Você pode ser geneticamente predisposto a ser preguiçoso?

Publicado em 9.04.2013

120410_couch_potato_istock_328

Uma nova pesquisa da Universidade de Missouri (EUA) sugere que certas características genéticas podem predispor as pessoas a serem mais ou menos motivados a se exercitar e permanecer ativas.

Frank Booth, principal autor do estudo, e seus colegas foram capazes de criar seletivamente ratos que apresentaram traços de atividade extrema ou preguiça extrema. Estes ratos indicam que a genética pode desempenhar um papel na motivação de fazer exercício, mesmo em seres humanos.

O estudo

Booth colocou ratos em gaiolas com rodas de corrida e mediu a quantidade de exercício que cada rato fez (correndo na roda voluntariamente) durante um período de seis dias.

Em seguida, separou os 26 melhores corredores e os criou juntos, cruzando-os entre si, bem como criou um grupo com os 26 ratos mais preguiçosos. Esse processo foi repetido através de 10 gerações.

Os pesquisadores descobriram que a linha de ratos corredores se exercitou 10 vezes mais do que a linha de ratos “preguiçosos”.
Uma vez que os pesquisadores estabeleceram os dois diferentes grupos de ratos, eles estudaram os níveis de mitocôndrias nas suas células musculares, compararam sua composição corporal e realizaram minuciosas avaliações genéticas através de sequenciamento de RNA.

“Enquanto encontramos pequenas diferenças na composição corporal e níveis de mitocôndrias nas células musculares dos ratos, identificamos diferenças genéticas entre as duas linhas de animais”, disse Michael Roberts, coautor da pesquisa.

Em mais de 17.000 genes diferentes em uma parte do cérebro, foram identificados 36 que podem desempenhar um papel na predisposição para motivação em atividade física.

Agora que os pesquisadores identificaram os genes específicos, eles planejam continuar o estudo para explorar os efeitos de cada gene sobre a motivação para o exercício.

“Nós mostramos que é possível ser geneticamente predisposto a ser preguiçoso”, disse Booth. “Este pode ser um passo importante na identificação de outras causas para a obesidade em seres humanos (…) Seria muito útil saber se uma pessoa é geneticamente predisposta a ter uma falta de motivação para o exercício, porque isso poderia torná-la mais propensa a ficar obesa”, concluiu.

O estudo foi publicado no American Journal of Physiology: Regulatory, Integrative and Comparative Physiology.[MedicalXpress]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 25 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

4 Comentários

  1. Fala sério, na hora em que a Genética vem se firmando como ciência sai um besteirol desses. Agora virou ” moda “. É gay? Genética explica . É vagabundo? A genética explica. Assassino ? Genética …Político? Genética.
    Essa invasão da ciência para campos “abstratos” é que diminuem sua credibilidade.
    Deixemos a Genética avançar com as pesquisas de células troncos ou terapia genética para cura de doenças cromossomiais, hereditárias e lesões por traumas. Não vamos desvirtuar uma ciência tão bonita dizendo que ser picareta, ladrão, covarde e estuprador é culpa de genes. Fala sério

    Thumb up 5
    • Kkk. Sua falta de vergonha na cara deve ser genética também. Opssss,fui irônico com vc ( desculpe …

      Thumb up 3

Envie um comentário

Leia o post anterior:
medicines-shelf
Medicamentos miraculosos do começo do século 20 eram, em realidade, venenos mortais

Não é segredo que, e...

Fechar