Comportamento de bonobos prova que homossexualidade é normal entre animais

Por , em 13.11.2013

As selvas da República Democrática do Congo, no centro da África, formam o único lar no planeta Terra para o bonobo (Pan paniscus), uma espécie de primata famosa pelo comportamento pacífico e uma convivência quase “hippie” dentro das pequenas tribos em que se organizam.

Bonobos são naturalmente bissexuais. Relacionamento carnal entre indivíduos do mesmo gênero ocorre o tempo todo, segundo uma série de estudos que observaram as tendências dos animais. O sexo é usado não apenas como instrumento de diversão, mas também como forma de premiar um parceiro, ou consolá-lo, e é inclusive utilizado para resolver conflitos.

Durante a vida, um bonobo registra um incontável número de parceiras e parceiros – geralmente, várias e vários em um único dia. De toda a atividade sexual registrada pela espécie, 75% não têm fins reprodutivos, um índice muito acima dos demais primatas.

As tribos de chimpanzés, por exemplo, são marcadas por disputas nas quais os machos mais fortes dominam os mais fracos para poder acasalar. Entre bonobos, essa realidade é inexistente: o grupo vive em um estado de atos sexuais sem culpa e sem agressividade.

Por falar em comparações de ordem animal, aliás, os bonobos são os nossos parentes mais próximos, ao lado dos chimpanzés. A sociedade, segundo alguns estudos, é classificada como matriarcal, já que as fêmeas em geral escolhem os melhores companheiros (ou companheiras) devido às fortes relações que estabelecem entre si. [Knowledge Nuts / Galileu / BBC]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (6 votos, média: 4,17 de 5)

27 comentários

  • Yazmin Gatti:

    Muito interessante. Só nao entendi por que tantos comentarios sobre a Biblia em uma página de ciencias. Nem todos lhe damos importancia.

  • Cesar Grossmann:

    Acho que tem gente aí que está cego pela homofobia. Ninguém está propondo que todo mundo se torne homossexual, apenas está demonstrado que é falso e raso o argumento que a homossexualidade é um comportamento antinatural. Não é. E também é falso o argumento que só no ser humano existe o comportamento homossexual.

    O que é exclusivo do ser humano é o comportamento homofóbico. Este é um comportamento verdadeiramente anti-natural, e, como tal, é ensinado.

    • Cesar Grossmann:

      Você não precisa ser vítima de violência para ser contra a violência.

  • Hercules Lima:

    Quer gostem ou não, os animais foram submetidos ao domínio humano e por isso mudaram seus hábitos. Veja esse trecho extraído da Bíblia:
    “Porque toda a natureza, tanto de bestas feras como de aves, tanto de répteis como de animais do mar, se amansa e foi domada pela natureza humana; Tiago 3:7”

    • Fera Anndroid:

      A maior e melhor invenção do ser humano foi a ciência. Graças a ela nós não somos submetidos a viver em conformidade com um livro velho escrito por esquizofrenicos que viveram há mais dois mil anos, livro que foi alterado várias e várias vezes de acordo com as vontades de outros e até hoje por ter falhas na tradução cada um lê do jeito que quer!!!!

    • Cesar Grossmann:

      Animais selvagens, que sequer tem contato com o ser humano, tem o comportamento natural.

    • Hercules Lima:

      Cesar Grossmann, o próprio termo homofobia é “falso e raso” uma vez que “fobia” entende-se como “medo”, exemplo claustrofobia = medo de lugares fechados e acrofobia = medo de lugares altos. Aplicando-se isso ao termo homofobia, viria homo=homem=idêntico=semelhante e então a tradução deveria ser: medo de homem? Fera Anndroid, a ciência não foi uma invenção do ser humano e sim a somatória de todos recursos disponíveis para tentar entender como a vida e a natureza funcionam e é nesse ponto que ainda muito se tem a percorrer para tentar explicar o comportamento homossexual, uma vez que ele existe mas não faz parte da maioria das pessoas. Por isso, entende-se como um desvio de comportamento, inclusive porque ele não está latente nas crianças. Logo é adquirido por causas que devem ser estudadas e não simplesmente aceitas como naturais. O que teria por detrás dessas causas que levam as pessoas a serem homossexuais?

    • Hercules Lima:

      Fera Anndroid, quantas vezes você já leu a Bíblia? Eu já a li 8 vezes, sempre procurando entendê-la e descobri que ela é como um quebracabeças. É preciso saber unir cada peça do modo certo. Quem não tenta fazer isso acaba dizendo asneiras quando se refere a ela, porque não a conhece intimamente. A Bíblia é o único livro milenar (“velho”) cujo autor está vivo até hoje! Quem escreveu foram homens, mas quem ditou foi Deus. As previsões dela se cumprem ou ainda hão de se cumprir, como a ciência tenta fazer através de fórmulas, teorias e postulados. Por exemplo, a Bíblia já afirmava que a Terra era redonda cerca de 2.500 anos atrás, quando a ciência e a religião predominante da época afirmavam o contrário. Veja o seguinte texto: “Ele é o que está assentado sobre o CÍRCULO da terra,”
      Isaías 40:22 “

    • Cesar Grossmann:

      Hercules, tem certas palavras que tem um significado que transcende a tradução de radical e prefixo.

      Mas se você quiser ficar na tradução, “fobia”, pode ser tanto “medo” quanto “aversão”, e “homo” é considerado pelo dicionário como um truncamento da palavra “homossexual” e não apenas de “homo”.

      http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=homofobia
      homofobia
      ho.mo.fo.bi.a
      sf (der do voc comp do trunc de homossexual+gr phobós+ia1, como fr homophobie) Aversão ou rejeição a homossexual e a homossexualismo.

      Se esta definição está correta? Claro que está. Quem define o significado das palavras é o uso delas, a língua portuguesa não é uma matemática.

      O resto é bobagem, você deveria se atualizar. O comportamento homossexual não é um “desvio de comportamento”, e pode ser demonstrado até em tomografias do cérebro. Ninguém “se torna” homossexual ou é “tornado” homossexual por fatores exógenos (exceto, talvez, os hormônios a que o feto seja eventualmente submetido durante a gestação, mas eu não sei se isto é só uma hipótese ou se já foi comprovado).

    • BlackTrigger:

      e só por que está escrito em um livro “sagrado”
      você toma como verdade?
      Nós não domamos os animais
      por isso separamos selvagens e não selvag

  • Edir Marcelo Zucolli:

    Incesto e endogamia também são normais entre eles.

    • Cesar Grossmann:

      Ou seja, incesto e endogamia não são aberrações da natureza humana. Mas nem por isto vamos adotar estes comportamentos, vamos?

      Dizer que uma coisa é natural não é a mesma coisa que dizer que devemos fazê-la. É natural um chipanzé atacar um outro chipanzé que desafie a sua autoridade e até mesmo matá-lo — este é um comportamento natural, e se alguém faz a mesma coisa, ela não está tendo um comportamento aberrante, está apenas cedendo aos seus instintos mais primitivos.

    • Edir Marcelo Zucolli:

      Eu estava esperando esta deferência para fazer três perguntas:

      1) O que é e o que não é parafilia?

      2) Quem tem autoridade acadêmica, moral e jurídica para definir o que é ou não é parafilia?

      3) Tais definições terão ampla validade ou serão lançadas por terra na próxima revolução (quem sabe global), tal como se tem visto nos autos e baixos da história humana?

    • Cesar Grossmann:

      1) O que é e o que não é parafilia?
      2) Quem tem autoridade acadêmica, moral e jurídica para definir o que é ou não é parafilia?

      In 1981 an article published in American Journal of Psychiatry described paraphilia as “recurrent, intense sexually arousing fantasies, sexual urges, or behaviors generally involving:[15]
      1 Non-human objects
      2 The suffering or humiliation of oneself or one’s partner
      3 Children
      4 Non-consenting persons

      Source: Wikipedia

      Basicamente, quem tem o cacife para decidir o que é uma parafilia e o que não é, são os psicólogos e neurologistas, gente que estuda as raízes do comportamento humano, se são naturais ou culturais, e outras coisas.

      Sobre o que deve ser considerado ilegal ou não, eu acho que temos um código de ética muito bom para nos guiar. Começa com ‘não fazer aos outros o que não queremos que façam a nós’, e tem coisas como ‘procurar sempre com as ações causar o mínimo possível de sofrimento’ e o imperativo moral de Kant, ‘nunca pensar no outro como meio para algum fim’. Isto excluiria a pedofilia como algo a ser aceito. Além disso existem também as leis

      3) Tais definições terão ampla validade ou serão lançadas por terra na próxima revolução (quem sabe global), tal como se tem visto nos autos e baixos da história humana?

      Se você quer uma definição definitiva, procure a religião, ela é cheia de dogmas que não mudam — por que não podem ser questionados. É o mais definitivo que você pode chegar em termos de definições.

    • Edir Marcelo Zucolli:

      Pois, bem… Devemos então confiar cegamente nos psicólogos e neurologistas para que delineiem a fronteira entre o que é ou não é aceitável em termos de comportamento sexual. O problema é que minorias serão estigmatizadas e terão seus direitos individuais tolhidos, porquanto não estão impondo suas práticas ou afrontando os direitos e a individualidade de outrem. É claro que vão se espelhar nas conquistas da comunidade homossexual e exigirão que, assim com se deu com esta, tenham as suas taras excluídas da “lista negra” presente na página da Wikipédia em português: http://pt.wikipedia.org/wiki/Parafilia

      Adicionalmente, não podemos apostar tantas fichas nos especialistas citados, visto que eles não são assexuados. Alguns são “homo”, outros são “hetero” e alguns são “bi”. E, há ainda os que são afeitos a estrepolias capazes de deixar corado um soldado da legião estrangeira. Não é possível que suas respectivas preferências deixem de influenciar o veredito, indo ao ponto de realimentar a inquietação humana de buscar o prazer venéreo de formas cada vez mais inusitadas. Em suma, a flexibilização e tolerância aos padrões de comportamentos sexuais alternativos não é nada mais que a ponta de um iceberg. Relacionar o comportamento humano ao reino animal e a espécies que praticam atos homossexuais prepara o terreno para a aceitação de ainda outras práticas que paulatinamente desaparecerão da já citada “lista negra”. É o famoso fenômeno “bola de neve”. Se não, vejamos:

      Por que eu deveria aceitar o item 1 da Wikipédia em inglês: “non-human objects” se em matéria do Hypescience vemos um golfinho a se masturbar usando um peixe morto? : https://hypescience.com/video-golfinho-se-masturbando-com-um-peixe-decapitado/ Ou, será que é o caso de acreditarmos que a necrofilia vai se tornar algo corriqueiro? Também, os avanços na engenharia genética cada vez mais tornarão segura a união de gametas de parentes próximos, afastando a possibilidade de nascerem crianças com doenças relacionadas à endogamia. Resultado: o incesto deixará de ser algo raro e repulsivo e relacionamentos carnais entre pai-filha, mãe-filho e irmão-irmã tornar-se-ão comuns.

      Quanto às questões de natureza legal e jurídica, devo lembrar que hoje não mais impera a máxima: “Roma locuta, causa finita”; antes a máxima é: “vox populi, vox Dei”.

      E, quanto às religiões, nem elas resistiram aos apelos de modernidade que sucederam à “revolução sexual” dos anos 1960-70 e não são mais um porto seguro para a proteção e promoção do modelo ortodoxo de matrimônio e família. A igreja Anglicana foi pioneira na ordenação de sacerdotes homossexuais. A Igreja Católica, sob o cajado do Papa Francisco, já dá sinais de que está pronta para uma guinada radical que a levará ao encontro das aspirações de tantos fiéis que querem uma igreja ajustada ao mundo atual. E, temos a brasileiríssima Igreja Cristã Contemporânea: http://www.igrejacontemporanea.com.br/site/index.php, fundada no Rio de Janeiro por um casal de pastores gays e que recentemente abriu uma filial em São Paulo e outra em Belo Horizonte, presidida por uma pastora lésbica.

    • Cesar Grossmann:

      Bom, o seu argumento contra o trabalho dos especialistas é:

      1. a falácia do “declive escorregadio” (agora vamos permitir que os homossexuais sigam suas práticas, amanhã teremos que aceitar a necrofilia e outras aberrações);

      2. o “ad hominem” (não dá para aceitar a palavra dos pesquisadores, por que alguns são homossexuais, outros são bissexuais, e outros são adeptos de “estrepolias sexuais”).

      Argumento racional, nenhum.

    • Edir Marcelo Zucolli:

      A “aberração” de hoje é a modernidade do amanhã. Assim como a homossexualidade já foi reclassificada para deixar de ser uma parafilia, assim de dará com outras práticas. Basta que sejam consentidas e que haja um clamor persistente e audível da parte dos simpatizantes para que haja uma regulamentação. A voz do povo está acima da opinião dos especialistas e é ela quem molda as regras no final das contas.

    • Marcos Ronan Ferreira:

      Palavras tem valor, sim! Acho que tu deve te aprofundar na pesquisa sobre o valor das palavras. Corrompe-se um povo corrompendo sua linguage

  • Douglas Carvalho:

    Sei lá, meu raciocínio vai parecer pra alguns um tanto preconceituoso, homofóbicos ou algo do tipo, mas sinceramente esse animais devem fazer várias outras coisas que até mesmo os gays ficariam chocados, devem comer carrapatos, ter relações sexuais com crianças, etc, etc, esse comportamento não justifica em nada o homossexualismo em humanos, embora na minha opinião cada um faz o que achar melhor da sua vida, mas tudo que fazemos tem uma consequência, não sou religioso fanático, contudo critico quem é, só acho que cada um tem seu espaço, querer justificar uma prática através de animais irracionais é o mesmo que querer empurrar Deus goela a baixo…

    • Cesar Grossmann:

      Não, Douglas, o objetivo do estudo não é “querer justificar uma prática”, mas mostrar que um determinado comportamento não é anti-natural como os religiosos apregoam.

      Ninguém está justificando nada, estão só mostrando que o argumento de que é uma prática anti-natural não cola, não serve, está errada, e deve ser abandonada. O homossexualismo é um comportamento natural, e deve ser aceito como tal. Quem é homossexual não deve sentir vergonha disso, e quem não é não tem nenhuma justificativa racional para tentar coibir este comportamento em outras pessoas.

      Em outras palavras, tentar impedir alguém de ser homossexual é como tentar impedir alguém de ser canhoto. Uma tortura cruel e desnecessária.

    • Douglas Carvalho:

      Cesar, como eu disse penso que cada um faz da sua vida o que achar melhor, mas se seguirmos seu raciocínio, teremos que levar em consideração tudo que estes animais praticam, não somente a parte da homossexualidade, e os outros hábitos? Como ficam incesto, pedofilia, e outros hábitos irracionais praticados por estes bichos? Quer dizer que alguns hábitos servem para “validar” um comportamento humano e outros não ou tudo que eles fazem deve ser aceito por nós ou em nossa sociedade? Veja bem, cada um faz o que achar melhor com sua vida, não tenho medo de homossexual, não tenho nojo, não discrimino, não sou melhor que eles, aliás não sou melhor que ninguém, mas sei o que é certo e o que é errado e até na teoria da evolução (da qual não sou adepto) esta prática não é aceita como sendo natural então não venha me dizer que só porque uma espécie de macacos tem uma prática ela deve ser considerada natural em outras espécies, quer ser gay seja e seja feliz, não precisa dar justificativas à ninguém das suas escolhas, só devemos ter em mente que somos responsáveis pelos nossos atos, sejam eles bons ou ruins, tudo que praticamos tem consequências boas ou ruins, só depende de nós… Abraço!

    • Cesar Grossmann:

      Mas o homossexualismo não é um “hábito”, da mesma forma que a pessoa ser canhota também não é um “hábito”, mas parte da constituição dela.

      Sobre pedofilia nós temos uma coisa que os chipanzés não tem: uma ética e uma moral mais sofisticados. Um chipanzé não tem problemas em matar outro chipanzé que seja mais fraco mas que esteja incomodando. Nós temos este impulso também, mas coibimos o mesmo através da lei. Da mesma forma um chipanzé não resiste ao impulso de estuprar quem quer que seja, quando o impulso surgir. Mas nós temos esta coisinha chamada ética e moral, além das leis.

      Por que então impedir a pedofilia e permitir a homossexualidade? Por que na pedofilia tem uma vítima. Sempre.

    • Marcos Ronan Ferreira:

      Meus parabéns! Finalmente uma mente racional e lógica.

  • JOTAGAR:

    “…O sexo é usado não apenas como instrumento de diversão, mas também como forma de premiar um parceiro, ou consolá-lo, e é inclusive utilizado para resolver conflitos”

    Tomara que isto não vire moda em novelas da globo…

    • Edir Marcelo Zucolli:

      Já estão usando… Com sutileza, mas, certamente estão usando.

    • Marcos Ronan Ferreira:

      Verdade! Como é difícil encontrar pessoas inteligentes e que agreguem valores e não anormalidades.

  • Tom Construtor:

    Também é comum e normal entre os animais os assassinatos para a fêmea tornar-se ativa sexualmente com mais rapidez, a ingestão de fezes, a catação de pulgas, dormir ao relento, comer alimentos sem lavá-los e não escovar os dentes.

Deixe seu comentário!