Macacas estão “transando” com veados no Japão

Por , em 19.12.2017

Um estudo publicado na revista científica Archives of Sexual Behaviour destaca uma descoberta incrível de sexo entre espécies diferentes no Japão: aparentemente, macacas-japonesas estão montando cervos sika para obter prazer sexual.

Prazer x procriação

Não somos a única espécie animal que gosta de sexo como mais do que um meio para procriar.

Cientistas já observaram bonobos fazendo sexo apenas por prazer – na verdade, eles praticamente constroem sua sociedade (pacífica e matriarcal) em cima do intercâmbio de favores sexuais.

Também existem indivíduos homossexuais em todo o reino animal, e pesquisadores já flagraram ursos pardos envolvidos em sexo oral.

Agora, uma atitude ainda mais estranha foi descrita por pesquisadores da Universidade de Lethbridge (Canadá): macacas andando nas costas de cervos não para pegar uma carona, e sim para ter prazer sexual.

Uma troca vantajosa

Os cervos permitem que as macacas se esfreguem neles porque também obtém alguma vantagem desse “acordo”, embora não seja de natureza sexual.

As macacas passam a maior parte do tempo em contato com as partes do corpo do veado que oferecem a zona de contato mais estável (ou seja, costas e traseiras e, em menor grau, ombro, pescoço e cabeça).

Ao mesmo tempo, realizam comportamentos de “cuidados higiênicos” para os seus “amantes”: tiram carrapatos e outros parasitas da pele de suas costas e pescoços. “Elas cuidam de áreas que não são facilmente acessadas pelos cervos”, explicou Noëlle Gunst-Leca, principal autora do estudo, ao portal PopSci.

Porém, para as macacas, o comportamento de montagem é definitivamente sexual: “As fêmeas montam o cervo e ficam empurrando sua pelve”, conta.

Consentimento

Nem todos os cervos consentem com esta troca.

Os pesquisadores observaram 13 trocas bem-sucedidas, e todas, exceto uma, envolveram cervos machos adultos e macacas fêmeas (uma envolvia um cervo macho adolescente).

Das oito interações fracassadas que os cientistas assistiram, cinco envolviam cervos fêmeas ou machos imaturos, e terminaram com as macacas sendo jogadas no chão. Apenas uma interação com um macho adulto terminou com tal rejeição. As outras duas trocas “falharam” porque outra fêmea macaca interrompeu o ato para ter seu próprio prazer com o cervo.

Exemplos bizarros

Essa é uma prática desconcertante, com certeza. Mas as macacas-japonesas não são as primeiras – e nem serão as últimas – a buscar sexo ocasional com outra espécie.

O comportamento sexual entre espécies nem sempre é tão chocante quanto essa instância em particular. Existem muitos híbridos (como a mula, resultado do cruzamento entre uma égua e um jumento) para provar que os animais podem ser menos discriminatórios ao escolher parceiros sexuais, especialmente quando há outras espécies estreitamente relacionadas ao redor.

“Não é muito raro no reino animal”, disse Gunst-Leca. “Provavelmente acontece com mais frequência do que pensamos”.

Mais no nível de “macaca e cervo”, um estudo de 1944 revelou interações sexuais entre uma galinha e um pombo; pesquisadores também já relataram focas com o hábito de tentar se acasalar com pinguins, um animal que mais frequentemente matariam e comeriam; e lontras já foram vistas violando focas até a morte.

Os pesquisadores acreditam que esse estudo é o primeiro a descrever relações de primatas não humanos com não primatas na natureza. [POPSCI]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (15 votos, média: 4,67 de 5)

1 comentário

Deixe seu comentário!