4 formas de melhorar sua autoimagem (e sua vida sexual)

Por , em 2.12.2012

Ter uma opinião ruim sobre seu próprio corpo pode ser um dos maiores obstáculos para uma vida sexual saudável. O fenômeno, conhecido “distração cognitiva causada pela aparência do corpo durante atividade sexual”, foi analisado em estudo publicado recentemente no Journal of Sexual Medicine.

Após entrevistar mais de 660 voluntários, os autores concluíram que a insatisfação com determinadas partes do corpo (como os seios ou a barriga) pode, de fato, prejudicar a vida sexual da pessoa.

Em uma pesquisa feita em 2011 pela fabricante de suplementos alimentares Fembido, 52% das mulheres responderam que a falta de confiança em relação a seus corpos fazia com que ficassem relutantes a ter intimidade com alguém – o resultado deve ser visto com cautela, já que a empresa tem interesse em vender produtos feitos para aumentar a libido feminina, mas estão de acordo com outros estudos.

“Preocupações com o corpo podem reduzir tanto a frequência quanto a qualidade do sexo”, explica o psicólogo social Justin Lehmiller. “Pessoas que não se sentem atraentes ou sensuais estão menos propensas a iniciar uma relação sexual e mais propensas a rejeitar oportunidades do tipo”.

O que fazer? Melhorar a alimentação e criar uma rotina de exercícios pode ajudar, mas talvez não seja o suficiente, porque não garante que a pessoa vai ficar satisfeita consigo mesma. Confira a seguir quatro dicas para encarar o problema:

1 – Conheça seus “aceleradores” e “freios”

De acordo com o modelo de controle duplo das nossas respostas sexuais, nós temos “aceleradores” (coisas que nos excitam) e “freios” (coisas que nos inibem). Os aceleradores podem ser fantasias específicas, ou talvez o perfume de um parceiro. Já os freios podem ser o receio de não dar prazer ao outro ou, ainda, de passar uma imagem desagradável por causa de alguma parte do seu corpo.

“Sendo atencioso e aprendendo a aproveitar a maneira como seu corpo responde ao toque, você pode treinar seus ‘freios’ para ignorar sua imagem corporal e outros pensamentos que podem impedir o despertar sexual ou o orgasmo”, aponta a educadora sexual Emily Nagoski.

2 – Uma boa trilha sonora

Em estudo conduzido por psicólogos em parceria com o site de músicas Spotify, 40% das pessoas afirmaram que a música foi mais importante para seu despertar sexual do que a aparência ou o toque do parceiro. Mesmo que a trilha sonora não seja o mais importante no seu caso, pode ajudar a criar um clima mais apropriado – o Spotify recomenda Marvin Gaye, Barry White e Kings of Leon, aliás.

3 – Aumente sua autoestima gradualmente

Embora o visual seja muito importante na hora de uma relação, ele pode também inibir a pessoa (em especial se ela se considera pouco atraente). A conselheira sexual Amy Levine sugere roupas sensuais para esconder (temporariamente) partes do corpo de que você não gosta, e que devem ser removidas conforme você se sinta mais à vontade.

4 – Faça as contas

Enquanto muitos homens estão insatisfeitos com o tamanho de seu pênis, muitas mulheres estão insatisfeitas com o tamanho de seus seios. Contudo, “a maioria dos homens, na verdade, relata estar feliz com com o tamanho dos seios de suas parceiras, e a maioria das mulheres está feliz com o tamanho da genitália de seus parceiros”, garante Lehmiller. “Isso nos mostra que muita gente está preocupada com sua aparência sem um bom motivo”.

Por fim, vale lembrar que um belo corpo dificilmente sustenta uma relação por si só: conteúdo, inteligência, autoconfiança e outras características são, na maioria das vezes, essenciais.[CNN]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

1 comentário

  • Tiago França:

    Gostei da trilha recomendada pelo Spotify. Marvin Gaye, Barry White e Kings of Leon, muito bom.

Deixe seu comentário!