O “mistério” do Triângulo das Bermudas foi resolvido

Por , em 14.08.2017

O “mistério” do Triângulo das Bermudas foi resolvido: não há mistério nenhum.

Aviões e navios não desaparecem mais no espaço entre Porto Rico, Flórida e Bermudas mais do que em qualquer outra parte do mundo.

Vários relatórios apontam que não há significância estatística para a região. Embora existam muitos mecanismos naturais que poderiam afundar barcos sobre os oceanos, quase nenhum deles existe no Triângulo.

Acontece

Durante uma entrevista para a news.com.au, o cientista australiano Karl Kruszelnicki observou que o número de navios e aeronaves que desaparecem na área “é o mesmo que em qualquer outro lugar do mundo, numa base percentual. [A região] Está perto do equador, perto de uma parte rica do mundo, a América, portanto, tem muito tráfego”.

De acordo com Kruszelnicki, o mito por trás do Triângulo das Bermudas começou quando vários navios militares de alto perfil – e suas subsequentes missões de resgate – afundaram na região entre a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais.

Na realidade, o clima terrível e os barcos e as aeronaves menos resistentes da época foram os responsáveis por muitos dos desaparecimentos.

Alguns dos pilotos que sumiram também eram propensos a cometer erros catastróficos, incluindo se perder frequentemente, beber muito antes de voar, e até mesmo sair sem o equipamento apropriado a bordo.

O nascimento da lenda

Corpos e destroços nunca foram encontrados na maioria dos casos, mas isso não é surpreendente, considerando que o Triângulo das Bermudas é um enorme corpo de água incrivelmente profundo.

Ainda hoje, os destroços de aviões e barcos raramente são localizados (em qualquer parte do mundo), apesar dos enormes avanços na tecnologia de reconhecimento e rastreamento.

No entanto, a combinação de desaparecimentos altamente divulgados garantiu o nascimento de uma lenda.

Logo, muitas hipóteses surgiram tentando “explicar” esses desaparecimentos. Mais recentemente, foi sugerido até que bolhas de metano que se elevam do chão do mar têm engolido barcos na área. Embora isso tenha alguma plausibilidade científica, há um grave problema: não há reservas de metano sob o Triângulo.

Conclusão

Em resumo, nenhuma organização científica respeitável considera o Triângulo das Bermudas uma região propensa a desaparecimentos de barcos, aviões e pessoas. [IFLS]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (25 votos, média: 4,08 de 5)

10 comentários

  • DJX:

    Cesar Grossmann, sua raiva e inconformação nos posts, mostram que vc não dialoga, apenas quer impor suas pseudo-verdades, lamentavel tsc tsc

    • Cesar Grossmann:

      DJX, eu não tenho raiva nem inconformação, isso é só projeção sua. O que é lamentável é a incapacidade de aceitar os fatos simples, e o primeiro é que o livro “O Triângulo do Diabo” é uma fraude, e o segundo é que estatisticamente falando o Mar das Bermudas é tão perigoso para embarcações e aviões quanto qualquer outro trecho de mar. Tsc Tsc.

  • Jean Carvalho:

    Um físico russo chegou a falar em “ciclones gravitacionais”, e chegou a prever o atraso e defasagem de horário de algumas embarcações…

    • Cesar Grossmann:

      Foi publicado um trabalho em um periódico científico revisado por pares, e com credibilidade?

  • Jean Carvalho:

    Mas o mistério deste famoso “triângulo” era só a questão do desaparecimento de aviões e navios? E a questão das defasagens de horário?

    • Cesar Grossmann:

      Que “defasagem de horário”? É normal chegar atrasado quando se enfrenta uma tempestade.

  • Galmont Da Catalunya:

    (em algum lugar no futuro):
    R1: Dizem (os arquivos) que existiu um bicho que fantasiava e era feliz.
    R2: Mentira! Felicidade é outra lenda!

    • Cesar Grossmann:

      Galmont, o livro que criou o mito do triângulo das Bermudas pode ser encontrado por aí. Tudo que você tem que fazer é verificar onde realmente desapareceram os navios e aviões citados no livro. Tem quem já fez, e disse que uma parte dos desaparecimentos aconteceram bem mais ao norte, mas não precisa acreditar em mim, vai lá e verifica você mesmo.

  • Gautamann:

    somente um ponto, um ponto de vista. não a totalidade e a definição, pois todos os pontos detalhadamente precisam serem explicados. Um ponto

    • Cesar Grossmann:

      Um ponto? Acho que você não está prestando atenção, Edilson. Os crentes do triângulo alegam que lá tem alguma coisa que faz com que tenha mais desaparecimentos que em qualquer outro lugar do planeta. Não é verdade. A propósito, você sabia que o livro do Charles Berlitz colocou no “triângulo” desaparecimentos que aconteceram bem mais ao norte? O Charles Berlitz foi um baita de um safado mentiroso. Como o Zecharia Sitchin.

Deixe seu comentário!