Meteoritos causam avalanches na superfície de Marte

Por , em 21.12.2011

Segundo um novo estudo, conforme os meteoritos viajam em direção à superfície de Marte, eles podem provocar avalanches antes mesmo de atingir o chão.

Rochas espaciais voando em direção a superfície de Marte podem viajar a várias vezes a velocidade do som, criando ondas de choque no ar. Estas ondas de choque agridem o chão, levantando poeira que rola sobre encostas.

“Nós achávamos que algumas das faixas de poeira que víamos em encostas eram causadas por tremores sísmicos durante o impacto com meteoritos”, disse Kaylan Burleigh, que liderou o projeto de pesquisa. “Ficamos surpresos ao descobrir que eram as ondas de choque no ar que impulsionavam as avalanches, mesmo antes do impacto”.

A equipe analisou as faixas de poeira vistas nas imagens de uma sonda da NASA, e descobriu que muitas não se encaixavam no padrão esperado, se fossem causadas pela agitação sísmica produzida pelo impacto de uma rocha espacial.

Em vez disso, essas faixas de poeira eram assinaturas de ondas de choque que teriam sido criadas antes de qualquer impacto.

Na verdade, quando os cientistas usaram um modelo computacional para simular as características geológicas esperadas de ondas de choque, eles descobriram marcas curvas características, chamadas cimitarras, correspondendo exatamente às observadas na superfície de Marte.

“Aquelas cimitarras nos deram a dica de que algo diferente de agitação sísmica deveria estar causando as avalanches de poeira”, disse Burleigh.

Marte é regularmente bombardeado com impactos de meteoritos. A fina atmosfera do planeta é 100 vezes menos densa do que a da Terra, e não pode proteger a superfície de rochas.

Em média, cientistas descobrem em Marte cerca de 20 crateras de impacto entre um e 50 metros de largura cada ano. “Esta é parte de uma história maior sobre a atividade da superfície de Marte. O que estamos percebendo é muito diferente do que se acreditava anteriormente”, disse Alfred McEwen, um dos coautores do novo estudo. “Precisamos entender como funciona Marte hoje, antes de interpretar corretamente o que pode ter acontecido lá quando o clima era diferente, e antes de estabelecer comparações com a Terra”, explica.[Space]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 4,50 de 5)

9 comentários

  • C.E.N:

    roberto,o que voce acha???la tem et dãa

  • Roberto:

    É incrivel como estão vendendo Marte. O (satelite) Lua, tão perto, sem atmosfera está muito mais propenso a esses acidentes com meteoritos, mas a NASA não fala nada, apenas “confirma” que já pousou, que o homem andou e retornou do solo lunar para o (planeta) Terra (será?). Em Marte, embora nunca ninguem tenha estado e nenhuma nave desceu no solo e retornou, o planeta vermelho é sempre alvo de notícias e presunções fantásticas. Isto é no mínimo essstrranho! Vamos lá então: Óhhhhhh!!!! Que fantástico! Ou será: Ah, é? Óbvio! Na falta de improváveis extraterrestres… qualquer coisa vale.

  • Jonatas:

    A superfície de mundos de atmosfera escassa ou inexistente estará sempre sendo moldada por eventos meteóricos. Marte é uma interessante mistura de ambientes, moldados por vento, erosão, crateras de impactos, vulcões monstruosos e abismos colossais.

  • Marte:

    Caraca, tem um objeto estranho nessa foto (!). Próximo ao centro geométrico, um pouco pra direita.

    (Se você utiliza Mac OS, acione o zoom (Command+Option+8 para ligar o zoom, Command+Option+ + para aproximar. Comm+Option+ – para zoom menos)

    A princípio pensei que era (um surfista com uma pranchinha) uma pedra, mas não é. Divirta-se tentando descobrir o que é.

    • Capitão Caverna:

      O que você viu provavelmente é um meteorito, repare bem qe a onda de choqe deixou um rastro qe começa na parte de baixo da imagem e se estende até esse meteorito, repare bem e leia o trexo “…eles descobriram marcas curvas características, chamadas cimitarras…”.

    • Marte:

      Não Capitão. Estou falando de outro objeto. Observe a foto de novo, próximo ao centro/direita/acima. Está fora do contexto (por isso aconselhei o zoom). É claro que deve ser o resto de um meteorito, mas não dá pra ter certeza absoluta do que é (do lado esquerdo “da coisa” é bem geométrico, mas a NASA provavelmente dirá que é um estouro de pixel).

    • Hernani Teixeira:

      Existe sim. Está bem visível. No entanto, preste atenção; as ranhuras na superfície de Marte se inclinam na direção Noroeste-Sudeste (ou da esquerda para a direta da foto), num ângulo aproximado de 135 graus da foto (90+ 45, a contar da direção Norte que seria o zero graus da foto), provavelmente feita por meteoritos que varreram o solo graças ao seu empuxo gravitacional. Repare também que o tal “objeto” está numa parte mais clara quase que inteiramente circundada por uma parte mais escura (sombras?). Conclusão de leigo: ou o objeto é o próprio meteorito ou é uma rocha qualquer, em qualquer dos casos repousando no fundo de uma cratera.
      Hernani

  • Tundra:

    Se marte não tem essa proteção como a terra tem, como a NASA pretende fazer para proteger uma futura estação de estudos no planeta vermelho?

    • Hernani Teixeira:

      É claro que a NASA está pensando nisso também, pois sua dúvida faz sentido. As respostas são roupas espaciais (e especiais) para eventuais passeios na superfície, cobertura de áreas de trabalho com material que deixe passar a fraca luz do sol mas que protejam pessoal e material desses impactos e do excesso de radiação solar, pois Marte não possui também campo magnético como a Terra para desviar esses incômodos “visitantes”. e atividades científicas realizadas no subterrâneo (que em Marte deveria se chamar “submarciano”, rsrsrs).
      Num prazo bem mais longo, e dependendo da descoberta no planeta de água em grande quantidade, não se descarta plantar vegetação em Marte em grande escala (isso demandaria alguns sáculos) para “oxigenar e nitrogenar” sua tênue atmosfera para que se torne respirável para animais e vegetais. Não existe, até onde se saiba, tecnologias prontas para nada disso, exceto talvez para as roupas. Estão aí algumas razões bastante óbvias para o homem não ter ainda se aventurado a pôr os pés por lá. mas existem outras mais que não cabe aqui falar.
      Hernani

Deixe seu comentário!