Porque os casais homossexuais podem ser os melhores pais

Por , em 18.01.2012

O casamento gay e a questão de pais homossexuais estiveram na boca de todos nos últimos tempos. Nesse mês, o Papa Bento XVI disse que o casamento gay é uma “ameaça ao futuro da humanidade”, citando a necessidade do crescimento de crianças com casais heterossexuais.

Casamento gay ameaça o futuro da humanidade, segundo o Papa

Mas pesquisas com famílias lideradas por homens e mulheres gays não traz nenhum resultado desastroso. De fato, algumas vezes, pais gays podem trazer talentos à mesa que os heterossexuais não conseguem.

Os pais gays “tendem a ser mais motivados, mais comprometidos do que os heterossexuais, na média, porque escolhem serem pais”, afirma a psicóloga Abbie Goldberg, que pesquisa esse tipo de caso. De acordo com ela, gays e lésbicas raramente viram pais por acidente, em comparação com quase 50% de gravidez acidental entre os heterossexuais. “Isso dá mais comprometimento e envolvimento, em geral”.

E enquanto pesquisas indicam que os filhos de pais gays apresentam diferença quase nula de aprendizagem, saúde, funcionamento social e outras medidas, essas crianças podem ter a vantagem de possuir uma mente mais aberta, tolerante e modelos de comportamento para relações igualitárias, de acordo com outros estudos. Não só isso, mas de acordo com pesquisas, pais homossexuais tendem também a oferecer casa para crianças difíceis do sistema de adoção.

A adoção gay causou controvérsia no estado americano de Illinois, onde serviços de adoção católicos decidiram parar de oferecer os serviços porque o estado se recusou a disponibilizar fundos, a menos que os grupos concordassem em não discriminar os gays.

Deixando de lado a oposição católica, pesquisas sugerem que pais gays são uma fonte poderosa para crianças que precisam ser adotadas. De acordo com um estudo de 2007, 65 mil crianças americanas estavam vivendo com pais adotivos homossexuais, entre 2000 e 2002, com outras 14 mil em casas de adoção lideradas por gays. (Existem mais de 100 mil crianças, atualmente, nessa situação, nos EUA).

Um estudo de outubro de 2011, do Instituto de Adoção Evan B. Donaldson, descobriu que das adoções por pais gays em mais de 300 agências, 10% das crianças tinham mais de seis anos – uma idade tipicamente difícil de ser adotada. Cerca de 25% tinha mais de três anos; 60% dos casais adotou raças diferentes, o que é importante já que crianças que são minorias tendem a se manter no sistema de adoção; e mais da metade das crianças adotadas tinham necessidades especiais.

De acordo com o autor David Brodzinsky, o estudo não comparou as preferências adotivas dos heterossexuais. Mas pesquisas sugerem que os gays tendem a adotar crianças mais velhas, com necessidades especiais e minorias. Parte disso poderia ser de suas preferências, e outra por causa da discriminação nas agências que coloca as crianças mais “difíceis” para os pais “menos desejados”.

Brodzinsky afirma que não importa como você encare isso, os gays se interessam na adoção como um grupo. Um estudo de 2007, do Instituo Urban, revelou que mais da metade dos pais gays e 41% das lésbicas, nos Estados Unidos, gostariam de adotar. Numericamente isso corresponde a dois milhões de pessoas para adoção. “É uma reserva enorme de pais em potencial que poderiam tirar as crianças do sistema instável de adoção”, comenta Brodzinsky.

“Quando você pensa nas 114 mil crianças que estão prontas para serem adotadas mas continuam vivendo em casas de adoção, o objetivo é aumentar a reserva de pais disponíveis, interessados e treinados para serem pais delas”, comenta Brodzinsky.

E ainda, o pesquisador comenta que existe evidências sugerindo que os gays aceitam adoções abertas, quando a criança continua tendo algum contato com os pais biológicos. E as estatísticas dizem que esses pais não têm problemas em suas crianças serem criadas por casais do mesmo sexo.

“O interessante é que encontramos uma pequena porcentagem, mas o suficiente para ser notada, de mães biológicas que fazem a decisão consciente de deixar o filho com homens gays, para que sejam a única mãe na vida da criança”, afirma Brodzinsky.

Boa criação

Pesquisas mostram que filhos de casais do mesmo sexo – adotados ou biológicos – não são piores do que os filhos de heterossexuais na saúde mental, funcionamento social, desempenho escolar e outras variedades de sucesso na vida.

Em 2010, os sociólogos Tim Biblarz e Judith Stacey reviram quase todos os estudos sobre pais gays, e não descobriu nenhuma diferença entre crianças criadas em casas com pais heterossexuais e em casas com mães lésbicas. “Não há dúvida de que crianças com mães lésbicas vão crescer e ser ajustadas socialmente e obter sucesso como as crianças com pai e mãe”, afirma Stacey.

Há muito pouca pesquisa sobre homens, pais, homossexuais, então Stacey e Biblarz não conseguiriam chegar a conclusões nesse ponto. Mas Stacey suspeita que homens gays “seriam os melhores pais na média”, comenta.

Ela afirma que isso é especulação, mas se lésbicas têm que planejar para ter uma criança, isso é ainda mais difícil para homens gays. Para Stacey, os dois devem estar muito comprometidos. Homens gays também podem experimentar menos conflitos parentais, já que a maioria das lésbicas usam doações de esperma para ter uma criança, então uma mãe é a biológica, o que pode criar conflito por proximidade à criança.

“Com homens gays, você não tem esse fator”, comenta. “Nenhum deles fica grávido, nem amamenta, o que não gera essa assimetria no relacionamento”.

E para aqueles que dizem que uma criança precisa de um pai e uma mãe em casa, Stacey afirma que estão esquecendo pesquisas que comparam filhos de pais solteiros e de casais. Dois bons pais são melhores do que um, mas um bom pai é melhor do que dois ruins. E a opção sexual não parece afetar isso. Mesmo que existam diferenças entre como homens e mulheres criam os filhos, ela afirma que há muito mais diversidade dentro dos gêneros do que entre eles.

“Dois pais heterossexuais com o mesmo passado, classe, raça e religião são mais parecidos na maneira como criam os filhos do que um é igual todos os homens e outra como todas as mulheres”, comenta Stacey.

Para Goldberg, os únicos locais consistentes onde você pode encontrar diferenças entre crianças de casais gays e de heterossexuais está na tolerância e abertura de conceitos. Em um estudo de 2007, ele conduziu entrevistas com 46 adultos com pelo menos um pai gay. Vinte e oito falaram espontaneamente que se sentiam mais abertos mentalmente e empáticos do que aqueles não criados nessas condições.

“Esses indivíduos sentem que suas perspectivas sobre família, gênero ou sexualidade são muito acrescentadas por crescerem com pais gays”, comenta Goldberg.

Um homem de 33 anos, com uma mãe lésbica, afirmou à Goldberg: “Eu me sinto mais aberto por ter sido criado em uma família não tradicional, e penso que aqueles que me conhecem iriam concordar. Minha mãe me abriu para o impacto positivo das diferenças entre as pessoas”.

Crianças com pais homossexuais também comentaram que se sentem menos bloqueados por estereótipos de sexualidade do que se tivesse nascido em casas heterossexuais. Isso porque casais homossexuais tendem a possuir uma relação mais igualitária.

“Homens e mulheres sentiam que eram mais livres para procurar uma série de interesses”, afirma Goldberg. “Ninguém estava dizendo para eles, ‘Oh, você não pode fazer isso, isso é coisa de menino’, ou ‘Coisa de menina’”.

Aceitação do mesmo sexo

O sociólogo Brian Powell argumenta que se o casamento entre pessoas do mesmo sexo tem alguma desvantagem, a culpa não é da escolha dos pais, mas da reação da sociedade sobre essas famílias.

“Imagine ser uma criança vivendo em um estado onde, legalmente, apenas um dos pais pode ser seu pai”, comenta Powell. “Nessas situações, a família não é vista como autêntica ou real pelos outros. E seria uma desvantagem”.

Em sua pesquisa, Goldberg descobriu que muitos filhos de casais gays pensam que mais aceitação das famílias homossexuais ajudaria a resolver o problema.

Em um estudo desse ano, Goldberg entrevistou outro grupo de 49 adolescentes e adultos jovens com pais gays, e descobriu que nenhum deles rejeitava o direito de homossexuais se casarem. Muitos citaram benefícios legais e aceitação social.

“Eu estava pensando sobre isso com alguns amigos e comecei a chorar pensando em como minha infância poderia ter sido se o casamento entre pessoas do mesmo sexo fosse legalizado, há 25 anos”, confessou para Goldberg um homem de 23 anos, criado por um casal de mulheres. “Os impactos culturais e status legal afetam as narrativas familiares desse tipo de situação – como nos vemos em relação a uma cultura maior, como parte ou excluídos”. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 4,50 de 5)

152 comentários

  • Hercules Lima:

    Homossexuais nem deveriam se casar, quanto mais adotar filhos! Imaginem o bullyng que essa criança não sofre na escola. Os juízes deveriam priorizar os direitos das crianças antes de decidirem sobre essas aberrações…Essa é a minha opinião respaldada pela Bíblia e pelo direito de constitucional de me expressar.

    • Lara Forte:

      Deviam, segundo o seu raciocínio, também autorizar a educação familiar, para que as crianças gordas, orelhudas, feias e com outras diferenças também não frequentem a escola, uma vez que “imaginem o bullying que essa criança não sofre na escola”. Favor não se referir às famílias homoafetivas como aberrações, eles são tão cidadãos quanto você, então se vai citar constituição, favor respeitar o direito à honra dessas famílias, bem como a dignidade humana delas.

    • Roberto Junio:

      É engraçado como alguém que se respalda na Biblia acha que realmente é dono de alguma razão. Respaldado pela Biblia vc poderia ter escravos, mulheres não poderiam ensinar nem ter opinião, e por ai vai… Mas enfim, se vc considera casais homossexuais como aberrações, devo não te respeitar direito porque o bullying que as crianças sofreriam seria cometido por outras crianças mal educadas, que são submetidas, com certeza, a raciocínios como o seu em casa e que por isso não aceitam a diversidade…

  • Genioso Irreligioso:

    É simples: é que se um casal homossexual for péssimo na criação de filhos; vão dizer que é por eles serem homossexuais!

  • Adriana Silveira:

    adorei a reportagem

  • gloria:

    Momentaneamente pode ser q casais gays sejam melhores pais q alguns heteros, mas é muito cedo p\ fazer comentãrios sobre o assunto, teremos q esperar essa geração adotada crescer, casar ter filhos constituir famílias e ver o q acontece p\ depois julgar.Com o passar dos anos saberemos quem é quem. Vivemos dias em q quem tem boa condição financeira sempre é o melhor pai ou melhor mãe, pode dar boas escolas, bom convenio medico, passear fora do país ,estudar fora adiquirir conhecimentos, e só adota quem tem dinheiro p\ isso ,um casal gay pobretão se adotar vai ser relápso tanto quanto um hetero, vai arranjar “sarna p\ se coçá”

  • lorenna:

    Achei muito importante esse espaço de troca de informações e diálogos, levando em conta que a situação de crianças abandonadas configura-se um problema crescente, principalmente no Brasil. Já a discussão sobre se é moral ou amoral a adoção de homossexuais considero, atrasada. É um erro discutir se é natural… o fato é : os homossexuais estão ai, formaram grupos fortes e de influencia. que há tempos lutam param ter direito a denominação de familia. lutam pelo nome”FAMILIA” pois esse tipo de constituição já existe a muito tempo. Li num comentário logo em cima que esses fenômenos são frutos da nova sociedade por causa de “hormônios”, NÃO, a homossexualidade existe desde que o mundo é mundo. O que mudou foi a tolerância e o acesso a liberdade e dignidade.

    • ricardo:

      Lorenna

      O homossexualismo realmente existiu em diversas culturas, como por exemplo no mundo helênico. Mas a pedofilia, o infanticídio, a poligamia, o insesto, e tantas outras práticas imorais eram tidas como normais e aceitáveis.

      Outro ponto é que mesmo onde existia o homossexualismo este não equivalia ao casamento heterossexual. Jamais houve na história desses povos antigos reis casados ou rainhas casadas. O homem poderia ser pederasta, mas nunca se “casou” com seus casos. A sociedade entendia que a base familiar era composto de um homem e uma mulher, mesmo em povos não influenciados pelo cristianismo, isso é questão de lógica.

      Os homossexuais podem e devem lutar pelos seus direitos civis, estamos em uma democracia onde o diálogo é a base, mas querer que sua união seja chamada de família é algo ilógico, inventem um nome para este tipo de união, pois família já existe e é composto por pai, mãe e filhos.

    • lorenna:

      Ricardo

      Naquele tempo não havia casamento entre homossexuais, mais não se pode comparar são tempos diferentes as leis avançaram muito. Não é difícil de encontrar relatos de união afetiva, e da relação estável entre homossexuais, mesmo entre os povos antigos.
      E quanto a denominação de familia, jamais vai haver um consenso,porque as pessoas ainda não tem a liberdade de pensar, tem a influencia das diversas religiões, criadas exatamente para fazer o controle social, então não me interessa que a maioria heterossexual cristã aceite/concorde com o que eu chamo de familia que é uma instituição unida por múltiplos laços onde existe afeto, respeito e proteção.
      Não concordo com a afirmação de que homossexuais são melhores pais porque a sexualidade não determina o caráter de uma pessoa. Cada um tem sua subjetividade e pela minha experiência pessoal, Dentre as diversas configurações de familia, a formada pelo casal homossexual e uma criança pode ser feliz. não digo mais feliz ou menos feliz, só Feliz.

    • Ricardo:

      Oi Lorenna

      Vamos ser realistas, união afetiva estável é extremamente raro no meio LGBT. Não quero generalizar, mas a relação é mais pelo prazer que pelo amor fiel. Na minha modesta opinião a estabilidade e o amor fiel são indispensáveis para que exista uma família, mesmo heterossexual, sem isso as consequências psico-afetivas são devastadoras.
      O modelo se sociedade do mundo ocidental foi moldado a partir da filosofia grega, a política romana e a religião cristã. Foi o pensamento cristão que incentivou a caridade, as universidades, os hospitais. Você fala em um pensamento livre sem a influência das religiões, que são mero controle de massas, mas é justamente nos regimes anticristãos que o homossexualismo mais sofreu. Se você tivesse nascido no mundo islâmico ou em um pais comunista não teria nenhuma liberdade de expressão e correria até risco de morte. Você é livre para ser homossexual, mas não pode equivaler esta união que é intrinsecamente estéril a união familiar heterossexual que é a base da civilização e da sociedade.
      Família é a união de um homem e uma mulher com os filhos desta união, não dá para mudar os ingredientes desta receita e querer chamar da mesma coisa, se TUDO é família, NADA é família e aí a sociedade desmorona…

    • lorenna:

      Só não deixe que seu preconceito contamine suas opiniões. Ser gay não é sinônimo de ser imoral, infiel ou poligamico. Não dá para generalizar, assim como há gays que preferem levar a vida como “porra loca” ser heterossexual não significa ser santo. Afirmar isso é hipocrisia. NO mais… O que posso dizer? tenho mulher e filho, vivemos muito bem…eu chamo de minha familia. se quiser chamar de qualquer outra coisa, o problema não é mais meu.

    • Allan:

      Embasado em quê, Ricardo, você afirma que uma relação homossexual é instável devido aos prazeres sexuais? Pelo menos eu conheço muito mais casais heterossexuais que “pularam muro” do que entre casais homossexuais em suas devidas relações.
      Tenho um amigo hetero que, sempre quando passa uma mulher bonita ao lado, este fica olhando descaradamente, dando cantadas e tudo mais. O engraçado é que eu, quando digo para ele “poxa, que cara bonitão lá”, sem dar cantada nem nada, ele vem me falar que eu sou tarado, sem vergonha e etc. Seria engraçado, se não fosse trágico: as pessoas já possuem essa idéia de que homossexual é safado e tudo mais. Nunca traí meu namorado, mas conheço muito neguinho e neguinha por aí que foram traídos por seus conjujes e tudo mais. Para mim, traição entre heteros é mais comum, ou quem sabe, o amor entre heteros tenha se banalizado mais, já que homossexuais tendem a ter que lutar por conquistar o DIREITO DE AMAR, algo que nem precisaríamos lutar.
      Quanto a sua opinião negativa quanto uma família ser composta por dois homens ou duas mulheres, não vou escrever nada, pois é uma opinião e você tem o direito de achar o que quiser. Mas o mundo dá voltas, Ricardo, e a talvez um dia você e muitos outros percebam que família não depende de gênero entre componentes. Você é inteligente, vai descobrir do que uma família é feita.

    • Lara Forte:

      Ricardo, a tecnologia médica permitiu grandes avanços na constituição biológica de família e o próprio instituto da adoção teve grandes avanços jurídicos, igualando as chances de um casal homoafetivo de possuir prole. Não havia, bem verdade, na Antiguidade casamentos homoafetivos, isso se dava, além das regras sociais, da necessidade de produzir descendentes (para perpetuar a propriedade e o culto da religião familiar) tanto é que era possível “devolver” uma esposa infértil. Família é afeto,…

    • Marcelo Ribeiro:

      O casamento gay no ano de 100 d.C.

    • Bia Eme Esse:

      Entao, segundo o Ricardo, um grupo de irmãos nao formam uma famliia? Uma mae solteira e um filho nao sao familia? Um pai viuvo com filho tb nao é familia? Ou quem sabe avós que criam o neto tb nao constituem uma familia? Um casal que nao pode ou nao quer ter filhos nao é familia?

  • Marcos:

    Interessante o debate e a “pesquisa” sobre adoção de crianças por pares homossexuais. Tempos modernos, onde somos obrigados a achar “normal” uma dupla de mesmo sexo. Não utilizo a expressão casal por entender que CASAL é masculino+feminino, mas tudo bem.
    Debates existirão eternamente e não há muito a fazer. Temos homossexuais em esferas altas da sociedade, ditando as regras (grandes jornalistas de emissoras poderosas, juristas, médicos e outras profissões mais!!!). Será que algum deles teria interesse em estudar profundamente a origem do homossexualismo e publicar isso em alguma revista científica séria??? Provar que a epidemia de homossexuais existente é culpa nossa, que ao consumirmos tantos produtos industrializados e com hormônios, forçamos nosso organismo a “se adaptar” a esta situação, gerando meninos com excesso de hormônio feminino ou meninas com muita testosterona no sangue????
    Não creio que haja interesse em provar que ao invés de doença, o homossexualismo é uma mutação, provocada pelo próprio Homem. Provar que Nós somos culpados por haver tantos gays no mundo, e agora fica difícil contornar isso.
    Torcer para Gaya tentar “arrumar a casa” e organizar estes malditos homínidas que povoam sua morada.
    Boa sorte a todos, principalmente aos heterossexuais. ^^

    • lorenna:

      Casal é um par de pessoas unidas por casamento ou por outro tipo de compromisso amoroso, como união estável ou namoro, podendo ser formado por sexos/gêneros diferentes ou sexo/gênero iguais.CALDAS Aulete- Minidicionário contemporâneo da língua portuguesa.Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004.

    • Jose Carlos De Lima Carvalho:

      A APOLOGIA DE ABERRAÇÕES E A ARISTOCRACIA DO EGOISMO.

      Como será que todos que aqui se manifestaram se sentiriam se um desconhecido penetrasse em nossa casa, sem convite, e mudasse de local um pequeno vaso de plantas alegando ser de sua preferência outro qualquer cômodo da casa e justificaria estar Ele, o invasor, amparado por uma LEI PÍFIA QUALQUER? Pois é Lorena. Dantesco não? Não seria a mesma sensação de receber uma visita da GESTAPO em alguma modesta aldeia da Holanda por volta de 1942? ; Não seria o mesmo calafrio estomacal quando camponeses Poloneses tinham suas portas chutadas por ferozes rapazes das Waffen SS? ; A sensação de estar próximo da eternidade em uma fila de empregos no Iraque porque de repente tudo pode PUFFF?
      Já ouviu falar de nazismo gay, ditadura gay, terrorismo gay Lorena? Ricardo fala com muita propriedade, enquanto pode, pois em breve corre seríssimo risco de processos e perda de reputação. Ele foi generoso ao mencionar os tempos Helênicos, Romanos, Espartanos etc etc. Só não mencionou os Afrescos nas ruínas das termas de Pompéia e Herculano que dão noção exata dos tempos de exaustiva luta para a consolidação do planeta gay. Sacrifício inútil. Quem faz a casa faz as regras Lorena. Sabia? E isso não é papo de religião, nem capítulos ou versículos. Olha em volta que o mundo em silêncio te responde. Olha em volta como os cães ainda continuam latindo, não há notícias de macacos molestados ou estuprados por manadas de antílopes, não vai receber notícias de que um falcão nasceu num ninho de avestruzes. Bem, nada disso me interessa pois quem decidiu por ser gay que seja, se nasceu gay que seja. Não dou a mínima. Só me manifestarei de outras formas se algum dia, com Lei ou não, com jean Willys ou não, com a GLOBO E O PATETA DO PEDRO BIAL OU NÃO me for IMPOSTO que eu deva ser subjugado por alguma CASTA DE PESSOAS ESPECIALÍSSIMAS COMO ACREDITAM SER OS GAYS, pelo simples fato de serem gays.
      SE QUEM FEZ A CASA E FEZ AS REGRAS NÃO INCLUIU A COMUNIDADE GAY COMO NOVA ORDEM MUNDIAL de nada vai adiantar espernear dentro da casa alheia com aqueles que aceitaram serem como são. Os que não se rebelaram pela forma morfológica como nasceram e dispensaram divãs e bate-papos com psicólogos em busca de recalibre existencial.
      Ah, antes que me esqueça: Aquela tal palavrinha muito na moda e que serve pra quase tudo de tão FLEX que é; PRECONCEITUOSO não é isso? Qualquer um que se posiciona recebe essa marca como um judeu em Dachau. Fico pensando no que vai ser de mim se descobrirem que não gosto de conviver com animais peçonhentos, que não gosto da cor laranja, não torço pelo Flamengo, sou alérgico a Diogo Mainardi e odeio Fernando Collor. Quem não está satisfeito com o Mundo como o encontrou que se dirija ao balcão de reclamações. Entretanto, o Engenheiro Responsável não se encontra aquí; vai ter que sair pra reclamar. Agora, o ápice deste MANIFESTO. A ADOÇÃO DE CRIANÇAS POR CASAIS HOMOSSEXUAIS.
      Aí está a ARISTOCRACIA DO EGOISMO seguida de um toque sutil de conveniência e leveza das botas do nazismo.
      Por que não adotar uma criança já que o sujeito se sente uma mulher mesmo, pensa como mulher, interpreta uma mulher, trejeitos femininos que numa mente de personalidade nebulosa é perfeitamente idêntica a uma Mãe com alma de mãe. Só faltando mesmo um pequeno detalhe chamado útero, mas quem se importa? Que importa se a criança crescerá observando a mamãe se barbear, assim como eu curiosamente observava meu Pai. Que importa se o papai coloca soutien antes de sair pro trabalho? Alega-se de tudo, com amparo jurídico digno das portas de cadeia, muito espertalhões. O principal é desafogar orfanatos e retirar das ruas os abandonados carentes de tudo. Pois é….
      Aberração não é ser gay. ABERRAÇÃO É ERRAR NA VIDA ALHEIA. É aí que entra a ditadura gay. POR QUÊ NÃO ADOTAM JOVENS DE 18/19 ANOS COM BÁSICA CONSCIÊNCIA MAS CAPAZES DE SE DECIDIREM SE DESEJAM OU NÃO ESTE TIPO MODERNO DE FAMÍLIA? Os gays têm algum problema em oferecerem seu amor,
      desinteressado em sem conveniências claro, a pessoas com as mentes mais firmes? AH… Isso bem que me enfurece.
      Sabe, chego mesmo a me lembrar de domadores de circo e tratadores de animais em zoo. “SE FIZER O QUE TE MANDO, COME. SE NÃO FIZER…” Fácil tirar crianças das ruas e orfanatos com esse poderosíssimo argumento. Oferecer-lhe educação em bons colégios e saúde em hospitais particulares que ninguém morre. Qualquer promessa diante daqueles olhinhos ávidos por sairem de onde estão lhes torna presas fáceis. Serem amamentados por seios protéticos ou mamadeiras durante longo tempo pode criar nelas a habilidade do engodo, da fraude e do impostor por natureza.
      Contanto que saiam das ruas ou do orfanato tá valendo.
      Somente pessoas de natureza rasa consideram esse desiderato como uma missão de pleno êxito. Bom, QUEM FEZ A CASA E AS REGRAS também disse que você colhe o que planta. E isso sendo a mais pura conveniência da parte de quem não é o que pensa que é, vai ser um estrondoso tiro no pé-gay.
      Mas eles não se importarão pois os planos de saúde cobrirão os terapeutas e psicólogos. Isso pode ser definido
      numa palavra: KAMIKAZE, que em japonês significa VENTO DIVINO. Por um lado, a solução Divina à estas crianças infortunadas que serão adotadas por seres incontestáveis ou: KAMIKAZE pode significar o ato de alguém se espatifar contra um convés de aço de um navio se não antes pulverizado por centenas de baterias anti-aéreas.
      Pensem bem no que estão fazendo, não nas suas vidas, mas na vida alheia. Sair do poço e cair na fossa deixa as pessoas em fúria descomunal e normalmente o mais próximo responde pela irresponsabilidade. Se essa atitude por parte dos homossexuais aponta na direção de que Deus foi incompetente, bom que saibam que isso não é negociável. Ele não abre mão do que fez antes mesmo do primeiro raio de sol neste planeta diante de esboços de sociedade oriundos de quem acabou de chegar. Outro fato curioso. A família propriamente dita, Pai/Mãe/Filhos, não foi criada por religião alguma. Já existia quando a humanidade se desdobrou em andar ereta. Só pra registrar Lorena.
      Essa é a resposta curtinha que tenho pra você, por enquanto e enquanto ainda posso.

    • Lara Forte:

      Sério, isso? Primeiro que existem VÁRIOS artigos científicos sérios publicados sobre o assunto. Segundo que homoafetividade não é comportamento exclusivo do ser humano, sendo identificada em outros animais. Terceiro que não é “culpa” de ninguém e não existe nenhuma doutrina de conversão à homoafetividade, o que se pede é reconhecimento de direitos civis iguais, não é o fim da família, é a ampliação da família. Boa sorte a todos, principalmente aos ignorantes.

  • Conselho de Justiça:

    Pois é tanto preconceito quanto a gays adotarem e dão uma criança para aquela procuradora, desembargadora, sei lá, torturar a criança . Como será que está o emocional desta criança espancada e xingada pela doutora? E como está o nível de responsabilidade dos profissionais que concederam a guarda, sem ao menos fazerem um teste de loucura na dita doutora?

    • Conselho de Justiça:

      Um gay pode ter esse mesmo tipo de comportamento da desembargadora. É como diz o ditado: Quem vê cara não vê coração!

      Prezado leitor
      Recomendamos que para replicar não utilize o nick name de outro usuário.

  • Irio:

    Que papo furado. Já viu que sempre existe uma pesquisa para justificar qualquer coisa ?

  • JHR:

    Para quem é “simpatizante” do tema, segue mais pesquisa:

    Orientação Sexual e Risco de Suicídio

    Depois de mais de 20 anos da desclassificação da homossexualidade como patologia mental pela Associação Psiquiátrica Americana, clínicos, psiquiatras, psicólogos, assistentes sociais, conselheiros escolares e outros têm questionado se a experiência de ser homossexual perante uma sociedade estigmatizante não aumenta o desenvolvimento de psicopatologias. Alguns estudos têm mostrado (ainda não com uma consistência firme) que os homossexuais “assumidos” estão mais sujeitos a depressão, abuso de álcool e suicídio que os heterossexuais.
    Alguns pesquisadores estão identificando a adolescência como uma fase especialmente vulnerável ao suicídio. A média das pesquisas de tentativa de suicídio entre adolescentes homossexuais ou bissexuais é de 31% variando entre 20 e 39%. Estudos epidemiológicos mostram que entre 18 e 24 anos de idade a tentativa de suicídio entre os homens é de 1,5% e para as mulheres de 3.4%. Entre 25 e 44 anos a taxa é de 4%. Acredita-se segundo esses estudos que a não conformidade com sua condição sexual gera o comportamento de auto-agressão.
    A Sociedade Americana de estudos do Suicídio está recomendando fortemente o estudo mais rigoroso e aprofundado das causas do suicídio. Afinal seria de grande utilidade sabermos se assumir a homossexualidade melhora o bem estar mental..
    Métodos – O presente estudo é composto por uma amostra de 103 pares de irmãos gêmeos do sexo masculino. Foram identificados os pares em que um dos irmãos manifestou tendência homossexual depois dos 18 anos de idade e o outro irmão não manifestou o mesmo desejo. Foram investigados 4 sintomas básicos: pensamentos sobre a própria morte, desejo de morrer, pensamentos sobre cometer suicídio e tentativa de suicídio.
    Resultados – A orientação homossexual está significativamente relacionada aos sintomas ligados ao suicídio, em comparação com os irmãos heterossexuais.
    Conclusão – O aumento significativo do risco de suicídio entre os homossexuais masculinos é pouco provável que seja apenas devido ao aumento do abuso de substâncias psicoativas e outras comorbidades psiquiátricas.

    Referência Biblio.:
    Arch Gen psychoatry 1999; 56: 867-874
    Orientação Sexual e Risco de Suicídio

    • Chico Lobo:

      caro JHR.

      Tudo isso que você está apontado como “problemas” dos homosexuais, provém dos efeitos causados pela intolerância arraigada no caldo cultural judaico-cristão.

      A ampla maioria das pessoas que se entregam ao desespero, o fazem quando não encontra espaço na sociedade com o ser que é na sua integridade… É o que acontece geralmente aos homosexuais, que, depois de tanta perseguição e imposição social sofrida se destroém por culpa direta do meio preconceituoso em que vive.

      Entendo que infelizmente não dá para retirar o homosexualismo do cardápio das psicopatias, se não curarmos primeiro a mente coletiva da sociedade que hoje ainda, em pleno século XXI se afunda em dogmatismo, preconceito, homofobia, conservadorismo e tudo quanto há de ruim na sociedade trazida a milênios por uma cultura distorcida pelos homens em nome de suas crenças.

      Quero dizer com isso que não é o seu deus ou seu messias que é ruim, mas a interpretação que sacerdotes fazem deles, em nome deles e supostamente por eles.

      Tudo isso que vemos agora, e que voce narra em seu texto, é puro conceito dessas tradições culturais, pois veja por exemplo na antiga Grécia, quando a homosexualidade era entendida pela sociedade como algo comum e até honroso, quando por exemplo um soldado grego declarava sua afeição por outro homem. leia isso na História Antiga (não na biblia).

      A ciência, a sociologia, a filosofia, a história (não as lendas bíblicas) existem para ser estudadas e entendidas como matérias para engrandecer a vida e o pensamento humano sobre o universo que habitamos, mas nada é pétreo, tudo pode ser melhorado e aperfeiçoado, até os conceitos que sua biblia pregou. Porém, quem se prende a coneitos imutáveis cai no buraco negro que espera os dogmáticos.

      Respeitamos seu pensamento, mas há de convir que está havendo a necessidade de voce rever seus conceitos e valores.

      Estamos num novo milênio e estamos nos esforçando para subir mais um degrau na evolução humana, para vermos o mundo de maneira mais suave, tolerante e leve, para que um dia não haja mais abandono de crianças, guerras santas, exploração do homem pelo homem e acabar de vez com tudo o que nos causa dôr.

      Pense nisso…

    • foryeshua:

      Chico.

      Pense nisso.

      Como o homossexualismo é encarado em sociedades atuais de culturas não influenciadas pela Bíblia (judaico-cristã)?

      Como as tribos isolados lidam com isso? Como a cultura oriental lida e a africana?

      O homossexualismo é bem-aceito como normal em quantas delas? É honrada por quantas?

      Daria para fazer uma caricatura sua de tão óbvia que é tua cristofobia.

    • Chico Lobo:

      Caro foryeshua.

      Em muitas culturas não judaico-cristãs o homosexualismo é compreendido e aceito com mais naturalidade, entre elas nossos indígenas. No oriente entre os hindus, são eles que abonçoam os casamentos e as festas. Na África setentrional vários povos também não tem receios de ter homosexuais entre familiares. No passado muito mais ainda.

      O cristianismo político por ser uma corrente religiosa expancionista por natureza dogmática, levou seus conceitos a muitos povos os quais no decorrer dos tempos foram arraicando esse preconceito de refutar a condição homosexual pela humanidade afora.

      A homosexualidade não é um disturbio, não é uma doença, não é uma perversão, não é um crime, não é uma promiscuidade. É apenas uma condição humana como a etinia, a propenção para obesidade ou ao nanismo. Não pode ser encarada pela sociedade como algo alheio ao ser humano, assim como é normal em muitos dos mamíferos como nós.

      Concordo que a verdade liberta, mas se quisermos saber o que é verdade, devemos olhar a natureza e não á cultura, pois esta é relativa ao tempo, a geografia, á história e as condições das sociedades.

      E é essa verdade sob o prisma da natureza que me pauto.

      Fora dela eu pergunto: O que é “verdade”, essa que liberta?

      Quanto á cristofobia, acho que o amigo está equivocado comigo. Sou grande adimirador e reverencio o pensamento de Ieshua Bem Iosef (Jesus), seus ensinamentos e exemplos. O que eu refuto é exatamente as distorções que aconteceram no mundo pela boca e pelas mãos dos sacerdotes em seu nome, a imagem original e pensamento messianico de Jesus para proveito próprio, que nunca pregou guerras santas, preconceito, abuso da riquesa, violência, arrogância… e tudo o que ainda hoje se faz, e cada vez mais são essas coisas não cristãs em nome de Cristo. – Esse assunto é vasto demais para uma única postagem.

      Mas entenda: siga a natureza que estará seguindo inclusive os conceitos messiânicos de Jesus.

    • foryeshua:

      Chico. Gostei da sua resposta.
      Contra dados e idéias, resta pouco para argumentar. Apenas resta apresentar mais dados/idéias.

      Nem Cristo, nem o cristianismo dEle deveriam interferir na cultura de um povo. O próprio Deus não quis interferir na cultura judaica, apenas “implementou” um sistema que pudesse revelar seu caráter (mas não foi compreendido).

      Em tribos indígenas, por exemplo, acho um grande erro desconfigurar suas tradições em prol de um cristianismo mal interpretado por missionários. Mas há valores a serem oferecidos e de tais, depende a sobrevivência das tradições. Um bom exemplo foi o ensino do perdão em detrimento de “círculos de vingança” entre tripos da amazônia venezuela em meados de 1960.

      Agora, em relação a sua visão naturalista, ainda desconheço dados biológicos válidos que coloquem a prática homossexual em paralelo genético com o nanismo.

    • ricardo:

      Caro Chico,

      Os povos que você citou também aceitavam o incesto, a pedofilia, o infanticídio e a poligamia, isso não é argumento para justificar o homossexualismo.
      E mesmo nesses povos nuca houve “casamento” homossexual equivalente ao heterossexual.

    • JHR:

      Chico
      Primeiro, devo esclarece-lo que o texto não é de minha autoria. Foi publicado em revista especializada em psiquiatria.
      Segundo, visto que é um estudo cientifico, suas conclusões devem ser igualmente respeitadas tanto quanto a estudos que apontam em direção contraria.
      Terceiro, você atribui todas as mazelas humanas a religião. Deve lembra-lo que tudo o que temos de mais valoroso em nossa humanidade bem como o que há de pior foi criado pelo seu igual: o homem.
      E quarto, seu discurso se reveste de uma pompa humanistica e evoluida mas é tão preconceituosa e filtrada quanto os mais radicais aqui lemos pois não respeita os que lhe opõe.
      Nem ciência nem religião carregam toda a verdade e somente a verdade liberta.

    • Chico Lobo:

      A religião (fenômeno cultural dos povos) é que trouxe a ampla maioria das guerras e violência no mundo. Esse fato é notoriamente incontestável. Por isso ela é o pivô da discórdia humana.

      Concordo que a verdade liberta, mas se quisermos saber o que é verdade, devemos olhar a natureza e não á cultura, pois esta é relativa ao tempo, a geografia, á história e as condições das sociedades.

      E é essa verdade sob o prisma da natureza que me pauto.

      Se alguém se pautar pela verdade cultural, terá que passar dilemas em muitos lugares, em muitos povos em épocas diferentes.

      Mas, a verdade da natureza é imutável. A verdade da natureza é a lei cósmica que rege tudo o que há, desde as forças gravitacionais que faz o universo harmônico e caótico ao mesmo tempo, assim como o DNA que dá características a todo ser vivo.

      Fora dela (a natureza) eu pergunto: O que é “verdade”, essa que liberta?

      Para um budista a verdade é o que Sidatha falou.

    • Bovidino:

      Chico Lobo,
      (Fora dela (a natureza) eu pergunto: O que é “verdade”, essa que liberta?)
      Só há uma verdade que liberta. É o auto-conhecimento.
      Enquanto achamos que somos esse corpo físico mortal, o ego nos escravisa e abafa completamente a verdadeira essência do ser.
      Em outras palavras, o que nos mantém escravos do ego é a ignorância da essência do nosso próprio ser.
      Essa é exatamente a mensagem que Jesus tentou passar para a humanidade:
      -E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.
      Aí vieram as religiões e deturparam tudo.

    • Rômulo:

      Bovidino.

      Acho que, pelo teu conhecimento amplo sobre a realidade humana, você já deve ter buscado muito. Imagino que devas estar aproveitando a melhor idade para se aprofundar ainda mais.

      Não quero que me entenda mal, mas o que você acha da idéia de cursar teologia bíblica? Sem grandes pretensões mesmo, “só pra curtir”. Creio que ter mais este conhecimento será prazeroso para você.

    • Luiz Carlos Ramos Cruz:

      Tenho procurado lido tudo sobre o homosexualismo/homosexualidade.
      Não sou a favoir do homosexualismo.
      Estou vivendo um caso com meu filho mais velho, e estou me preocupando com esta questão do suicídio.O meu receio é tanto que estou a procura de psicólogos para falar o assunto em família.E estou vendo esta questão do suicídio como uma ameaça aqueles que são contra esta convivencia.
      Por outro lado uma decisão individual, que afete os demais deve ser repensadas, pois estou deixando de viver…
      Não sou católico, nem religioso.
      Penso, tambpem, que a ciencia deveria estudar sim o assunto, não deixando para outros discutirem o assunto com autoridade para tal.Daí a necessidade de abrir o assunto com a psicologia.
      Nãos sou a favor do casamento.Não sou homofobico, mas me incomoda o comportamento dos mesmos.
      Atc.,
      Luiz Carlos

    • JHR:

      Caro Luiz
      Seu relato é importante porque chama a atenção para um fato que os meios de manipulação omitem sobre o tema gay.
      Como pai, posso imaginar o drama pessoal que vive, e também acho que deva procurar ajuda psicologica.
      Porém, não torne o seu drama ainda maior. Talves o fato da aceitação, apensar de dolorosa, ainda seja o melhor remédio.

    • Rodrigo:

      Luiz Carlos, tenho 25 anos e sou homossexual!
      Filho de pais divorciados, criado pela minha mãe..
      aos 15 me assumi, meu pai ficou do meu lado, já minha mãe (com uma criação mais tradicional) nao entendia! pensava que eu ia me drogar, prostituir, virar travesti, cabeleireiro, pegar Aids, ou ficar velho e morrer assassinado por algum garotão que eu estivesse sustentando!
      Por ela não aceitar e querer que eu mudasse… começamos a ter conflitos! ela me manteve refém em casa! nao podia mais ir pro curso de ingles, pra academia, ao cinema com os amigos… pq pra onde quer que eu fosse, eu iria transar com um desconhecido no banheiro ou algo do tipo!
      junto a isso… eu fui convidado da diretora da escola a ser transferido pq eu sofria bullying por TODA a escola!
      Minha boa relacao com minha mae tinha acabado! e eu pensava em me matar todos os dias!
      mas o tempo passou… minha mae foi aos poucos conhecendo meus amigos! e vendo que ela estava sendo ignorante ao pensar td aquilo! eu tive um relacionamento que durou 5 anos! hj sou um futuro dentista…

      oq quero dizer com tudo isso, é que estudos sao controversos! uns dizem que homossexualismo é uma psicopatia, outros que é normal e pais gays são melhores…

      independente da sua visão da coisa, pense que SE o homossexualismo é uma psicopatia, o seu filho, assim como eu, se sente NORMAL! e por mais que seja dificil encarar o mundo com esse “peso” da sexualidade nas costas, é ainda MAIS difícil se vc nao tem apoio dentro de casa!
      Esse filho mais velho que vc ama por tnts anos, é a mesma pessoa! com a única diferença que agora vc sabe um detalhe sobre ele! se ele nunca tivesse contado a vc… vc o amaria eternamente da mesma forma sem desconfiar!

      pense nisso! minha mae nao esteve do meu lado… e ela criou cicatrizes na nossa relacao que as vezes eu acho que NUNCA vou superar!

    • Ricardo:

      Rodrigo

      Sua mãe fez o que fez porque te ama, você era menor de idade, com os afetos ainda não ordenados completamente em um tempo na vida que é fácil se enganar e dar passos irreversíveis.
      Como pais não é fácil tomar decisões e temos que escolher entre ser pai e “ser legal”. Um pai que ama nem sempre acerta, mas com certeza sempre quer acertar. Para sua mãe não deve ter sido fácil aceitar isso depois de criá-lo separado de seu pai, por mais que o mundo moderno tente pintar o divórcio e o homossexualismo com cores belas é sempre uma bomba devastadora quando cai em uma família.
      Você não transa no banheiro com estranhos, não se droga ou se prostitui, mas veja no seu círculo de amigos, veja nas boates gays, a maioria esmagadora dos relacionamentos gays são superficiais movidos mais pela “química” do que por um amor progressivo e estável. No universo gay você é uma exceção.
      Parabéns por suas realizações pessoais, espero que você seja um bom dentista.

    • LAP:

      Prezado,
      Ainda bem que vc estudou disciplinas que mostram claramente que variacoes hormonais influenciam e muito a formacao de um adolescente, e futuramente um adulto. Tambem deve ter ouvido falar que intolerancia a lactose, leva a crianca do sexo masculino pelo uso do leite de soja(maioria dos casos) a retardar a producao de testosterona, o que caracteriza nao engrossar a voz, e por sua vez motivo de zoacao na sociedade, que gera uma falsa ideia de que realmente a pessoa se transforma em gay. Inumeros fatos tem acontecidos, mas como hoje a sociedade se transformou em descartavel, ninguem mais investiga que fatores levaram vc a enxergar por um ponto de vista diferente do restante, pois assim como vc tambem estudou que nossa natureza genetica desde o ventre nos leva a virar para se encaixar na posicao de parto natural, mas se torna mais facil aceitar a ideia que hoje e normal ser diferente. Por isso policiais roubam, medicos assassinam pessoas por descaso ou distracao, juizes condenam inocentes e por ai vai a sociedade que aprendeu a aceitar o normal ser diferente. Quem sabe um dia as pessoas passem a usar o que nos seres humanos temos de tao valioso que e o cerebro, e passem a pensar um pouco melhor, estudar um pouco mais, ao inves de aceitar as informacoes mastigadas…

    • Lara Forte:

      É obvio que os homoafetivos estão mais suscetíveis às ideias suicídas, devido ao tratamento de ódio que sofrem na sociedade, nas escolas e nos ambientes de trabalho. É uma resposta óbvia, tão óbvia quanto a alta taxa de suicídio entre garotas que tem fotos ou vídeos eróticos publicados na internet sem autorização. O ódio é a causa desses suicídios, não a homoafetividade

  • gargwlas:

    depois de tantos comentários (que ja lotou minha caixa de email com alertas de resposta)

    e tantos defendendo a causa homossexual, fica uma pergunta:

    será que todos que defedem são homessexuais ou somente simpatizantes da causa?

    • Lulu:

      Não acho que eu tenha que responder mas para sanar a sua curiosidade:
      Eu não sou homosexual, não tenho nenhuma tendência ou intenção de ser, e não tenho absolutamente nada contra quem tenha essa opção para a sua vida e nem acho que devo me preocupar ou julgar a vida alheia por fazerem escolhas diferentes de minha.

  • Fist of God:

    Vou entrar numa área meio controversa, mas que seja: biologicamente falando, não é natural (como vários comentários afirmam) uma pessoa gostar do mesmo sexo (não vou nem entrar na questão de que várias espécies de animais apresentam comportamento homossexual, pois não sabemos o que eles “pensam” e quais os motivos e vantagens nesta relação).
    Existem estudos – com dezenas de milhares de casos – que comprovam que, além da homossexualidade, vários outros comportamentos e até mesmo doenças (notem que não disse – e não acho – que homossexualidade é doença) mentais ou físicas, exceto as causadas por patógenos externos, que têm sua origem em traumas ou mesmo situações mal interpretadas pelo inconsciente durante a concepção, a gestação e a primeira infância. Elas geram o que os psiquiatras que trabalham com esta corrente de pesquisa e tratamento, chamam de “frases registro negativas” as quais agem de forma psicossomática. É um tema difícil até de explicar, mas pra quem quiser se inteirar mais, sugiro o site: http://www.fundasinum.org.br. Nele, não vai dizer nada sobre o homossexualismo ou outros casos em particular, mas lendo os livros sugeridos dá pra conhecer mais profundamente o tratamento. Minha esposa já fez (não foi pra homossexualidade) e por isso recomendo pelo menos conhecer.

    • Rômulo:

      Vemos que você possui um conhecimento interessante sobre o assunto.

      Compartilho de algumas idéias contigo. Veja:
      https://hypescience.com/novo-estudo-sugere-que-as-pessoas-ja-nascem-gays/comment-page-1/#comment-174839

    • Lara Forte:

      Claro que existem diversas patologias sexuais, embora eu não ache que homossex seja uma delas, o ponto é que não é de competência de mais ninguém determinar o que adultos fazem de forma consensual.

      Seguindo esse raciocínio das patologias, casais héteros praticantes de sadomasoquismo, bondage, sodomia e tantas outras patologias sexuais deveriam ter seus direitos civis cerceados, não podendo constituir família. Na minha opinião pessoal, um homoafetivo educaria melhor que um sádico sexual…

  • Chico Lobo:

    – Explosão demografica

    – Crescente número de crianças abandonadas

    Só esses dois iténs já justificam o casamento gay e a adoção de crianças por esses casais.

    Mas o Papa diz que não – casamento gay é “pecado”

    Pois aguardem o tempo passar e vejam no que vai dar o aumento da população e das crianças abandonadas

    Diante da desgraceira demográfica do planeta e da miséria que se alastrando, prefiro mil vezes ver a explosão dos casamentos gay adotando crianças.

    Alias, a cada gay no mundo, me sobram 3 mulheres para mim heheheeh.. (pensem nessa matemática)

    • Ricardo Figueiredo:

      Não precisa ser gay e nem casado para adotar uma criança, a abertura do coração para adoção é algo necessário para qualquer ser humano, portanto, é errado vincular a aprovação do casamento gay com as adoções.

    • Jose Carlos De Lima Carvalho:

      Chico,
      Já enviei meu primeiro manifesto quanto ao tema “ADOÇÃO DE CRIANÇAS”. Está acima na resposta que enviei à Lorena.
      Não posso deixar de expressar a impropriedade com que vem sendo usada a palavra “preconceito”. Devo lembrar, Chico, que seguindo essa trajetória muito em breve criminosos pertinazes e criaturas das trevas se posicionarão como vítimas de preconceito e perseguição por não encontrarem viabilidade de manifestarem livremente suas torpezas.
      Muitos acreditam que modernidade é caminhar de traz-pra-frente, usar drogas como uma religião futurista e realizar todo o tipo de esquisitices e futilidades justificando uma personalidade elástica. Surrealismo fica muito bem nos limites da moldura e confinada às galerias onde só o uso de drogas pesadas vêm aquilo como arte. Aquí fora, no mundo real, não vale como diretriz para nada. Estupidez imaginar que a solução para crianças de orfanato ou abandonadas nas ruas seria um casal gay. Como alguém pode se credenciar, a não ser por fraude, como mãe ou pai ideais para estas crianças sendo que não são o que pensam que são. ninguém é nada simplesmente porque pensa que é.
      Já há desajustes suficientes em famílias de formação tradicional. Onde está o equilíbrio que avalia um casal gay como a família ideal?
      Os gays são capazes do desdobramento metafísico de se tornarem mães por osmose? Por pensamento? por achismo?
      O futuro é imenso abismo. Futuro esse que pode ser de 30anos ou 3seg. Mas você precisa de um descarrilamento para ver no que vai dar?
      Sustento a tese de que é perfeitamente possível haver mais de um dedo no gatilho que estoura os miolos do suicida. Há os indutores, os indiferente, os inimigos, etc. Os que apoiam esse disparate também são igualmente responsabilizados pelos erros cometido na vida alheia. A pena de morte pode partir de um grito ou de um voto num papelzinho amassado. Pense nisso. Não dou a mínima para o que o GRÃO-MESTRE dos Templarios e ex soldado da wermachtt pensa sobre os gays se casando, mas adotar crianças, isso é outra coisa. Somente pessoas tão-tanta-coisa podem imaginar um útero cerebral. TODOS SÃO RESPONSÁVEIS POR QUILO QUE CATIVAM.

  • Evaldo:

    Epoca de sodoma e gomorra, ou melhor seria como na epoca de Noé. Quem lê entenda.

    • Chico Lobo:

      qual é o problema?

      acho que o problema maior é o conservadorismo injustificável trazida por esse livro de fábulas que voce chama de biblia “sagrada”

      sagrada para o rabo dos sacerdotes.

    • Ricardo Figueiredo:

      Chico

      Parabéns por mostrar toda sua capacidade civilizada de dialogar e respeitar quem pensa diferente de você.
      Sou contra toda violência verbal ou física aos gays, mas também sou contra a vitimização que lhes dá o direito de ofender e se puderem calar a força quem pensa diferente da sua forma de viver.
      Exemplos:
      Lésbicas ameaçam invadir a catedral na argentina:
      http://www.youtube.com/watch?v=2o4fOW-snm4

      Gays invadem capela e catedral:
      http://blog.opovo.com.br/ancoradouro/repudio-gays-invadem-capela-e-catedral/

      Gays invadem missa na holanda:
      http://www.youtube.com/watch?v=zoZdGD2-J7I

      Drags invadem missa em São Francisco:
      http://www.youtube.com/watch?v=x_FDl1XX7js&feature=player_embedded

      Concurso Jesus gay em São Francisco:
      http://www.youtube.com/watch?v=XKUQI9RAD60

      A cada dia, e em vários lugares do mundo, o lobby gay mostra o “respeito” que tem por aquilo que é considerado sagrado por outros.

    • Ana Portela:

      Chico,

      Quando alguém comete homofobia, insultando, ofendendo e humilhando um homossexual, pode, com toda a razão ser processado. Mas que fazer quando alguém refere-se ao livro sagrado dos cristãos de maneira tão ofensiva e aviltante quanto a que o senhor acaba de fazer? Não teriam os cristãos direito a igual respeito? Mesmo daqueles que consideram a Bíblia uma reunião de fábulas? Eu por exemplo, não apoio o homossexualismo, mas jamais ousaria ofender o movimnto homossexual da maneira como você fez aqui com a Bíblia. Só para o senhor ter uma idéia, dia desses um amigo meu hmossexual apanhou pra valer, e eu vou até testemunhar a favor dele. Não tolero ofensas contra quem quer que seja.

      Espero uma retratação sua. De qualquer forma já copiei seu comentário e vou enviar uma copia à Sociedade Bíblica Brasileira, e a algumas Entidades Cristãs, Pró-Vida no Brasil e no Exterior. Vejamos no que vai dar. Direitos iguais a todos os cidadãos!

      Atenciosamente.

    • Josmar:

      Não sou homofóbico. Apenas os tolero, além de não sou a favor de casamento gay, muito menos de que eles adotem crianças. A adoção de crianças por homossexuais iria influencia-las ao homossexualismo e as tornaria vítimas de preconceito na escola ou na rua. O fato de se tolerar esse tipo de opção não siguinifica que isso seja uma coisa natural que lhes dá direito de impor a sociedade o contrário. Imaginem na escola um coleguinha perguntando para um outro que é adotado por Gays: Como se chama o seu pai? E a sua mãe? Com toda a certeza essa pobre criança ficaria constrangida, independente do casal ser de homens ou de mulheres! Sem falar que haveria uma grande possibilidade dela se tornar um homossexual, por acreditar que o convívio de seus pais adotivos seja uma coisa natural. Ou seja a cabecinha delas seria completamente confundida.

    • Josmar:

      Retificando: Apenas os tolero, além de não ser a favor…

    • Thiago:

      Você realmente leu o artigo “https://hypescience.com/porque-os-casais-homossexuais-podem-ser-os-melhores-pais/”? O que o leva a pensar que pais homossexuais influenciam seus filhos a serem homossexuais? Gostaria que mostrasse algumas evidências… Ao que entendi pelo artigo além da criança não ser influenciada ela cresce com a mente mais aberta e não mais confusa!

    • Rodrigo:

      se vc acha que filhos de homossexuais se tornam homossexuais… vc tbm deve achar que filho de drogado é drogado, filho de ladrao é ladrao, filho de alcoolatra é alcoolatra…

      entao nenhum homossexual jamais teria surgido no mundo pq a crianca nasceu de uma relacao entre homem e mulher!

      vc é pai? tem qnts filhos? criou todos de forma igual?
      quantos deles sao iguais a vc e dividem a mesma opiniao q a sua?
      a mente humana nao eh tao simples assim!

    • lorenna:

      Se o convívio com os pais influenciassem na minha orientação sexual, eu não seria gay, e assim como meus viveria uma relação hetero por influencia da maioria da pessoas em meu convívio social.

    • gargwlas:

      diluvio.. entendido.. hehe

    • Lara Forte:

      Se você segue o Antigo Testamento, sem dúvida não concorda com a concessão de direitos aos gays. Mas se é Cristão, lembre que o ensinamento maior foi de amor, empatia e aceitação.

  • Fernando:

    Pode ser bom e pode ser ruim, dependendo de cada caracter do casal homosexual.
    Agora, fala serio! Uma criancinha vendo dois machos se beijarem na frente e muito feio.

    • Rodrigo:

      esses conceitos do que é feio, bonito… normal, aceitável é mt relativo! sao coisas que introjetamos a partir de nossa vivencia na sociedade! exemplo… no Brasil, matar é crime! nos países islamicos, matar em nome do messias é passagem de ida para o paraíso! e pra eles é normal!
      se uma criança cresce numa lar com dois pais, ela acha normal a troca de carinho entre eles! nao ve isso como algo feio!

    • Ricardo Figueiredo:

      Rodrigo

      O islamismo NÃO acredita em messias, este é um elemento judaico-cristão.

      Ainda que os muçulmanos matem por motivos religiosos, isso NÃO está certo, e não serve de exemplo para que cada um faça o que acha certo e bonito e pronto. Existem coisas que não são determinadas por opiniões ou culturas, isso é relativismo.

      Quanto a casais gays estáveis criando orfãos, é claro que é um mal menor do que as crianças ficarem abandonadas. Mas não há comparação com crianças criadas por famílias estáveis.

      Exemplo: Menino de 8 anos criado por casal de lésbicas inicia tratamento para mudar de sexo.

      http://virgula.uol.com.br/ver/noticia/inacreditavel/2011/09/30/285355-menino-inicia-tratamento-de-mudanca-de-sexo-aos-8-anos

  • ARTEMILDO GUEDES FERREIRA:

    DEVE SER PORQUE ENSINA OS FILHOS A SEREM IGUAIS A ELES!!! SÓ QUEM É IDIOTA MESMO ENTRA NESSA.

    • Lara Forte:

      A maioria dos gays foram criados por pais heteros, e ai?

  • Ricardo Figueiredo:

    1- no seu pronunciamento o Papa sequer citou a palavra “gay”, mas as políticas contrárias a família. A notícia foi destorcida por um reporter sensacionalista, o blog deveria ser mais comprometido com a verdade.

    2- Esta pesquisa compara pais heterossexuais acidentais com casais homossexuais estáveis, mas existe um terceiro tipo que nem é citado: Pais heterossexuais que se amam, deram a vida um pelo outro e transbordam esse amor em filhos gerados tanto em seus corações como em sua própria carne. Pais adolescentes hiper-erotizados, que engravidaram de um desconhecido em um baile funk não são a melhor referência de pais heterossexuais.

    3- Sou pai de 3 filhos, não sou o pai perfeito, mas me sinto profundamente ofendido com a mera insinuação de que meus filhos seriam melhor criados por casais gays do que em uma família com referencial bem definido de homem e mulher, é desonesto como o modelo de família cristã é cada vez mais tratado como impossível, essa sim defendida pelo Papa, a cada geração são menos os filhos que vivenciaram um ambiente assim e é esse o ataque a sociedade que o Papa se refere.

    4- Seguindo a premissa desta pesquisa, o que casais hetero deveriam fazer é serem mera barrigas de aluguel dos gays, já que a relação gay é estéril, como já foi dito a natureza fez errado nesses bilhões de anos e a nova tendência vem corrigí-la, seria cômico se não fosse trágico.

    • Bovidino:

      Ricardo,
      Compreendo a sua justa indignação. Não se poderia esperar outra coisa de um católico cioso dos valores que a igreja católica implantou e fez valer à força durante alguns séculos. Entretanto é necessário perceber a mudança brutal que verificamos nos últimos cem anos. Há muito tempo, o modêlo de família padrão traçado pela igreja católica perdeu completamente a sua originalidade e a sua função. A mulher não é mais a ‘rainha do lar’ e o homem não é necessariamente o provedor. O casamento até que a morte os separe já é uma raridade, pois a separação é que se tornou a regra. A mulher invadiu o mercado de trabalho até então reservado aos homens e via de regra o casal precisa trabalhar fora para sustentar os gastos da vida moderna. Como ficou então a educação dos filhos? Novas formas foram aparentemente substituindo a educação que antes era responsabilidade dos pais. A babá, a creche, a escola, a Febem, a rua, a televisão, o video-game. Qual foi o resultado disso? Acho que todos sabemos.
      Portanto, o novo modêlo que está sendo sugerido, pode até ser uma solução a ser considerada.

    • JHR:

      Por que sempre colocar a religião em meio a discusões estéreis como esta? É por acaso vetado ao homem comum poder ser guiado por sua própria razão e opinião?

    • Ricardo Figueiredo:

      Bovidino

      Não existem só dois extremos, ou famílias patriarcais onde só o homem trabalha, ou famílias onde os dois trabalhas e os filhos ficam a deriva. Ao ser humano é dado a liberdade da escolha em se adequar aos tempos modernos sem perder o que há de bom na tradição familiar. Não posso acreditar que o futuro seja feito de uma inevitável “evolução” do padrão familiar onde os filhos de casais hetero sejam acidentes, incapazes de receber amor, atenção e educação em detrimento do progresso profissional e financeiro dos pais.

    • Rômulo:

      Bovidino.

      Gosto do seu modo de pensar e sabemos que teu conhecimento é bem amplo.Mas neste caso em particular, discordo da sua conclusão.

      Você mesmo traçou com excelência as mudanças da vida moderna (e consequentes escapes) e veja que excelente reflexão nos deixaste: “Qual foi o resultado disso?”.

      É óbvio que nossa sociedade esta uma grande m****!

      E antes que se produza fosfato para criticar os religiosos, antevenho com a informação que não foram as premissas cristãs que conduziram ao cenário atual. Mas justamente a NÃO-observação destas premissas pelos próprios SUPOSTOS cristãos.

      A Bíblia, quando se refere a família, é bem clara. O homem deve amar sua esposa como Cristo amou a Igreja; e a mulher deve amar seu esposo como nós deveríamos amar a Deus. Se tais premissas fossem cumpridas, nossos filhos não teriam problemas de perpetuar este caminho e não viriam a ser pais omissos e opressores de suas esposas, bem como nossas filhas não viriam a ser esposas manipulativas e descontroladas.

    • Bovidino:

      Rômulo,
      (A Bíblia, quando se refere a família, é bem clara. O homem deve amar sua esposa como Cristo amou a Igreja; e a mulher deve amar seu esposo como nós deveríamos amar a Deus.)
      Desculpe a minha ignorância, mas onde está isso na Bíblia? Quem disse ou escreveu isso?

    • foryeshua:

      É assim que os cristãos a interpretam.

    • Rodrigo:

      Ricardo

      E se um de seus filhos criados nesse lar transbordando amor entre homem e mulher se assumir gay?

      Você vai encara-lo(a) como aberração, doente?
      E no dia que esse mesmo filho(a) disser que quer ser pai/mãe… você vai ser contra?

    • Ricardo:

      Rodrigo

      Amar não significa concordar e ser conivente com tudo que a pessoa faça. Mesmo que meu filho se tornasse um “serial killer” eu o amaria, mas odiaria a prática que o tornasse um criminoso e por amá-lo ensinaria-o a colher os frutos de suas escolhas.

      O relacionamento gay é intrinsecamente estéril, dois orgãos genitais femininos ou dois masculinos não podem se complementar e deixam de ser “genitatis” (genesis, origem) o relacionamento é apenas por prazer carnal.

      Criar um filho em um lar cheio de amor não é a fórmula mágica para que eles sejam perfeitos, pois eles escolherão por eles mesmos seus caminhos a medida que forem crescendo, mas repito, nenhum pai que ama seu filho de verdade aceita aquilo que fere sua identidade, sua dignidade, seu corpo e suas emoções como o homossexualismo faz.

      E não me diga que não há escolha, sempre podemos escolher nos abandonar a nossos impulsos e tendências, alimentando o monstro em nós, ou educar nossos afetos, educar o autocontrole, e viver com dignidade.

    • Samuel Neves Macedo:

      Não sei qual a preocupação de pais gays com seus filhos, mas a maioria dos héteros é que o filho não seja um drogado ou homossexual.

  • Antonio:

    O mundo tem que passar por uma GRANDE transformacao, que estah comecando !!! Vao ser deitados por terra “Os rotulos”!!! Nao existem gays !!! DEUS os fez homens e mulheres !!! Como vc usa o seu sexo, nao Importa !!! Quem nasce homem vai ser sempre homem !!! Quem nasceu mulher, vai ser sempre mulher !!! Agora vc pode fazer o seu sexo com um igual, sem que isso seja nenhum “bicho de 7 cabecas” !!!Eh natural !!! A sociedade adora botar rotulo em tudo !!! Rotulo soh para remedio !!! Em tudo na vida vc pode gostar disto e daquilo, por que que soh quando chega no sexo, “soh pode” uma coisa ??? Pensem , e abram as vossas mentes !!! Vao precisar !!!

  • Reynaldo Andrade:

    A desconformidade com a lei de Deus, terá seu veredito no juizo final.

    • Jonatas:

      Juízo final, como falam nisso.

      Vamos supor que seja verdade, que eu acredite que deus venha pessoalmente com sua tropa de anjos, leve pro paraíso todos os católicos e destrua todo o resto.

      Leve um recado pessoal meu pra ele, por favor (já que eu certamente vou direto pro andar debaixo):

      Diga que com todas as catástrofes, furacões e terremotos, fomos solidários internacionalmente e reconstruímos nossas cidades.
      Diga que fizemos coisas horríveis, mas pagamos seu preço em suas consequências físicas ou mesmo na consciência. Aprendemos com isso.

      Diga que não podemos caminhar sobre as águas, mas mesmo assim conquistamos os mares.
      Diga que não temos asas, mas mesmo assim conquistamos os céus.
      Diga que dependemos da Terra, mas mesmo assim viajamos no espaço.
      Diga que quando fazemos ciência, não estamos tentando provar que deus não existe, estamos apenas tentando entender a existência.
      Diga que quando aceitamos os homossexuais, não estamos indo contra a vontade de deus e nem da igreja, mas estamos aceitando o que vem da natureza.

      Diga que em todas as dificuldades que nos enviou, não aumentamos nossa fé nele, mas nos tornamos mais fortes, mais solidários e mais humildes.

      Ele, sendo superpoderoso onipotente, certamente pode nos destruir. Mas diga a ele que estará destruindo sua maior obra, porque tudo que somos e fazemos é reflexo dele mesmo. Se nos criou a sua imagem e semelhança, estará dando murros num espelho, destruindo a si mesmo.

    • Rômulo:

      Deus sabe de tudo isso Jonatas.
      E acho que concorda com você, especialmente quanto aos homossexuais. Ele os ama como ama a qualquer outro, seu amor não é aceptivo. Mas Ele os avisa que suas práticas podem destruir a eles mesmos.

    • Ricardo Figueiredo:

      Jonatas, ao homem foi dada a liberdade, a vontade e a rasão para realizar atos inimagináveis, mas infelizmente nem todos os atos do homem honram a sabedoria que receberam. Tantas vezes o homem usou seus talentos em obras que propagaram a destruição e a morte. Ainda assim, Deus não é o carrasco da humanidade, não vem de suas mãos os frutos que estamos colhendo e que colheremos de nossas escolhas. A humanidade como um todo, e cada um de nós de forma individual, escolhe o que vai plantar, mas todos teremos que colher os frutos do que plantamos.

    • Fernando:

      Falou tudo! Well done!

    • Jonatas:

      Sabedoria não se recebe, nem de deus nem do homem. Sabedoria se constrói, quando se conquista conhecimento e o aplica com inteligência, ninguém nasce sábio, apenas com potencial maior ou menor pra tornar-se um.

    • Ricardo:

      Jonatas

      Sabedoria se constrói, mas edificamos sobre a herança que recebemos. Se simplesmente ignoramos o patrimônio moral e cultural milenar e quisermos criar um mundinho novo baseado em nossa própria razão a coisa tende a não dar certo. O comunismo tentou criar um mundo perfeito sem Deus, sem família, sem classes, mas o que na verdade aconteceu foi a repressão a liberdade, os maiores genocídios da história, o culto aos ditadores. Meu caro amigo, cito Dostoiévski: “Se Deus não existe, tudo é permitido”. Não há freio moral para uma sociedade que acredita que o certo e o errado são subjetivos.

    • Lulu:

      Quem sabe não foi o seu Deus, em quem tanto acredita, que não criou isso tudo?
      Se bastasse ser heterossexual para sermos perfeitos, amorosos e ‘valorosos’ essas crianças não estariam sendo abandonadas, rejeitadas, vivendo á míngua, sob um risco iminente de desenvolver um trauma muito maior do que se forem compartilhar o lar com um casal homoafetivo. De repente a Febem ofereça um futuro mais digno e próspero, não é?
      Por que em vez de pensar na “imoralidade” de ter uma família de constituição diferente não ´possível ver o lado positivo e acreditar que seja uma 2ª oportunidade para que essa criança possa construir o futuro dela, em uma família que a deseje e tenha condições de criá-la? Afinal, não é o mesmo Deus o que ‘escreve certo por linhas tortas’?
      A adoção envolve muito mais do que rótulos e estigmas, exige-se que haja no mínimo amor, disposição e comprometimento para fazê-lo, independente de onde venha e de quem queira oferecer.
      Eu sou mulher, heterossexual, quase 30 anos e não me sinto nenhum pouco habilitada ou disposta a ter ou criar filhos em minha casa, e não penso nisso para nenhum momento da minha vida.

    • Josmar:

      Acredito que o controle da natalidade, seria a melhor solução, para evitar que crianças sejam abandonadas nas ruas e se tornem malditos bandidos que muitas das vezes, acabam na FEBEM de onde saem pós-graduados. Justamente as pessoas sem condições financeiras e sem cultura são quem colocam no mundo de miséria e pobreza essas pobres crianças que não pediram para nascer. Além disso, não existem apenas homossexuais interessados em adotar uma criança e sim milhares de casais normais que são mais adequados para a formação do caráter, da cultura e do perfeito equilíbrio emocional das mesmas.

    • Chico Lobo:

      Juizo final? – isso é seu dogma, pode não ser o modo de ver de muitas outras pessoas

    • foryeshua:

      Chico.

      Mas, embora tu consideres um dogma, ele pode estar certo… ou não?

      Ou o que você pensa é que está certo? Se assim for, tu, que acusas o outro, trata as idéias alheias a priori pelas tuas e, portanto, és dogmático da mesma forma.

  • Mari:

    “- Casamento gay ameaça o futuro da humanidade, segundo o Papa”

    Desculpa ae, seu Papa. Discordo. O que tá ameaçando o futuro da humanidade é a própria humanidade. O peso de cada ser humando para o planeta e para todos os seres vivos que nele habitam está além de sua capacidade de suporte. Vejo no casamento e adoção gay um interessante meio de ajudar nosso planeta sobrecarregado de gente. A incapacidade biológica de gerar filhos é um alívio para o planeta, logo, para a própria humanidade.

    Papa fail.

  • Edmar:

    Só porque o inferno tá dando certo eu não vou ser a favor.
    Quantas vezes um bandido vai ser simpático comigo para que eu tenha apreço por ele? Sai fora meu.
    Fui.

  • JHR:

    Mais uma vez a ciência derruba um mito da natureza! Por milhares de anos a espécie humana criou sua prole equivocadamente no seio de uma fámilia constituida de pai e mãe. Agora vemos que, através deste maravilhoso estudo, e com dados e amostragem bastante reduzida, que casais gays são genetica,moral, intelectual,financeira e por fim caridosamente melhores que uma casal hetero!
    O fato da minha impossibilidade de virar gay, me deixa preocupado quanto ao futuro de meus filhos menores…devos encaminha-los para adoção???

    • Jonatas:

      Só tu entendestes dessa forma. A reportagem apenas disse que pais homossexuais “podem” ser melhores, não disse que “são”. E em vista de famílias de forma tradicional que abandonam ou maltratam seus filhos, não há nada de estranho no assunto em pauta, podem ser sim. Se gays existem, fazem parte da natureza sim. Só não fazem perto dessa utopia preceituosa que as religiões ainda tentam impôr à humanidade.

    • JHR:

      Caro
      Até muito pouco tempo atrás o homosexual era matéria prima para programas de humor chulo que divertiam a mediocridade em geral. E só. Raramente viamos dois machos aos beijos em praças e shoppings.
      Mas de um tempo para cá a mídia vem bombardeando a manada através da exaltação do gay life. Novelas, filmes, revistas e tantas outras ferramentas de alienação estão moldando o comportamento da nova geração ( alguns da antiga ). Ser gay é moderno, politicamente correto, simbolo de sucesso e sofisticação…Mas a quem interessa tudo isso?? Seria a evolução de nossa sociedade ou haveria algo a mais???
      Nossa época é marcada pelo consumismo desenfreado..novos mercados precisam ser segmentados…e onde enfiar todas as futilidades que produzem??? Um exemplo, criando uma geração de androginos…

    • Jonatas:

      Não, acho que não. Olhei a tal novela da globo mas não vi nenhuma ênfase em homossexualismo. O personagem gay, um mordomo geralmente engraçado, é também sentimental e foi vítima de agressão nas ruas. Não percebi nenhuma apologia forçada, só mostra a realidade. E na história geral seu destaque não é maior do que o dos outros personagens. Gostei do velho barbudo pescador e trambiqueiro, deve ser o mais divertido da novela. Mas o resto da trama é repetitivo e entediante, sinceramente eu não olharia de novo.

  • drew:

    isso é tão relativo,tem pais gays que são melhores que pais heterossexuais e vice-versa.Só não tem um melhor que o meu hehehe.

  • Auron:

    O que temos visto é uma nova visão de mundo que a sociedade tenta nos enfiar goela abaixo. Novos padrões de conduta moral.
    Onde grupos que detêm o poder econômico e influência perante os demais tentam calar a voz da maioria, impondo suas preferências (não me refiro somente às sexuais).
    Esses mesmos grupos que são a favor dessa nova ordem gritam aos 4 ventos que a familia é uma instituição falida e que somente o casamento gay ou até mesmo o casamento aberto, pode salvar a sociedade. Mas isso não tem tornado a sociedade melhor.
    Cada vez mais temos visto a sociedade se perdendo na intolerância, no orgulho (não me refiro somente ao orgulho gay), intolerância tanto dos gays contra os heteros que não concordam ou vice-versa, etc… A lista de observações seria infinita…

  • Alexandre Söldann:

    Pronto. Agora, já sei: vou deixar aos cuidados de dois gays a educação de meus filhos, pois assim terei certeza de que eles serão homens/mulheres de verdade. Que tal todos fazermos isso? Segundo as pesquisas, nós – os héteros – somos monstros e influenciaremos pessimamente nossos filhos.

    Palhaçada! Hipocrisia miserável!

    Pelos Deuses! Por que diabos os gays querem tanto impor seu estilo de vida? Por que têm tanta necessidade de viverem segundo os cânones da família tradicional se eles mesmos romperam com ela?

    Analisemos:”essas crianças podem ter a vantagem de possuir uma mente mais aberta, tolerante e modelos de comportamento para relações igualitárias, de acordo com outros estudos”.

    Tradução: essas crianças sofrerão uma lavagem cerebral tal que o seu pensamento politicamente correto será o mais consolidado possível, adequando-se perfeitamente à Ditadura do Pensamento Único, o que nos propiciará robôs lobotomizados que repetirão e defenderão até com a própria vida nossas ideologias.

    Sabe, eu realmente quero saber: por que se quer tanto que nossas crianças se tornem esses malditos robôs? Pergunta persuasiva: porque eles são o futuro, é isso que se quer para o futuro da humanidade.

    Não se fala no texto que os grupos gays estão apoiando movimentos pró-pedofilia, de modo que estes passem a não mais serem vistos com “preconceito”, uma vez que se quer eliminar o conceito de que “não é possível que uma criança/adolescente não se sinta atraído por um adulto” e transmutar o termo pedofilia para “sexo inter-geracional”.

    Isso é tudo muito doentio. Até me faz sentir raiva e náuseas de tamanha insensatez e arrogância. Se me fosse permitido dizer palavrões aqui, sem dúvida, já o teria feito.

  • Cesar:

    Interessante notar algumas coisas:

    1. pais homossexuais escolhem ser pais.

    2. pais homossexuais adotam crianças que dificilmente são adotadas por pais heterossexuais.

    3. o problema é sempre causado por outros: o estado com sua leis, as autoridades, a sociedade homofóbica.

    A minha sugestão ao Papa é de que trate de dar um lar (com pai e mãe) a todas as crianças que estão em orfanatos. Pais homossexuais encontram crianças para adoção por que os cristãos não amam o próximo a ponto de adotarem crianças e esvaziarem os orfanatos. Mas o Papa parece preferir que as crianças cresçam sem pai nem mãe do que que tenham pais homossexuais… Ele parece pensar que um orfanato é melhor que um lar com pais amorosos.

    • gargwlas:

      voce é amoroso o bastante para ter uma criança adotada em sua familia?

    • Cesar:

      Amoroso sou, não tenho condições financeiras. E você?

    • gargwlas:

      nem uma coisa e nem outra.. digo isso com extrema convicção…

      mas nao coloque questões de afeto sendo que na maioria das vezes a questão é outra (monetária)…

    • Erick Cortez:

      Minha irmã é adotada

    • Bovidino:

      Essa é a coisa mais coerente e mais justa que já ouvi de você.
      Parabéns.

    • Rômulo:

      Concordo com você, Jonatas.

      Muitos que se professam cristãos não cumprem com o mandamento real de amar.

    • Rômulo:

      Perdão, Cesar.

  • Jonatas:

    Eu tenho preconceito e reconheço, tenho dificuldade em aceitar como família um casal homossexual com filhos adotados, porque me acostumei com a imagem de um pai pra mostrar o que é ser um homem e uma mãe pra mostrar o que é ser uma mulher, é essencial e básico a formação de uma pessoa.
    Mas quero deixar o bom senso falar mais alto que o meu preconceito, a pesquisa mostra o contrário do meu pensamento fundamentado, desde que o casal gay sejam pessoas responsáveis que além de darem uma bom ambiente à criança, não procurarão influenciar a sua opção sexual, pelo contrário, é muito mais comum um pai hétero não aceitar um filho homo do que um pai gay não aceitar um filho hétero. Vamos pensar na criança, ela enfrentará preconceito na sociedade de hoje, sim, mas terá mais chance de não ser um indigente sem lar. Ela crescerá sabendo aceitar as diferenças, pois esse é o ensinamento que os pais gays lhe passariam, e o caminho seria um encurtamento na formação de uma sociedade mais justa em aceitação de diferenças.

    Bom, por isso, eu sou a favor de permitir a união homossexual e a adoção por parte dos mesmos.

    • Marcelino:

      Pelo que sei, pelo menos até hoje, a homossexualidade não é opção.

      Trata-se, segundo alguns, de fato da natureza.

      Pois, então, sou hetero, tal como minha esposa, mas tenho um filho, ainda bebê, que pode um dia assumir-se gay…

      Será preciso sentir a pimenta nos próprios olhos, para concluir que a homofobia é algo abominável?

  • carlos manuel da silva simoes:

    Oi pessoal, o que para aí vai, vejemos tudo isto pelo lado positivo, se as crianças não forem adoptadas, seja por A ou B,
    não importa o conceito se é ou não homosexual ou bi ou hetério, como disse, se as crianças não forem adoptadas, mais cedo ou mais tarde, acabam na rua se prestituindo, roubando, ou ainda pior, constituirem gangs, para o pior do que mais de imaginário possamos ter.
    Vamos aceitar quem adopta, independentemente da tendencia sexual que seja, desde que se dê uma educação para o futuro de essa criança, de preferencia futurista para o bem, venha de lá essa adopção. Vamos em frente, porque já se faz tarde.

  • gargwlas:

    “…o Papa Bento XVI disse que o casamento gay é uma “ameaça ao futuro da humanidade”…

    e logo abaixo tem um MAS…

    só que seguinte.. enquanto houver crianças para serem adotadas (fruto de uma relação heterossexual) blz, não teremos problemas com o futuro da especie.

    Mas o que o Papa se refere tem algum fundamento, pensem daqui 300 anos (quem sabe muito menos) a população seja digamos, 40% gay… ja correriamos risco sim..

    ele esta pensando a longo prazo e na massificação de homossexuais

    • Bovidino:

      Não é isso que o ‘papa’ está pensando. Ele está só defendendo uma posição dogmática da igreja católica. Certamente o percentual de gays nunca será um risco para o futuro da espécie. Mesmo que hipotéticamente fosse, a ciência já tem condições de clonar os seres humanos.
      Em último caso, se essa espécie (humanos) desaparecesse do planeta, seria uma benção.

    • gargwlas:

      bom o papa poderia ter colocado de uma forma dogmatica como vc mesmo disse….

      mas ele nao o fez… ele colocou a coisa biologicamente falando…

      nesse ponto de vista esta certo….

      é um medo de uma classe vire cultura futuramente…

      agora se esta certo ou errado só tempo dirá…

      uma benção a humanidade acabar? nem vou comentar…

    • Alien XP:

      Cara, pense o seguinte, mesmo que 100% da humanidade fosse gay, ainda teríamos a inseminação artificial para garantir a perpetuação da Raça Humana.

    • Carlos Wendel:

      Meu amigo, não sofremos risco de extinção, somos a raça dominante, se for pra humanidade acabar, não vai ser por excesso de homossexuais, que sempre foram uma parcela menor da população, não é algo contagioso nem cultural, a pessoa nasce e cresce assim, não escolhe ser.

      Se for pra humanidade acabar, é muito mais provável que seja por excesso de ganância de quem controla as massas e o consumismo exacerbado e ignorância total da realidade por parte das mesmas.

      Vivemos num mundo de aparências e de falsidade moral e estética, mas poucos conseguem notar e compreender isso.

    • Rômulo:

      Tenho muitas dúvidas que todos os gays que vejo hoje nasceram assim. Mas concordo que cresceram assim.

  • Bovidino:

    Pela primeira vez parabenizo um artigo do Hype.
    Parabéns Bernardo Staut.
    Isso é trabalho de conscientização.

  • Gerson:

    Uma coisa ficará bem interessante quando a criança perguntar um dia como foi que ela nasceu. Do ponto de vista da criança, ela olhará e verá duas figuras com o mesmo sexo, seja homem ou mulher,e aí vem a dúvida….. como nasci? Mais tarde, uma outra pergunta surgirá, normal para se fazer, é a seguinte: como fui concebido? E desta concepção, como fui nascer de dois homens ou duas mulheres? Vendo esta situação, uma confusão mental acontecerá com toda a certeza e o fim desta história não vejo como boa ou saudável, pois o normal não existe.
    Pessoal, não existe CASAMENTO homossexual, isto é um ajuntamento no sentido claro da palavra. A palavra matrimônio, ainda que seja compreendida como sinônimo de casamento, é referente exclusivamente à união entre um homem e uma mulher, uma vez que deriva de mater, matris (mãe) no latim clássico.
    As crianças de hoje ainda estão tenras para entender as consequências de atitudes insanas como estas, mas um dia elas chegarão à idade adulta e colherão os frutos podres de uma sociedade decadente que está desenrolando hoje em dia, encarando como normal uma sensualidade anormal.
    Homossexualismo não é opção, doença ou a pessoa nasceu com esta idéia, mas é um desvio de caráter e de conduta.

    • Auron:

      Muito boa observação

    • Who:

      Ué, vai dizer que não existe crianças que sabem que são adotadas, ou mesmo se manterem a história da cegonha no futuro é óbvio que ela vai saber, e certo, no sentido da palavra não existe casamento gay, mas pode-se simplesmente inventar outra palavra. E sobre a adoção de crianças, existe sim uma vantagem que é melhor que de pais héteros, que é a mente aberta e aceitação a coisas alternativas como igual. O que não deveria existir é a discriminação por opções sexuais dos OUTROS que não têm nada haver com você.

    • Rômulo:

      Gerson.

      Imagino que os pais irão contar que não são os pais biológicos.

      Acho que a questão da concepção vai ser resolvida nas primeiras aulas de ciências, como qualquer criança que acredita que é a cegonha que traz ou o papai que bota uma sementinha na barriga da mãe.

      Concordo com a nomenclatura. Não existe casal ou casamento gay, mas existe dupla ou par gay e união gay. Pois por casal, entedemos macho e fêmea. E matrimônio, já explicaste.

      Também acredito que teremos problemas no futuro. Mas gostaria crer que não.

    • Lulu:

      Muito mais fácil do que explicar o porquê de um pai ter fugido, abandonado ou nunca assumido a criança; ou porque o papai espanca a mamãe (ou a própria criança); porquê a mamãe está gravida de novo, sendo que tem mais 9 irmãozinhos em casa, cada um de um pai diferente e todos passando fome; porque a mamãe ou o papai se drogam ou chegam alcolizados em casa com comportamento agressivo…

      Ou seja, existem questões muitos mais difíceis e delicadas de responder do que essa…

    • Rômulo:

      Certíssimo, Lulu.

  • Walter, o Cavaleiro de Cristo:

    Com toda a certeza, tal estudo foi promovido por algum grupo gay, pois não acredito que uma criança consiga viver num ambiente saudável, vendo dois homens penetrando o cu do outro. Além do mais, essas crianças sofrerão bullying no futuro, pois não terão mãe.

    • Cesar:

      Será mesmo, Walter? Vamos ver, então, vamos procurar algum indício de que os estudos foram deturpados pela opção sexual dos pesquisadores.

      A conclusão de que os gays adotam crianças que não são adotadas por casais heterossexuais foi feita por vários institutos (Williams Institute, Urban Institute, Evan B. Donaldson Adoption Institute), simplesmente examinando as fichas de adoção em um determinado período. Imagino que gays e heterossexuais sejam capazes de contar fichas e tabular informações delas de forma idêntica, então acho que este resultado não foi deturpado – podemos então admitir que casais gays costumam adotar crianças que são rejeitadas por casais hetero – crianças maiores de 6 anos, crianças com necessidades especiais, etc.

      A conclusão que as crianças tem o mesmo desempenho escolar que crianças adotadas por pais heterossexuais também é simples coleta de informações: tabular resultados acadêmicos e opção sexual dos pais. Talvez as entidades tenham selecionados só as crianças que se deram bem nos dois grupos, por exemplo, mas isto você não descobre olhando o resultado, e sim, examinando os dados e repetindo a pesquisa. Um viés de seleção ficaria claro se, por exemplo, o tamanho da amostra for muito pequeno, ou então se o local da amostragem for muito específico, ou coisa do tipo. Mas você não viu os dados, então não pode afirmar um viés de seleção. Outra opção é repetir o estudo. O que você também não fez.

      Minha sugestão é que você entre em uma entidade “neutra” ou “cristã”, e consiga uma verba para refazer estes estudos. A confirmação independente (independente no sentido de feita por gente não envolvida com o estudo original) é muito importante. Mas será que você faria isto? É muito mais fácil simplesmente rejeitar o estudo e ficar por isto mesmo…

    • Mithrandir:

      E se os gays tivessem os mesmos direitos e preferencias, voce, cesar, acha mesmo que eles iriam adotar as criançs ‘mais dificeis’? nao iam nao,ou seja,seria a mesma coisa.

      é muito facil falar as coisas quando nao se tem uma dfesculpa pra nao fazer algo(nao ter condicoes financeiras,por exemplo.como se todo cristão,como vc diz acima,tive condicoes e o motivo pra nao adotar fosse falta de amor)

    • Rômulo:

      Cristo para seu cavaleiro: shame on you… 🙂

    • Jonatas:

      Esse cometário teu será deletado só pelas palavras de baixo nível. Um casal hétero separa as coisas muito bem definidamente entre quarto dos pais e o das crianças, para um ambiente de respeito à infância. Porque um casal gay não faria o mesmo? Esse teu comentário é a própria marca do preconceito e da taxação, e o nome que usa pra falar o que falou chega a ser uma ofensa ao próprio significado do Cristo.

    • Jonatas:

      Um casal hétero separa as coisas muito bem definidamente entre quarto dos pais e o das crianças, para um ambiente de respeito à infância. Porque um casal gay não faria o mesmo?

    • Paulo Ricardo:

      As crianças não ficam sentadas ao lado da cama enquanto seus pais heterossexuais mantêm relações sexuais, por que então elas teriam que assistir o entrosamento homossexual? Elas não presenciariam o fato.

      E sobre a influencia na orientação sexual… Como você acha que surgem os homossexuais? Não é uma opção. Você já tem essa tendência desde o momento de seu nascimento. Casais gays só têm filhos gays assim como casais heterossexuais só tem filhos heterossexuais.

      O bullying advém de pessoas atrasadas com o mesmo pensamento que o seu.

    • Mari:

      Cadê o botão de “não curti” ?

      (resposta ao comentário cavaleiro cristão)

    • Lulu:

      Walter,
      Então se fosse assim, o índice de bullying seriam baixíssimo nas escolas, afinal, o percentual de crianças criadas por casais homoafetivos não é assim tão expressivo. Eu mesma não conheço nenhuma.
      Até onde entendo, o bullying utiliza-se de uma figura caricata, o qual se vale de qualquer característica um pouco além dos ‘padrões da normalidade’ que a criança tenha, como motivo de chacota e discriminação.
      Em menor ou maior grau, todos já foram vítimas e bullying na infância, porque crianças por si só são ‘perversas’, mesmo que inconsciente e inconsequentemente, pois nem sempre tem noção do que está causando no colega.

    • Jose Carlos De Lima Carvalho:

      Voa mais alto LULU. Quem te disse que bullying tem regras?
      E quanto aos adolescentes? Já não são mais crianças, não?
      Pensa que é só tirar as crianças dos orfanatos e das ruas e pronto, resolvido. A ditadura gay se posiciona como a solução social mais eficaz no futuro da humanidade. Isso é só o começo. Breve irão querer dessalinizar o oceano, mudar a cor do céu, enfim, redecorar o planeta. Não foi dada a estas crianças o direito de optar. Nazismo gay. Uma atitude de conveniência, isso sim. Não de amor.

  • Alessandro Menino:

    Enquanto o ser humano for capaz de ser ético sua opção sexual em nada afetará sua capacidade de ser pai ou mãe ou em outras palavras de exercer a paternidade ou a maternidade. Um religioso nunca vai entender como é possível um filho adotivo chamar a dois homens de pai ou a duas mulheres de mãe, foge aos princípios naturais. Religiosos são normóticos, defendem que as coisas devem suceder segundo uma ordem física natural. Esquecem que amor não tem sexo, assim como não tem cor, nacionalidade ou qualquer outra limitante. No entanto a julgar por uma país como o nosso, é sempre muito delicado tratar a questão, só o tempo dirá a verdade.

  • JHR:

    O balão com a palavra “Ku” na foto da matéria é uma mensagem subliminar ou algum tipo de apologia???

    • Jonatas:

      “Ku” Klux Klan (também conhecida como KKK) é o nome de várias organizações racistas dos Estados Unidos que apoiam a supremacia branca e o protestantismo (padrão conhecido também como WASP) em detrimento de outras religiões. A KKK, em seu período mais forte, foi localizada principalmente na região sul dos E.U.A., em estados como Texas e Mississipi.

      Wiki

    • JHR:

      Foi uma apenas uma piada…como esta matéria.

    • Jonatas:

      certamente, mas achei interessante procurar o significado da escrita no balão. Não sei se é essa exatamente.

    • Rômulo:

      Poderia ser merchandising de profissionais do sexo:

      “Ku” … (for)… “SALE”.

      Vixe!!

  • JHR:

    Meu comentário foi excluido após a moderação…lamentável…cadê a liberdade de expressão meus caros???
    Vão excluir de novo???

  • Rômulo:

    Sou a favor da união gay estável e todos os direitos cíveis que pertencem aos gays. Não gosto da idéia que o Estado determine nossas escolhas, muito menos que apóie ideologias de minorias. O estado deve defender o cidação com equidade.

    Acho que pais/mães homossexuais podem, sim, criar filhos adotivos. Inclusive de uma maneira superior que muitos casais. Até porque temos péssimos exemplos na história ou na atualidade.

    Mas ainda acho que nossos governantes não estão preparados para avaliar todas as condutas disciplinares tomadas por pais/mães homo. Se não estão aptos para avaliar nem a de casais, não estarão para aqueles.

    Portanto, uma política de adoção eficiente e bem acompanhada precisa ser desenvolvida em qualquer país do mundo (imaginem no Brasil). Haja vista algumas notícias perturbadoras que, apesar de sensacionalistas, podem muito bem ser verdade. Especialmente neste “mundão” que temos visto ultimamente.

    http://juliosevero.blogspot.com/2007/09/o-estado-servio-da-pedofilia-conselho.html

    • Cesar:

      O Estado é um reflexo dos indivíduos. Não é o Estado que quer se meter na vida dos indivíduos, são os indivíduos que escolhem legisladores que dão vazão à sua vontade de se meter na vida de todo mundo.

      O problema não são só as leis discriminadoras, mas os grupos discriminadores, principalmente os grupos mais próximos da família com pais gays – conselho de pais, associação de bairro, etc.

    • Bovidino:

      Não há dúvidas que o Estado é de certa forma e até certo ponto, um reflexo dos indivíduos.
      Todavia, quando o Estado se corrompe, se fortalece, se organiza e se transforma numa empresa onde o espírito de corpo (ou melhor de porco) é a norma fundamental, chegamos a um ponto crítico onde os indivíduos ficam reféns das manobras e das manipulações, não tendo mais opção, como é o nosso caso.
      Há muitos anos que não tenho notícia de um candidato que mereça o meu voto em qualquer instância, até porque qualquer político bem intencionado, será corrompido inapelável e irreversívelmente.

    • Jonatas:

      A política é tão séria que elegeu o Tiririca e o Romário. fazer o quê?

    • Lulu:

      É… cada naçao tem os políticos que melhor a representam… só faltou a mulher melão pra completar o trio…

  • Chuck Norris®:

    Eu era radicalmente contra. Mas agora vejo que é uma boa. A maioria darão uma boa educação e amor para os filhos adotivos, isto que importa. Amor e educação este que muitos pais heterossexuais não dão, ao contrário, muitos abandonam.

    O Papa disse que casamento gay ameaça o futuro da humanidade. Eu repito, o que ameaça o futuro da humanidade são outras coisas. Como um asteroide, ou pior ainda, o arsenal nuclear que muitos países possuem.

    • Gustavo:

      Ou pior que qualquer asteroide: a hipocrisia e ignorância do ser humano.

    • Bovidino:

      Ou pior ainda, o próprio PAPA.

  • Chico Lobo:

    Não vejo problema nenhum em um casal homosexual adotar uma criança.

    O maior mal que ela pode sofrer nessa condição é a discriminação dos hipócritas, conservadores, homofóbicos e demais religiosos da sociedade. Estes sim são um mal imensurável.

    Tirando esse tipo de gente despresível do meio conservador, os homosexuais são pessoas absolutamente competentes para criar e educar crianças.

    • Igor:

      Não eh bem assim, ” os homosexuais são pessoas absolutamente competentes para criar e educar crianças” por acaso ser homossexual configura competência para criar crianças?Não acho, nem todos tem condições de criar crianças, visto que os homossexuais tem maiores taxas de problemas psicológicos e suicídio, alem de muitos se prostituirem nas ruas…

    • Carlos Ronaldo Corrêa:

      Mas geralmente quem não está preparado não será pai ou mãe.Em primeiro lugar porque não entrariam com pedido de adoção, em segundo lugar, não seria aceito.Por “acidente” seria mais raro ainda um gay ou lésbica terem um filho. Assim como existem muitos homens e mulheres heterossexuais se prostituindo.

    • Luiz:

      Os gays não têm problemas psicológicos (nem se suicidam) simplesmente por serem gays, e sim pela pressão psicológica que a sociedade coloca em suas cabeças, tentando convencê-los de que sua maneira de amar (e fazer sexo) é errada. Imagine-se vivendo num mundo em que todos te olhassem de nariz torto, e ninguém aprovasse quem você é, sem nem dar nenhum argumento válido…

    • epamimondas:

      E em quanto o preconceito da sociedade contribui para que os gays sofram “maiores taxas de problemas psicológicos, suícidio e sejam levados à prostituição”?

      É sinal de amadurecimento a tolerância. O fato de gays terem o estilo de vida deles, não interfere no meu.

    • Bovidino:

      Quem mais se prostitui nas ruas são héteros e não homos.

    • Auron:

      É porque os homo ainda são minoria. Mas eles também se prostituem tanto quanto os heteros (ou até mais).

    • Cesar:

      Tenho a impressão que os casais homossexuais e os gays sempre serão minoria. Não tenho nenhum estudo a apoiar esta impressão, é só que a homossexualidade na natureza, mesmo sendo normal, ainda é só de uma parte pequena da população.

    • Ana Portela:

      Na verdade se vemos problemas ou não na adoção por parte de homossexuais é algo extremamente subjetivo. Será mais interessante nos atermos a fatos.

  • Bruno Ávila:

    Eu ainda tenho dificuldade pra aceitar que pais homossexuais adotem filhos. Contudo, o artigo me fez enxergar lados bem positivos sobre esse tema, já que os casais homossexuais tem muito mais aceitação por crianças mais velhas ou com algum tipo de deficiência. Isso é ótimo, pois para as crianças que não tem pais, e ainda possui algum tipo de deficiência, saber que existem pessoas sérias, independente de sua sexualidade, dispostas a adota-las e acolhe-las em um lar com amor e carinho, é fundamental para que elas não se sintam excluídas perante o mundo.

Deixe seu comentário!