Sexo é bom para o coração – mesmo após um ataque cardíaco

Publicado em 25.05.2010

Muitas pessoas que sofreram com um ataque cardíaco acabam tendo medo de fazer sexo. Mas, segundo especialistas, pacientes com esse tipo de problema no coração podem ficar tranqüilos: o sexo faz bem ao coração, mesmo após um ataque.

De acordo com cardiologistas, a probabilidade de uma pessoa morrer por causa de problemas cardíacos durante uma transa é realmente pequena. Mas, mesmo assim, as pessoas têm medo de manter relações.

Uma pesquisa revelou que um terço dos homens e 60% das mulheres se abstém de fazer sexo por períodos iguais ou maiores que um ano após sofrerem com um ataque cardíaco.

Cardiologistas, no entanto, avisam que morrer durante o sexo por causa da intensidade da relação é coisa de filme. Na vida real isso não é motivo de preocupação – a maioria dos médicos libera seus pacientes para “diversão” assim que eles se sentem bem o suficiente para fazer exercícios moderados.

Como conversar com exercícios não é tão embaraçoso quanto conversar sobre sexo, alguns pacientes se intimidam na hora de perguntar ao seu médico se eles podem retomar sua vida sexual. Normalmente, eles precisam ser encorajados explicitamente pelo médico.

Se você está em dúvida, converse com seu médico – boa parte dos homens e mulheres analisados na pesquisa declararam que diminuíram a freqüência das relações sexuais por não receberem informações médicas. [LiveScience]

Autor: Luciana Galastri

é jornalista. Viciada em livros, lê desde publicações sobre física a romances de menininha do estilo "Crepúsculo". Toca piano desde os oito anos de idade e seu estilo de música preferido é o metal.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

2 Comentários

  1. Adoro os comentarios do site,principalmente assuntos de casais.
    Acho que são assuntos que ajudam a refltetir e pensar de outras formas….. adoruuuuu muito….

    Thumb up 1

Envie um comentário

Leia o post anterior:
homemdesconf
Você é mais feliz do que ela? Cuidado!

Uma nova pesquisa mo...

Fechar