A probabilidade do planeta virar um inferno nas próximas décadas

Sabemos que a mudança climática já está alterando o clima da Terra, mas parece que ninguém sabe exatamente em que nível isso será prejudicial para nossa vida no futuro. Desculpem-nos os esperançosos, mas temos uma má notícia: cientistas tem uma boa noção das probabilidades da Terra virar um inferno nas próximas décadas, e elas são altas.

Pelo menos é essa a ideia de alguns cientistas como Felix Pharand Deschene, que coordenou a produção do vídeo abaixo (em inglês), baseado em informações recentes fornecidas pelo IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change ou Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), estabelecido em 1988 pela Organização Meteorológica Mundial.

No vídeo é explicado que o consumo no planeta tem crescido exponencialmente, motivado pelo crescimento da população e pela globalização. A emissão de dióxido de carbono está acelerando, assim como outros gases do efeito estufa, que estão chegando a níveis nunca antes observados na história da humanidade. O sistema climático está se alterando rapidamente.

De acordo com o mais recente relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, é extremamente provável que os humanos sejam a causa dominante do aquecimento global observado nos últimos 60 anos.

Sem cortes nas emissões de gases do efeito estufa, é provável que a Terra tenha o aumento de 2 graus Celsius em relação ao período pré-industrial. De acordo com o relatório, o aumento pode acontecer até o ano 2050. Acredita-se que em 2100, ondas de calor virão com mais frequência, e é muito provável que o nível do mar aumente bruscamente, com o derretimento das geleiras. Cidades e zonas costeiras podem se tornar completamente vulneráveis.

As sociedades do futuro muito provavelmente terão que se adaptar às mudanças climáticas. Para não tornar nosso planeta praticamente inabitável, dependemos das decisões tomadas agora. Ainda é possível permanecer com o clima atual, sem o aumento de 2 graus. Para nos mantermos neste nível climático, a humanidade poderia emitir apenas mais 250 bilhões de toneladas de carbono – nós queimamos cerca de 10 bilhões de toneladas de carbono por ano. Isso quer dizer que, no ritmo atual, vamos atingir o limite máximo cotado em apenas 25 anos – a não ser que as lideranças mundiais resolvam se unir para tentar reverter este quadro. [Sploid/Youtube]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)
Curta no Facebook:

34 respostas para “A probabilidade do planeta virar um inferno nas próximas décadas”

  1. É engraçado que o principal causador do aquecimento global seja o co2, substância proveniente da queima de combustiveis fósseis, essenciais para produção de energia, etc., ou seja, sem produção de co2, sem produção, sem desenvolvimento. Posso estar enganado, mas ja se passou pelas vossas cabeças que o aquecimento global seria o “truque” perfeito para atrasar paises emergentes e que crescem significantemente a cada ano, como por exemplo: china, india, etc.? Poderiam os paises desnvolvidos…

    • Poderia, Felipe, mas os dados estão aí e não se importam com economia ou geopolítica. A temperatura está aumentando e o seu aumento é causado pelos gases de efeito estufa, principalmente o CO2 resultante da atividade humana.

      Os dados não mentem.

  2. Sinceramente, parei de ler quando no “e é muito provável que o nível do mar aumente bruscamente, com o derretimento das geleiras” considerando que existe muito mais gelo embaixo da água, e que o gelo tem muito mais volume que a água, é mais provavel que o nivel do mar diminua com o derretimento das geleiras.

    • Angelo, as geleiras que preocupam os cientistas estão todas elas acima do nível do mar. São, por exemplo, as geleiras que estão cobrindo a superfície da Groenlândia.

  3. Será que o CO2 è a real ameaça? Ou será o espírito de James Lovelock agindo sobre nossas mentes vulneráveis e aterrorizadas: “Para não tornar nosso planeta praticamente inabitável, dependemos das decisões tomadas agora”.

    Poupem-me deste terrorismo climático! O planeta Terra já enfrentou com sucesso coisas muito piores que esta infestação por míseros insetos chamados humanos. Nós até podemos estar por um fio, mas o resto da biosfera está-se rindo da nossa partida.

    • O CO2 é um gás de efeito estufa e, graças à atividade humana, ele está sendo colocado na atmosfera em um ritmo maior do que a natureza é capaz de absorver, e, como consequência, sua concentração está aumentando.

      Com certeza o planeta vai sobreviver, somos um “acidente de percurso”. Provavelmente haverá vida depois que o ser humano desaparecer. Mas é com a nossa espécie que estamos preocupados. Claro, esta preocupação é subjetiva, tem gente que não está nem aí para a espécie humana (embora continuem a ter laços com membros dela, mas o ser humano é um ser de contradições).

    • Cesar, eu tentei achar uma palavra mais forte que “contradições”, pois há muito mais coisas a serem consideradas do que o aquecimento global (certo para ti e improvável para mim). O ser humano é um monstro de atuação funesta que em muito supera qualquer delírio fantástico da mitologia greco-romana. Chego a pensar que não somos nem mesmo parte do ecossistema, mas algo que surgiu e que corre por fora, um agente modificador que perverteu o seu papel; de “jardineiros do paraíso” para aniquiladores da natureza. A palavra que encontrei é “autofagia”, o gesto de comer partes da própria carne para alimentar o que restar do organismo.

      Ora, ora; encontrei a palavra, divulguei o que penso e daí… estanquei! Sim, estanquei e entendi que doravante o estrago vai continuar de modo inexorável, pois não vejo capacidade no homem de fazer uma mudança, pois tudo isso passa por outra palavra: “governos”. Nem se eu votasse nas mais conservadoras ou nas mais radicais propostas eco salvadoras e conseguisse alçar tais homens ao poder, nem se isso se repetisse em escala global, nem Jesus Cristo em carne e ossos poderia retomar as rédeas da situação e levar-nos a uma condição autossustentável. Seja pelo aquecimento global, seja por outra sandice, o fim da civilização (quiçá da humanidade) é uma perspectiva a ser considerada no curto/médio prazo. Será que alguém vai dizer que sou um “pessimista”? Quem foi que disse que “um pessimista nada mais é que um otimista bem informado”?

    • Concordo, especialmente com teu 2º comentário : o homem condenou a Terra ou pelo menos sua própria existência , o que , para a natureza e meio ambiente , pode ser considerado um bom negócio .
      Só acho que a coisa não depende só de governos , mas muito mais das grandes corporações. Afinal são eles e não os governos que exploram o planeta vorazmente.Quem governa pouco importa , pois quem comanda o mundo são as grandes corporações. E não há governo que se coloque no caminho deles. O lobby é infinito e os governos são todos subservientes aos interesses economicos.

    • Não é certo para mim, é certo para os climatologistas que pesquisam ativamente na área. 97% deles não tem dúvida alguma que esteja acontecendo uma mudança climática e que o homem é responsável, com mais de 90% de certeza.

      É o que os dados apontam. É até anti-científico sustentar o contrário.

    • Não existe esta coisa chamada comportamento “anticientífico”. O que pode haver são alegações que não se sustentam com o passar do tempo (talvez as minhas). A ciência não tem inimigos, não pode ser defendida e nem protegida. A ciência é o show das verdades do Universo que é nosso e que estão sendo descortinadas lentamente ante nossos olhos ávidos por novidades. Uma crítica ou um desafio à ciência frequentemente valem mais que um elogio ou uma reverência.

    • A ciência tem, sim, inimigos. Todos que querem substituir a pesquisa pela leitura de um livrinho com estorinhas de 6 mil anos atrás. Todos os que negam as evidências e as conclusões da ciência apenas por que elas vão de encontro com suas crenças pessoais, todos aqueles que querem ensinar suas próprias crenças sem evidências como se fossem fatos naturais em aulas de ciência.

      Sempre que você encontra alguém propondo substituir a ciência pela superstição, como os adeptos do DI e outros criacionistas, você encontrou um inimigo da ciência. Eles mentem sobre os cientistas, inventam e distorcem frases, para “provar” que os cientistas são fraudadores e a ciência é mentirosa. Se isto não é ser inimigo da ciência, eu não sei o que seria…

    • Ooooohhh, coitadinha da ciência a indefesa ciência.
      Pare com isso Cesar, a ciência responde por si mesma, tanto a ateus/religiosos, evolucionistas/criacionistas ou a quem quiser alguma explicação quanto a algo.
      O que a ciência não faz é puxar a sardinha para si.
      E quem a usa para o seu bel prazer isso fica evidente com teorias nada definidas ou que não se pode dar créditos.

    • Cesar, uma coisa é ser inimigo da ciência (conceito e constatações), outra coisa é ser inimigo de um ou mais cientistas (polarização e interpretações).

    • Edir, 97% dos climatologistas que estão ativos na área (trabalhando e produzindo pesquisa) não tem dúvida que o aquecimento global é um fato. Negar isto é negar as conclusões a que chegou a ciência. Negar estas conclusões sem nenhum fato novo, sem nenhuma evidência, é fazer um desserviço à ciência. O questionamento é válido e deve ser incentivado, mas ele tem que ser justificado com evidências, negar por negar não é ser cético.

      Tem uma outra coisa que os negadores do aquecimento global tentam esconder a todo pano: quem financia a campanha deles contra o IPCC são empresas que trabalham com petróleo. É fato e está documentado.

      http://thinkprogress.org/climate/2013/04/16/1872591/dirty-energy-fuels-climate-change-denier-ken-cuccinellis-campaign/
      http://www.greenpeace.org/usa/en/campaigns/global-warming-and-energy/polluterwatch/koch-industries/

    • Eu não sou um cético, César, não no sentido que o termo adquiriu por causa da hipótese do aquecimento global. Pouco me importa quem financia os negadores ou quais são seus objetivos. Vou explicar: Se meu professor de matemática cometer um crime hediondo, eu posso até desprezar sua pessoa, mas não vou desprezar sua formação acadêmica, conhecimentos e orientação perita. Os argumentos dos negadores me são úteis, mas não passa disso. Não vou abraçar sua causa, hastear sua bandeira ou me alinhar a qualquer visão ideológica.

      Quanto aos números, não acho desconfortável estar entre os 3% que desacreditam as afirmações dos demais 97%. Há muito eu tenho me dado bem em situações bem menos favoráveis, a começar pela fecundação. Naquele momento minhas chances eram somente uma em trezentos milhões. Também no campo da religião; sou membro de um grupo pequeno dentro do balaio-de-gatos que se tornou o cristianismo. Do lado de lá está a maioria, com seus altaneiros bacharéis em teologia falando cobras e lagartos contra nós, “hereges e falsos profetas”. Temos uma só verdade que emana de Deus que não está obrigatoriamente com a maioria. Do mesmo modo, temos uma só verdade (ciência) sobre os fenômenos climáticos, mas, há duas interpretações diferentes para esta. Se em ambos os lados há cientistas conceituados, eu tenho que fazer uma escolha; certa ou errada é a minha escolha.

      Mas, eu não fechei a questão ao ponto de virar as costas ao IPCC, porquanto ele tome três iniciativas:

      1) Parar com o “terrorismo climático”: somente os litorais seriam impreterivelmente prejudicados; quanto ao resto, pode ser que até haja benefícios.
      2) Apesentar algo mais que os modelos computadorizados e estatísticas: melhor seria se oferecessem um estudo comparativo em dois ambientes herméticos que, com proporções diferentes de CO2 na atmosfera interior, seriam expostos à mesma quantidade de energia solar.
      3) Divulgar com simplicidade e clareza quais são os pontos de aferição de temperatura, a acuidade dos equipamentos usados e a metodologia que leva à conclusão que o planeta está aquecendo por motivos antrópicos.

      Vou esperar sentado.

    • São ótimos trabalhos, mas o que eu reivindico são os itens acima, não esta abundância de informação difícil de ser assimilada por muitos. Isto, é claro, se interessar ao IPCC que eu abandone o ceticismo, senão, que continue o confronto até o clima mostrar qual é sua cara. Dentro de poucas décadas não haverá mais dúvidas.

    • 1) Parar com o “terrorismo climático”: somente os litorais seriam impreterivelmente prejudicados; quanto ao resto, pode ser que até haja benefícios.

      Não tem aspectos benéficos. Você acha que só vai acontecer a elevação do nível dos mares mas o aumento do carbono na atmosfera é prejudicial para as plantas (sim, elas transformam CO2 e água em açúcares, mediante a fotossíntese, mas existem níveis ótimos de CO2, e se tiver mais CO2, as plantas sofrem). As previsões de clima mais extremo não são absurdas, já que mais calor significa mais energia. Além disso, sabemos o que acontece quando o Pacífico aquece (“El Niño”): enchentes no Brasil e seca na África. Entre outras coisas.

      2) Apesentar algo mais que os modelos computadorizados e estatísticas: melhor seria se oferecessem um estudo comparativo em dois ambientes herméticos que, com proporções diferentes de CO2 na atmosfera interior, seriam expostos à mesma quantidade de energia solar.

      Os modelos computadorizados não são comparados com modelos herméticos, mas com a temperatura global que já foi observada. Se você conseguir que o modelo computacional, usando os dados de níveis de CO2 e outras informações pertinentes gerar um gráfico de temperatura semelhante ao registrado historicamente, o teu modelo matemático é confiável. E é assim que os modelos matemáticos estão sendo validados, comparando sua previsão com os dados obtidos das leituras de sensores.

      3) Divulgar com simplicidade e clareza quais são os pontos de aferição de temperatura, a acuidade dos equipamentos usados e a metodologia que leva à conclusão que o planeta está aquecendo por motivos antrópicos.

      Isto não está nos trabalhos que analisam os dados de temperatura global? Tem certeza? Quais os trabalhos que você examinou?

    • Alguém aqui já ouviu falar do “climagate”? O oxigênio é formado, na sua maior parte pelo plâncton existente nos dois terços de mar da nossa bola azul. E gás carbônico é adubo para as plantas que produzem nosso oxigênio
      Isso é terrorismo pós Al Gore. Ou já se esqueceram dele? Ele afirmava (afirma) que o nível do mar iria subir ,mas comprou uma mansão milionária à beira do mar. Eita fé!
      Por favor, nos poupem . Como alguém aqui já escreveu, esse site está mais para Hyper do para Science

    • Roberto Síndico, isto tudo é besteira. Os dados estão aí, e é consenso científico. A ideia que tudo não passa de um truque ou uma conspiração orquestrada por sabe-se lá que interesses é alimentada por pessoas e grupos de pessoas que são financiados pela indústria petrolífera, e isto é fato.

  4. Infelizmente as ações e atitudes do ser humano de um modo geral, só demonstram que esta espécie evoluiu muito pouco em aspectos como o humanismo e existencialismo em 30 mil anos. É um ser imediatista , ganancioso , egoísta , sem consciência alguma de seus atos presentes. Não possue qualquer comunhão com a natureza e a explora de forma vil . Nosso futuro é sombrio , pois , como algum colega já disse, nada será feito.
    Mas o pior mesmo é que o homem que está no poder hoje é o empresário do mercado financeiro ,que mira apenas em lucro rápido.Natureza e meio-ambiente estão na página 500 de sua agenda.
    Não há saída: daqui a 25 anos , inevitavelmente, a humanidade estará vivenciando um estado de caos quase total por conta do aquecimento , da fome ,consequencia disso, espalhada pelo planeta e da diminuição rápida dos recursos naturais essenciais , como água, florestas e terras férteis. A questão não é apenas de temperatura , mas de quanto este planeta ainda pode sustentar.
    O que mais me dói é que pessoas entre 1 e 20 anos hoje , daqui a 25 anos ainda serão jovens. Como será o mundo para estas criaturas ?

  5. É…já dizia Raul Seixas em uma de suas musicas cujo a letra é “…Buliram muito com o planeta; o planeta como um cachorro eu vejo, se ele não aguenta mais as pulgas se livra delas num sacolejo…” (Raul Seixas)

  6. quando li o Titulo…
    pensei que o inferno seria graças a Fukishima… que estava para promover uma evacuação em Todo o Japão… e levar metade do mundo a um Senário Pós Apocalíptico…
    e ao Fato de que dentro de 20 anos…
    o Brasil – País Corrupto onde Governantes só defendem interesses Próprios… e onde não existe Politica e sim Politicagem…
    e China – País Extremamente Ditatorial que trata seus Cidadãos como Animais
    estarão Ditando as Regras Mundiais…

  7. O problema é que todos nós temos culpa. este consumismo descontrolado faz com que as indústrias produzem cada vez mais, pensando apenas em lucros. Temos que repensar nosso modo de vida, e agir com ações que darão efeito não apenas á longo prazo mas de imediato. como? imagine se todos reciclassem 100% de seu lixo doméstico? a economia de matéria prima de certas composições daria tempo para que o planeta reage “cure”. isto é apenas uma mínima ação, quantas mais podem ser feitas!! temos que mudar!

  8. Provavelmente nosso planeta terá temperaturas infernais igual a do planeta Vênus. O cientistas sabem muito bem que o existe em abundância dióxido de carbono na atmosfera de Vênus e isto causa automaticamente o efeito estufa que faz ferver a temperatura de Vênus. Então provavelmente iremos viver em um ambiente inóspito sem vida

    • Vênus é de fato muito quente, muito mais quente que a Terra, mas não por causa do CO2, antes por causa da sua proximidade em relação ao Sol e também por causa da enorme pressão atmosférica.

    • Vênus é o planeta mais quente do Sistema Solar, e não é o mais próximo, então a proximidade não é a razão do calor que impera em Vênus. Quanto a não ser o gás carbônico, a atmosfera venusiana tem 96,5% de dióxido de carbono, popularmente conhecido como “um gás do efeito estufa” (tem outros gases, como o metano e o próprio vapor de água).

    • Não ouso falar muitas coisas sobre Vênus, senão o pouco que aprendi no 2º grau; basta o que se pode ler logo acima. Mas, quanto à Terra, o CO2 continua aumentando… Quero estar vivo daqui 20 anos para ver se a temperatura subiu ou desceu.

  9. Eu sinceramente acho que quase nenhum (se não nenhum) lider de país terá iniciativas para mudar a situação do clima. Isso implicaria em enormes prejuízos financeiros a curto prazo, e como o mundo vive de ganância e dinheiro atualmente, o bem estar geral da humanidade no futuro nem é levado em conta, pois este bem estar futuro não dá dinheiro agora.

    • Essa é a maneira que a Natureza encontra para eliminar da evolução as espécies que não se adaptarem às mudanças do clima!!!

    • O problema maior é que o político que investe em algo para o futuro está dando um tiro no pé, ele vai ser massacrado por não procurar objetivos e sucessos a curto prazo. E no caso da mudança climática, é pior ainda, por que é uma coisa que tem que ser feita por todas as nações, por todo o planeta. Vai prejudicar a economia agora para continuar tendo a economia no futuro, ou então deixa a economia florescer agora e dane-se o futuro?

      O que precisa é encontrar uma forma de usar a forma de pensar do ser humano a favor dele. Por enquanto estamos sendo vítimas de nossos impulsos, mas deve ter uma forma inteligente de abordar o problema e conseguir os resultados sem precisar convocar as pessoas a deixarem de ser egoístas e imediatistas. Por que qualquer solução que precise de uma mudança de mentalidade das pessoas está fadada ao fracasso no planeta do “one punch knockdown”…

    • aguiarubra, a Mãe Natureza não é revanchista e não tem consciência da nossa existência para aplicar uma punição. O planeta apenas se altera em função das mudanças de temperatura, alterações que podem ser positivas. Fora a subversão dos litorais, todos os demais aspectos de um aquecimento global trazem bons ventos de esperança. Já pensou na possibilidade de a Sibéria ou a Antártida se tornarem o “celeiro do mundo”? O incremento da atividade agrícola selaria o fim da miséria e da fome em escala global!

  10. As autoridades mundiais não se preocupam com isso. Não dão ouvidos ao cientistas. São um bando de incompetentes! Eles vão fazer muito pouco para o esse quadro mudar – afinal as petrolíferas são seus mestres . . . Apenas as “pessoas comuns”, despidas de poder político/militar/corporativo formal, podem alterar essas projeções catastróficas. O povo mundial tem a força para fizer um futuro melhor ! ! !

Deixe uma resposta