Jardim garrafa: plantas florescem em ecossistema que não tem sido aberto desde 1972

Por , em 4.02.2013

Tanto florescimento de vida vegetal em apenas uma garrafa. Será que isso é mesmo possível? Por mais incrível que pareça, esse jardim garrafa é ainda mais incrível do que parece: não tem sido aberto desde 1972.

David Latimer, 80 anos, é o dono deste curioso experimento que não tem tomado muito do seu tempo. A última vez que ele regou as plantas, o Brasil era governado pelo regime militar e Emílio Garrastazu Médici era presidente.

Mas como essas plantas sobrevivem? Seria uma montagem? De acordo com especialistas, não. É totalmente possível que plantas formem um miniecossistema que “cuida de si mesmo”. E, aparentemente, é o caso do jardim lacrado do Sr. Latimer (embora ninguém possa dizer com certeza se ele realmente não abre ou vem regando a garrafa com frequência).

article-2267504-172125D8000005DC-461_634x389

Jardim garrafa

No domingo de Páscoa de 1960, o Sr. Latimer pensou que seria divertido começar um jardim garrafa, por curiosidade.

Em um garrafão globular de cerca de 37 litros, Latimer derramou um pouco de composto e cuidadosamente colocou uma muda de plantas do gênero Tradescantia, usando um pedaço de arame.

Na época, colocou só um pouco de água, e apenas em 1972 deu outra “regada”. Desde então, o sistema tem prosperado, enchendo sua garrafa com folhagem saudável.

“O jardim fica em uma janela, para tomar um pouco de luz solar. As plantas crescem em direção à luz”, conta o Sr. Latimer.

Cientistas explicam que o jardim garrafa criou seu próprio ecossistema em miniatura. Apesar de ter sido cortado do mundo exterior, porque ainda está absorvendo luz, pode realizar fotossíntese, o processo pelo qual as plantas convertem luz solar em energia que precisam para crescer. A fotossíntese cria oxigênio e também coloca mais umidade no ar. A umidade se acumula no interior da garrafa e “chove” de volta na planta.

As folhas que apodrecem caem na parte inferior da garrafa, criando o dióxido de carbono necessário para a fotossíntese e os nutrientes que as plantas reabsorvem através das suas raízes.

A garrafa está atualmente em exposição sob as escadas no corredor da casa do Sr. Latimer em Cranleigh, Surrey (Reino Unido), no mesmo lugar que ocupou por 27 anos.

Segundo o designer de jardim e apresentador de televisão Chris Beardshaw, o jardim garrafa é um grande exemplo da maneira pela qual as plantas são capazes de se reciclar, e mostra a razão pela qual a NASA está interessada em levar plantas ao espaço.

“Plantas operam como purificadores, tirando poluentes no ar, de modo que uma estação espacial pode efetivamente se tornar autossustentável”, disse. “Este é um grande exemplo de quão pioneiras as plantas são, e como persistem dada as oportunidades”.

O Sr. Latimer espera passar o “experimento” adiante para seus filhos adultos uma vez que não estiver mais por perto. Se eles não quiserem, vai deixá-lo com a Royal Horticultural Society, uma sociedade britânica, para ver por quanto tempo esse ecossistema sustentável pode perdurar.

article-2267504-17214589000005DC-901_634x444

O processo

Jardins garrafa só precisam de luz para sobreviver. Ela é absorvida sobre as folhas da planta pelas proteínas que contêm clorofila (um pigmento verde). Parte dessa energia da luz é armazenada sob a forma de trifosfato de adenosina (ATP), e o restante é usado para remover elétrons a partir da água absorvida do solo pelas raízes das plantas.

Estes elétrons então tornam-se “livres” e são usados em reações químicas que convertem o dióxido de carbono em carboidratos, liberando oxigênio. Este processo de fotossíntese é o oposto da respiração celular que ocorre em outros organismos, incluindo humanos, em que os carboidratos que contêm a energia reagem com o oxigênio para produzir dióxido de carbono e água e liberar energia química.

Mas o ecossistema também usa respiração celular para quebrar material em decomposição derramado pela própria planta no solo. Nesta parte do processo, as bactérias no interior do solo da garrafa absorvem oxigênio dos resíduos, liberando dióxido de carbono que a planta pode reutilizar.

E, claro, à noite, quando não há luz solar para conduzir a fotossíntese, a planta também utiliza a respiração celular para manter-se viva, quebrando os nutrientes armazenados.

Como o jardim garrafa é um ambiente fechado, o ciclo de água também é um processo de autocontido. A água na garrafa é absorvida pelas raízes das plantas, liberada para a atmosfera durante a transpiração, e condensada, onde o ciclo começa novamente.[DailyMail]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (9 votos, média: 4,56 de 5)

22 comentários

  • Pedro Costa:

    Só corrigindo ali: As plantas realizam respiração celular dia e noite, liberando gás carbônico nas duas fases do dia.

  • Itamar Ferreira:

    Como a planta absorve o restante dos nutriente, fósforo, potássio, cálcio, etc . ???

    • Anderson Dos Santos:

      Deve vir da terra/composto que ele colocou la no inicio da plantação.

    • Anderson Martins:

      Parte dos nutrientes minerais não mobilizados do interior das folhas velhas cai ao solo com estas e são reabsorvidos pelas raízes.

  • Alexandre Caetano:

    Prevejo que muitas pessoas irão tentar fazer esse experimento, logo haverão diversas cápsulas do tempo contendo oxigênio e vida, isso pode realmente ser guardado para ser reutilizado em possíveis catástrofes futuras, acho que vou fazer um também, só me resta comprar um garrafão desse.
    Obrigado pela ótima matéria. Abraços.

  • Paul RA Sprenger.::

    GRATO PELA BÉLA MATÉRIA POSTADA AQUÍ. VOU TESTAR – TERRÁRIO INTERESSANTE E BONITO _ http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2267504/The-sealed-bottle-garden-thriving-40-years-fresh-air-water.html?ITO=1490&ns_mchannel=rss&ns_campaign=1490#axzz2JfMtel5I

  • Genioso Irreligioso:

    Foi uma das matérias mais interessantes que já lí aqui; o experimento não parece ser complicado e se bem feito pode durar décadas! =]

  • Joao Lobo:

    Assim poderemos fazer pelo menos um pedaco da lua abtavel, e so cobrir um pedaco com uma redoma de vidro e levar terras da terra e molhar e plantar.

    • Junior Backes:

      Não fale besteiras, isso não seria possível de maneira alguma. Para que a lua pudesse um dia ser habitável*, seu campo gravitacional deveria aumentar no mínimo em 6 vezes, e seu tamanho em no mínimo 3 vezes, para ser possível criar uma atmosfera pressurizada em todo o astro. Caso contrário, o vidro consequentemente quebraria – e a ideia de construir um redoma de vidro na lua é tosca.

    • Alfonso Uslar:

      Porque tosca? Não vejo muita diferença entre colonizae a lua e marte. Tosca é a sua idéia de que um planeta tem que ser idêntico a terra para ser colonizado.

    • Rodrigo Lima:

      No caso de um Extremófilo isso seria possível?

  • Emanuel Gomes:

    quero saber de onde vem o carbono necessário para o crescimento da planta pois se fosse realmente um eco sistema fechado não teria aumento de carbono e consequentemente a planta cresceria pouca coisa além do tamanho que tinha quando foi plantado.

    • alexpatry:

      O carbono vem da respiração das plantas e da decomposição de matéria morta.

    • Emanuel Gomes:

      certo, mas sem a entrada de mais CO2 a quantidade é limitada e não poderia haver crescimento.

    • Marc F.B.:

      “Em um garrafão, Latimer derramou um pouco de composto e cuidadosamente colocou uma muda de plantas […]”

      Esse ‘composto’ deve ser terra adubada. Veja que é muita terra (ocupa quase metade do vaso), então tem carbono o suficiente para o crescimento da planta.

    • Brenno Henrique:

      O espaço para crescimento da planta é mais limitante que oferta de oxigênio e carbono dentro da garrafa.

  • Yeda Gabriela:

    Vida dando seu jeitinho. 😉

  • Moisés Silva:

    Show!

  • Samantha Nogueira:

    E aí está a natureza dando mais um belo exemplo de adaptação!

  • Dayanny Rodriguez:

    Vou experimentar quem sabe não funciona.

    • alexpatry:

      Tenho um terrário deste em casa…funciona mesmo, se for bem montado.

    • Figenio:

      É só necessário um reciipente suficientemente grande, além de terra e composto orgânico e água?
      Estou seriamente interessado nisto, se puder me orientar de como seria possível montar este micro ecossistema, ficaria muito grato.

Deixe seu comentário!