12 fatos que você pode não conhecer sobre o pênis

Por , em 18.12.2018

A principal função do órgão sexual masculino todo mundo conhece: procriação. No entanto, o pênis também tem significado cultural, o que acaba gerando muita confusão.

Confira 12 fatos para esclarecer alguns mitos:

1. O pênis tem duas funções primárias

Segundo Michael Reitano, médico e especialista em saúde e bem-estar sexual da Roman Health, o pênis tem dois papéis biológicos principais: a eliminação de resíduos na forma de urina; e a transferência de sêmen, que leva o esperma dos testículos para fora do corpo a outro lugar, como a vagina, para procriação.

É claro que o pênis também tem funções secundárias, como o prazer sexual.

2. O pênis se desenvolve de um órgão parecido com o clitóris

Todos os embriões mamíferos iniciam a vida como uma fêmea, antes de o processo cromossômico ser ativado. A partir de uma estrutura externa, indiferenciada, semelhante a um clitóris, eventualmente, embriões com cromossomos XX desenvolverão clitóris, lábios e vagina, enquanto aqueles com cromossomos XY desenvolverão pênis e testículos.

3. O pênis é composto por três tubos

O pênis pode parecer um único tubo longo, mas na verdade existem três colunas de tecido correndo ao longo do seu interior. Duas são colunas de corpo cavernoso, que se estendem da base até o final do pênis e se enchem de sangue para permitir a ereção. A outra é o corpo esponjoso, o tubo que circunda a uretra e através do qual passa a urina e o sêmen. O corpo esponjoso também se enche de sangue durante a ereção, mas permanece flexível para manter a uretra aberta.

4. Os humanos podem ter o maior pênis de todos os primatas

Quando consideramos circunferência, o pênis humano é um pouco maior do que os demais primatas. E, em comprimento, também é geralmente maior.

De acordo com o Centro de Pesquisa Acadêmica e Treinamento em Antropogenia, chimpanzés e bonobos têm pênis mais finos, mas comparáveis ao comprimento de um pênis humano médio (em média, 13 centímetros de comprimento quando ereto).

Os cientistas teorizam que nossas proporções únicas são resultado da seleção natural por meio da escolha das parceiras.

“Um gorila, por exemplo, tem um pênis de apenas 5 centímetros de comprimento. Os machos humanos andam eretos e acredita-se que genitais maiores possam ter atuado como atração sexual em situações competitivas”, explica Reitano.

5. O pênis humano pode ter sido um dia coberto de espinhos

O pênis humano é definitivamente o mais suave do reino animal.

“No passado distante, provavelmente continha farpas, como o de alguns de nossos primos primatas, para tornar o sexo com outro parceiro logo após o coito improvável”, conta Reitano.

Os pênis dos chimpanzés têm até hoje pequenos espinhos que “seguram a fêmea no lugar e, quando o pênis é retirado, irritam sua vagina, evitando assim que outros chimpanzés possam querer se acasalar com ela”.

Além dos primatas, outros animais possuem pênis nada agradáveis, especialmente o em formato de saca-rolha do pato-selvagem, uma verdadeira tortura para as fêmeas.

6. No século XV, os homens temiam que bruxas pudessem roubar seus pênis

Uma das muitas crenças bizarras apresentadas no “Malleus Maleficarum”, um manual alemão de caça às bruxas do século XV, era de que elas podiam roubar o pênis dos homens.

O mais engraçado é que os autores não se referem a um crime como cortar o órgão sexual de um rapaz, estilo Lorena Bobbitt, mas sim a uma espécie de feitiço do desaparecimento: “(…) não de fato despojando o corpo humano dele, mas escondendo-o com algum glamour”.

Em um artigo de 2002 publicado no Journal of Folklore Research, Moira Smith apontou que a insegurança sexual masculina foi um dos condutores da caça às bruxas na antiguidade. “Muitos dos crimes atribuídos às bruxas diziam respeito à sexualidade: copular com diabos íncubos, fazer abortos, causar esterilidade, causar natimortos e impedir relações sexuais entre maridos e esposas”, escreveu.

7. Ereções são mais complicadas do que parecem

Alcançar uma ereção é uma das funções mais complexas em um homem. Reitano esclarece: “Para começar, os hormônios devem ser liberados sob demanda, as artérias precisam levar seis vezes mais sangue ao pênis com perfeita eficiência, o sistema nervoso deve transmitir seus sinais sem problemas, e a mente deve estar trabalhando em perfeita harmonia com o corpo”.

A capacidade de obter e sustentar uma ereção depende de “um corpo perfeitamente sintonizado fisicamente, psicologicamente e emocionalmente”. A incapacidade de conseguir uma ereção, como a disfunção erétil, é geralmente o primeiro sinal de problemas de saúde.

8. Diferentemente de outros mamíferos, seres humanos não têm osso no pênis

Muitos mamíferos, incluindo gorilas e chimpanzés, têm um osso peniano, também conhecido como báculo.

De acordo com o urologista Arash Akhavein, do Cedars-Sinai Medical Center (EUA), em alguns animais, como as baleias, o báculo fica retraído dentro do abdômen e só se estende durante o acasalamento, quando desliza para dentro do pênis para ajudar a manter a ereção.

Em vez de confiar neste tipo de estrutura, o pênis humano requer fluxo sanguíneo e ingurgitamento para a ereção.

9. Ainda assim, é possível “fraturar” o pênis humano

Infelizmente, o pênis pode ser fraturado durante o sexo. Embora isso seja relativamente incomum, pode ocorrer quando a túnica albugínea, a parte do pênis ereto que fornece sua rigidez, é ferida por força bruta.

“Quando se fratura, geralmente há um som claro de estalo, dor extrema e a rápida perda de ereção”, afirma Reitano.

Diversos pesquisadores já estudaram as posições sexuais mais associadas ao problema em casais heterossexuais. Um estudo de 2014 descobriu que a mulher por cima do homem era a principal posição associada à fratura do pênis; o homem atrás da mulher era a segunda. Um estudo de 2017 concluiu que o homem atrás da mulher era a posição mais frequentemente associada à fratura.

10. Medo da masturbação pode ter tornado a circuncisão comum

Em um pênis não circuncisado, a glande (cabeça) do pênis é coberta por uma pele conhecida como prepúcio. A circuncisão é a remoção de tal prepúcio, uma antiga prática cirúrgica realizada por motivos religiosos e para evitar problemas decorrentes da falta de higiene.

Curiosamente, no passado, as pessoas acreditavam que a circuncisão impedia a masturbação – o que absolutamente não é verdade.

Nos países de língua inglesa no século XIX, uma atitude geral contra a prostituição sexual, alimentada pela ideologia religiosa, levou a temores sobre os efeitos da masturbação e um aumento na circuncisão. Líderes religiosos e médicos alertavam as pessoas para evitar o “abuso próprio” por medo de causar distúrbios físicos e mentais, como tuberculose, perda de memória e epilepsia.

Tom Hickman escreveu em seu livro “God’s Doodle: The Life and Times of the Penis”: “O que tornou a circuncisão comum entre as classes médias do século XIX em ambos os lados do Atlântico foi a histeria sobre a masturbação; remover o prepúcio ajudava a sua prevenção, os médicos declaravam, e também curava a enurese e outras condições”.

11. Homens adultos podem ser circuncisados também

É mais comum que meninos recém-nascidos sejam circuncisados e, em algumas culturas, adolescentes também. Porém, há uma série de razões pelas quais homens adultos podem optar por fazer uma circuncisão mais tarde na vida.

Segundo Akhavein, estas incluem cortes na pele onde a ponta do pênis se liga ao prepúcio; quando o prepúcio é muito apertado para ser facilmente retraído, uma condição chamada fimose; e um acúmulo de esmegma, uma substância cerosa esbranquiçada composta de células mortas da pele e óleos. Homens que tiveram uma circuncisão incompleta (pouca pele removida) na infância também são bons candidatos a uma nova cirurgia depois de adultos.

12. A Islândia tem um museu de pênis

Em 1974, um professor de história islandês chamado Sigurður Hjartarson ganhou um chicote para gado feito de pênis de touro. Isso aparentemente lhe deu a ideia de coletar outros pênis.

O resultado é o Museu Falológico Islandês, que contém uma coleção de mais de 238 pênis e partes penianas de quase toda a fauna na Islândia. O maior pênis da coletânea, de uma baleia, tem 1,80 metro e pesa quase 70 quilos.

“Você aprenderá que, como tudo na natureza, a diversidade neste departamento é tão grande quanto em qualquer outro; mesmo dentro da mesma espécie, a diferença em tamanho e forma é quase sempre notável”, Hjartarson contou ao Mental Floss em 2015. [MentalFloss]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (49 votos, média: 4,67 de 5)

Deixe seu comentário!