Fox está investigando alegações de que Neil deGrasse Tyson assediou 3 mulheres

Por , em 3.12.2018

A Fox e os produtores do programa de ciência popular Cosmos anunciaram na última sexta-feira (30) que estão investigando as acusações de abuso sexual que foram feitas por três mulheres contra o astrofísico Neil deGrasse Tyson.

Este casos foram expostos por um site chamado Patheos, que descreveu as acusações.

1980

O primeiro caso teria acontecido no início dos anos 1980, com Tchya Amet, que estudou com Tyson na universidade. Ela diz que foi sexualmente abusada por ele no apartamento dele.

2009

A segunda acusação é de Katelyn Allers, professora de física e astronomia da Universidade Bucknell, que relatou ter sido agarrada por Tyson em uma festa em 2009. Ela pediu uma foto com Tyson e ele notou uma tatuagem em seu ombro do sistema solar, que ia do braço até as costas e clavícula.

“Depois que tiramos a foto, ele notou minha tatuagem e meio que me agarrou para olhá-la, e ficou obcecado para saber se Plutão estava nela ou não… aí ele procurou por Plutão, e seguiu a tatuagem para dentro do meu vestido”, relata ela. “Minha expediência com ele é que ele não é alguém que tem muito respeito pela autonomia corporal feminina”, disse ela ao site Patheos.

2018

A acusação mais recente é de Ashley Watson, uma ex-assistente de Tyson em um documentário, que diz que ela foi forçada a abandonar seu trabalho por conta de avanços sexuais inapropriados por parte dele. Eles trabalharam juntos por meses, e ela diz que ele a colocou em uma situação desconfortável ao tentar convencê-la a ter relações sexuais.

Watson diz que ele a convidou para tomar vinho no apartamento dele depois do trabalho e que ele tirou a camisa e ficou de regata enquanto cortava queijos em uma tábua e fazia piadas de mal gosto sobre esfaquear alguém. Ela diz que aquilo foi só uma piada ruim, mas que pareceu um movimento para reforçar poder.

Quando ela estava saindo, ele mostrou para ela um aperto de mão dos nativo-americanos que envolvia apertar com força a mão da outra pessoa, manter contato visual e colocar o dedão no pulso do outro para sentir os batimentos cardíacos. Depois ele teria colocado suas mãos nos ombros dela e dito que ele queria abraçá-la, mas se ele fizesse isso, ele “ia querer mais”.

No dia seguinte ela o procurou no trabalho para dizer que não ficou confortável com a interação da noite anterior, e decidiu desistir do trabalho. Segundo Watson, ela contou o motivo para um superior para que ele não contratasse mais mulheres para aquela vaga. Ela também relatou sua história para um número de denúncias, para que ela ficasse registrada caso outras pessoas o acusassem de abuso sexual.

A resposta de Neil deGrasse Tyson

Tyson ficou em silêncio por um dois depois que as primeiras acusações se espalharam pela internet. Mas no sábado (1) resolveu publicar sua versão dos fatos. Confira abaixo sua resposta às acusações:

Por variados motivos, a maioria dos homens acusados de abuso sexual no clima ‘me too’ atual são encarados como culpados pela corte da opinião pública. Emoções se sobrepõem ao processo correto, e as pessoas escolhem lados, e as guerras das redes sociais começam.

Em qualquer acusação as evidências importam. Evidência sempre importa. Mas o que acontece quando é apenas a palavra de uma pessoa contra a de outra, e as histórias não batem? É aí que as pessoas tendem a julgar quem é mais crível que a outra pessoa. E é quando uma investigação imparcial pode servir a verdade – e teria minha cooperação total para fazer isso.

Recentemente fui acusado publicamente de assédio sexual. Essas acusações receberam quantidade grande de atenção da mídia nas últimas 48 horas, sem serem acompanhadas por minhas reações. Em qualquer caso, não é culpa da mídia. Eu neguei comentário com base na ideia de que acusações sérias não deveriam ser julgadas na mídia. Mas claramente eu não posso continuar em silêncio. Então abaixo seguem a minha versão de cada acusação.

O incidente de 2009
Milhares de pessoas por ano pedem para tirar fotos comigo. É uma tarefa bajulante, que consome tempo, mas que é encantadora. Como muitos de meus fãs podem confirmar, eu fico quase tonto quando noto que eles estão usando algum acessório cósmico – roupas ou joias ou tatuagens que mostram o universo, seja cientificamente ou artisticamente. E é sempre minha prioridade apontar para esses enfeites na fotografia.

Uma colega que participou de um encontro social depois de um congresso me pediu por uma foto. Ela estava vestindo um vestido sem mangas e tinha um sistema solar em seu braço. Apesar de não me lembrar explicitamente de procurar por Plutão no seu ombro, isso me parece uma coisa que eu teria feito naquela situação. Como todos sabem, eu tenho um histórico profissional com o rebaixamento de Plutão, que tinha acontecido apenas três anos antes. Então é de grande interesse para mim saber se as pessoas o incluem em suas tatuagens ou não. Eu foi acusado de a ter “apalpado” e de ter procurado embaixo do seu vestido, quando foi simplesmente uma procura na parte coberta de seu ombro em um vestido sem mangas.

Eu acabei de ficar sabendo (nove anos depois) que ela achou meu comportamento assustador. Nunca foi minha intenção e estou profundamente arrependido de ter feito ela se sentido daquela forma. Se eu tivesse sido informado do seu desconforto naquele momento, eu teria oferecido o mesmo pedido de desculpas intenso, naquele momento. Aos meus olhos, eu sou um cara amigável e acessível, mas de agora em diante vou ser mais sensível quando ao espaço pessoal das pessoas, mesmo no meio do meu entusiasmo planetário.

Incidente do verão de 2018
Enquanto estava gravando neste último verão, eu tive uma assistente (mulher) trabalhando comigo para garantir, entre suas várias funções, que cada grama da minha energia estava eficientemente dedicada para a as necessidades da produção do programa. Como parte disso, ela também era minha motorista para e do estúdio, garantindo que eu chegasse na hora. No carro nós revisávamos detalhes da gravação e ela me ajudava a antecipar partes da filmagem que eu faria. Através de várias semanas de gravação ela e eu passamos mais de cem horas conversando só nós dois. Ficamos muito amigáveis ao ponto de falar sobre vários assuntos, até pessoais e sociais, como cuidar de pais idosos, relacionamentos com irmãos, vida no ensino médio e universidade, hobbies, raça, gênero e daí em diante. Nós também discutimos tópicos menos pessoais em abundância, como letras de músicas de rock, músicas favoritas em vários gêneros musicais, shows, etc. E também falávamos sobre comida – eu sou meio foodie, e o noivo dela era um chef. Resumindo, tínhamos uma amizade tagarela.

Ela é talentosa, afetuosa e amigável – características excelentes para a moral em uma produção com muita pressão. Praticamente todos que ela conhece ganham um abraço de boas-vindas dela. Eu rejeitei expressamente todos os abraços oferecidos frequentemente durante a produção. Mas no lugar ofereci um aperto de mão, e em algumas ocasiões, desajeitadamente declarei: “Se eu te abraçar eu posso querer mais”. Minha intenção era expressar minha negação, mas com afeto.

Na última semana de gravações, com alguns dias para terminar, como marca de nossa amizade, eu a convidei para vinho e queijo na minha casa quando ela me deixou em casa depois do trabalho. Sem pressão. Eu sirvo queijo e vinho para meus visitantes com frequência. E eu até cheguei a alertá-la de que os outros da produção estavam se reunindo em outro lugar naquela noite, então ela poderia me deixar e ir para lá ou para qualquer outro lugar. Ela decidiu entrar por livre-escolha para o vinho e queijos e eu fiquei encantado. No carro, nós estávamos tendo uma longa conversa que poderia continuar. Os dias de produção eram longos. Chegamos tarde, mas ela estava indo para casa duas horas depois.

Mais tarde, ela veio ao meu escritório e me disse que ela estava incomodada com a noite de queijos e vinho. Ela viu o convite como uma tentativa de seduzi-la, apesar dela ter sentado do outro lado da mesa de mim, e toda nossa conversa ter sido na mesma linha das outras que tivemos antes.

Além disso, eu nunca a toquei até o aperto de mão na saída. Naquela ocasião, eu oferecei um aperto de mão especial, um que eu aprendi de um idoso nativo em uma reserva na borda do Grand Canyon. Você estende seu dedão para frente durante o aperto, para sentir a energia vital da outra pessoa – o pulso. Eu nunca esqueci aquele aperto, e o reservo em sinal de apreciação para pessoas com quem eu criei novas amizades.

Naquele último encontro no meu escritório, eu me desculpei várias vezes. Ela aceitou o pedido de desculpas. E eu garanti a ela que se eu soubesse que ela estava desconfortável, eu teria me desculpado naquele momento, encerrado a noite e possivelmente a lembrado de que ela tinha outros eventos sociais para ir. Mesmo assim ela disse que aquele era seu último dia, mesmo com poucos dias para a produção terminar.

Eu destaco que o último gesto dela para mim foi a oferta de um abraço, que eu aceitei como uma despedida de uma amiga.

Início dos anos 1980
Eu entrei no mestrado de astrofísica diretamente depois da faculdade em 1980. É uma aventura difícil, que parece uma maratona, e muitas pessoas não terminam o doutorado. Na verdade, não é incomum que metade dos matriculados o abandonem depois de dois ou três anos, encontrando outros trabalhos. Enquanto no mestrado eu tive várias namoradas, uma delas que se tornaria minha esposa por trinta anos, uma física matemática – nós nos conhecemos na aula de Relatividade. Durante este período eu tive um curto relacionamento com uma aluna de astrofísica, de uma turma mais recente que a minha. Eu lembro de ter sido íntimo com ela algumas vezes, todas no apartamento dela, mas não havia química. Então o relacionamento logo acabou. Não tinha nada de estranho ou diferente nesta amizade.

Eu não a vi muitas vezes depois disso. Nossos escritórios eram em andares diferentes do prédio e não estávamos nas mesmas aulas. Alguns anos depois, eu a encontrei, grávida, junto com uma pessoa que eu acredito que fosse o pai. Foi aí que eu fiquei sabendo que ela desistiu do mestrado. Outra vez, isso não é um fato ímpar, mas eu desejei coisas boas para ela na maternidade e na nova carreira dela.

Mais de trinta anos depois, quando minha visibilidade sofreu um salto, eu li um post em um blog me acusando de tê-la drogado e estuprado. Eu não a reconhecia pela foto ou pelo nome. No final era a mesma pessoa que eu havia namorado brevemente no mestrado. Ela mudou seu nome e viveu uma vida inteira, casou e teve filhos, antes dessa acusação.

Para mim, o que foi mais significante, foi que nesta nova vida, muito depois de desistir do programa de astrofísica, ela estava postando vídeos de diapasões dotados de energia terapêutica que ela canaliza de plantas orbitantes. Como cientista, eu achei isso estranho. Enquanto isso, de acordo com seu blog, a acusação de tê-la drogado e estuprado veio com uma suposição de que ela não podia se lembrar do que aconteceu durante aquela noite. É como se uma falsa memória tivesse sido implantada, que, como nunca aconteceu, tinha que ser relembrada como uma noite que ela não se lembra. Ela também não se lembra de ter acordado na manhã seguinte e de ter ido para o escritório. Eu mantive um registro de tudo o que ela postou, caso as histórias dela mudassem conforme o tempo passava. Então isso é triste, o que, para mim, não precisa de explicações.

Eu vejo que essa alegação foi usada como um tipo de isca por pelo menos um jornalista para atrair qualquer pessoa que teve qualquer encontro comigo que a deixou desconfortável.

Resumo
Eu sou o acusado, então por que acreditar em qualquer coisa que eu digo? Por que acreditar em mim?

Isso nos traz de volta ao valor de uma investigação independente, que a FOX/NatGeo anunciaram que vão conduzir. Eu acolho isso.”
[Facebook, Patheos, AvNews]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (34 votos, média: 4,79 de 5)

Deixe seu comentário!