Já ouviu falar de jetlag social? Você pode sofrer desse mal sem saber

Por , em 20.05.2012

Por que a maioria das pessoas nas sociedades industrializadas anda tão cansada? Segundo pesquisas da Universidade Ludwigs-Maximilians, em Munique, na Alemanha, dois terços da população mundial acordam no meio da noite. Normal? Não.

O motivo jaz na crescente discrepância entre o relógio biológico e o relógio social (aquele pendurado na sua parede ou do lado da sua cama).

“Nossas vidas são controladas diariamente por três relógios. Um reside em nosso organismo – o biológico, também conhecido como ciclo circadiano. Criado pela rotação da Terra, o segundo é o relógio do sol, que está sincronizado com o biológico. E, mais recentemente em nossa história, adicionamos outro relógio: o relógio social. E eles não batem”, explica o médico alemão responsável pelo estudo, Till Roenneberg.

Por essa razão, muitas pessoas dormem mais tarde, seguindo o relógio biológico, mas acordam cedo, com base no relógio social (o seu despertador). Essa diferença entre o que o relógio social quer que façamos e o que o biológico deseja chama-se jetlag social. Ou seja, um cansaço extra causado por pressões sociais.

O fenômeno atinge 70% da população global e é estimado como uma diferença de pelo menos uma hora. Daí vem o seu cansaço depois do que aparenta ser uma boa noite de sono, pois nossos ciclos internos são praticamente ignorados na sociedade contemporânea.

Nossos ciclos circadianos são comandados por uma área cerebral denominada núcleo supraquiasmático, altamente influenciada pelo sol e pela escuridão. E, como trabalhamos cada vez mais dentro de lugares fechados, nosso relógio biológico se desregula e dificilmente segue o relógio solar.

Mas viver contra o seu relógio biológico pode ter consequências caras a sua saúde. “As pessoas que fazem isso são mais suscetíveis a fumar, beber álcool, consumir café em excesso e até engordar”, alerta o médico alemão.

Uma solução plausível contra o jetlag social – além da mais utópica, que seria seguir seu relógio biológico – é descansar bastante nos finais de semana, repondo as horas de sono que você perdeu durante a semana. Mas, como outros estudos apontam, mesmo isso pode ser uma “desregulação” e ter suas consequências. [YouTube, CNN, Cell, Foto]

Último vídeo do nosso canal: 4 dias infalíveis da ciência para dar o PRESENTE PER

4 comentários

  • Izabela Zanardi Moraes:

    Para melhorar ainda, não basta o estresse a qual submetemos nosso relógio biológico durante a semana: a pretexto de ‘curtir’ a vida, a maioria se entrega a viagens, bebedeira e exageros de todos os tipos nos finais de semana. Curtir a vida não é proibido, mas conheço gente que ‘curte

    • Izabela Zanardi Moraes:

      Izabela Zanardi Moraes / 27.11.2012
      Seu comentário está aguardando a moderação.

      Para melhorar ainda, não basta o estresse a qual submetemos nosso relógio biológico durante a semana: a pretexto de ‘curtir’ a vida, a maioria se entrega a viajar,a beber e a exageros de todos os tipos nos finais de semana. Curtir a vida não é proibido, mas conheço gente que ‘curte’ adoidado do modo descrito acima em todo final de semana, sem pensar na segunda feira… Não há corpo que aguente.

  • ines:

    Não adianta, o sono que se perde não se recupera mais. Melhor é fazer o certo a partir de amanhã.

  • ines:

    Não adianta, o sono que se perde não se recupera mais.

Deixe seu comentário!