de Westminster, em Londres, foi construída no ano 1050. Naquela época, já havia credores judeus, bem como um grande número de desesperados devendo para eles. Um destes desafortunados, Richard Pudlicott, teve uma ideia luminosa para resolver seus problemas financeiros em 1303: assaltar o tesouro lendário do monarca Eduardo I, guardado a sete chaves no monumento.

O método de Puddlicot foi impressionante: ele foi desgastando, aos poucos e pelo lado de fora, a parede cujo interior dava para a sala onde estavam guardadas joias e moedas raras (tal informação privilegiada ele conseguiu com ajudantes paroquiais que se deixaram subornar por antecedência). Conforme desgastava a parede, Pudlicott ia plantando hera no lugar, para disfarçar.

Quando o buraco ficou grande o suficiente, ele se esgueirou para dentro do templo e saiu levando tudo o que foi capaz de carregar consigo. O valor de seu assalto equivalia a mais de um ano de impostos de todo o reino inglês da época.

A casa caiu para o ladrão britânico pouco tempo depois, quando algumas das moedas que ele afanou foram encontradas por emissários da nobreza em uma casa de penhores. Até que o verdadeiro culpado fosse localizado, muita gente foi interrogada e colocada contra a parede. No fim das contas, Richard acabou confessando o crime, foi enforcado, esfolado, e sua pele exposta na porta da Abadia para servir de exemplo.

10 – Carro-forte de Las Vegas

O norte-americano Roberto Solis saiu do anonimato em 1969 ao matar um segurança durante um assalto a banco. Depois de 23 anos na cadeia (onde tinha a poesia como seu maior passatempo), o homem foi solto. Pouco tempo depois, ele começou a namorar uma mulher de vinte anos chamada Heather Tallchief, que conseguiu trabalho em uma empresa de segurança que levava e trazia dinheiro para Las Vegas, capital mundial dos cassinos.

Durante uma das viagens, em outubro de 1993, a moça iludiu seus companheiros de trabalho e fugiu com o carro-forte, que carregava 2,5 milhões de dólares (o equivalente atual a R$ 5 milhões), encontrou Solis e os dois fugiram. Durante doze anos, o casal escapou das garras da polícia.

Até que um belo dia, em 2005, Solis saiu pelo mundo sozinho, com o dinheiro, e abandonou sua companheira com apenas mil dólares e um filho para criar. Ela acabou sendo localizada e está presa. Solis, no entanto, continua solto: é o homem mais procurado dos EUA.

9 – O roubo do colar-bomba

O dia 28 de agosto de 2003 começou normal para o entregador de pizzas Brian wells, de Erie (Pensilvânia), nos Estados Unidos. Ao chegar a mais um endereço com a pizza quentinha, no entanto, o americano não foi recebido por consumidores com fome, mas sim por um homem e uma mulher armados.

Sob a mira de um revólver, Brian foi forçado a vestir um colar acoplado a um poderoso explosivo. Com este “adorno”, o pobre entregador recebeu as instruções de assaltar um banco e entregar o dinheiro em determinados lugares, cada etapa tendo que ser cumprida em um tempo-limite. Caso contrário, a bomba explodiria.

Um assaltante não se faz do dia para a noite. Armado, Brian entrou no banco, exigiu 250 mil dólares mas recebeu menos de 10 mil, e foi capturado pela polícia assim que deixou o recinto. Imediatamente, Brian tentou convencer os homens da lei de que era inocente e pedia para que chamassem o esquadrão de bombas imediatamente.

O tempo de hesitação da polícia custou a vida de Brian: o esquadrão só chegaria três minutos depois de a bomba explodir e abrir um rombo no peito do entregador de pizzas. Eventualmente, descobriu-se que a história das etapas era uma enganação: a bomba explodiria de qualquer maneira. Pouco tempo depois, o casal criminoso foi localizado e condenado.

8 – As joias da coroa do Rei George

Assim como a Abadia de Westminster, a Torre de Londres também já foi alvo da cobiça de ladrões. O assaltante, neste caso, era o coronel Thomas Blood, ex-integrante das forças armadas do reino e já acusado de traição. As joias oficiais do monarca George II eram guardadas sob a tutela de um homem de 77 anos. Em 1671, o coronel se disfarçou de abade e visitou a Torre durante semanas, até ganhar a confiança do velho guardião.

Quando isso aconteceu, Blood convenceu o homem a mostrar as joias em privativo para ele e sua “família” (na verdade eram cúmplices do assaltante). Quando entraram na sala restrita onde se guardavam os valores, Blood acertou uma marretada na cabeça do velho, o derrubou, amarrou e amordaçou.

O coronel e seus cúmplices conseguiram deixar a torre com os bens, ainda que tivessem que cortar o Cetro Real em duas partes e amassar a coroa com outra marretada, para que coubessem no saco. Mas a alegria durou pouco: o guardião septuagenário acordou e conseguiu dar o alarme de roubo para que os criminosos fossem encontrados.

Apesar da audácia e do declarado descaso com as joias, o coronel Blood acabou anistiado pelo Rei George e ganhou um tranquilo exílio com terras garantidas na Irlanda. Especula-se que a benevolência do rei, na verdade, era medo de uma possível represália dos cúmplices caso ele fosse executado.

7 – O fracasso dos assaltantes homossexuais

John Wojtowicz (27 anos) e Salvatore Naturile (18) eram dois companheiros nova-iorquinos que acordaram no dia 22 de agosto de 1972 dispostos a assaltar um banco. É provável que eles realmente só tenham decidido assaltar o banco no próprio dia, tão mal planejada foi a operação. Eles não usavam máscaras nem luvas para ocultar pistas comprometedoras e evitar testemunhas, chamavam um ao outro pelo primeiro nome e levaram mais de vinte minutos para roubar tudo o que pretendiam.

Dessa maneira, a polícia já estava toda preparada e cercava o prédio quando eles finalmente decidiram sair. Como não puderam, ficaram presos do lado de dentro do banco e fizeram os clientes de reféns. Exigiam um helicóptero para deixar o local em segurança, mas acabaram enganados pelos policiais e foram encurralados na agência.

O mais novinho, Salvatore, resistiu e acabou sendo morto com um tiro. John Wojtowicz, por sua vez, acabaria preso. O dinheiro que ele pretendia roubar, conforme se descobriu depois, era para que o namorado pudesse fazer uma cirurgia de mudança de sexo.

6 – Taça Jules Rimet

Desde 1930, quando foi realizada a primeira Copa do Mundo de futebol, a cobiçada taça Jules Rimet passou de um país campeão a outro a cada quatro anos, sempre guardada nas sedes das federações com a maior segurança possível. Em 1966, pouco antes da abertura da oitava Copa do Mundo, na Inglaterra, o troféu já estava exposto para visitação na Abadia de Westminster.

Em um pequeno descuido durante a troca de guarda, na hora do almoço, a taça de 35 centímetros de altura e 3,8 quilos desapareceu, misteriosamente e sem que nenhuma testemunha tivesse visto algo. No dia seguinte, uma voz identificada “Jackson” ligou para a Football Association (Federação de Futebol da Inglaterra), identificou-se como o ladrão e ameaçou derreter a taça caso chamassem a polícia. Chamaram mesmo assim, rastearam o telefonema e prenderam “Jackson”. Mas a taça não estava com ele.

Uma semana depois, com a polícia ainda tonta e sem saber por onde continuar as investigações, um homem chamado David Corbett andava com seu cachorro Pickles pelas ruas de Londres quando o animal farejou em meio ao lixo um saco, no qual havia algo enrolado em jornal.

Por um motivo ainda desconhecido, era a taça que estava lá, jogada. Ao devolver a relíquia, Corbett seria recompensado com mais de 6 mil libras (o equivalente atual a 19 mil reais), e o cãozinho Pickles acabou virando uma estrela de cinema e televisão.

5 – “O grito”, de Edvard Munch

Uma das telas mais famosas do expressionismo europeu do século XIX existe não em uma, mas em quatro versões originais, em diferentes tipos de tela. Uma delas, exposta na Galeria Nacional de Arte da Noruega, estava segura até a chegada das Olimpíadas de Inverno de Lillehammer, em 1994.

Devido aos eventos relativos aos Jogos, a tela acabou sendo colocada em um lugar menos seguro, próximo a uma janela, e deu chance para que ladrões roubassem a obra.

Eles acabariam capturados pouco tempo depois, mas o susto não serviu de lição. Dez anos mais tarde, em 2004, assaltantes roubaram outra versão, de outro museu norueguês, mas o roubo dessa vez foi mais bem sucedido.

Além de conseguirem escapar, eles roubaram não apenas “O Grito”, como também “Madonna”, ambos de Edvard Munch. O momento em que escaparam, colocando as telas no porta-mala do carro, foi registrado por um transeunte, mas eles se safaram mesmo assim. Apenas dois anos depois, em 2006, as obras seriam recuperadas.

4 – O assalto do Papai Noel

Durante os anos 1920, quando a economia americana e mundial começava a dar sinais de colapso, a depressão batia fundo e muita gente sofreu com isso. Imagine o que Marshall Ratliff, um ex-presidiário, podia fazer quando foi solto, em 1927, sem dinheiro e em uma sociedade com índices astronômicos de desemprego: nada, exceto continuar a roubar bancos, sua antiga profissão.

O problema é que seu rosto já era muito conhecido em sua pequena cidade natal de Cisco, no Texas, que não o deixaria nem passar perto de uma agência bancária.

Graças a essa inconveniência, Ratliff pensou em uma solução genial: disfarçar-se de Papai Noel. O Natal se aproximava e o assalto foi programado para o dia 23 de dezembro, para que um homem gordo andando de casaco vermelho e um saco nas costas não fosse digno de suspeitas. Ratliff chamou três comparsas e tudo parecia que ia correr como o esperado, mas ele teve a infeliz ideia de percorrer a pé, sozinho, o caminho até o banco.

Antes que pudesse chegar, ele já estava sendo abordado por dezenas de crianças, que não largaram do seu pé nem mesmo quando ele já estava dentro do banco.

Na hora combinada, os três auxiliares de Ratliff entraram logo em cena, brandindo as armas e mandando todos deitarem no chão. Durante o assalto, no entanto, uma mulher entrou e pânico e saiu correndo e gritando porta afora, apesar das ameaças. A polícia logo ficou sabendo, e cercou o banco no encalço dos ladrões.

Teve início um tiroteio infernal, no qual dois policiais morreram baleados e o quarteto conseguiu escapar no carro levando mais de 150 mil dólares (cerca de R$ 300 mil). Um dos comparsas, no entanto, acabaria mortalmente ferido durante a fuga. Ratliff sobreviveu, apesar de levar seis tiros, e foi a julgamento depois de se recuperar. Quando a população soube que ele alegava loucura para escapar de uma pena mais longa, invadiram a penitenciária, lincharam-no, e ele faleceu ali mesmo.

3 – O cavalo Shergar

No mundo do hipismo, alguns cavalos vencedores têm status de celebridades, tornando-se famosos e aparecendo em filmes. Nos anos 80, a maior estrela do mundo esportivo equino era o irlandês Shergar: aos cinco anos de idade, já havia ganho mais de 600 mil dólares (equivalente atual a cerca de 1 milhão e 200 mil reais) em prêmios nos páreos em que concorreu.

Em uma noite aparentemente comum em 1983, um carro acoplado a um trailer especial para transporte de cavalos estacionou próximo às estrebarias onde Shergar estava.

Uma quadrilha de homens mascarados desceu do carro, foram até a casa dos cuidadores de Shergar e tocaram a campainha. Quando o filho do caseiro atendeu, deram-lhe uma paulada na cabeça, que o nocauteou. Os ladrões entraram na casa, renderam a família e obrigaram o caseiro a levá-los até Sheregar.

Localizaram-no, puseram-no no carro e foram embora. Pouco tempo depois, os donos de Shergar receberam telefonemas dos sequestradores, que pretendiam pedir um resgate. Os donos, no entanto, se recusaram a negociar com a quadrilha, até que as ligações cessaram. Shergar jamais seria visto novamente.

2 – Dormindo na cena do crime

Parece inacreditável, mas no Brasil já houve assaltos que deram errado graças a um imprevisto inusitado: o ladrão dormiu no lugar que pretendia assaltar. Nos últimos anos, isso aconteceu mais de uma vez: em 2008, na cidade de Canoas (RS), um rapaz de 20 anos entrou em uma casa e assaltou-a. Fugiu com sucesso e gastou parte de seus lucros com uma pedra de crack. Consumida a droga, decidiu que poderia entrar na mesma casa e roubar mais objetos. Na segunda excursão, contudo, acabou dormindo no sofá e só foi acordado pela polícia na manhã seguinte.

Em 2010, um homem em São José dos Campos (SP) teve um infortúnio parecido, também em uma casa. Em outubro de 2011, na mesma São José dos Campos, um jovem pegou no sono no sofá de uma empresa que pretendia assaltar. Pouco mais de um mês depois, em Goiânia, um homem arrombou a sala da coordenação de uma escola e acabou dormindo na mesa da diretora.

1 – Taça Jules Rimet, versão brasileira

No item 6, você conheceu a história do roubo da taça Jules Rimet, entregue aos vencedores da Copa do Mundo de 1930 até 1970. Neste ano, na Copa do México, a seleção brasileira conquistou o tricampeonato e ficou com a taça em definitivo (em 1974, um novo troféu – o atual – foi inaugurado). A partir dali, ela foi guardada na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Durante treze anos, a taça Jules Rimet permaneceu ali, segura. Em 1983, no entanto, homens encapuzados invadiram a sede da entidade e de lá surrupiaram o valioso troféu. Embora os responsáveis tenham sido detidos, este crime jamais foi totalmente solucionado. Acredita-se, contudo, que os ladrões tenham derretido a taça e vendido o ouro para fazer correntinhas. Hoje, o que existe na sede da CBF é apenas uma réplica. Uma pena. [Lisverse/Sports Illustrated]

Autor: Stephanie D’Ornelas

É estudante de jornalismo, adora um café e um bom livro. Curte ciência, arte, culturas e escrever, mesmo que sejam poesias para guardar na gaveta.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

4 Comentários

  1. COLABORAÇÃO SOBRE O ROUBO DA “TAÇA”. Diz assim a matéria: …Acredita-se, contudo, que os ladrões tenham derretido a taça e vendido o ouro para fazer correntinhas.
    É QUE OURO NÃO DERRETE! A TAÇA FOI “FUNDIDA”. O GELO É DERRETIDO.
    FREDIABRAHÃO

    Thumb up 8
    • Tentou dar explicações técnicas como especialistas mas no fim vc tbm errou… A palavra derreter no termo técnico de química não se aplica… A água congelada assim como os outros elementos quando passam do sólido para o líquido também se fundem… portanto o gelo não derrete e sim se funde… Humildade zero no seu comentário…

      Thumb up 12
  2. kkkkkk Intessante, o que mais me surpreendeu foi a do cara na cadeia; nossa, povo revoltado mesmo. Belo post Sra. Stephanie D’ornelas.
    Á sim: First coments newbies. kkk Brincadeira.

    Thumb up 1

Envie um comentário

Leia o post anterior:
olho
Os olhos nunca mentem. Mito ou realidade?

Pesquisa derruba a i...

Fechar