Mapa mostra o dano causado pelo movimento anti vacinas

Por , em 6.07.2014

A vacinação de crianças é uma das invenções médicas mais fantásticas, impedindo que pessoas no mundo todo morram de doenças que ainda não tem cura, pelo procedimento simples e racional de treinar o sistema imunológico, preparando-o para enfrentar uma infecção que de outra forma poderia levar a melhor.

De fato, depois de décadas vacinando nossas crianças, muitas doenças se tornaram difíceis de pegar, e sumiu da memória coletiva o aspecto terrível e as consequências horrorosas das mesmas.

Consequência disso e daignorâcia de alguns que acreditam em e espalhando mentiras, muitos pais se manifestaram contra a vacinação de seus filhos – o que prejudica o mundo todo.

Por conta disso, muitas doenças que já estavam controladas estão começando a retornar. O Conselho de Relações Estrangeiras dos Estados Unidos criou um mapa interativo mostrando o resultado catastrófico destas escolhas equivocadas.

No mapa, pode-se ver de surtos de sarampo (vermelho), caxumba (marrom), rubéola (azul), poliomielite (laranja) e coqueluche ou “tosse comprida” (verde), no período de 2008 a 2014. Amarelo representa outras doenças. Todas estas doenças podem ser evitadas com a vacinação.

O CDC, Centro de Controle de Doenças dos EUA, estima que 164 mil pessoas em todo mundo vão morrer de sarampo a cada ano, que está passando por um grande ressurgimento no Reino Unido. Nos Estados Unidos, é a coqueluche que tem tido um aumento drástico, causando cerca de 195 mil mortes por ano. A maioria dessas mortes ocorrem em regiões pobres, com muito pouco acesso às vacinas, com exceção dos EUA ou o Reino Unido, onde estes surtos não deveriam estar acontecendo.

E como esta insanidade começou?

Um aproveitador, uma celebridade cabeça-oca, um filho doente

Em 1998, para promover sua própria indústria farmacêutica, Andrew Wakefield conseguiu publicar um trabalho alegando que havia uma ligação entre a vacina tríplice e o aumento nos relatos de casos de autismo. O estudo foi acompanhado de polêmica científica, por que nenhum outro cientista conseguiu ver a mesma ligação nos anos seguintes, até que o conflito de interesses de Wakefield se tornou conhecido.

Em 2010, uma comissão de ética descobriu que ele havia falsificado os dados em seu trabalho, causando uma retirada imediata do produto do mercado e cassação de sua licença de médico. Apesar da maioria dos cientistas rejeitarem as “descobertas” de Wakefield logo de início, alguns se mostraram ansiosos para juntarem-se ao rebanho antivacinação.

Entre as pessoas que começaram a liderar os ataques contra as vacinas, encontra-se Jenny McCarthy, a ex-coelhinha da Playboy que se tornou defensora da pseudociência antivacinação. Ela começou a fazer discursos contra as vacinas em 2007, acusando-as de causarem autismo no filho dela. Entretanto, baseado nos sintomas do menino, muitos acreditam que ele tenha a síndrome de Landau-Kleffner, uma doença rara de causa desconhecida que às vezes é confundida com autismo.

Para juntar o insulto à injúria, ela escreveu alguns livros alegando que as vacinas causam autismo e que ela curara o “autismo” do filho com tratamentos alternativos, obviamente sem nunca mostrar nenhuma prova do que afirmava.

Mesmo depois de ficar claro que o menino havia sido diagnosticado erroneamente , e que não há qualquer evidência de que as vacinas causem autismo, ela não mudou de opinião. E como tem gente que prefere ouvir uma celebridade do que um cientista, o estrago foi feito.

Obviamente, tudo na vida tem seus riscos, e as vacinas não são diferentes – elas têm seus raros efeitos colaterais. Algumas pessoas não podem ser vacinadas por ter alergia ou alguma condição médica que compromete o sistema imunológico, mas isto faz com que seja mais importante ainda que todo mundo que pode seja vacinado, criando uma rede de proteção em torno destas pessoas que não podem ser vacinadas ou daquelas nas quais a vacina não foi tão eficaz.

O mapa completo pode ser visto aqui. Dá para ver a diferença entre os países onde os pais podem recusar vacinar seus filhos sem dar justificativa alguma, e onde a vacinação é obrigatória, “violando” os “direitos individuais” das pessoas. [IFLScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (4 votos, média: 4,25 de 5)

6 comentários

  • Adrian Rupp:

    Internet está cheia de notícias falsas…
    Mapa dos surtos de doenças preveníveis com vacinas vira mapa que mostra o efeito da antivacinação

    • Cesar Grossmann:

      Acha que não há uma relação de causa-efeito entre os movimentos anti-vacinação e o surto de doenças preveníveis com vacinas? Principalmente quando doenças que já foram erradicadas via vacinação retornam após o movimento anti-vacinas?

  • Helena Zago:

    Que ser humano em sã consciencia pode ser tão asno, e optar em não vacinar seus filhos, deixando eles a sorte de todos os tipos de doenças que já estavam erradicadas?!

    • Filipe Dias:

      Nas redes sociais por exemplo são publicadas notícias falsas e muita gente acredita. A falta de informação gera isso. É lastimável!

  • Julio Barone Neto:

    Com que são feitas as vacinas?

Deixe seu comentário!