Não tenha medo de dar um feedback negativo, as pessoas querem isso

Por , em 22.01.2014

Você prefere ouvir comentários positivos sobre o seu desempenho ou sugestões de como você pode melhorar? De acordo com a revista “Harvard Business Review”, embora ninguém goste de fazer uma avaliação negativa, todos gostam de ouvir sugestões de melhorias. Os consultores para desenvolvimento de liderança Jack Zenger e Joseph Folkman publicaram o resultado de sua pesquisa na semana passada, que foi realizada com 899 pessoas, 49% de norte-americanos e o restante de outros lugares do mundo.

As medidas de avaliação usadas pretendem mensurar o quanto as pessoas preferem receber ou dar feedbacks ambos positivos e corretivos. Elas também mediam o nível de autoconfiança. Para o estudo, comentários elogiosos, de reforço e de parabenização foram agrupados como feedback positivo. Já sugestões de melhoria, exploração de novas e melhores formas de fazer as coisas ou apontar algo que foi feito de uma maneira menos do que ideal foram considerados feedback corretivo.

“Nós pensamos que esta é uma distinção importante, pois, como os seguintes dados afirmam, as pessoas querem um feedback corretivo, como definimos, ainda mais do que desejam um elogio, se esta avaliação for disponibilizada de uma forma construtiva. Em uma margem de aproximadamente três por um, elas acreditam que isso é ainda mais eficiente para melhorar seu desempenho do que um feedback positivo”, explicam os autores da pesquisa.

De acordo com os resultados, basicamente o mesmo número de pessoas gosta e não gosta de dar feedback positivo. “Isso é fascinante, dada a elevada percentagem de pessoas que apreciam receber um feedback positivo, somado ao seu impacto positivo na melhoria do desempenho”, afirmam.

Como era de se esperar, o número de pessoas que prefere evitar dar feedback negativo foi expressivo. Além disso, os resultados ainda mostram que as pessoas preferem receber comentários positivos com a mesma intensidade que não gostam de dar feedback negativo.

A última questão com a qual os entrevistados se deparavam era: eles preferem elogio/reconhecimento ou feedback corretivo? 57% das respostas foram em favor do feedback corretivo. “Bem, talvez isso não seja surpreendente, já que a nossa descoberta mais enfática foi relacionada a que tipo de feedback tinha o maior impacto sobre o desempenho do trabalho das pessoas. Quando perguntado o que foi mais útil em sua carreira, um total de 72% disse acreditar que seu desempenho melhoraria se os seus gestores fornecessem feedback corretivo”, revelam.

Porém, antes de chamar seus subordinados para uma conversa, é bom prestar atenção em como dar este feedback. Afinal, 92% dos entrevistados concordaram com a afirmação “Feedback negativo (de redirecionamento), se passado de forma adequada, é eficaz na melhoria do desempenho”. Os números ainda mostraram que aqueles que têm mais dificuldades em passar essa avaliação negativa também estão menos dispostos a recebê-las. Por outro lado, os que classificaram seus gestores como altamente eficazes em proporcionar-lhes um feedback honesto e simples preferem esse tipo de crítica. Além disso, a pesquisa mostrou também que parece haver uma forte correlação positiva entre nível de confiança de uma pessoa e sua preferência em receber feedback negativo.

A pesquisa ainda buscou descobrir se a faixa etária faria diferença nesse quesito. Na amostra, 12% tinham entre 50 e 70 anos, 50% tinham entre 50 e 30 anos e 38% tinham menos de 30 anos. De um modo geral, quanto mais velhos os entrevistados eram, mais feedback de ambos os tipos as pessoas queriam. Os nascidos entre a década de 1940 e 1960 mostraram preferência muito maior para dar feedback positivo e receber feedback negativo do que os outros dois grupos. “Não está claro se essas diferenças são principalmente relacionadas com a idade ou em função de terem estado no mercado de trabalho por um período mais curto de tempo”, ponderam os estudiosos.

Para Zenger e Folkman, por mais que os dados possam se dividir em várias categorias, o mais importante é atentar para o fato de que as pessoas acreditam que a crítica construtiva é essencial para o desenvolvimento de sua carreira, e querem que isso parta de seus superiores, ainda que muitas vezes estes não se sintam confortáveis ao fazê-lo. “A partir disso, concluímos que a capacidade de dar feedback corretivo construtivo é uma das chaves fundamentais para a liderança, uma habilidade essencial para aumentar o desempenho da sua equipe que pode fazer com que essa pessoa se destaque”, finaliza a dupla. [Life Hacker, HBR Blog]

Deixe seu comentário!