Seu azul é meu vermelho: as pessoas não enxergam as mesmas cores

Publicado em 2.07.2012

Esse debate é antigo entre filósofos amadores de plantão: será que você vê a mesma cor que eu?

Não estamos falando de daltonismo – uma deficiência na visão que dificulta a percepção de uma ou de todas as cores -, mas de diferenças entre todas as pessoas: por exemplo, quem garante que, apesar de nós dois sabermos que um morango é vermelho porque aprendemos assim, não estamos vendo o mesmo morango vermelho de forma diferente?

Como ainda não descobrimos um jeito de ver as coisas com os olhos dos outros, não sabemos a resposta para isso. Bom, não sabíamos. Recentemente, o pesquisador de visão de cores Jay Neitz, da Universidade de Washington (EUA), publicou um estudo no periódico Nature que afirma que as pessoas não veem as mesmas cores quando olham para objetos semelhantes.

A pesquisa, realizada com macacos, mostrou que apesar do consenso geral de que certas coisas são de certa cor, algumas pessoas podem perceber a cor vermelha como o azul de outra. Como assim?

A pesquisa

Em 2009, os cientistas usaram terapia genética para recuperar a visão de cores de macacos adultos incapazes de distinguir entre tons de vermelho e verde desde o nascimento (a espécie mais comum de daltonismo).

O que eles fizeram foi injetar um vírus nos olhos dos macacos, que lhes permitiam ver o vermelho, bem como o verde e o amarelo.

Quatro meses mais tarde, os animais finalmente podiam ver em quatro cores, pela primeira vez. Surpreendentemente, eles conseguiram dar sentido à nova informação, apesar de seus cérebros não serem geneticamente programados para responder a sinais vermelhos.

Esses resultados, inclusive, sugeriram que a mesma terapia poderia ter sucesso com humanos. Como os macacos foram injetados com genes humanos, que também poderiam ser injetados em nós, o tratamento poderia curar o daltonismo, que atinge aproximadamente 10% dos homens e 1% das mulheres.

Mais além, a terapia poderia funcionar também para restaurar a visão em milhões de pessoas que sofrem de degeneração macular relacionada à idade, a causa mais comum de cegueira em idosos.

No entanto, o mais curioso dessa pesquisa veio depois: intrigados para saber o que os macacos estavam vendo, os cientistas resolveram testá-los para entender o que exatamente eles passaram a enxergar.

A conclusão foi surpreendente: os pesquisadores sugeriram que nossa percepção de cor é moldada pelo mundo exterior, mas não segue nenhum padrão pré-determinado. Isso significa que não há percepção pré-determinada atribuída a cada comprimento de onda.

Segundo a teoria de Young-Helmholtz, a retina possui três espécies de células sensíveis (cones), cada uma responsável pela percepção de uma dada região do espectro luminoso: o vermelho, o verde e o azul, cores primárias que originam todas as outras.

Os estímulos imediatos da percepção visual são os feixes luminosos que, depois de passarem pela pupila, incidem na retina, se convertem em sinais elétricos e são interpretados pelo cérebro.

A cor que você vê depende, então, de quanto é excitada cada espécie de cone. Quando você olha para a luz vermelha, somente os cones de suas retinas sensíveis ao vermelho enviam mensagens para o cérebro, e assim por diante.

Essa teoria tem sido debatida ao longo do tempo. Com o novo estudo de Neitz, cientistas agora acreditam que, embora os cérebros das pessoas tenham uma tendência a se comportar da mesma maneira, os neurônios não são configurados para responder a cor de uma forma padrão.

Além disso, outra pesquisa demonstrou que diferentes percepções de cores não mudam a nossa resposta emocional aos mesmos tons. Por exemplo, as reações das pessoas a cor azul (não importa se a estejam vendo como vermelha) tende a ter um efeito calmante devido aos comprimentos de onda mais curtos de luz que atingem a retina. Já os comprimentos de onda mais longos, como do amarelo, do laranja ou do vermelho, podem tornar-nos mais alerta.

“Eu diria que as experiências recentes nos levam para a ideia de que nós todos não vemos as mesmas cores”, concluiu Neitz. Outro cientista da visão de cores, Joseph Carroll, do Colégio Médico de Wisconsin (EUA), confirma: “Penso que podemos dizer com certeza que as pessoas não veem as mesmas cores”.[DailyMail, Terra, PortalSãoFrancisco]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

38 Comentários

  1. E no caso das combinações? Todos concordamos que amarelo com vermelho dá laranja mas como isso acontecer se meu vermelho é azul? Azul com amarelo dá verde. Isso facilmente nos faria perceber se vemos ou não as mesmas cores

    Thumb up 0
    • Corrigindo o exemplo do pesquisador, ficando mais coerente com a própria pesquisa que ele (a equipe) fez seria mais prudente, e ainda simplista dizer: Todos vêem exatamente as mesmas cores, mas interpretam de formas diferentes dentro do cérebro. E que a cor azul pode calmar para um e pode estimular um ódio (comum no vermelho) em outro, pois os neurônios não ligam igual. O erro foi é dizer que o cérebro “Vê”, já que “ver” é um atributo exclusivo dos olhos. Foi um “ver” metafórico.

      Thumb up 1
    • Nao sendo eu nenhum cientista, mas amante de tal ciencia, observando os comentários, estava eu na fila do mercado, quando li as respostas e comentários, e Matutei….. Se olharmos para o Escuro, logo definimos como uma cor escura ou preta, isso é causado pela ausencia da luz, logo todos vemos o escuro como preto, a base de referencia para todas as cores…e isso ai…abs

      Thumb up 0
  2. O azul é frio, o vermelho é quente. Quem não difere o calor? E mais, quem enxerga o céu vermelho deve querer se matar, tamanho inferno que vive.

    Thumb up 0
    • Não, pois como foi dito no final do texto,…” diferentes percepções de cores não mudam a nossa resposta EMOCIONAL aos mesmos tons. Por exemplo, as reações das pessoas a cor azul (NÃO IMPORTA se a estejam vendo como VERMELHA) tende a ter um efeito CALMANTE devido aos comprimentos de onda mais curtos de luz que atingem a retina.” Ou seja, as ondas das cores não mudam, o que muda é a forma do ser cérebro interpreta-las.

      Thumb up 1
    • Continuando a resposta…
      logo, a brasa de um carvão para a pessoa em questão vai ser azul, e ela vai associar o azul (que ela aprendeu a chamar de vermelho) como uma cor quente e vice e versa, pq desde qdo ela nasceu foi ensinado assim.

      Thumb up 0

Envie um comentário

Leia o post anterior:
Captura de Tela 2013-03-12 às 14.11.40
A tela mais fina do mundo é feita de sabão

Como bons cientistas...

Fechar