Circuitos neurais são criados em laboratório

Publicado em 30.07.2012

CIRCUITOS NEURONAIS EM LABORATÓRIO

por Mustafá Ali Kanso

O sistema nervoso detecta estímulos externos e internos, tanto físicos quanto químicos e desencadeia as respostas musculares e glandulares integrando o organismo com o ambiente.

Ele é formado, basicamente, por células nervosas – os neurônios – que se interconectam de forma específica formando os chamados circuitos neurais.

É através desses circuitos que o organismo é capaz de produzir respostas padronizadas, tais como os reflexos, ou então, produzir comportamentos variáveis e complexos de acordo com a aprendizagem estímulo-resposta através da propriedade denominada plasticidade neuronal.

NEURÔNIO

O neurônio é composto de três partes principais: um corpo celular, os dendritos e um axônio. São justamente os axônios e dendritos os responsáveis pelas ligações de célula a célula na composição dos referidos circuitos neuronais.

Cada neurônio componente dessa rede é uma célula eletricamente excitável que processa e transmite informações ao longo de todo o circuito.

Como os neurônios apresentam dimensões da ordem de milionésimos de milímetro o desafio associado à criação em laboratório de uma rede neural viva é muito grande. Principalmente quando se considera a necessidade do posicionamento de cada célula em locais pré-estabelecidos e a correta orientação do crescimento dos axônios para que as referidas sinapses ocorram.

Mas mesmo assim muitos pesquisadores vêm tentando recriar esse processo chave em laboratório por meio da manipulação de neurônios de ratos.

A PESQUISA

Foi publicado recentemente no Publishing’s Journal of Neural Engineering, o estudo, realizado por pesquisadores do Korea Advanced Institute of Science and Technology (KAIST) preconizando uma técnica eficaz que não apenas propicia o crescimento dos axônios como também orienta esse crescimento culminando na construção de um circuito neuronal completo e funcional.

Coautor do estudo, o professor Yoonkey Nam, afirmou que: “Eventualmente, nós queremos saber da possibilidade de se projetar um modelo de tecido neural que imite biologicamente alguns circuitos neurais do nosso cérebro”.

Neste estudo, foi investigada a formação de neurônios e o crescimento dos axônios utilizando diversos tipos de micropadrões poligonais (matrizes micropoligonais) em substratos de cultura de células e sugeriu um princípio inovador de design para a orientação do crescimento do axônio in vitro.

Dez tipos diferentes de micropolígonos (círculo, triângulo, quadrado, pentágono, hexágono, estrelas e triângulos isósceles) foram impressas, como uma diminuta fôrma no tamanho da célula, em um substrato de cultura utilizando microimpressão de contacto com uma mistura de poli-L-lisina e laminina (uma cadeia peptídica sintética).

A princípio apenas 18 neurônios do hipocampo de ratos foram marcados com fluorescência e cultivados sobre os substratos dos moldes, e a relação entre micropadrões e o crescimento de neurônios foi analisada.

Os pesquisadores descobriram que os moldes em triângulo foram mais eficientes para incentivar o crescimento e a orientação dos axônios. Orientação essa, dada na direção do vértice com ângulo mais agudo, sendo que a geometria dessas diminutas fôrmas atuou como pista de sinalização.

No geral, foi integrada a microtecnologia com a neurobiologia para encontrar uma nova solução de engenharia com o objetivo de criar um modelo de circuito neural reprodutível.

As aplicações são inúmeras.

Desde estudos de como se processa a memória até rastreio de drogas no sistema nervoso central.

No entanto uma aplicação se destaca: é a regeneração de neurônios danificados, com aplicações promissoras na medicina, principalmente no que tange ao tratamento de lesões na medula espinal que confina à cadeira de rodas milhões de pessoas em todo o mundo.

-o-

[Imagem: "Brain" -de Dierk Schaefer]

 

[Leia os outros artigos de Mustafá Ali Kanso]

 

LEIA SOBRE O LIVRO A COR DA TEMPESTADE do autor deste artigo

À VENDA NAS LIVRARIAS CURITIBA E ARTE & LETRA

Navegando entre a literatura fantástica e a ficção especulativa Mustafá Ali Kanso, nesse seu novo livro “A Cor da Tempestade” premia o leitor com contos vigorosos onde o elemento de suspense e os finais surpreendentes concorrem com a linguagem poética repleta de lirismo que, ao mesmo tempo que encanta, comove.

Seus contos “Herdeiros dos Ventos” e “Uma carta para Guinevere” foram, em 2010, tópicos de abordagem literária do tema “Love and its Disorders” no “4th International Congress of Fundamental Psychopathology.”

Foi premiado com o primeiro lugar no Concurso Nacional de Contos da Scarium Megazine (Rio de Janeiro, 2004) pelo conto Propriedade Intelectual e com o sexto lugar pelo conto Singularis Verita.

Autor: Mustafá Ali Kanso

é escritor, professor, engenheiro químico, empresário da mídia educacional e divulgador científico em programas culturais da TV. Leia outros artigos dele.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

11 Comentários

  1. Pesquisar é muito bom e nos ajuda a ir entendendo a vida, mas a humanidade ainda precisa evoluir muito para aceitar e não fazer guerra aos espiritualistas nem aos materialistas. Ambos têm razão.

    Thumb up 1
  2. Esse tipo de pesquisa é empolgante! Além das aplicações médicas espetaculares, a Medicina começa a desenvolver tecnologia suficiente para que as especulações metafísicas (alma, espírito) possa ter base científica.

    A grande questão filosófica sobre “Quem somos?”, dividida entre espiritualistas e materialistas, poderá ser tratada sem os radicalismos existentes hoje em dia como implícita na frase:

    P.: “…produzir comportamentos variáveis e complexos de acordo com a aprendizagem estímulo-resposta através da propriedade denominada plasticidade neuronal…”

    >>> na vertente materialista, o comportamento depende da aprendizagem E-R (empirismo).

    >>> na vertente espiritualista, o estímulo exterior é percebido pela mente-espírito (inconsciente-subconsciente) que a seguir responde através do cérebro (consciente => plasticidade neuronal) na forma de comportamentos variáveis e complexos.

    A discussão materialista não leva em conta a “intencionalidade intrinseca” aos fenômenos cerebrais (pensamento, sentimento, vontade), trabalhando com razão e sensação, objetivamente conscientes e decretados por um consenso de Ph.D. (magister dixit).

    A discussão espiritualista não leva em conta a necessidade do método científico cartesiano (clareza nas propostas) em suas alegações fideistas, trabalhando com intuição inconsciente e sentimentos “misticos” subjetivos de um “guru dixet”.

    Espero estar vivo quando “A Era das Máquinas Espirituais” (livro de Ray Kurzweil) acontecer. Vou virar um “robocop”…rsrsrsrs…

    Thumb up 4
    • @aguiarubra

      “Espero estar vivo quando “A Era das Máquinas Espirituais” (livro de Ray Kurzweil) acontecer. Vou virar um “robocop”…rsrsrsrs…”

      Vamos ter o melhor dos dois mundos! Também estou torcendo para que as previsões do Dr. Ray se tornem realidade ;)

      Thumb up 2
    • É isso aí.

      Thumb up 1
  3. celulass troncos neuronios cerebro artificial e por ai vai ate DEUS dizer basta estão indo longe demais.

    Thumb up 1
    • O que é ir longe demais?
      Dedicar a vida em pesquisas para salvar a vida das outras pessoas?

      Thumb up 12
    • À qual deus está se referindo?
      Existem tantos por aí, e se há nescessidade de acreditar em algum, logo deveríamos acreditar em todos?
      É um trabalho científico de muita relevância, chega de religiosos tentando barrar o progresso da humanidade!

      Thumb up 3
    • Parece mais que vai até fanáticos por esse deus matarem pesquisadores por pesquisarem esse assunto.

      Thumb up 3

Envie um comentário

Leia o post anterior:
mulher objeto
Porque vemos homens como pessoas e mulheres como partes de corpo

Pesquisa mostra que ...

Fechar