Novo mapa do universo mostra nada menos que 1,2 milhão de galáxias

Por , em 17.07.2016

O mapa astronômico acima mostra nada menos que 1,2 milhões de galáxias, um novo recorde para os cientistas.

Essa nova e extraordinária digitalização 3D fornece ainda mais evidências de que uma substância misteriosa conhecida como energia escura está provavelmente causando a expansão a um ritmo acelerado do universo.

BOSS

O mapa abrange 650 bilhões de anos-luz cúbicos de espaço – o que equivale a um quarto do céu.

Isso exigiu o trabalho de centenas de pesquisadores do levantamento espectroscópico BOSS (Baryon Oscillation Spectroscopic Survey).

BOSS é um projeto que faz parte do Sloan Digital Sky Survey III, uma pesquisa que mede as ondas sonoras do início do universo, ondas que deixaram marcas fracas na radiação cósmica de fundo. Elas também deixaram suas marcas na distribuição das galáxias, coisa que o BOSS está usando para mapear as posições e distâncias delas.

A aceleração da expansão do universo

O novo mapa não é apenas uma imagem cósmica bonita. Ele fornece uma das medições mais precisas da expansão do universo até o momento, e confirma uma explicação principal para ela.

Quando Albert Einstein propôs pela primeira vez a sua teoria da relatividade geral em 1916, ele não sabia que o universo estava se expandindo. Como todo mundo no momento, ele pensou que o tamanho do cosmos era fixo, e introduziu em suas equações um fator de correção matemática apelidado de “constante cosmológica”, simbolizada pela letra grega lambda.

Einstein teve de rever esta ideia quando o astrônomo americano Edwin Hubble descobriu em 1929 que o universo estava se expandindo. Einstein chamou isso de o maior erro de sua carreira.

Então, em 1998, cientistas descobriram que não só as galáxias distantes estavam se afastando de nós, como estavam fazendo isso em um ritmo cada vez mais rápido. Por conta disso, os físicos propuseram que o cosmos está cheio de energia escura, embora não tenham certeza exatamente como isso funciona.

Uma das explicações mais promissoras é que Einstein estava no caminho certo quando propôs uma constante, mas, em vez de manter o universo estático, ela serve como uma espécie de contra força que atua sobre a gravidade, fazendo o universo expandir-se a uma taxa cada vez mais acelerada. Os dados coletados no levantamento do BOSS confirmam esta hipótese.

Universo lotado

mapa millhoes galaxias2
Na imagem acima, com 48.741 galáxias, cada ponto representa a posição de uma galáxia tão longe quanto seis bilhões de anos no passado, dentro de apenas um vigésimo do céu que vemos acima de nós (e 3% do total de dados do BOSS).

A imagem abrange um segmento do universo com seis bilhões de anos-luz de largura, 4,5 bilhões de anos-luz de altura, e 500 milhões de anos-luz de espessura.

As cores indicam a distância relativa da Terra: os objetos amarelos são os mais próximos e os roxos os mais distantes. Pontos cinzentos são pequenas regiões das quais não temos dados.

Em perspectiva

mapa millhoes galaxias3
A imagem acima mostra um segmento do universo em três dimensões. O retângulo à esquerda mostra um recorte de 1.000 graus quadrados no céu, contendo cerca de 120.000 galáxias, ou aproximadamente 10% do levantamento total. Regiões mais brilhantes correspondem a mais galáxias.

Os dados do BOSS indicam que a energia escura (que impulsiona a expansão cosmológica) é consistente com a constante cosmológica, com uma margem de erro de apenas 5%.

Este mapa também é totalmente consistente com o modelo cosmológico padrão (em que o universo contém uma constante cosmológica), adicionando ainda mais peso a esta teoria científica dominante.

No futuro, pesquisadores podem usar essas informações para compreender melhor os mecanismos por trás da energia escura. [Gizmodo]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (6 votos, média: 5,00 de 5)

18 comentários

  • Carlos Desmery:

    Extrapolar basandonos en UN caso es poco serio. Ese caso unico solo permite el PODRIA que utiliza Cesar Grossman

    • Cesar Grossmann:

      Em português…

  • Astropitecus Cabecudus:

    A Ciência actual também inventa muita coisa que nem sequer pode provar, mas tu acreditas nessas invenções, não ó César???

    • Cesar Grossmann:

      Acredito? Mesmo?

    • Astropitecus Cabecudus:

      Sim.
      Inflacção Cósmica, matéria e energia escuras, hipótese das cordas, estrela de diamante, planeta de diamante, etc, etc, etc.
      Chegam.

    • Cesar Grossmann:

      Apenas coisas que estão de acordo com a física e a ciência. Por exemplo, carbono em altas pressões e temperaturas assume a estrutura cristalina do diamante. Um planeta rico em carbono, e alta temperatura e pressão vai, automaticamente ter diamante. Física simples.

    • Astropitecus Cabecudus:

      Nada daquilo que eu falei tem a ver com Física simples e tu sabes isso. Então porque é que só falas nos diamantes??? E o resto???

    • Cesar Grossmann:

      Precisa falar do resto? Uma coisa tão simples e você já está errado, que dirá nas complexas…

  • Binho Viana:

    Só o fato de terem sido encontrados aminoácidos e componentes da molécula do DNA em cometas, já é indício fortíssimo.

    • Cesar Grossmann:

      É indício que é possível que tenha, mas não que tenha vida. Uma coisa é afirmar que é possível. Outra coisa é afirmar que existe. Ninguém pode provar que existe, por enquanto.

    • Astropitecus Cabecudus:

      Nem ninguém pode provar que não existe, não é ó César???

    • Cesar Grossmann:

      Não, mas de “não pode provar que não existe” para “afirmar que existe” vai um longo caminho.

  • Zack Vasconcelos:

    48.741 GALÁXIAS registradas em uma única foto…. e ainda tem gente que acredita que estamos sozinhos no universo

    • Cesar Grossmann:

      Zack, o problema é AFIRMAR que tem vida em outros planetas. Afirme só o que você pode demonstrar verdadeiro, e, no caso de alienígenas, mostre-nos os alienígenas.

    • Binho Viana:

      Sinceramente ser incrédulo sobre vida fora da Terra hoje em dia, é quase um atestado de mente tacanha.

    • Cesar Grossmann:

      Não. Ter a mente tacanha é afirmar alguma coisa sem ter como provar. Eu não afirmo que tem ou que não tem vida fora da Terra. É possível que tenha, mas NINGUÉM SABE.

    • Astropitecus Cabecudus:

      Mente tacanha é a daquele que só acredita naquilo que a Ciência prova que existe. A Ciência actual é extremamente limitada.

    • Cesar Grossmann:

      Astropiteco, se a nossa melhor ferramenta, a ciência, é limitada, significa que devemos dar crédito a qualquer besteira que digam por aí? Prefiro ser tacanho a dar crédito a qualquer afirmação leviana, desacompanhada de evidências e sem suporte do que já sabemos.

Deixe seu comentário!