Por que mulheres insistem em relacionamentos complicados?

Publicado em 13.04.2010

Um novo estudo tentou esclarecer por que algumas mulheres insistem em manter relacionamentos complicados, muitas vezes abusivos, com seu parceiro. Os pesquisadores descobriram que as mulheres psicologicamente abusadas conseguem ver traços positivos em seus abusadores mesmo assim.

Os pesquisadores analisaram cerca de 600 mulheres americanas de baixa-renda para descobrir os motivos pelos quais elas persistiam nesse tipo de relacionamento.

- 42% das mulheres declararam terem sido abusadas (sexualmente ou psicologicamente) pelos seus parceiros no último ano.

- A agressão psicológica era a mais comum, seguida por agressão física e, por último, abuso sexual.

- Um pequeno grupo de mulheres admitiu que seus parceiros eram realmente controladores (2,3% das entrevistadas). Pouco mais de 1% disse que eles tinham comportamento extremamente violento.

Mas, apesar desses dados, mais da metade das mulheres “abusadas” considerava que seus companheiros ainda possuíam traços de personalidade bons, logo, valia a pena continuar investindo na relação. 54% considerava seus maridos dependentes delas e 21% disseram que eles eram amáveis, mesmo sendo abusivos muitas vezes.

Baseados nos dados, os cientistas separaram os homens em três grupos: os dependentes e abusivos (44%) que poderiam ser carinhosos e tinham a menor quantidade de comportamento violento. Homens controladores (38%) possuíam uma tendência maior à violência. Os perigosamente abusivos (18%)tinham os maiores níveis de violência.

Segundo os cientistas, mais estudos serão necessários para entender as mulheres que são abusadas – mas os resultados atuais já irão ajudar aqueles que trabalham com serviço social relacionado à esse tipo de problema.

Fonte: LiveScience

Autor: Luciana Galastri

é jornalista. Viciada em livros, lê desde publicações sobre física a romances de menininha do estilo "Crepúsculo". Toca piano desde os oito anos de idade e seu estilo de música preferido é o metal.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

22 Comentários

  1. Acompanhei o desenvolvimento de uma garota desde a idade de dois anos. A família obteve judicialmente a posse e a guarda dessa criança. Quando a receberam ela media 66 cm, pesava seis quilos, seus cabelos haviam caído em grande parte e seu corpo era coberto de feridas. A família se esmerou para salvar essa criança. Teve que reaprender a comer. Sua alimentação a princípio líquida e em pequenas quantidades: 50ml de três em Três horas. Depois evoluiu para pastosa para finalmente comer todas as consistências.
    Lembro que a criança tinha uma diarreia horrorosa e uma gripe tão estranha que se pensou até que estivesse tuberculosa.
    Mas a família conseguiu salvar a criança e cuidou dela como se fosse filha. Deu-lhe tudo: Bons colégios, tratamento com psicopedagogo porque ela tinha dificuldade de aprendizagem e por fim ela chegou até a faculdade.
    Após os 15 anos essa garota perdeu a compostura totalmente. Escolheu como companheira para sair e conversar uma falsa empregada doméstica que trabalhava como babá, mas que durante a noite vivia promiscuamente e em companhia dessa falsa babá, passou a se relacionar com pessoas que nada tinham a ver com o meio em que foi criada e que a família frequentava. Por fim passou a se encontrar com rapazes conhecidos como marginais e a ter relações sexuais com eles. Chegou inclusive a levá-los para dentro da casa da família às escondidas. Era xingada, esnobada, usada e mesmo assim ela continuava frequentando esses ambientes. Um dia engravidou. Fugiu de casa e foi viver com um rapaz que não era o pai da criança. A princípio tudo correu bem, mas depois o rapaz se interessou por outra pessoa, mandou-a embora, passou a maltratá-la e até a ameaçou de morte. Mesmo assim ela insiste em morar na mesma casa que o rapaz. Uma casa pequena, onde todos dormem em um mesmo vão, onde se submete a todo tipo de agressão psicológica e de agressão física. Já foi oferecido a ela a oportunidade de trabalhar em uma casa de família com o filho, mas ela revida dizendo que não vai viver debaixo da saia de ninguém e no entanto é o que está fazendo e de forma a colocar a vida dela em perigo. E a criança que ela teve, participando desses horrores, porque ela insiste em expor a criança a esse ambiente.
    Como explicar isto?

    Thumb up 8

Envie um comentário

Leia o post anterior:
explosao-nuclear
Quais as chances de um terrorista comprar uma bomba nuclear?

Será que é possível ...

Fechar