Maioria dos jovens são infectados pelo HPV

Por , em 15.01.2010

O famoso papiloma vírus, ou HPV, causador de mais de 200 tipos de doenças cutâneas na área genital, está em foco por um grupo de cientistas. Um estudo de casais inovador descobriu que mais da metade (56%) de jovens adultos em um novo relacionamento com sexo foram infectados pelo pequeno vilão. Liderada pelo biólogo brasileiro Eduardo Franco, diretor da Cancer Epidemiology Unit da Universidade de McGill, no Canadá, em parceria com colegas da Universidade de Montreal e do Centro Hospitalar da Universidade de Montreal, no mesmo país, a pesquisa trouxe à tona também que quase a metade desses (44%) foi infectada por um tipo do HPV que causa câncer.

» Uma em cada 4 garotas têm alguma doença sexualmente transmissíve

Com o objetivo de determinar a preponderância de infecções de HPV entre casais recém-formados, foi realizado o HITCH Cohort Study (Infecção e Transmissão do HPV em Casais por atividade Heterossexual, na sigla em inglês), o primeiro em larga escala entre novos casais formados de jovens adultos, que foi conduzido pela dra. Ann Burchell, coordenadora do projeto e colega do dr. Eduardo Franco na Cancer Epidemiology Unit.

Os resultados foram publicados na edição de janeiro do periódico científico Epidemiology and Sexually Transmitted Diseases e indicam também que há uma grande probabilidade de transmissão do HPV entre parceiros. Em 42% dos casais foi observado que, quando um era portador do vírus, o outro também tinha a infecção. Além disso, os cientistas identificaram que a incidência do mesmo tipo do vírus nos membros do mesmo casal é bastante comum. Assim, se um parceiro tem o HPV, a chance da outra pessoa ser infectada com o mesmo tipo do vírus aumenta mais de 50 vezes.

O público participante da pesquisa são jovens mulheres que frequentam universidade ou CEGEPs (um sistema de educação pós-Ensino Médio requerido para ingressar no Ensino Superior na província de Quebec, no Canadá) em Montreal e seus parceiros. Os “novos casais” foram definidos como aqueles que estavam juntos havia seis meses ou menos. Os “pesquisados” responderam um questionário envolvendo sua história sexual, além de fornecer amostras genitais para testes laboratoriais para identificar a presença de infecção por HPV. O recrutamento ainda vai continuar, para aumentar ainda mais a escala da pesquisa.

A dra. Burchell conta que os resultados obtidos realçam a importância de programas de prevenção contra doenças associadas ao HPV, como exames periódicos para detectar câncer do colo do útero e programas de vacinação contra o agente infeccioso. “Nossas estimativas a respeito da probabilidade de transmissão do HPV serão úteis para outros pesquisadores usarem como modelo para traçar a estratégia da saúde pública e o impacto econômico de planos de vacinação contra o vírus”, destacou a dra. Burchell.

» Sexo: As 9 descobertas mais intrigantes

O HPV é sexualmente transmissível e causa câncer do colo do útero, além de outros cânceres, inclusive de vulva, vagina, ânus e pênis. Embora as infecções por HPV sejam bastante comuns, a vasta maioria delas é assintomática e não dura mais do que um ou dois anos. Outro ponto é que menos de 1% das mulheres que têm HPV terão câncer do colo do útero.

Mesmo assim, a ordem é se cuidar. O estudo mostrou como é fácil a transmissão do vírus entre os casais, inclusive (e principalmente) os recém-formados, o que é um fator de preocupação, pois mostra que o vírus se espalha em pouco tempo. “Os resultados sugerem que muitas transmissões do HPV acontecem no início dos relacionamentos, o que reforça a necessidade de prevenção”, sentenciou o dr. François Coutlée, da Universidade de Montreal, que também auxiliou a equipe de cientistas. [Science Daily]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

6 comentários

  • claudio:

    Um dos grandes responsáveis pela disseminação não só dessa mas de outras doenças relacionadas ao sexo é justamente a falta de controle moral e físico da sociedade,numa cultura moderna de que todos devemos curtir um ao outro,transar sem compromisso, ficar aqui e se tiver com vontade simplesmente transar e já era, esse conceito de vida descartável onde um usa o outro,só pelo momento e pronto,acaba refletindo em tantas doenças tanto nos jovens como nos casais estabelecidos,não há confiança.
    É o declínio da sociedade,o prazer promíscuo e babilônico reflete essas informações. As mulheres não se dão mais valor,hoje discute-se o tamanho do pau,ou as leis de pensão alimentícia, ou as formas de aborto. Elas não sabem mais cozinhar,mas sabem todos os tipos de bebidas e rótulos. E nós os homens,deixamos!

  • freds:

    a melhor prevenção é casar virgem. tá difícil né!

  • Tatá:

    Isso se chama falta de prevenção!! As mulheres não se protegem e nem se preocupam mais como antigamente!! Hoje em dia, como dizem, só abrem as pernas e tá tudo bem… Aonde iremos chegar desse jeito!

    ;/

    • Izabela:

      Existem mulheres que não se protegem e homens também!

    • Izabela:

      Para cada mulher que só abre as pernas existe um homem que só quer transar e tudo bem.

  • sueli sonia simaglia de oliveira:

    oi, acho interessante, de muita valia que tudo seja informado pela internet. otimo” e quem nao tem?
    o governo deveria ter programas mas extensos, que se expandisse por todo o brasil, levando, informaçao, sobre os alimentos, sexo, tudo que se refira a saude, educaçao, para todos. desde os pequenos , ate os mais velhos.
    pessoas educadas e informadas, terao mais facilidade de fugir destas armadilhas. concordam? informaçoes ja”

Deixe seu comentário!