Colágeno falso de T. rex mostra que o Parque dos Dinossauros talvez nunca exista

Parece que mais um dos nossos sonhos de infância foi destruído. Os paleontólogos da Universidade de Manchester desmentiram um possível primeiro passo para a realização de um Parque dos Dinossauros da vida real depois de analisar novamente o colágeno do osso de um Tiranossauro rex descoberto há mais de uma década.

Essa é provavelmente a questão mais comum que os paleontólogos respondem: “O Parque dos Dinossauros poderia se tornar uma realidade?”. As alegações de que sequências de proteínas (peptídios) teriam sobrevivido em um fóssil de Tiranossauro Rex de 68 milhões de anos descoberto há dez anos despertaram a imaginação de muitos cientistas em todo o mundo. Muitos acreditaram que havia esperança.

Cientistas descobrem fóssil de mosquito cheio de sangue pela primeira vez

As proteínas pré-históricas poderiam ter fornecido o primeiro possível vislumbre dos passos para reconstruir dinossauros. Esta descoberta, no entanto, não encontrou aceitação universal e causou muito debate entre a comunidade científica. As análises subsequentes da mesma equipe promoveram este trabalho com outro dinossauro, desta vez o Brachylophosaurus, conhecido como hadrossauro. O principal argumento contra este trabalho anterior era em relação à possibilidade de contaminação bacteriana, mas uma preocupação mais fundamental era a possibilidade de contaminação moderna por ossos analisados ​​em laboratório.

“A descoberta de proteínas em ossos de dinossauro enviou uma onda de choque ao redor do mundo, tanto entre cientistas quanto para o público. Parecia que a ficção agora estava sendo convertida em fatos através da aplicação de novas técnicas”, diz o Dr. Mike Buckley, da Escola de Ciências da Terra e do Meio Ambiente da Universidade de Manchester.

Descobrindo a verdade

Então, uma equipe com sede na Universidade de Manchester e na National Museums Scotland, liderada pelo Dr. Buckley, analisou se os alegados peptídios de dinossauro poderiam ter vindo de animais modernos, uma vez que sabia-se que avestruzes e jacarés haviam sido usados pelos laboratórios nos estudos originais.

Seria possível transformar Jurassic Park em realidade?

A equipe de Manchester analisou amostras de osso de três avestruzes diferentes, encontrando combinações fortes com todos os peptídios “fósseis” originalmente relatados tanto do T. rex como do Brachylophosaurus. Esses resultados destacam a necessidade de critérios robustos de autenticação ao tentar identificar informações de sequências biomoleculares de material fossilizado verdadeiramente antigo.

Buckley acrescenta: “Nosso trabalho começou a identificar as impressões digitais de colágenos de avestruzes e jacarés e não pretendia desmantelar os estudos anteriores. No entanto, logo percebemos que nossos resultados estavam puxando o tapete sob o paradigma de que o colágeno poderia sobreviver aos estragos do tempo”.

O colágeno é a proteína-chave dentro do osso que fornece flexibilidade no esqueleto e está intimamente ligada aos minerais que compõem o osso. Este material onipresente domina o registro arqueológico e paleontológico e pode fornecer informações importantes sobre organismos vivos e extintos. No entanto, a sobrevivência de sequências de colágeno além de 3,5 milhões de anos não foi alcançada e validada por qualquer outra equipe.

“O registro fóssil está oferecendo novas informações diariamente através da aplicação de novas tecnologias, mas nunca devemos esquecer que quando os resultados nos mostram algo que realmente queremos ver, temos que nos certificar de nossa interpretação. A alegada descoberta de sequências de proteínas em ossos de dinossauro levou a muitas tentativas mal sucedidas de repetir essas afirmações notáveis. Parece que estávamos tentando reproduzir algo que estava além da detecção atual dos limites da nossa ciência”, acrescenta Phil Manning, co-autor e professor de História Natural da Universidade de Manchester.

Cientistas fizeram “pernas de dinossauro” crescer em uma galinha pela primeira vez

Os controles que são usados ​​para restringir as relações evolutivas entre os organismos extintos e existentes devem ser completamente isolados do sujeito do estudo (ou seja, o osso dos dinossauros), de modo que as técnicas altamente sensíveis não peguem os resíduos de contaminantes enganadores. Isso leva a um falso teto para outros cientistas alcançar, o que na realidade é altamente desafiador.

“Estamos vendo algo semelhante em nosso estudo com o que aconteceu com o antigo mundo do DNA há mais de 20 anos, quando o mundo científico teve que recalibrar suas aspirações quando se tratava da sobrevivência desta delicada molécula de vida através do tempo profundo. Parece que a máxima que diz que reivindicações excepcionais requerem provas excepcionais permanece”, diz Buckley. [phys.org]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)
Curta no Facebook:

Deixe uma resposta