A culpa é do professor!

Por , em 6.04.2014

A CULPA É DO PROFESSOR

Eu tenho percebido uma tendência de certos consultores em educação de ao apontar as falhas no processo de ensino brasileiro ter encontrando na figura do professor (e/ou da escola como um todo) o seu bode expiatório preferido.

Só para ilustrar, existe um programa de rádio matutino onde uma dessas consultoras oferece conselhos ao público sobre a educação dos filhos e que usa de forma frequente essa saída fácil “a culpa é do professor”  e/ou “a culpa é da escola”.

Vamos aos exemplos:

Um aluno do fundamental foi suspenso devido ao seu hábito frequente de morder os coleguinhas.

Os pais foram chamados e uma providência foi solicitada.

A especialista vaticinou: a culpa é da escola, afinal a ocorrência se deu na escola.  A escola que resolva.

Simples assim.

Espera aí!

É a escola que deve ensinar uma criança de que ela não deve morder seus colegas ou esse é o papel da família?

E as crianças que foram mordidas por esse aluno, não possuem nenhum direito?

Por exemplo, o de aprender a resolver sistemas de equações de primeiro grau sem serem mordidas por um colega.

Nada disso é sequer mencionado.

É dever da escola resolver e pronto.

Afinal os pais estão pagando e querem resultados.

E as outras crianças que não mordem os colegas, como aprenderam essa conduta?

Pela televisão?

Resumindo o questionamento principal:

Será que são os pais que devem educar seus filhos para que eles estejam aptos a viver em sociedade?

Sem morder ninguém, por exemplo.

Ou esse é o papel da escola?

Mas vamos adiante:

Uma mãe reclama que a professora passa muita tarefa de casa para seu filho.

Resposta: A culpa é da professora, que não sabe medir a carga de atividades semanais.

Mas, espera aí!

Outros pais foram consultados ou convidados a emitir sua opinião?

Qual o rendimento dessa criança?

Ela recebe alguma motivação da família para estudar?

Qual o currículo dessa professora?

Quais são essas malfadadas lições de casa, qual sua abrangência, qual sua proposta pedagógica, quais habilidades e competências que ela pretende desenvolver?

Nada disso é perguntado.

Apenas se vaticina que o professor é culpado. Seu crime: passou muita tarefa.

Substitui-se o professor ou troca-se de escola. Problema resolvido.

Próximo caso!

Uma mãe reclama que a professorinha do fundamental exige que o seu filho faça trabalhos escolares usando latinhas de refrigerante, garrafas PETS tiradas do lixo, etc.

Que horror! E os germes? E a trabalheira que essa mãe tem para separar as tais latinhas e garrafas vazias?

Será que a professorinha não tem ideia de como essa mãe é atarefada?

Resposta: A culpa é da professorinha e da escola por fazer propostas sem nenhuma noção de higiene ou adequação.

Destaco aqui que o termo “professorinha” é usado muitas vezes em tom depreciativo, insinuando que todas são professoras muito menininhas e que não sabem nada da vida.

Será?

A questão ecológica trabalhada pela professora não tem valor?

E o desenvolvimento da criatividade da criança? Alguém quis saber a respeito?

Em quais pressupostos a professora fundamentou sua prática?

Alguém leu o currículo dessa professora? Alguém tem o direito de usar diminutivos nesse contexto?

Nada disso é argumentado.

Apenas o veredicto: a professora e a escola são os culpados!

Próximo caso!

Não quero aqui crucificar essa ou outros pretensos consultores de educação, pessoas que nunca deram uma aula na vida e que perambulam sob os holofotes da mídia vendendo sua opinião, afinal esse país é livre e todos possuem o direito de ter, dar e/ou de vender sua opinião, mesmo que disparatadas.

O que realmente me surpreende é a rapidez com a opinião pública acata tais disparates sem ao menos examiná-los sob a ótica do bom senso.

Também não quero dizer aqui que o professor sempre tem razão, num contraponto corporativista ao veredicto vicioso desses leigos “especialistas” de plantão.

Existem professores e professores.

É importante frisar!

Cabendo aqui a importante reflexão sobre o problema de indução que já abordei aqui por diversas vezes:

Uma classe não pode ser julgada, condenada e aviltada fundamentando-se na má conduta de alguns.

Mas, o que realmente chama a minha atenção é o completo desconhecimento da sociedade como um todo, e aí se inclui a maioria dos pais e até desses consultores de ocasião, sobre qual é o real papel da escola.

A escola e o professor, pelo menos no Brasil, atuam ainda no mundo da instrução.

Se isso é certo ou errado. Se isso é o ideal ou não – a conversa é outra.

É preciso deixar isso claro. Vou repetir:

A escola e o professor atuam no mundo da instrução.

E o que significa isso?

Por exemplo:

É instrucional o ato de ensinar a ler e escrever;

É instrucional o ato de ensinar conceitos científicos;

É instrucional o ato de ensinar a usar conceitos matemáticos para resolver problemas de outras ciências;

Etc.

A formação individual é algo mais abrangente e exige uma dedicação e um atendimento também individual, que a escola, enquanto instituição, e o professor, enquanto profissional, não foram instrumentalizados para atender.

Pelo menos no Brasil.

Basta avaliar nosso modelo de ensino de turmas apinhadas, professores mal pagos e desvalorizados.

Governos e governantes são os detentores do poder capaz de inferir nessas questões, ou não?

Ainda:

Os principais agentes educadores da atualidade são os pais ou os responsáveis legais.

Em síntese a família (ou pelo menos teria que ser).

Não há como exigir da escola e do professor que cumpram esse papel.

A educação é algo muito mais amplo que a instrução.

Envolve muito mais que a simples aplicação da razão – que é a principal ferramenta do mundo da instrução.

A educação envolve relações afetivas e demanda muita sensibilidade e subjetividade, que só é conquistada pelo acompanhamento individual, diário e constante num fenômeno social muito complexo denominado convivência humana.

É através do exemplo de conduta, na convivência humana, que se ministram as melhores lições para a formação do indivíduo.

Um professor encontra seus alunos algumas horas por dia — e na melhor das hipóteses — há apenas um professor para cada 35, 40 alunos em média.

Um professor para atender dezenas de alunos! Esse é o modelo do ensino no Brasil!

De que forma esse professor vai trabalhar o indivíduo se sua prática por definição é massificada?

Existem alguns professores que, mesmo nessas condições adversas, conseguem cumprir em parte com esse papel e são mais afetivos e efetivos que muitos pais (evidentemente devido à sua sensibilidade, experiência, talento, etc).

Mas não é essa a sua obrigação.

O professor não é o pai nem o responsável legal por seu aluno.

Ele não tem autoridade legal para estabelecer limites ou definir regras sobre a educação desse aluno.

Os alunos são menores incapazes e são os seus pais ou responsáveis que por lei devem responder pelas ações desses jovens.

Qualquer interferência de um professor, que não se restrinja à instrução, pode culminar em processo cível.

Será que ninguém se lembra disso?

E mesmo assim, se um professor de matemática tiver que ensinar aos seus alunos como se portar com educação e sensibilidade, e tiver que gastar horas, semanas, meses (e quem sabe anos), até que seus alunos adquiram tal educação e tal sensibilidade a ponto de não morder um coleguinha durante as aulas, quem será que vai ensinar a essas crianças como resolver um sistema de equações?

Ou existe algum método que por meio das técnicas matemáticas para resolver sistema de equações também se ensine a respeitar o próximo ou – usando o nosso exemplo anterior – a não morder seus colegas?

Repito:

A nossa escola vive ainda o mundo da instrução. Não podemos nos iludir.

A formação individual ainda é uma tarefa da família e que pode encontrar na escola sua grande aliada.

Eis o termo – aliada.

Mas é preciso que os pais ou responsáveis legais tenham consciência disso e tratem o professor e a escola assim:

— Como aliados.

E não como bode expiatório ou um inimigo a ser intimado, combatido e subjugado.

 

 

-o-

[Leia os outros artigos de Mustafá Ali Kanso]

 

LEIA SOBRE O LIVRO A COR DA TEMPESTADE do autor deste artigo

À VENDA NAS LIVRARIAS CURITIBA E ARTE & LETRA

Navegando entre a literatura fantástica e a ficção especulativa Mustafá Ali Kanso, nesse seu novo livro “A Cor da Tempestade” premia o leitor com contos vigorosos onde o elemento de suspense e os finais surpreendentes concorrem com a linguagem poética repleta de lirismo que, ao mesmo tempo que encanta, comove.

Seus contos “Herdeiros dos Ventos” e “Uma carta para Guinevere” foram, em 2010, tópicos de abordagem literária do tema “Love and its Disorders” no “4th International Congress of Fundamental Psychopathology.”

Foi premiado com o primeiro lugar no Concurso Nacional de Contos da Scarium Megazine (Rio de Janeiro, 2004) pelo conto Propriedade Intelectual e com o sexto lugar pelo conto Singularis Verita.

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

16 comentários

  • Wellington Amorim:

    Concordo plenamente com o autor, apesar de não ser professor. Como estudante, entendo perfeitamente o que um professor passa na escola. A responsabilidade da família, que vem perdendo o valor nas sociedades modernas, está sendo empurrada para as escolas.
    Achei perfeito a colocação de que a escola é uma grande aliada da família no processo de formação do indivíduo. Parabéns pelo artigo!

  • tommy lommy:

    A escola virou depósito de crianças. O que temos são pais criminosos, que abandonam intelectualmente seus filhos (vide ECA), deixando para a escola o papel que seria deles. Quando são convocados à escola, comportam-se pior que seus filhos, interessando-se apenas por resultados, sem interesse no processo, no desenvolvimento; uma total irresponsabilidade. Não são todos, mas a maioria.
    Temos profs mal preparados? claro! como em qualquer outro setor, mas há MUITOS bons. Fácil é falar de um…

    • Cesar Grossmann:

      Não entendi o que tem a ver o ECA com o “abandono intelectual” que você se refere.

  • Guilherme Ferreira:

    Respeito muito sua opinião Professor, mas também falando como um (ao menos por formação, pois nunca dei aulas em escola), vejo que a escola não tem “apenas” a função de instruir.

    Como um ambiente de convivência das crianças, muitas vezes esse local acaba por ser um segundo lar, e deixar os alunos a mingua, esperando que apenas a família eduque suas crianças como cidadãos corretos e respeitosos, é como se esquivar de uma responsabilidade que é inerente a Educação completa.

    Continuando…

    • Guilherme Ferreira:

      …Continuação.

      Cito como exemplo o que ocorre no filme O Clube do Imperador, imprescindível na formação de qualquer professor, que gera justamente essa discussão de qual é a missão do professor: mediar cultura ou EDUCAR?

    • Mustafá Ali Kanso:

      Caro leitor,

      Releia o texto e reflita sobre esses parágrafos:

      “A formação individual é algo mais abrangente e exige uma dedicação e um atendimento também individual, que a escola, enquanto instituição, e o professor, enquanto profissional, não foram instrumentalizados para atender.

      Pelo menos no Brasil.”

      (…)

      “A formação individual ainda é uma tarefa da família e que pode encontrar na escola sua grande aliada.

      Eis o termo – aliada.”

      Respondi?

      Grato pela audiência

  • Adolfo Hickmann:

    Isso mesmo, professor Mustafá!
    Necessitamos de famílias que realmente se aliem à Educação, verdadeiramente comprometidas com o desenvolvimento de seus filhos.
    Muitos pais não conseguem mais impor LIMITES aos seus filhos. Então acreditam que a escola a polícia ou a justiça resolverão a rebeldia dos filhos.

    Sou pesquisador em Educação, na UFPR, e estudo a questão da Maioridade Penal e aos aspectos que a envolvem.

    Será um prazer conversarmos mais!

    Abraços,

    Prof. Adolfo Hickman

  • ipsBruno:

    A culpa é do professor sim, mas também da sociedade e dos país. Quando eu estudava, lembro muito bem que os professores “cascas-grossas” educavam muito bem os alunos e progrediam com a aula, enquanto os mais liberais, os alunos só zuavam e não aprendiam coisa alguma. Professor com posicionamento = aulas bem ensinados. Sim, em partes, a culpa é do professor.

    • Raphael Nascimento:

      Errado. Minha mãe é professora em uma escola pública na periferia, zona oeste. Já a vi chegar em casa chorando pelo desrespeito, ameaças e sobretudo, pelos pais mais preocupados em beber e fumar do que com a educação dos filhos. Não meu amigo, a culpa não é do professor. Meu senso crítico veio da escola, mas minha educação e respeito ao próximo vieram de casa.

    • Adriana Teresinha Cardoso Foltran:

      Infelizmente os pais de hoje não aceitam esse tipo de comportamento, fazendo estardalhaços por qualquer motivo torpe.

  • Rudolf:

    Belo texto!

    Tentando completá-lo, a maneira de instruir os alunos é capenga, pois legalmente o professor não pode reprimir os alunos. Meus filhos, por diversas vezes, contavam casos de alunos xingarem os professores. Houve mesmo o caso de um colega que praticamente não ia às aulas e ia muito mal nas provas. Assim que repetia de ano o pai entrava com um processo e o aluno passava de ano. Resultado: era praticamente analfabeto!

    • Cesar Grossmann:

      Eu não sou professor, mas acho que tem alguma coisa errada quando um professor tem que recorrer à violência para se impor ou para conseguir a atenção dos alunos. Acho que parte da desmotivação dos alunos nas aulas vem de um professor que está também desmotivado e não sabe encantar os alunos.

      Por outro lado, a noção de respeito ao próximo é coisa que tem que vir de casa. Se você não aprende isto em casa, o que teus pais estão te ensinando?

    • Cesar Grossmann:

      A propósito, sempre que converso com os professores dos meus filhos, só ouço elogios – nunca, professor algum, me procurou para dizer que foi desrespeitado pelos meus filhos, ou que eles estimularam bagunça na sala de aula.

      Agora, o que eu já ouvi dos meus filhos sobre os professores e colegas….

    • Rudolf:

      Como “reprimir” não quis dizer violência. Atualmente mandar conversar com o diretor ou mandar bilhetes para os pais só serve de motivo de chacota.

  • Felipe Nascimento Martins:

    Excelente reflexão. Parabéns pelo texto!

  • Rodrigo Tisatto:

    Muitíssimo bem colocado. Vem em boa hora frente àquela série do Fantástico, que parece querer demonstrar que a escola serve pra tudo menos para aprender, onde eles exibem uma série de exemplos onde crianças e jovens vão à escola para cantar e “gostar” de estar lá, mas ninguém mediu os resultados, ninguém mostrou alunos aprendendo de fato. Ainda não vivemos no mito onde cada um pode escolher o que aprender na formação básica, e ignorar o resto. Você foi muito bondoso nos exemplos. Tem coisa…

Deixe seu comentário!