Casais neuróticos são mais felizes quando fazem mais sexo

Por , em 14.12.2010

Vários estudos afirmam que altos níveis de neuroticismo são mais fortemente associados com um casamento fracassado do que qualquer outro fator de personalidade. O neuroticismo pode, de fato, tornar os relacionamentos mais difíceis, mas uma nova pesquisa parece ter a cura para o problema: sexo.

O neuroticismo é a tendência a experimentar emoções negativas. Pessoas que tem essa personalidade ficam chateadas com facilidade, mudam de humor e se preocupam com frequência.

E o sexo no casamento parece aliviar estes efeitos neuróticos. Os pesquisadores seguiram 72 casais recém-casados durante os primeiros quatro anos de seu casamento. A cada seis meses, ambos os cônjuges se reportaram em particular e separadamente sobre sua satisfação conjugal e atividade sexual.

O estudo mostrou que os recém-casados neuróticos que têm relações sexuais com frequência são tão satisfeitos com seus casamentos quanto seus colegas menos neuróticos. Segundo os pesquisadores, as descobertas são importantes porque as pessoas que sofrem com relacionamentos neuróticos têm maiores taxas de divórcio.

Em média, os casais relataram ter feito sexo uma vez por semana nos primeiros seis meses de casamento, e cerca de três vezes por mês no quarto ano juntos. A quantidade de sexo do casal não estava vinculada a sua satisfação conjugal. Às vezes, casais felizes tinham feito muito sexo, e às vezes tinham feito muito pouco.

Mas os casais neuróticos foram uma exceção. Os casais com altos níveis de neuroticismo eram mais felizes em seus casamentos se fizessem mais relações sexuais. Segundo os pesquisadores, o sexo frequente foi o suficiente para enxugar o “déficit de felicidade” que as pessoas neuróticas sentem; manterem-se ocupados fez com que os casais se sentissem satisfeitos em seus casamentos, em média, da mesma forma que os recém-casados não neuróticos.

Os pesquisadores afirmam que essas descobertas destacam a necessidade de considerar todo o contexto de um relacionamento quando se estuda traços de personalidade. [LiveScience]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

10 comentários

  • Yuri Herdt:

    mas se sua mulher sofre com problemas de frigidez, creio que não seja uma boa idéia ficar tentando fazer muito sexo.. tem pessoas e pessoas…

  • Daniel:

    Sexo todo dia Ivan? Só isso? Eu faço 5 vezes por dia desde quando casei! Estou casado há 15 anos. Trocando em miúdos, transei 27.375 vezes desde quando casei. Homem adora contar vantagens sexuais! Dar uma brochada então eles jamais admitem! Fala sério!

  • Kerensky:

    É Ivan… estamos no mesmo barco. Comigo nem é ficar sem ligar um dia. Algumas horas já são o suficiente!

  • taina:

    choquei com esse cometario do Ivan =o
    felizmente ,ou infelizmente, sou como ele esta descrevendo. mas quem não gosta de sexo td dia q atire a 1° pedra 😛
    apenas não me considero neurótica, mas tenho tendencia ao pessimismo

  • Davidson Lima:

    O artigo deveria fazer parte das Pesquias Óbvias. Todos ficam mais felizes depois de uma transa.

  • luciana:

    Não é novidade que as mulhere confundem sexo com amor.

  • vanilda:

    gostei ivanadoro ser neurotica.

  • Prix:

    acho que não sou nerótica justamente por causa disso ! hehe

  • Ivan:

    Isso é correto. Só que não imagino a minha neurótica mulher fazendo sexo comigo apenas uma vez por semana. Só se deixar de ligar para ela durante um dia ela já fica louca !!
    Com ela fazemos amor todo dia e, se não tivermos q acordar cedo ou se não estiver muito tarde, dá até para fazer duas e três vezes. Acredito que é realmente desse jeito que realmente se controla uma mulher nervosa assim… elas brigam por falta do prazer de se sentir amadas como mulheres por seus varões.

    • Renata Soz:

      A mulher deve, acima de tudo, ser companheira do homem. Se uma mulher vive enraivecida e o homem tem que ficar “apaziguando” com telefonemas constantes e muito sexo, a coisa vai mal mesmo, porque ambos ficarão velhos e o sexo diminuirá. Se não forem verdadeiros companheiros, não sobreviverão!

Deixe seu comentário!