Para os patos, o comprimento do pênis depende de outros machos

Publicado em 2.08.2010

Novos estudos descobriram que o comprimento máximo do pênis de um pato depende das companhias que ele mantém. Neste caso, estamos falando de seus amigos patos do sexo masculino: são eles que fazem a diferença.

O pênis do pato definha no final de uma estação de reprodução e, em seguida, cresce novamente quando a próxima temporada começa. Entre algumas espécies de patos, o “recrescimento” varia de comprimento ou de tempo dependendo se os machos têm de competir com muitos outros machos ou não pelas fêmeas. Esses resultados oferecem a primeira evidência de vertebrados em que as circunstâncias sociais influenciam o crescimento do pênis.

Em muitas espécies de aves, os machos não crescem órgãos especializados para oferecer esperma. Os patos sim e o seu pênis às vezes atingem tamanhos consideráveis (25 centímetros em patos corados, mais de metade do comprimento do seu próprio corpo). O comprimento extra pode dar uma vantagem competitiva a um macho na quantidade de esperma liberado quando as fêmeas têm vários companheiros.

Pesquisas anteriores documentaram conflitos sexuais fortes em patos – como machos forçando cópula e fêmeas utilizando “estratégias” como vaginas em forma de saca-rolhas, que se torciam em espiral – desenvolvidos ao longo de sua evolução que, aparentemente, impediam o controle da reprodução masculina.

Para verificar se a concorrência entre machos influencia o crescimento do pênis dos patos, a equipe alojou alguns de seus patos em grupos de sete a oito machos com cinco ou seis fêmeas, sendo que outros machos viviam com apenas uma fêmea.

Entre os patos marinhos, os machos que competiram em grupo tiveram um crescimento de pênis 15% maior, e às vezes até 25% maior do que os marrecos sem rivais de acasalamento.

A espécie do pato marinho, entretanto, não mostra muitos sinais de conflito entre machos e fêmeas. Eles raramente se impõem sobre uma fêmea resistente. Em contrapartida, as relações de pato corado parecem repletas de conflitos, com machos geralmente obrigando as fêmeas em cenas de acasalamento caóticas. Nessa espécie, o comprimento do pênis não diferiu entre machos competitivos ou não. O que foi diferente foi o tempo em que o pênis cresceu.

Nos grupos competitivos, alguns machos grandes cresceram prodigiosos órgãos dominando o grupo. Outros machos cresceram pênis mais moderados, que começaram a definhar semanas mais cedo do que os machos dominantes ou machos sem concorrência. Os investigadores concluíram que os patos são prudentes: em uma multidão, não se incomodam em fazer grandes investimentos se os esforços não serão aplicados.

Os resultados lançam luz sobre como os patos se tornaram tão bem-dotados comparado com outras aves. O experimento mostra que os patos essencialmente aumentam seu próprio pênis em resposta aos desafios sociais. Agora, a equipe de cientistas gostaria de saber mais sobre como isso funciona na fisiologia do pato, e se outras espécies podem reagir à concorrência sexual da mesma forma. [ScienceNews]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

2 Comentários

Envie um comentário

Leia o post anterior:
fuligem
A redução da fuligem pode ajudar a reverter a mudança climática

Segundo as últimas p...

Fechar