5 descobertas científicas que vão arruinar seu dia

Por , em 30.09.2015

A ciência é uma amiga inconstante. Se não fosse por ela, você estaria lendo este texto na parede de alguma caverna, mas, ao mesmo tempo em que ela é responsável pelos milagres do mundo moderno, também se dedica a arruinar todos os melhores vícios da vida. Os cientistas não descansam até que tudo que acreditamos ser bom para nós mostre efeitos bem diferentes. Por exemplo…

5. Vinho tinto não é nem um pouco bom para o seu coração

Descobertas científicas ciencia estraga prazeres 5
Nós já estamos bem conscientes dos benefícios e perigos do consumo de álcool. Afinal, eventualmente você descobre que não dá para encher a cara de cerveja barata em plena terça-feira sem sofrer as consequências – e é aí que vem o vinho tinto.

Durante anos, a mídia tem nos dito que o vinho tinto é basicamente um alimento saudável. A maioria de seus supostos benefícios vêm do resveratrol, que ajuda a prevenir doenças cardíacas, declínio mental, coágulos sanguíneos e derrames. Assim, tirar a rolha daquele cabernet sauvignon não só vai fazer você se sentir elegante, esquecendo completamente da camiseta velha de companha política que você está vestindo, como é praticamente o mesmo que ir para a academia. Então, por que você beberia qualquer coisa além de vinho?

Em uma revelação chocante, o resveratrol não é bem tudo isso que a gente achava que fosse. Em um estudo que durou 16 anos, realizado em uma das regiões vinícolas da Itália, descobertas científicas revelam que os níveis de resveratrol “não mostram qualquer associação protetora aparente com doenças e marcadores de doenças em seres humanos e não está relacionado com a expectativa de vida”. Ou seja, faz tanto sentido tentar prevenir doenças cardíacas com uma taça noturna de vinho tinto quando comer uma tigela de bolacha maria com doce de leite.

Ainda que o vinho tinto em pequenas quantidades tenha alguns benefícios de saúde, ele não é um elixir mágico para o coração que você pode combinar com uma costela assada para eliminar as desvantagens de comer a costela. E “pequenas quantidades” é a frase-chave. Você não pode substituir a sua corrida noturna por duas garrafas de vinho e um prato de queijo e esperar viver até uma idade avançada – ainda que seja grande a tentação de começar a questionar quantidade versus qualidade.

4. Chocolate amargo também é terrível para você

Descobertas científicas ciencia estraga prazeres 4
O chocolate amargo é o tipo de junk food que há tempos tentamos defender usando estudos científicos. Além da sensação de superioridade sobre as pessoas que preferem chocolate ao leite como um bando de crianças, os amantes de chocolate amargo também querem superioridade física. Uma matéria do “New York Times”, inclusive, pregava sobre a capacidade deste chocolate em melhorar a sua memória, e ele ainda tem sido apontado como um alimento que é bom para o seu coração, graças à presença dos flavonoides.

Os flavonoides podem ser realmente bons para você – a ciência ainda está estudando este composto. Mas se eles são bons ou não é irrelevante para a sua ingestão de chocolate, porque, se você comesse a tela em que você está lendo isso, provavelmente absorveria tanto flavanol quanto comendo chocolate.

Flavonoides tem um gosto amargo horrível, então eles são praticamente totalmente destruídos durante o processo de fabricação do chocolate e substituídos com deliciosas gorduras e açúcares.

Então como é que todos esses estudos pró-chocolate amargo surgiram? Bem, o estudo de memória foi realizado com um lote de cacau em pó altamente concentrado que foi cuidadosamente selecionado para a pesquisa pela empresa do ramo alimentício Mars Inc., que financiou o estudo, na esperança de angariar uma divulgação favorável ao chocolate – a companhia é dona de marcas como M&M’s, Snickers, Twix, Milky Way e muitos outros. Isso é como dizer que torta de banana faz bem porque você estudou os benefícios das bananas para a saúde.

Este é um problema com muitos estudos que envolvem chocolate, porque, enquanto flavonoides podem ser encontrados em muitos alimentos, o financiamento para a pesquisa do flavanol tende a vir de empresas de doces que Willy Wonka odiaria.

Para ser justo com os pesquisadores, eles ficaram horrorizados que a mídia transformou seus resultados em “Todos devem comer mais chocolate porque é um alimento milagroso!”. Mas, às vezes, a ciência parece ter um ponto cego para o chocolate. Outro estudo muito citado, também financiado pela Mars, descobriu que uma tribo de povos indígenas no Panamá bebia até cinco xícaras de cacau por dia tem pressão arterial consistentemente baixa. Só que é um disparate total, já que outro pesquisador descobriu que o consumo de cacau foi vastamente exagerado – você sabe, como seu colega de faculdade que estava obviamente mentindo sobre suas façanhas sexuais.

Como o vinho tinto, pequenas quantidades de chocolate amargo podem ser saudáveis. Mas a única razão pela qual ele foi declarado uma salvação ao mesmo tempo em que outros alimentos gordurosos e açucarados são criticados é porque o chocolate amargo é um pouco mais caro, valor que, aparentemente, pode ter servido para financiar estudos duvidosos. Ah, ciência… esperávamos mais de você…

3. Descobertas científicas revelam que o sexo não é a malhação que as revistas nos prometem

Descobertas científicas ciencia estraga prazeres 3
Em primeiro lugar, não entre em pânico: sexo ainda é ótimo e você pode fazê-lo à vontade. Porém, por mais que tenhamos deixado de acreditar na maioria dos mitos sexuais que aprendemos no colégio, a ideia de que uma noite animada pode ser tão benéfica quanto ir para a academia ainda está aí, firme e forte.

Revistas como a “Fitness Magazine” já fez matérias falando sobre quais posições são o melhor treino, o jornal “Daily Mail” já alegou que o sexo é quase tão bom para você quanto uma corrida de 30 minutos e que deve ser levado em conta na sua agenda fitness, e até um “sexólogo” chegou a afirmar que gemer um pouco mais pode de alguma forma queimar mais 30 calorias por sessão. Então, por que alguém com vida sexual ativa se preocuparia em gastar dinheiro com mensalidade de academia?

Bem, a menos que sua atividade sexual envolva muito mais levantamento de peso e polichinelos do que a minha, a razão pela qual você fica todo ofegante e suado depois, provavelmente, tem mais a ver com o fato de que você estar fora de forma do que com calorias perdidas. O “New England Journal of Medicine” descobriu que, enquanto o número mais conhecido é que queimaríamos de 100 a 300 calorias em cada relação sexual, a média da população queima míseras 21 calorias.

Para efeitos de comparação, você iria queimar cerca de sete calorias ao ficar na frente da TV vendo Netflix. Então, ou você começa a fazer cinco vezes mais sexo (boa sorte com isso), ou você precisa parar de usar essa desculpa para fugir dos execícios de verdade.

2. Fazer maratonas de séries pode ser um sinal de má saúde

Descobertas científicas ciencia estraga prazeres 2
Então, quer dizer que você piorou a sua saúde enquanto se esbaldava em chocolate amargo e vinho tinto e nem todo sexo do mundo pode resolver a sua situação? No auge da depressão, você decide esquecer seus problemas com um dos grandes prazeres da vida moderna – fazer maratona de algum seriado. Oito horas seguidas de “House of Cards” em um domingo preguiçoso é o suficiente para animar qualquer um, certo?

A internet está cheia de testemunhos sobre as alegrias de assistir TV compulsivamente. Você pode ir no seu próprio ritmo e não tem que esperar semanas ou meses para ver um novo episódio. Além disso, você capta muitos pequenos detalhes entre os episódios que você esqueceria. De acordo com a ciência, este também é o momento perfeito para escrever a sua nota de suicídio.

Segundo um estudo da Universidade do Texas em Austin, as pessoas que veem TV compulsivamente (em inglês, o termo usado é binge-watch) são mais provavelmente deprimidas e solitárias, e quanto piores são esses sentimentos, mais provável é que elas continuem com este hábito. Isso não quer dizer que todas as pessoas que passam horas binge-watching estão deprimidas. Entretanto, se você está se sentindo horrível, um dia inteiro de “My Little Pony” é uma boa maneira de reprimir suas emoções.

Os resultados são semelhantes aos encontrados em pessoas que comem ou bebem compulsivamente, duas atividades que não têm exatamente uma reputação maravilhosa (a conotação negativa de “compulsivo” já devia ter nos deixado mais espertos). O ponto de desequilíbrio vem quando você está se sentindo culpado por adiar responsabilidades, mas continua vendo as últimas – e péssimas – temporadas de “Scrubs” mesmo assim, um problema que é exacerbado pelo fato de que serviços como Netflix são projetados para incentivar esse comportamento. O próximo episódio começa 15 segundos após o fim do último e nesses 15 segundos você ainda está, muitas vezes, processando alguma reviravolta ou piada que acabou de ver. A decisão de continuar é basicamente tirada de suas mãos, absolvendo a sua culpa de ficar assistindo a famílias fictícias em vez de cuidar da sua.

Mas não se preocupe: nem tudo são más notícias para a sua saúde mental. Há também uma má notícia para a sua saúde física! Outro estudo descobriu uma correlação entre o número de horas gastas assistindo TV por dia e o risco de morrer de repente por causa de uma embolia pulmonar. Isso não significa que você precisa escrever seu testamento antes da próxima temporada de “Orange Is The New Black”, mas se você tem o hábito de ficar vendo TV compulsivamente com frequência, você está colocando sua saúde em risco. Este problema pode ser combatido se levantando e andando um pouco entre os episódios – só cuidado para não derrubar a pipoca.

1. Sonhar acordado está te tornando infeliz

Descobertas científicas ciencia estraga prazeres
Agora que todos os vícios preferidos já foram devidamente arruinados, você provavelmente vai querer voltar ao seu estado anterior de felicidade ignorante devaneando por aí. Certamente não há desvantagens em fazer uma pausa do trabalho e imaginar que você é a rainha da Inglaterra, certo?

Se você só sorriu e concordou, claramente não está prestando atenção e a gente não te culpa: um estudo descobriu que as pessoas gastam quase metade de suas horas acordadas pensando em algo diferente do que estão fazendo. E, mais frequentemente do que não, estes pensamentos tendem a ser ruins para o nosso estado emocional.

Deixando a monarquia britânica de lado, tendemos a ficar “viajando” sobre o passado ou o futuro. O primeiro leva à arrependimentos (“Que vacilo foi eu não ter chamado o Jorge para sair antes! Agora ele tá namorando”), enquanto o último produz o medo do desconhecido (“E se eu tiver câncer em 20 anos ou for atacado por uma onça neste fim de semana?”). Assim, ainda que nós pensemos que sonhar acordado é uma poderosa ferramenta que nos ajuda a escapar do tédio de nossas vidas diárias, a ciência diz que tudo o que estamos fazendo é completar esse sundae de tédio com punhado de confeitos de pesar e flocos de medo.

Na verdade, os pesquisadores descobriram que, quanto mais nossas mentes vagam, menos felizes geralmente estamos com a nossa situação atual. Eles descobriram que as pessoas tendem a sonhar mais quando estão trabalhando ou em casa no computador. Por outro lado, sexo, exercício e conversas são as atividades nas quais mais focamos.

O truque para a felicidade, pelo menos no curto prazo, é concentrar-se atentamente naquilo que você deveria estar fazendo naquele momento. Aquela “viagem” constante que você pensou que era a prova de que você é uma pessoa criativa, nada mais é do uma prova que sua situação atual faz você se sentir infeliz e ficar sonhando acordado só a deixa pior. Pelo lado positivo, você pode evitar este pequeno campo minado de emoções negativas com um pouco de foco… embora você também precise ignorar a conclusão dos pesquisadores de que a humanidade está predisposta a pensar sobre as coisas que não estão acontecendo e ficar infeliz por causa disso. Ótimo. Obrigada mais uma vez, ciência! [Cracked]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

2 comentários

  • André Anlub:

    Há algum modo d’eu ‘desver’ sobre os chocolates amargos e as mentes que voam? Não? Então volto ao Matrix!

    • Marcelo Ribeiro:

      Ignorance is bliss!

Deixe seu comentário!