O bully de hoje é o agressor sexual de amanhã

Por , em 9.06.2011

Uma vez valentão, sempre valentão. Cientistas dos EUA descobriram que os meninos que praticam bullying na época de escola possuem maiores chances de abusar de sua parceira na vida adulta.

Segundo o estudo, a ligação fornece um caminho para a pontencial redução da violência doméstica, que afeta cerca de 25% das mulheres estadunidenses.

O psicólogo Jay Silverman, que liderou a pesquisa, conta que, para os adolescentes, o contexto escolar é praticamente um treino para o comportamento como adulto e por isso não é de se surpreender que algumas práticas permaneçam. “Precisamos fazer um trabalho muito melhor em reconhecer o bullying nas escolas, especialmente o assédio dos meninos contra as garotas”, diz.

Silverman reconheceu que a ligação é surpreendentemente forte e merece um estudo mais aprofundado. “Certamente esperamos que este estudo traga uma maior atenção a esta questão”.

Baseado em dados de uma pesquisa feita em Boston, EUA, com quase 1.500 homens de 18 a 35 anos, a equipe de Silverman descobriu que 16% dos homens – um em cada seis – tinha abusado de sua parceira sexualmente no ano passado.

Dos que admitiram o abuso recente, 38% confessaram que costumavam intimidar os seus colegas com frequência na escola também. Esse dado é consideravelmente superior aos 12% que afirmaram nunca terem praticado bullying na infância ou na adolescência.

Depois de levar em conta outros fatores de risco para violência doméstica – como ter sido abusado enquanto criança ou ter sido testemunha de abuso entre os pais – o bullying frequentemente quando pequeno estava ligado a um aumento de quatro vezes no risco de um homem abusar da parceira na fase adulta.

A associação foi mais forte do que condições como ter sido abusado quando criança. “Foi surpreendente o fato do bulliyng ter se mostrado muito mais poderoso do que muitas das outras questões que consideramos normalmente”, conta Silverman.

“A mensagem que fica é que o bullying na escola pode ter consequências muito mais profundas e duradouras do que imaginamos – e não apenas em quem sofre a intimidação, mas também em quem a pratica”, conclui. [Reuters]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

10 comentários

  • mario:

    a sociedade inteira sofre bulling quando um governinho como o do Brasil põe em liberdade um terrorista, ou isso não lhe causa revolta?

  • Jack:

    Esse tipo de matéria, assim como as pesquisas em que são baseadas, são desserviços ao mundo…sou psicólogo e pesquisador, e sei que em pesquisas puramente estatísticas, podemos chegar a qualquer resultado, sem que esse seja necessariamente verdadeiro, é preciso fazer mais pesquisas na área (qualitativas) para termos um resultado mais fidedigno, antes de afirmarmos que crianças serão futuros criminosos!

    Esse tipo de enquadramento pode ser usado por governos (mais criminosos ainda) para criarmos um mundo a “la minority report” onde os “criminosos” são encontrados e presos antes de cometerem qualquer coisa…

  • Demonarca:

    Tem tambem que rever a tua alfabetização , cara , porra tu escreve mal pacas . Parece analfabeto = agreção ,enpedir ,conhesso sertesa ,éssas ,mecheu…kkkk não cara , foi de propósito , fala para nós. hilário .

  • Shana Carvalho:

    Em todas as matérias que li sobre bullying nunca encontrei referencia a professores, diretores, coordenadores, psicopedagogos, bedeis ou outros profissionias da educação. Onde estão esses profissionais quando estas violências ocorrem nas salas e pátios das escolas?

    • jonheca:

      na sala de professores a fumar um charuto.

  • jonheca:

    O ser humano é mais animal que humano.

    • ShadowsAV:

      O humano, ou melhor o Homo sapiens, é uma espécie, logo também é animal, animal.

  • José Calasans:

    O problema é que o ser humano é um animal muito instável e precisa conhecer limites,só que hoje em dia estão inventando um monte de modismos estranhos,antigamente criança muito levada tomava uma sova para aprender que estava cometentendo um erro,hoje nós não podemos nem tocar a mão nos nossos filhos pois podemos ir até presos,não sou afavor de espancamento,mas um castigo ou uns tapas não mata ninguem,pior é isso que estamos presenciando hoje,adolescantes
    matando,roubando,estrupando,espancando colegas etec…falta de limites e autoridade que estão tirando dos pais.o pior é que,os pais n/ podem bater,mas a polícia pode.

    • anderea:

      esse espancamento que faz o filho de uma pessoa roubar sabe-se hoje em dia nimguem respeita regras todos metem a mão no filho(a) fato de ser contra a lei ajuda isso n intimida maioria das pessoas acha que com atos violentos o seu filho tera uma mentalidade normal bem pelo contrario mesmo essas palmadinhas podem deixar uma criança mto violenta nunca encostaram mão na minha bu#da e ainda sou exemplo de educação …..OBS:seu texto ta cheio de erros de português

  • talita:

    muito mal escrito teria como ser melhor viu > obrigado

Deixe seu comentário!