Prêmios Nobel: Nobel de Química vai para cientistas que criaram novas formas de ligar átomos de carbono

Publicado em 6.10.2010

Três cientistas foram os laureados pelo Prêmio Nobel de Química 2010: Richard Heck, Ei-ichi Negishi e Akira Suzuki. A descoberta deles tornou possível o desenvolvimento de novos tipos de moléculas complexas, que seriam utilizadas em tratamentos médicos e em eletrônicos.

O nome “científico” da invenção deles é “acoplamentos transversais paládio- catalisados em sistemas orgânicos”. Segundo a Academia Sueca Real de Ciências, responsável pela realização dos prêmios Nobel, a invenção é uma ferramenta precisa e eficiente que pode ser usada no desenvolvimento de produtos farmacêuticos e na indústria de eletrônicos. Eles esperam que a descoberta traga várias inovações.

Mas como? Basicamente, as novas moléculas tornam mais fácil marcações fluorescentes em seqüências de DNA, o que tornaria possível o desenvolvimento de remédios mais precisos e de novos polímeros, usados nos eletrônicos. [BBC]

Autor: Luciana Galastri

é jornalista. Viciada em livros, lê desde publicações sobre física a romances de menininha do estilo "Crepúsculo". Toca piano desde os oito anos de idade e seu estilo de música preferido é o metal.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

1 comentário

  1. Well, realmente os reatores de membranas inorgânicas catalíticas representam uma alternativa promissora para diversos processos industriais, sobretudo aqueles que envolvem reações limitadas pelo equilíbrio termodinâmico.

    Em sistemas envolvendo o hidrogênio (reações de hidrogenação ou desidrogenação), o uso de reatores de membranas é particularmente atrativo, devido ao atual estágio de desenvolvimento das membranas de paládio.

    Embora os reatores de membrana já tenham sido testados em várias reações, muitas das publicações relatam os problemas encontrados e alertam quanto à dificuldade de se usar, na prática, o conceito dos reatores de membranas. Pode-se, portanto, dizer que o estudo desses sistemas ainda encontra-se no estado da arte.

    As dificuldades residem não só na obtenção de membranas com características pré-determinadas e na configuração e modo de operação do reator, mas também em problemas de permeabilidade seletiva e de deterioração da membrana, por depósito de coque.

    Em vista dos muitos desafios a serem superados nesta” 2º fasse”, pode-se concluir que esses sistemas constituem ainda uma tecnologia emergente; se espera que muitos anos sejam transcorridos até que as membranas catalíticas possam ser usadas em reatores comerciais.
    Edilson Lima – Cientista Brasileiro.

    Thumb up 2

Envie um comentário

Leia o post anterior:
tanque1
Artesão russo constrói réplicas exatas dos tanques usados na 2ª. Guerra Mundial

E não são apenas dua...

Fechar