Astrônomos dizem ter encontrado estruturas gigantescas na nossa galáxia

Por , em 22.01.2016
Conjunto de Telescópios do CSIRO Austrália

Conjunto de Telescópios do CSIRO Austrália

O gás que existe dentro das galáxias, entre as estrelas, parece formar “grumos” na forma de macarrão, ou de amêndoas ocas, ou mesmo de folhas de papel, vistas “de perfil”.

É o que sugere o trabalho de uma equipe liderada pelo astrônomo do CSIRO, Dr. Keith Bannister, publicado recentemente no periódico Science.

Trinta anos atrás, ao observar um quasar distante, astrônomos notaram um fenômeno interessante: a imagem do quasar, feita por radiotelescópios, sofria um tipo de distorção, com variações incríveis, que não aparecia nas fotos do mesmo quasar feitas por telescópios óticos.

Este comportamento foi determinado como tendo origem dentro da nossa galáxia, pela tênue “atmosfera” de plasma que preenche o espaço entre as estrelas. Devido às dificuldades de estudar o fenômeno, a maioria dos astrônomos desistiu, exceto o Dr. Bannister e seus colegas.

O Dr. Bannister descobriu que poderia estudar estas distorções com os telescópios do CSIRO, na Austrália, apontando-os para o quasar PKS 1939-315. O que ele observou foi um efeito de lentes por um ano. Essas lentes possuem o tamanho aproximado da órbita da Terra, a 3000 anos-luz de nós.

Mesmo sem poder determinar sua forma, os cientistas conseguiram mostrar que tais lentes não poderiam ser causadas por uma estrutura sólida ou com a forma de uma folha curvada. Mais ainda, poderiam estar sendo vistas “de perfil”, e terem a forma de uma folha de papel, ou um círculo oco, como um macarrão, ou uma casca esférica, como uma avelã.

Mais ainda, as observações confirmaram a descoberta anterior de que a imagem feita com rádio telescópios estava distorcida, e a imagem ótica não, o que indica outro ponto importante dos grumos de gás: eles não têm partículas de poeira, e o fenômeno não poderia ser descoberto usando telescópios óticos.

O candidato mais óbvio para o fenômeno são nuvens de gás, só que esta hipótese tem implicações interessantes. Para entender, primeiro é preciso compreender que, apesar da Teoria do Big Bang prever que 4% do universo é composto de matéria bariônica, até agora não se encontrou todos estes 4%, o chamado problema dos bárions desaparecidos. Estas nuvens de gás poderiam ser a resposta para este problema.

E não, estas estruturas não poderiam ser compostas de matéria escura. Elas não poderiam explicar os fenômenos que são propostos pelo modelo da matéria escura, como o fato das galáxias se manterem inteiras apesar da sua velocidade de rotação. [PhysOrg, IFLScience, CSIRO Austrália, Science]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

Deixe seu comentário!